Regência e Segundo Reinado By Carlos
Regência (1831 – 1840) <ul><li>Após a abdicação de D.Pedro I, de acordo com a constituição brasileira de 1824, uma Assembl...
Regência provisória (abril a junho de 1831) <ul><li>Nicolau Vergueiro, José Campos e Francisco de Lima e Silva </li></ul><...
Regência Trina Permanente (1831 – 1834/5) <ul><li>Francisco L. e Silva, João Bráulio Muniz e José Carvalho. </li></ul><ul>...
<ul><li>Ato Adicional de 1834 – que continha alterações na carta constitucional de 1824 </li></ul><ul><li>Criação das Asse...
Regência Uma de Feijó (1835 – 1837) <ul><li>Eclosão de diversas revoltas (Cabanagem e Rev. Farroupilha) </li></ul><ul><li>...
Regência Uma de Araújo Lima (1837 – 1840) <ul><li>O novo governo apresentou uma tendência nitidamente conservadora </li></...
Revoltas <ul><li>Cabanagem (Pará, 1835 – 1840) </li></ul><ul><li>Início – divisão da elite com relação a nomeação do presi...
<ul><li>Balaiada (Maranhão, 1838 – 1841) </li></ul><ul><li>Dificuldades econômicas relacionada ao algodão. Miseráveis logo...
Revolução Farroupilha (1835 – 1845) <ul><li>Mais longa revolta da história brasileira </li></ul><ul><li>Reivindicavam maio...
II Reinado
<ul><li>Em 1840, os rumos da história do Brasil mudavam rapidamente, pois a classe dominante, temerosa pelos movimentos re...
Organização Político - Administrativa <ul><li>Inicialmente se organizou aos moldes do Primeiro Reinado, com a reintrodução...
Revoltas do Segundo Reinado <ul><li>Revolta Liberal SP/MG – 1842 </li></ul><ul><li>Demissão do ministério liberal e compos...
Economia do Segundo Reinado <ul><li>Vale do Paraíba: </li></ul><ul><li>Escravista; </li></ul><ul><li>Porto do RJ; </li></u...
Industrialização - condições <ul><li>1843 – Brasil rompe com os tratados de 1810; </li></ul><ul><li>1844 – Tarifas Alves B...
<ul><li>1° surto industrial </li></ul><ul><li>Era Mauá </li></ul><ul><li>Irineu Evangelista de Souza (Barão de Mauá); </li...
Imigração <ul><li>Sistema de Parceria </li></ul><ul><li>1847 – 1857 </li></ul><ul><li>Senador Vergueiro </li></ul><ul><li>...
Política externa do Segundo Reinado <ul><li>Questão Christie – 1861 </li></ul><ul><li>Naufrágio do Príncipe de Gales sendo...
Conflitos no Prata <ul><li>Livre navegação na Bacia Platina </li></ul><ul><li>Acesso a província do Mato Grosso </li></ul>...
Luta contra Oribe e Rosas (1850 – 1852) <ul><li>Após a independência do Uruguai formaram-se dois partidos – Colorados (Riv...
Luta contra Aguirre (1864 – 1865) <ul><li>Fronteiras do RS continuavam sendo invadidas </li></ul><ul><li>Brasil dá um ulti...
Guerra do Paraguai (1865 – 1870) <ul><li>Choque de Interesses entre Paraguai e Brasil sobre a região platina; </li></ul><u...
Conseqüências da Guerra <ul><li>Brasil: </li></ul><ul><li>Crise econômica (maior dependência com a Inglaterra); </li></ul>...
