O PAPEL DA GEOGRAFIA *
A Geografia foi implantada no sistema público no século XIX, quando as crianças
foram obrigadas a f...
pois não lhe dá condições de interconectar todas as informações recebidas, para apropriar-se do
conhecimento do todo, prop...
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONSULTADAS
ALMEIDA, Rosângela Doin. A Propósito da Questão Teórico-Metodologico do Ensino da
G...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

O papel da geografia

734 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
734
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O papel da geografia

  1. 1. O PAPEL DA GEOGRAFIA * A Geografia foi implantada no sistema público no século XIX, quando as crianças foram obrigadas a freqüentar as escolas. O primeiro estado a implantar no sistema esta disciplina foi a Prússia, por coincidência, foi neste país que foi sistematizado e virou disciplina ou ciência autônoma. A função da Geografia no inicio era divulgar idéias favoráveis da Pátria, do Estado- Nação. O exemplo alemão foi desenvolvido por outros países desenvolvidos (Estados Unidos, Grã- Bretanha). No século XIX o ensino da Geografia desempenhou um importante papel no processo de construção das nações (...). A escola foi fundamental porque imponha uma língua oficial, a qual todos tinham que falar e escrever. Na escola o ensino da Geografia consolidava um patriotismo, mostrava a nossa Pátria, que era identificada pelos mapas pelo contorno cartográfico.Todos os manuais de Geografia pregava que o nosso país era de futuro, nossas paisagens eram as mais belas, etc. Era uma Geografia voltada para a memorização, pois o que importava era assimilar dados e informações, obedecer , servir a Pátria no caso de guerra. Nos anos cinqüenta, século XX (na França, EUA, Itália, etc) e no Brasil nos setenta (XX) nasce a Geografia Crítica, O nacionalismo existente no século anterior começa a decair, houve o advento, a expansão das multinacionais, crescimento notável no comércio internacional, a formação dos blocos econômicos. E aí a importância de formar cidadãos ativos, participantes na sociedade e nas transformações. Com a terceira revolução tecnológica exige-se maior nível de escolaridade, mão de obra mais especializada, pessoas que saibam criar, inovar. Segundo Vesentini (2001), acabou a era dos diplomas, é necessário ensinar os alunos a pesquisar, a aprender a aprender, a enfrentar desafios. Oliveira (1994), coloca que a Geografia, como as demais ciências, fazem parte do currículo na escola básica e procura desenvolver no aluno a capacidade de observar, analisar, interpretar e pensar criticamente a realidade tendo em vista a sua transformação. Apesar da Geografia, como as demais ciências humanas terem passado por um processo de discussão de suas teorias e métodos. Ainda é necessário, ainda, abrir a possibilidade da efetiva integração metodológica entre as diferentes áreas do ensino, de modo a destruir a compartimentação do saber, imposta pelos currículos atuais. E construir/reconstruir o conceito de totalidade, de modo que o aluno possa simultaneamente, pensar o presente/passado e rediscutir o futuro, que, antes de tudo, lhe pertence. Ao profissional de Geografia, cabe a tarefa de desenvolver no aluno a visão de totalidade da sociedade brasileira, concebendo esta totalidade como produto da unidade na diversidade, logo, síntese de múltiplas determinações, também a tarefa de ensinar conceitos elementares de Geografia, economia, política, sociologia, antropologia, e de outras ciências humanas e da natureza, tais como: geologia, geomorfologia, climatologia, astronomia, etc. Portanto a transmissão / formação desses conceitos passa necessariamente pela questão ideológica, pela ideologia de classe que o professor. Esta ideologia é que dá parâmetros para a definição e escolha da Geografia que se ensina, para possibilitar às crianças o processo de amadurecimento físico, intelectuais e sociais, formando alunos críticos ou não, que permite se posicionarem em relação ao futuro ou alienarem-se. Certamente, quem quer transformar a realidade presente, precisa optar por um escola, uma educação e uma Geografia que permitam construir um futuro mais consciente. Não se pode esquecer que o aluno é UNO, da sua individualidade, de seus interesses, de suas potencialidades, da situação cultural, econômica, social e política do momento. Não se preocupar apenas com a transmissão dos conteúdos, sem localizá-los ou relacioná-los com a atualidade. A história de vida do aluno e o advento dos paradigmas vigentes desta sociedade, a sociedade globalizada, irrompem com força mostrando a necessidade de ajuste a uma nova realidade. Percebe-se a fragmentação do saber e o esfacelamento do ensino em algumas escolas, devido à especialização, onde cada um sabe apenas da sua área específica e as vezes sabe pouco,
