Consumo De Energia Nacional E Mundial E Os Perigos Do DéFicie De Energia

23.133 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
23.133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
75
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
292
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Consumo De Energia Nacional E Mundial E Os Perigos Do DéFicie De Energia

  1. 1. ENGENHARIA AMBIENTAL Engenharia de Recursos Hídricos Consumo de Energia Nacional e Mundial e os Perigos do Déficit de Energia Breno Guerra Chaves Guilherme Guerra Guilherme Guimarães Luiz Fernando Renato Bottrel Carvalho Belo Horizonte - 2007
  2. 2. DADOS Depois da revolução industrial, no final do século XVIII, e especialmente durante o século XX, houve uma crescente demanda por energia, consigo os impactos da atividade humana sobre o meio ambiente tornou-se muito significativo; Hoje, 75% da energia gerada em todo o mundo são consumidas por apenas 25% da população mundial, principalmente nos países industrializados; A população dos países em desenvolvimento deverá dobrar até que se consiga a estabilização, por volta do ano 2110.
  3. 3. CONSUMO DE ENERGIA ELÉTRICA NO MUNDO  O consumo líquido de energia elétrica no mundo vai passar de 14,781 trilhões de kWh em 2003 para 30,116 trilhões kWh em 2030;  A expansão será liderada por China e Estados Unidos com 4,3 trilhões e 1,963 trilhões de kWh a mais no período, respectivamente;  Os brasileiros são o quinto maior grupo de consumidores de energia elétrica do mundo, de acordo com dados coletados no ano 2000, onde são consumidos 1.878 kilowatt/hora por pessoa;  Em primeiro lugar estão os Estados Unidos, com 12.331 kilowatt/hora, seguidos de Alemanha, Coréia do Sul e Ucrânia.
  4. 4. SISTEMA DE ENERGIA HÍDRICO MUNDIAL  A energia hídrica significa 20% de toda energia produzida no mundo;  São 45.000 barragens construídas no mundo, onde atingiram diretamente 80 milhões de pessoas;  2 bilhões de pessoas não tem acesso a eletricidade;  2/3 das barragens estão em países pobres, destruindo florestas, reduzindo a biodiversidade, diminuindo a qualidade da água e aumentando a emissão de gases que agravam o efeito estufa.
  5. 5. APROVEITAMENTO DO POTENCIAL HIDRELÉTRICO NO MUNDO % do potencial tecnicamente aproveitável Congo 1 Indonésia 4 Peru 6 Rússia 11 China 16 Colômbia 18 Índia 21 BRASIL 28 Canadá 37 Itália 45 Suécia 55 Estados Unidos 60 Noruega 61 Japão 64 Alemanha 83 França 100 0 20 40 60 80 100 Observações: 1. Baseado em dados do World Energy Council, considerando usinas em operação e em construção, ao final de 1999. 2. Para o Brasil, dados do Atlas de Energia Elétrica do Brasil, da ANEEL, referentes a janeiro de 2002. 3. Os países selecionados detém 2/3 do potencial hidráulico desenvolvido do mundo. 4. O potencial tecnicamente aproveitável corresponde a cerca de 35% do potencial teórico média mundial.
  6. 6. ORGANISMOS INSTITUCIONAIS DO SETOR ELÉTRICO BRASILEIRO Conselho Nacional de Política Energética – CNPE • Assessoramento à Presidência em Políticas Energéticas Ministério de Minas e Energia • Formulação de Políticas Energéticas Agência Nacional de Energia Elétrica - ANEEL • Regulação e Fiscalização Operador Nacional do Sistema - ONS • Operação do Sistema Interligado Câmara de Comercialização de Energia Elétrica - CCEE • Comercialização e Liquidação Empresa de Pesquisa Energética - EPE • Estudos de Planejamento Comitê de Monitoramento do Setor Elétrico - CMSE • Monitoramento do Sistema Eletroenergético
  7. 7. SISTEMA ENERGÉTICO NACIONAL Belém Cap. Instalada = 88 533 MW São Luís Fortaleza • Hidroelétrica = 68 896 MW – 77.8 % Tocantins Natal Teresina João Pess • Térmica = 17 630 MW – 19.9 % Parnaíba Recife • Nuclear = 2 007 MW – 2.3 % Maceió São Francisco Aracajú Salvador Cuiabá Brasília Goiânia Paranaíba Belo Horizonte Campo Grande Grande Vitória  Geração 85% Setor público Paraná/Tietê Paraíba do Sul Paranapanema Rio de Janeiro São Paulo 15% Setor privado Itaipu Iguaçu Curitiba  Transmissão 26 conces. (15 privadas) Uruguai Argentina Florianópolis  Distribuição 64 concessões Jacui Porto Alegre 80% setor privado Fonte: MME/ANEEL (Maio/2005)
  8. 8. POTENCIAL HIDRÁULICO BRASILEIRO  No Brasil 78% da energia produzida vem da fonte hídrica, já tendo expulsado mais de um milhão de pessoas de suas terras  O Brasil tem mais de 2.000 barragens construídas em todo o país, alagando uma área de 34 mil km2  Praticamente 2/3 (63,6%) deste potencial encontra-se localizado na Região Amazônica, principalmente nos rios Tocantins, Araguaia, Xingú e Tapajós, onde a geração é de alto Impacto Ambiental e de elevado custo de transmissão  Outros 20% do potencial encontra-se no sul, nas bacias dos rios Paraná e Uruguai, onde atingiria áreas de grande densidade populacional e inutilizaria terras férteis.  O Plano 2015 do governo federal prevê a construção de mais 494 Usinas Hidrelétricas, tendo como estimativa a expulsão de 800 mil pessoas de suas terras.