Transição da Monarquia para a República <ul><li>Questão Abolicionista: 1850 – fim do trafico, 1871 – Ventre Livre, 1885 – ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Partir Da Regencia

2.340 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.340
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
50
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A Partir Da Regencia

  1. 1. Regência e Segundo Reinado By Carlos
  2. 2. Regência (1831 – 1840) <ul><li>Após a abdicação de D.Pedro I, de acordo com a constituição brasileira de 1824, uma Assembléia Geral deveria se reunir para a eleição dos regentes. </li></ul><ul><li>No entanto os parlamentares estavam ausentes do Rio de Janeiro, em recesso. </li></ul><ul><li>Assim, os poucos deputados presentes decidiram escolher uma regência provisória, até que os demais parlamentares retornassem. </li></ul>
  3. 3. Regência provisória (abril a junho de 1831) <ul><li>Nicolau Vergueiro, José Campos e Francisco de Lima e Silva </li></ul><ul><li>Readmitiram o “ministério dos brasileiros” </li></ul><ul><li>Anistiaram prisioneiros políticos </li></ul><ul><li>Suspenderam temporariamente o exercício do poder moderador </li></ul><ul><li>Eleição da regência permanente </li></ul>
  4. 4. Regência Trina Permanente (1831 – 1834/5) <ul><li>Francisco L. e Silva, João Bráulio Muniz e José Carvalho. </li></ul><ul><li>Guarda Nacional – iniciativa do min. Na justiça Diogo Feijó – uma milícia armada dirigida por brasileiros abastados, que passou a ser o principal instrumento do governo para reprimir os levantes populares. </li></ul><ul><li>1832 – Código de Processo Criminal – dava plena autoridade judicial e policial, em instância municipal, aos juízes de paz, normalmente escolhidos e nomeados entre os grandes proprietários de cada região. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Ato Adicional de 1834 – que continha alterações na carta constitucional de 1824 </li></ul><ul><li>Criação das Assembléias Legislativas Provinciais. </li></ul><ul><li>Criação do município neutro, onde as autoridades seriam nomeadas pelo governo imperial. </li></ul><ul><li>Criação da Regência Uma </li></ul><ul><li>Suspensão do exercício do Poder Moderador e do Conselho de Estado </li></ul>
  6. 6. Regência Uma de Feijó (1835 – 1837) <ul><li>Eclosão de diversas revoltas (Cabanagem e Rev. Farroupilha) </li></ul><ul><li>Grande oposição, afinal de contas, Feijó passa a ser acusado de não conseguir manter a paz e a ordem no Brasil. </li></ul><ul><li>Alegando motivos de saúde Feijó renunciou ao cargo de regente. </li></ul>
  7. 7. Regência Uma de Araújo Lima (1837 – 1840) <ul><li>O novo governo apresentou uma tendência nitidamente conservadora </li></ul><ul><li>Criação do Colégio Pedro II, do Arquivo Público Nacional e do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro – “ministério das capacidades” </li></ul><ul><li>O governo conservador acusava as medidas liberais adotadas como sendo o grande estopim das revoltas no Brasil. Em maio de 1840 foi aprovada a Lei Interpretativa que devolveu ao poder central o direito de nomear funcionários públicos e o controle da polícia e justiça. Buscava-se a centralização para combater as revoltas. </li></ul><ul><li>Liberais reagem – Clube da Maioridade </li></ul>
  8. 8. Revoltas <ul><li>Cabanagem (Pará, 1835 – 1840) </li></ul><ul><li>Início – divisão da elite com relação a nomeação do presidente da província. </li></ul><ul><li>Participação das camadas populares </li></ul><ul><li>Fracasso ligado a traição de diversos integrantes, falta de consenso entre os líderes e falta de unanimidade nas propostas. </li></ul><ul><li>1840 – pacificação do Pará </li></ul><ul><li>Sabinada (Bahia, 1837 – 1838) </li></ul><ul><li>Início – recrutamento forçado para combater os farrapos. Dificuldades econômicas também. </li></ul><ul><li>Revoltosos proclamaram a República Bahiense enquanto durasse a regência. Defenderam a liberdade para os escravos que lutassem. </li></ul><ul><li>Tropas foram deslocadas e pacificaram a Bahia. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Balaiada (Maranhão, 1838 – 1841) </li></ul><ul><li>Dificuldades econômicas relacionada ao algodão. Miseráveis logo passaram a contestar os privilégios de latifundiários e comerciantes. </li></ul><ul><li>Os Balaios chegaram a ocupar a vila de Caxias e ameaçaram uma invasão em São Luís. </li></ul><ul><li>Divergências entre líderes e a falta de unidade levaram ao declínio do movimento </li></ul><ul><li>A pacificação completa veio em 1841 com a anistia, seguida do enforcamento de Bento Cosme (1842) e da reescravização. </li></ul>
