Comentário ao trabalho realizado pelo colega João Pedro
                          Costa


      A decisão de escolher o tr...
A principal Ameaça que o meu colega João Costa salienta no campo
COMPETÊNCIAS   DO PROFESSOR BIBLIOTECÁRIO   é a visão que...
responsabilidades enquanto professor bibliotecário da BE que está a gerir e a
dinamizar. Assim, no caso do professor coord...
aos colegas, através dos respectivos Coordenadores de Departamento, que
pretendessem, voluntariamente, vir a desenvolver u...
No que respeita ao campo A BE E OS NOVOS AMBIENTES DIGITAIS , saliento duas das
Fraquezas apontadas pelo meu colega João C...
inaceitável se afigurar como um adjectivo demasiado forte, poderei optar por outros,
tais como: incoerente, improdutivo, i...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa

1.192 visualizações

Publicada em

Comentário ao trabalho do colega João Pedro Costa - 1.ª sessão da Oficina de Formação sobre o MAABE

Publicada em: Turismo, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.192
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ComentáRio Ao Trabalho Realizado Pelo Colega JoãO Pedro Costa

  1. 1. Comentário ao trabalho realizado pelo colega João Pedro Costa A decisão de escolher o trabalho realizado pelo meu colega João Pedro Costa é justificada pelo facto de ser o meu parceiro de Bibliotecas Escolares no Agrupamento Vertical de Escolas D. Dinis, em Quarteira. Aproveito esta oportunidade para, publicamente, louvar o trabalho que tem realizado desde o início do ano lectivo, bem como o bom grado com que acolheu o desafio de se responsabilizar, maioritariamente, por uma BE de uma escola de Pré- Escolar e de 1.º Ciclo. Após estas palavras iniciais que não quis deixar de lhe comunicar, farei, seguidamente, uma abordagem a alguns tópicos apontados pelo João ao longo do seu trabalho que lhe mereceram destaque e que revelam a sua visão de Biblioteca Escolar, a forma como pretende gerir e dinamizar o espaço e o modo como deseja servir a comunidade escolar (e não só) através do seu trabalho. Na realidade, o João e eu prezamos valores semelhantes e defendemos muitas ideias em comum, o que facilita o nosso trabalho em equipa e nos c onduzirá, assim o desejamos, a bom porto. No que se refere ao campo COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR BIBLIOTECÁRIO, o João aponta como Fraqueza o facto de ser um professor novo no Agrupamento. Concordo, realmente, que o conhecimento da realidade em que a BE se insere é um aspecto muito importante a ter em atenção na definição do seu Plano de Acção, do seu Plano Anual de Actividades, no fundo, na sua gestão e dinamização. É, pois, urgente que os professores bibliotecários, ao assumirem a coordenação da BE de uma escola que não conhecem, encetem um processo de reconhecimento do terreno, dos procedimentos seguidos, das pessoas que lá trabalham, das necessidades da Escola/Agrupamento e da própria BE, para que mais rapidamente se apropriem das características do novo meio, pois é nele que irão trabalhar e é esse mesmo meio que irão ajudar a (re)construir.
  2. 2. A principal Ameaça que o meu colega João Costa salienta no campo COMPETÊNCIAS DO PROFESSOR BIBLIOTECÁRIO é a visão que designa por “antiquada” de professor bibliotecário. De facto, o lugar de professor bibliotecário é um lugar novo, ainda desconhecido para muitos. As competências do professor bibliotecário estão expressas na legislação, nomeadamente, na portaria que 756/2009, de 14 de Julho, que rege esta nova função, e é importante que a comunidade escolar as conheça, pois deste modo saberá o que poderá e o que não poderá exigir do professor bibliotecário. A “visão antiquada” que muitos elementos da comunidade educativa terão do professor bibliotecário ir-se-á decerto esbatendo, à medida que, por um lado, conheçam as suas competências e, por outro, que conheçam, no dia a dia, a evolução do seu trabalho na escola e o percurso que irá imprimir à BE. Compreendo o João e leio nas entrelinhas da sua designação de “visão antiquada” uma realidade que a muitos certamente toca e que se prende com o facto de ainda persistir a ideia de que o professor que está na biblioteca a tempo inteiro tem, no entender de algumas pessoas, curiosamente até elementos exteriores