  9. 9. HIDROELETRICIDADE: VOCAÇÃO NACIONAL POTENCIAL HIDRÁULICO Norte Nordeste Potencial: 111 396 MW Potencial : 26 268 MW Explorado: 8.9% Explorado: 40.4% Brasil Potencial: 258 410 MW SE/CO Explorado: 28.2% Potencial: 78 716 MW Explorado: 41.0% Legenda Sul Centros de carga Potencial: 42 030 MW Bacias Explorado: 47.8%
  10. 10. SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL Interconexões com cerca de 84 mil km de linhas de alta tensão Longas linhas de transmissão (desperdício)  Expansão até 2012 de cerca de 40 mil km de circuitos de alta tensão Existing Future River Basin * Eletrobrás, PDE 2003-2012
  11. 11. CURIOSIDADE – LUCRO Através do exemplo de uma barragem vamos ver quanto ganha de lucro as empresas donas de barragens: Barragem: UHE ITÁ Local: Rio Uruguai- RS/SC Dono da Barragem: Consórcio TRACTEBEL/GERASUL, CSN, Cia. Cimento Itambé e Grupo Odebrecht Concessão: 30 anos Custo da Obra: R$ 2 bilhões Capacidade Instalada:1.450 MW Produção anual de energia: 7.250.000 MWh Custo de Geração: RS$ 35/MWh Preço Médio de Venda da energia*: R$ 100,00/MWh Faturamento Líquido Anual: R$ 470 milhões Tempo para pagar a Obra: um pouco mais de 4 anos Lucro Garantido durante 25 anos: R$ 11 bilhões e 750 milhões * Com a crise o preço já chegou a R$ 660,00/MWh. Em média no mercado “spot”, o preço é R$480,00 o MWh
  12. 12. PERFIL DO CONSUMO DE ENERGIA NO BRASIL Fonte: Procel 2001
  13. 13. DADOS IMPORTANTES 20,3 milhões de pessoas no Brasil não tem acesso à energia elétrica (5 milhões de domicílios sem eletricidade) No meio rural somente 32,8%das propriedades tem energia elétrica. Na região Norte somente 2% das propriedades. No Nordeste somente 13 % das propriedades. 6% da população mundial que vive nos países ricos consome 1/3 de toda a energia produzida no mundo. As tarifas residenciais de energia elétrica no Brasil estão entre as mais elevadas do mundo e custam cerca de 65% acima dos preços pagos pelos consumidores residenciais norte-americanos.
  14. 14. DESPERDÍCIO  Cerca de 12% da energia elétrica que o país produz são desperdiçados, segundo dados da Eletrobrás;  Esse número equivale a 7.500 megawatts (MW), ou o consumo de 40% das residências brasileiras;  O combate ao desperdício passa a ser a fonte de produção mais barata e mais limpa que existe, uma vez que gera economia e evita maiores impactos ao meio ambiente;
  15. 15. FONTES DE ENERGIA ALTERNATIVA Energia Solar Biomassa Energia Eólica Energia Nuclear Energia das Mares Energia Geotérmica
  16. 16. PERIGOS DO DÉFICIT DE ENERGIA  Prejudica o crescimento potencial do país  Diminuição dos investimentos no país  Aumento do custo da energia  Redução na oferta de emprego  O sistema elétrico é planejado de modo que, em cada ano, o risco de ocorrer déficit de energia seja de, no máximo, 5%.