  10. 10. Revolução Farroupilha (1835 – 1845) <ul><li>Mais longa revolta da história brasileira </li></ul><ul><li>Reivindicavam maior autonomia provincial e a redução dos altos impostos que incidiam sobre o charque sul-riograndense. </li></ul><ul><li>Teve início em 1835, quando Bento Gonçalves tomou a cidade de Porto Alegre. </li></ul><ul><li>1836 – proclamação da República do Piratini </li></ul><ul><li>1839 – proclamação da República Juliana </li></ul><ul><li>1842 – declínio do movimento especialmente diante da repressão feita por Luis Alves de Lima e Silva </li></ul><ul><li>1845 – Paz de Ponche Verde – anistia geral, incorporação de exército farrapo ao imperial, devolução de terras ocupadas, taxação de 25% sobre o charque platino e liberdade para os escravos que lutaram na revolução. </li></ul>
  11. 11. II Reinado
  12. 12. <ul><li>Em 1840, os rumos da história do Brasil mudavam rapidamente, pois a classe dominante, temerosa pelos movimentos revolucionários que estavam levando à fragmentação política no país, optaram pela maioridade de Pedro Alcântara, que deveria governar a nação imediatamente. </li></ul>
  13. 13. Organização Político - Administrativa <ul><li>Inicialmente se organizou aos moldes do Primeiro Reinado, com a reintrodução do poder moderados e do Conselho de Estado. </li></ul><ul><li>Primeiro ministério: Ministério dos Irmãos, composto por liberais, sendo substituído menos de dois meses depois de composto. </li></ul><ul><li>Não pacificou as províncias </li></ul><ul><li>Eleições do Cacete </li></ul><ul><li>Parlamentarismo “as avessas” </li></ul>
  14. 14. Revoltas do Segundo Reinado <ul><li>Revolta Liberal SP/MG – 1842 </li></ul><ul><li>Demissão do ministério liberal e composição de um conservador. </li></ul><ul><li>Revoltas acabaram sendo sufocadas por Luis Alves de Lima e Silva. </li></ul><ul><li>Revolução Praieira (PE – 1848) </li></ul><ul><li>Dificuldades econômicas e sociais; </li></ul><ul><li>Família Cavalcanti </li></ul><ul><li>Partido da Praia – pregava a autonomia provincial e estimulavam o povo a lutar contra portugueses e latifundiários locais. </li></ul><ul><li>Manifesto ao Mundo: voto livre, fim do senado vitalício, República, liberdade de imprensa e pensamento. </li></ul>
  15. 15. Economia do Segundo Reinado <ul><li>Vale do Paraíba: </li></ul><ul><li>Escravista; </li></ul><ul><li>Porto do RJ; </li></ul><ul><li>K interno; </li></ul><ul><li>1830 – 1860; </li></ul><ul><li>Não existe mentalidade empresarial. </li></ul><ul><li>Barões do café </li></ul><ul><li>W Paulista: </li></ul><ul><li>Transição escravo – imigrante; </li></ul><ul><li>Porto de Santos; </li></ul><ul><li>K externo; </li></ul><ul><li>1860 – 1889/1930; </li></ul><ul><li>Merc. Cons. – EUA; </li></ul><ul><li>Desenvolv. das ferrovias – ERA MAUÁ </li></ul><ul><li>Nova elite econômica: burguesia cafeeira paulista </li></ul>
  16. 16. Industrialização - condições <ul><li>1843 – Brasil rompe com os tratados de 1810; </li></ul><ul><li>1844 – Tarifas Alves Branco – Protecionismo; </li></ul><ul><li>1845 – Reação Inglesa: Bill Aberdeen – permitido o aprisionamento de Tumbeiros; </li></ul><ul><li>1847 – Sistema de Parceria – Primeira tentativa de trazer imigrantes (Sem Vergueiro) FALHOU!! – Dívidas!! </li></ul><ul><li>1857 – Revolta de Ibicaca – mostra a falha da PARCERIA! </li></ul><ul><li>1850 – Lei Eusébio de Queirós – Fim do Tráfico Negreiro. O K para a compra do escravo vai para a Industrialização e vinda de Imigrantes; </li></ul><ul><li>1850 – Lei de Terras – Posse das terras somente através da compra. Ocupação e Doação NÃO VALEM MAIS!!! </li></ul><ul><li>Presença do Capital Inglês: num primeiro momento era para pagar dívidas, mas depois se dirigiu ao setor financeiro, infraestrutura, montagem de ferrovias. </li></ul>