ao contexto escolar, muito tempo, está mais descansado (tal como acontece em relação ao funcionário afecto a este serviço) não tem muito trabalho, que está ali ao longo do dia a receber os meninos e a fazer requisições e devoluções de livros… Esta é também, a meu ver, uma ameaça real, recente, mas que a seu tempo, assim o esperamos, desaparecerá, na medida do bom senso e do discernimento dos restantes professores. Finalmente, no que diz respeito a desafios e a acções a implementar, o João foca dois pontos que também considero essenciais: a articulação curricular, a que me referirei adiante, e a necessidade de uma implementação de uma organização metodológica do trabalho a realizar. A gestão do tempo é uma das preocupações que me afligem e que tenho tido oportunidade de partilhar com o João em várias ocasiões. E, neste ponto, saliento o papel do coordenador da equipa das BEs do seu Agrupamento. Esta figura, de acordo com a portaria 756/2009, de 14 de Julho, deve ter assento no Conselho Pedagógico, nos termos do Regulamento Interno do Agrupamento. Esta responsabilidade acrescida em nada vem diminuir ou minimizar as restantes
  3. 3. responsabilidades enquanto professor bibliotecário da BE que está a gerir e a dinamizar. Assim, no caso do professor coordenador da equipa das BEs do Agrupamento, são acrescidas responsabilidades que lhe retiram tempo, que lhe exigem dedicação, esforço, empenho e trabalho, mas… continua a ter sobre os seus ombros as mesmas responsabilidades que o colega não coordenador tem. Enquanto membro do Conselho Pedagógico, o professor coordenador da equipa das BEs terá de se integrar em equipas com tarefas específicas, normalmente, tarefas de grande responsabilidade e morosidade, como é o caso, por exemplo, da equipa da Auto-Avaliação do Agrupamento/Avaliação Interna, da qual, pessoalmente, faço parte. Penso que seria absolutamente necessário proceder-se, por parte da Rede de Bibliotecas Escolares e dos Coordenadores Interconcelhios das Bibliotecas Escolares a uma reflexão sobre este aspecto e, eventualmente, à definição e transmissão de uma orientação às direcções das escolas e agrupamentos neste sentido. A gestão do tempo e de responsabilidades e a organização metodológica do trabalho são, na minha opinião, por um lado, um desafio, tal como o João refere, mas também se enquadram no domínio da ameaça, sobretudo no caso dos coordenadores das equipas das BEs dos Agrupamentos. No campo ORGANIZAÇÃO E GESTÃO DA BE, saliento um ponto que o meu colega João propõe no âmbito das Fraquezas: inexistência de professores colaboradores. De facto, no Agrupamento de Escolas D. Dinis, esta é uma realidade. A distribuição de serviço docente não contemplou a afectação de professores ao serviço das BEs. Na equipa das BEs existe apenas uma colega com cinco tempos exclusivos para a BE e três colegas com tempos do Plano Tecnológico da Educação (PTE), que prestam serviço na BE, mas que têm igualmente responsabilidades noutros sectores, isto é, podem esgotar semanalmente o seu tempo de trabalho noutros sectores da escola, comprometendo o apoio à BE. Esta situação ainda não se verificou, por enquanto, mas é possível que venha a verificar-se. Dada a necessidade de colaboradores, foi então elaborado por mim, enquanto coordenadora da equipa das BEs do Agrupamento, um documento a solicitar colaboradores, ou seja, dirigi, em sede de Conselho Pedagógico, um apelo
  4. 4. aos colegas, através dos respectivos Coordenadores de Departamento, que pretendessem, voluntariamente, vir a desenvolver um pequeno projecto de animação/dinamização da BE, trocando uma ou mais tarefas de serviço não lectivo já atribuído por serviço não lectivo de apoio às BEs (D. Dinis e D. Francisca de Aragão). Resultado deste apelo: até ao momento, apenas uma colega, com extrema dedicação e elevada capacidade de trabalho, altamente louváveis, decidiu trocar uma aula de substituição por um projecto na BE: a hora do conto semanal, que contemplará todas as turmas dos 2.º e 3.