Fernando Pessoa

3.660 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual, Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.660
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
83
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
95
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fernando Pessoa

  1. 1. Fernando Pessoa Vida e Obra de…
  2. 2. À muitos anos atrás … Em Junho de 1888, nasceu Fernando António Nogueira Pessoa, filho de Joaquim Pessoa e Maria Madalena Pinheiro Nogueira. Desde cedo, Maria despertou em Fernando o gosto pela leitura e escrita, porque esta gozava de uma óptima formação e falava francês, inglês e alemão. Largo de São Carlos
  3. 3. Fernando ao longo da sua vida ultrapassa vários obstáculos, sendo os mais complicados a morte do seu pai, dos seus irmãos e da sua avó com quem viveu. Durante a sua vida só lhe foi conhecido um relacionamento amoroso com Ophélia Queirós, logo teve sempre um comportamento sóbrio e merecedor de respeito. Ophélia Queirós
  4. 4. Com apenas 6 anos depara-se com a morte do seu irmão, assumindo uma atitude mais reservada e solitária. Esta sensação de vazio leva-o a criar personagens que o acompanham ao longo da vida surgindo assim, aos 24 anos os seus heterónimos: Álvaro de Campos ( cosmopolita ), Alberto Caeiro (baseia-se no saber empírico) e Ricardo Reis (realista).
  5. 5. Obras de Fernando Pessoa e seus heterónimos Quem me dera que eu fosse o pó da estrada Sou um guardador de rebanhos Alberto Caeiro O que há em mim é sobretudo cansaço Não, não é cansaço... Álvaro de Campos Não sei quantas almas tenho Olhando o mar, sonho sem ter de quê Fernando Pessoa
  6. 6. Ai que prazer Não cumprir um dever Ter um livro para ler E não o fazer! Ler é maçada, Estudar é nada. O sol doira Sem literatura. . . Liberdade
  7. 7. . . . O rio corre, bem ou mal, Sem edição original. E a brisa, essa, De tão naturalmente matinal, Como tem tempo não tem pressa. . .
  8. 8. . . .Livros são papéis pintados com tinta. Estudar é uma coisa em que está indistinta A distinção entre nada e coisa nenhuma . . .
  9. 9. . . .Quanto é melhor, quando há bruma, Esperar por D. Sebastião, Quer venha ou não!. . .
  10. 10. . . .Grande é a poesia, a bondade e as danças... Mas o melhor do mundo são as crianças, Flores, música, o luar, e o sol, que peca Só quando, em vez de criar, seca . . .
  11. 11. . . .O mais do que isto É Jesus Cristo, Que não sabia nada de finanças Nem consta que tivesse biblioteca.
  12. 12. Faleceu a 30 de Novembro de 1935 no hospital de S. Luís dos Franceses. Sepultado no cemitério dos Prazeres, e mais tarde transladado para o Claustro do Mosteiro dos Jerónimos em 1985.
  13. 13. “ Senta-te ao sol. Abdica. E sê rei de ti próprio.” Ricardo Reis
  14. 14. Realizado por: Marta Sousa nº 14 Tânia Costa nº 15 T. 12.12

×