  17. 17. MEDIDAS ADOTADAS PELO BRASIL  Obras já iniciadas de UHE : Estreito (1.087 MW) e Foz do Chapecó ( 855 MW)  Interligação elétrica do Acre e Rondônia com o Sistema Interligado Nacional em implantação para conclusão em 2008  Retomada dos estudos de inventários (32.950 MW até 2010)  Estudos de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (25.768 MW até 2010)
  18. 18. ESTUDOS DE INVENTÁRIO HIDRELÉTRICO DE BACIAS HIDROGRÁFICAS 7 Bacia Conclusão Potência a Hidrográfica dos inventariar 8 Estudos (MW) 3 10 Tapajós 31/07/2007 14.000 1 Aripuanã 30/06/2008 3.000 6 9 Trombetas 30/06/2008 3.000 2 Juruena 30/06/2008 5.000 5 4 Araguaia 31/09/2008 3.100 Sucunduri 31/12/2008 650 Branco 31/12/2008 2.000 Jari 31/03/2009 1.100 Itacaiunas 30/06/2010 450 32.950 MW de Usinas Jatapu 30/06/2010 650 Inventariadas até 2010 Total 32.950
  19. 19. ESTUDOS DE VIABILIDADE TÉCNICA, ECONÔMICA E EIA-RIMA DE APROVEITAMENTOS HIDRELÉTRICOS Conclusão Cachoeira Porteira Potência Aproveitamento dos Hidrelétrico (MW) Estudos Belo Monte Belo Monte 31/12/2007 5.681 Prainha Marabá Marabá 31/12/2008 2.160 São Luiz Tabajara Tabajara 31/12/2008 350 São João da Barra Teles Pires Teles Pires 30/06/2009 3.422 Apiacás Apiacás 30/06/2009 275 São Luiz 30/06/2009 9.080 São João da 31/07/2010 1.800 Barra Prainha 31/07/2010 1.600 C. Porteira 31/07/2010 1.400 Total 25.768 Mais 25.768 MW de Usinas com estudos de viabilidade econômica e EIA-RIMA até 2010
  20. 20. REGIÃO SUDESTE GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA 2007 Investimentos (R$ milhões) 2.364 Potência (MW) 118 UHE Baguari PROINFA:  15 PCH’s UHE Traíra II  2 Eólicas UHE Retiro Baixo  3 Biomassas UTE Colorado BC UTE São José BC UHE Baú I UHE Cambuci UTE Interlagos BC UHE São Miguel UHE Barra do Pomba UTE Santa Isabel BC UTE Costa Pinto BC UTE Rafard BC UHE Barra do Braúna UHE Simplicio Operação em 2007 5 Obra em andamento 10 UTE São João biogás Início de obra em 2007 18 Leilão em 2007 2 UTE Cubatão GN Planejamento/Projeto 2
  21. 21. INVESTIMENTOS NO SETOR ELÉTRICO Expansão anual estimada : 3 800 MW Investimentos anuais em G&T estimados: US$ 4.2 bilhões Geração Hidro Transmissão 2 660 MW US$ 1 bilhão US$ 2.5 bilhões Geração Termo Biomassa Mercado PI B 1 140 MW Cenário Elasticidade Gás Natural (% a.a.) (% a.a.) Mercado de Carvão US$ 0.7 bilhões 5.6 4.47 1.25 Referência
  22. 22. EXPANSÃO HIDROTÉRMICA NO SISTEMA INTERLIGADO NACIONAL 140 000 129 917 127 091 115 392 122 770 120 000 102 744 107 457 94 692 95 845 97 900 99 197 100 000 [MW] 80 000 60 000 40 000 20 000 0 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Geração TOTAL 94 692 95 845 97 900 99 197 102 744 107 457 115 392 122 770 127 091 129 917 Total Hidro 80 050 80 613 81 589 82 686 85 128 87 541 93 242 99 420 103 741 106 567 Total Termo 14 642 15 232 16 311 16 511 17 616 19 916 22 150 23 350 23 350 23 350 Incremento H 6 416 563 976 1 097 2 442 2 413 5 701 6 178 4 321 2 826 Incremento T - 539 590 1 079 200 1 105 2 300 2 234 1 200 0 0 Fonte: EPE (maio,2005)
  23. 23. Conclusão Conclui-se que apesar da grande preocupação em encontrar fontes de energia alternativas para suprir a demanda por energia elétrica, primeiramente deve-se investir nos sistemas energéticos já existentes, para que haja uma produção maior e um menor desperdício. Para não criar uma dependência em apenas um sistema energético, assim aumentando a probabilidade de algum déficit, devem-se procurar áreas com um potencial na produção de energia e instalar a melhor alternativa para aquele determinado local, atingindo o máximo de aproveitamento.
  24. 24. REFERÊNCIAS INPE. Manual da linguagem Legal. Disponível em: <http://www.dpi.inpe.br/spring/usuario/legal.Htm> Acesso em: 18 out. 2007. Instituto Aqualung Disponível em: <http://www.institutoaqualung.com.br/info_ener41.html> Acesso em: 17 out. 2007. Mabnacional Disponível em: <http://www.mabnacional.org.br/modenergetico.html> Acesso em: 15 out. 2007. MME Disponível em: <www.mme.gov.br/> Acesso em: 17 dez. 2005. Disponível em: <http://www.canalenergia.com.br/zpublisher/materias/Consumidor.asp?id=54057> Acesso em: 15 out. 2007. Aneel Disponível em: <http://www.aneel.gov.br/area.cfm?id_area=65> Acesso em: 18 out. 2007. Cemig Disponível em: <http://www.cemig.com.br/ >Acesso em: 21 out. 2007. Wikipedia Disponível em: <http://pt.wikipedia.org >Acesso em: 21 out. 2007. Srrating Disponível em: <http://www.srrating.com.br/downloads/papers/Estudo_S_Eletrico_outubro2004.pdf> Acesso em: 20 out. 2007.

×