º Ciclos. E termino a reflexão sobre este tópico com uma questão: será legítimo exigir a uma BE que só tem um colaborador, um elemento efectivo de equipa (aparte os dois professores bibliotecários e as duas assistentes operacionais) e a colaboração de colegas com tempos de PTE, o mesmo nível de qualidade de gestão e de dinamização que a uma BE que tem vários elementos de equipa, com vários tempos semanais de trabalho na BE, e ainda uma dezena ou mais de colaboradores? Relativamente ao campo A BE COMO ESPAÇO DE CONHECIMENTO E DE APRENDIZAGEM. TRABALHO COLABORATIVO E ARTICULADO COM OS DEPARTAMENTOS DE DOCENTES, pretendo apenas, sem alongar demasiado este tópico, dar ênfase às três oportunidades apontadas pelo meu colega: apetência da comunidade escolar por ter uma verdadeira biblioteca; lançamento de projectos e de parcerias com os vários departamentos curriculares da escola e a implementação de uma cultura de biblioteca. Estas oportunidades, que podem ser, a meu ver, igualmente encaradas como desafios terão de ser, na verdade, os motores do trabalho desenvolvido nas BEs, pois esse trabalho beneficiará as aprendizagens dos alunos, ainda que, na minha opinião, será muito difícil aferir benefícios mensuráveis do trabalho realizado nas BEs na evolução do sucesso escolar dos alunos, como é pretendido. No campo FORMAÇÃO PARA A LEITURA E LITERACIAS, considero que a referência do meu colega João Costa ao Plano Nacional de Leitura enquanto oportunidade é, de facto, um aspecto incontornável, na medida em que as orientações do PNL são essenciais para a implementação de uma prática regular de motivação para a leitura e também para a escrita, contribuindo para o desenvolvimento das literacias.
  5. 5. No que respeita ao campo A BE E OS NOVOS AMBIENTES DIGITAIS , saliento duas das Fraquezas apontadas pelo meu colega João Costa: o reduzido nível de literacia digital, no que se refere, sobretudo, aos utilizadores mais jovens, e a falta de desactualização da página de Internet das BEs. O colega João Costa não remete estas Fraquezas para os correspondentes Desafios e acções a implementar, mas sei que assim o pretende assumir, pois a visibilidade das BEs tem de passar pela sua divulgação através da página de Internet e de blogue(s). Por outro lado, não só a divulgação do trabalho realizado nas BEs, mas todo o conjunto de informações no âmbito da formação de utilizadores poderá/deverá recorrer a esta ferramenta essencial. Ainda no mesmo campo, dou relevo, uma vez mais, a uma Ameaça apontada pelo meu colega: a gestão horária para manter actualizados os recursos. Entendo que o que o meu colega pretende transmitir se prende com a dificuldade de reservar o tempo necessário para, por um lado, produzir conteúdos para a página de Internet e para os blogues, e, por outro, para garantir a manutenção do funcionamento dos computadores, a formação aos utilizadores, o apoio na elaboração de trabalhos, a pesquisa de sites e de conteúdos de interesse para os utilizadores, entre outras tarefas que estão relacionadas com os ambientes digitais, de modo a torná-los numa ferramenta útil e actual para todos. Quanto ao campo GESTÃO DE EVIDÊNCIAS/AVALIAÇÃO, centrarei o meu comentário em duas das três Ameaças que o meu colega salienta: modelo demasiado alargado e centralização do processo no professor bibliotecário. Acresceria a estas ameaças, uma vez mais, a questão da gestão do tempo. É exigido ao professor bibliotecário que invista na recolha de evidências para fundamentar a auto-avaliação da BE por que é responsável, por isso, terá, naturalmente, de investir tempo na organização dessas informações, muito, muito tempo! Concordo que há evidências a recolher, que a auto-avaliação é uma necessidade, mas penso que será inaceitável se o professor bibliotecário for obrigado a fazer desses procedimentos as suas prioridades de trabalho, em detrimento da dinamização, da animação da BE, do contacto com os utilizadores, da participação activa no dia a dia da BE, da fruição do seu trabalho na BE. Se
  6. 6. inaceitável se afigurar como um adjectivo demasiado forte, poderei optar por outros, tais como: incoerente, improdutivo, insustentável, mas a ideia mantém-se e a ameaça poderá tornar-se muito real, efectivamente… e infelizmente. Grata pela oportunidade de reflexão ao colega João e pela sua ajuda e disponibilidade. Grata pela oportunidade de expressão e opinião/comentário proporcionada por esta tarefa. A formanda: Sílvia Maria Passos Baltazar São Brás de Alportel, 8 de Novembro de 2009

×