  17. 17. <ul><li>1° surto industrial </li></ul><ul><li>Era Mauá </li></ul><ul><li>Irineu Evangelista de Souza (Barão de Mauá); </li></ul><ul><li>K interno; </li></ul><ul><li>Reforma nos portos, Bancos privados, Companhias de Navegação, Ferrovias, Remodelação do centro do RJ; </li></ul><ul><li>Curto tempo de duração – Pressão inglesa </li></ul><ul><li>Tarifas Silva Ferráz – anula Alves Branco; </li></ul><ul><li>Fim da Era Mauá </li></ul><ul><li>2° surto industrial </li></ul><ul><li>A partir de 1870 até os primeiros anos da República; </li></ul><ul><li>Mineração, móveis, bens de consumo não duráveis e outros setores como chapéus, sabão, papéis, tecidos, ganham impulso. </li></ul><ul><li>Guerra do Paraguai (1865-1870) </li></ul><ul><li>Aumento do mercado interno – imigração </li></ul><ul><li>Fábricas situadas no eixo Rio - São Paulo. </li></ul><ul><li>Imigrantes disputados como mão de obra </li></ul>
  18. 18. Imigração <ul><li>Sistema de Parceria </li></ul><ul><li>1847 – 1857 </li></ul><ul><li>Senador Vergueiro </li></ul><ul><li>Despesas de viagem pagas pelo fazendeiro como um adiantamento, onde o imigrante iria pagar a dívida com trabalho. </li></ul><ul><li>Trabalhavam de sol a sol e nunca solucionavam a sua situação de dívidas. </li></ul><ul><li>Imigração subvencionada </li></ul><ul><li>A partir de 1870 </li></ul><ul><li>Despesas de viagem pagas pelo governo </li></ul><ul><li>Diminuía as despesas do trabalhador e incentivava a vinda de novos imigrantes. </li></ul>
  19. 19. Política externa do Segundo Reinado <ul><li>Questão Christie – 1861 </li></ul><ul><li>Naufrágio do Príncipe de Gales sendo sua carga roubada </li></ul><ul><li>Prisão de oficiais da marinha britânica </li></ul><ul><li>Navios de guerra da Inglaterra aprisionaram 5 navios brasileiros ancorados no Rio de Janeiro </li></ul><ul><li>O arbitro da questão: Leopoldo I, da Bélgica </li></ul><ul><li>Brasil rompe relações com a Inglaterra até o pedido de desculpas inglês. </li></ul>
  20. 20. Conflitos no Prata <ul><li>Livre navegação na Bacia Platina </li></ul><ul><li>Acesso a província do Mato Grosso </li></ul><ul><li>Invasão de fronteiras </li></ul><ul><li>Impedir a formação de um único país entre Argentina e Uruguai </li></ul>
  21. 21. Luta contra Oribe e Rosas (1850 – 1852) <ul><li>Após a independência do Uruguai formaram-se dois partidos – Colorados (Rivera) e Blancos (Oribe) </li></ul><ul><li>Blancos, aliados da argentina, pecuaristas, invadiam as fronteiras brasileiras </li></ul><ul><li>Colorados, aliados do Brasil e de duas províncias argentinas (entre-rios e corrientes) que não aceitavam o poder de Rosas. </li></ul><ul><li>Oribe foi derrotado pelas tropas de Caxias </li></ul><ul><li>A luta continua na Argentina até 1852 quando após a batalha de Monte Caseros o ditador Rosas foi derrotado. </li></ul>
  22. 22. Luta contra Aguirre (1864 – 1865) <ul><li>Fronteiras do RS continuavam sendo invadidas </li></ul><ul><li>Brasil dá um ultimato ao Uruguai </li></ul><ul><li>Blancos chefiados por Aguirre e Colorados por Venâncio Flores </li></ul><ul><li>Blancos foram mais uma vez derrotados </li></ul><ul><li>Mas agora Aguirre tinha um forte aliado, Solano Lopes. </li></ul>
  23. 23. Guerra do Paraguai (1865 – 1870) <ul><li>Choque de Interesses entre Paraguai e Brasil sobre a região platina; </li></ul><ul><li>Política expansionista de Solano Lopes; </li></ul><ul><li>Paraguai era o único país a não depender da Inglaterra; </li></ul><ul><li>Tríplice Aliança vence com auxílio (militar e econômico da Inglaterra). </li></ul>
  24. 24. Conseqüências da Guerra <ul><li>Brasil: </li></ul><ul><li>Crise econômica (maior dependência com a Inglaterra); </li></ul><ul><li>Auge do ideal republicano no meio militar; </li></ul><ul><li>Segundo surto Industrial – abastecer a guerra (também com K externo Inglês). </li></ul><ul><li>Paraguai: </li></ul><ul><li>Dizimação da sua população; </li></ul><ul><li>Destruição da sua economia; </li></ul><ul><li>Perda de seus territórios; </li></ul><ul><li>O sonho acabou!!! </li></ul>
  25. 25. Transição da Monarquia para a República <ul><li>Questão Abolicionista: 1850 – fim do trafico, 1871 – Ventre Livre, 1885 – Sexagenários, 1888 – Lei Áurea. </li></ul><ul><li>Questão Republicana 1870 – Manifest. Rep. </li></ul><ul><li>Questão Militar Positivismo </li></ul><ul><li>Questão Religiosa Encíclica Syllabus </li></ul>

×