Clinica Do Discurso Santa Marcelina[1]

530 visualizações

Publicada em

Publicada em: Negócios, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
530
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
34
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Clinica Do Discurso Santa Marcelina[1]

  1. 1. Clínica do discurso: a arte da escuta e suas implicações nas relações entre pessoas
  2. 2. <ul><li>Profa. Dra. Sandra Maia Farias Vasconcelos </li></ul><ul><li>Dep. Lingüística da UFC </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul><ul><li>Pesquisadora CNPq </li></ul><ul><li>Curso de Mestrado Acadêmico em Saúde Pública - UECE </li></ul>
  3. 3. CRISE
  4. 4. Clínica do Discurso <ul><li>A pessoa que escutamos diz o que quer, escolhe suas palavras. </li></ul><ul><li>O falante é convidado a contar fatos de sua vida, sem que o ouvinte lhe demande mais do que o que ele quer dar. </li></ul><ul><li>O aspecto importante é a construção de um saber a partir das relações feitas entre o fato e o contar. </li></ul>
  5. 5. Quem faz parte do processo? <ul><li>Todos nós que lidamos com pessoas com problemas: </li></ul><ul><ul><li>Doença </li></ul></ul><ul><ul><li>Velhice </li></ul></ul><ul><ul><li>Desemprego </li></ul></ul><ul><ul><li>Perdas </li></ul></ul><ul><ul><li>Divorcio </li></ul></ul><ul><ul><li>Depressão </li></ul></ul><ul><ul><li>... </li></ul></ul>BUM
  6. 6. Marcas do Discurso: <ul><li>Tendencioso à vitimação: aquele que sofre é o mais sofrido de todos os sofridos; </li></ul><ul><li>Impregnado de representações simbólicas: dor, medo, ambição, raiva, complexos; </li></ul><ul><li>Sistema em que o tempo não dá espaço à escuta: Consultórios, Fóruns, Balcões, Telefone etc.; </li></ul><ul><li>Resultado  estresse, solidão, cumplicidade muda nas relações, depressão, perdas diversas </li></ul>
  7. 7. Por que discurso? <ul><li>Porque a fala é uma ferramenta possível à maioria dos indivíduos: </li></ul><ul><ul><li>Por um lado, a fala permite às pessoas a expressão corporal que a doença parece proibir. </li></ul></ul><ul><ul><li>Por outro lado, quando nós as escutamos, mostramos-lhes sua importância. </li></ul></ul>
  8. 8. Por que falar? <ul><li>Elementos novos ganham espaço no discurso do sujeito e integram-se ao vivido. </li></ul><ul><li>O valor do discurso repousa sobre a possibilidade de um auto-conhecimento. </li></ul><ul><li>Ressonância de sua fala em si mesmo: </li></ul><ul><ul><li>eco-nomia – co-an á lise interativa </li></ul></ul><ul><li>Quebrar o silêncio significa implicar-se na situação. </li></ul>
  9. 9. Ciclo-discurso <ul><li>Contar a própria história é fazer emergir um EU que cria e ao mesmo tempo observa, dialoga e intervém neste processo de criação. </li></ul><ul><li>Durante o ato de fala o sujeito porta sobre si mesmo reflexões, desdobramentos de sua história e a atribuição do papel de elementos de sua vida. </li></ul><ul><li>Quebra do hetero-estigma e do auto-estigma. </li></ul>
  10. 10. « Pegar » a palavra Corpo Corpo Meio Meio Cultura anterior Câncer Antes Depois Cancer Historia anterior          
  11. 11. Identidade ou Identificações? <ul><li>Por estes desdobramentos do discurso, o sujeito chega à reflexão. </li></ul><ul><li>A reflexão é a busca de referências momentâneas de identificação: </li></ul><ul><ul><li>a fala em EU recupera identidades e as acumula; </li></ul></ul><ul><ul><li>a consciência de que este EU é a primeira pessoa é a recuperação da identidade. </li></ul></ul>
  12. 12. Processo narrativo: como escutar? <ul><li>O sujeito que conta é um sujeito de memória ou aquele sobre quem o ouvinte vai investir para iniciar o processo da memória. </li></ul><ul><li>Para o ouvinte, é uma espécie de ato de escrever a quatro mãos consigo mesmo. </li></ul><ul><li>A memória do outro passa pela nossa, incita a nossa, e nós percebemos neste processo uma infinidade de eventos de nossa vida que nós escondemos sem saber. Ajuda-nos a entender o esquecimento do outro. </li></ul>
  13. 13. Clínica do Discurso <ul><li>Aqueles que vêem a sua própria finitude diante de seus olhos no cotidiano nos ensinam quanto tempo temos perdido com banalidades, com lutas fugazes e com buscas inúteis. </li></ul><ul><li>Muito obrigada! </li></ul>
  14. 14. Devia ter amado mais. Ter chorado mais. Ter visto o sol nascer. Devia ter me arriscado mais, e até errado mais. Ter feito o que eu queria fazer.
  15. 15. Queria ter aceitado as pessoas como elas são. Cada um sabe a alegria, e a dor que traz no coração.
  16. 16. O acaso vai me proteger... Enquanto eu andar distraido... O acaso vai me proteger... Enquanto eu andar...
  17. 17. Devia ter complicado menos, e trabalhado menos Ter visto o sol se pôr...
  18. 18. Devia ter me importado menos com problemas pequenos... Ter morrido de amor !
  19. 19. Queria ter aceitado a vida como ela é, A cada um cabe alegrias, e a tristeza que vier.
  20. 20. Não deixe para o epitáfio...Escreva hoje na estória de sua VIDA que você viveu intensamente cada instante do hoje como se não houvesse um amanhã
  21. 21. Repare mais no Sol, na Lua, nas estrelas, nos pássaros, nas flores, na beleza da NATUREZA, enfim...
  22. 22. Arrisque mais, chore mais, ria mais, brinque mais, namore mais...

×