  2. 2. pois não lhe dá condições de interconectar todas as informações recebidas, para apropriar-se do conhecimento do todo, proposto na temática escolhida pela escola. De acordo com esta constatação, a educação apresenta um quadro deplorável, há uma decadência significativa no campo do conhecimento. Ou seja, em função da crescente especialização das disciplinas, há um esfacelamento do saber cientifico, resultando neste estado lamentável de fragmentação do ensino, como diz Japiassu (1976,p.40-41) A especialização exagerada e sem limites das disciplinas científicas, a partir, sobretudo, do século XIX, culmina cada vez mais numa crescente fragmentação do horizonte epistemológico. No final das contas, para retomarmos a de G.K. Chesterton, o especialista converteu-se neste homem que, a força de conhecer cada vez mais sobre um objeto, cada vez menos extenso, acaba por saber tudo sobre o nada. Nesse ponto de esmigalhamento do saber, a exigência interdisciplinar não passa de manifestação, no domínio do conhecimento, de um estado de carência . Com isso, a escola deixa de cumprir seu papel, de proporcionar ao aluno condições de desenvolvimento integral e de produção do seu conhecimento, o que possibilitaria seu engajamento e participação na sociedade.Sobre isso, Freire ( 1997,p.76) explicita: A capacidade de aprender, não apenas para nos adaptar mas sobretudo para transformar a realidade, para nela intervir, recuando a fala de nossa educabilidade a um nível distinto do nível do adestramento dos outros animais ou do cultivo das plantas. Verifica-se que há necessidade de mudanças de paradigmas, para conceber o processo de ensino e de aprendizagem. A sociedade requer homens holísticos, capazes de compreender sua própria vida, com capacidade de criar, para gerar lucros e para viver com qualidade nas relações humanas trabalhistas e sociais. É possível tornar o aluno construtor do seu conhecimento, superando esta fragmentação no ensino e recompondo o conhecimento fragmentário através do paradigma da Interdisciplinaridade. Mas para que isso aconteça à escola precisa proporcionar, aos seus professores, espaços e tempos para o planejamento de suas aulas, de forma coletiva, a fim de tornar os alunos – homens holísticos do futuro. O professor precisa ter clareza de como o aluno adquire o conhecimento, para poder ter clareza do papel da Geografia. Becker (1996) enfatiza que na verdade existem dois tipos de conhecimento: o conhecimento que vem da prática e os conhecimentos teóricos que os educadores recebem na universidade. A noção de prática está vinculada ao fazer, enquanto a de teoria, aos conteúdos que a escola pretende transmitir. A prática, no entanto deve ser uma estratégia que torna possível a apreensão da teoria. Todos os professores têm teoria, mas nem sempre suas práticas são fundamentadas nas teorias, que suas falas apresentam. A prática revela a verdadeira teoria do professor, essa teoria vem da força trazida pelo professor, que na maioria das vezes não se questiona sobre sua origem. A prática é um recurso sensorial, que permite a retenção da teoria pelo sujeito da aprendizagem. Oliveira (1994) afirma que : É na escola que uma parte do processo de conscientização e/ou não conscientização se desenvolve. Todas as disciplinas têm papel a desempenhar nesse processo. À Geografia cabe papel singular nesta questão. Possibilitar aos alunos um processo de amadurecimento físico e intelectual criando um universo crítico que lhes permita se posicionar em relação ao futuro. A Geografia precisa ensinar de forma condizente com o tempo em que vivemos e estar atentos às alterações que ocorrem nos diferentes espaços (município, estado, país).
  3. 3. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CONSULTADAS ALMEIDA, Rosângela Doin. A Propósito da Questão Teórico-Metodologico do Ensino da Geografia. In: Revista Terra livre. São Paulo: AGB / marco zero BECKER, Fernando. Epistemologia do professor: cotidiano da escola. Petrópolis: Vozes, 1993. CALLAI, H. C. (org). O Ensino da geografia. Ijuí: UNIJUÍ, 1986. CASTRO, Iná R. de, GOMES, Paulo César da C. e CORREA, Roberto L. (org) Geografia: conceitos e temas. Rio de Janeiro; Bertrand Brasil, 1995. Freire, Paulo. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa.São Paulo, ed. Paz e Terra, 1997. JAPIASSU, Milton. Interdisciplinaridade e Patologia do Saber. Rio de Janeiro: Image. 1976. LÜCK, Heloisa: Pedagogia interdisciplinar. fundamentos teóricos – metodológicos. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 1997. MORAES, Antônio Carlos Robert. Geografia: pequena história crítica. São Paulo: Hucitec, 1983. ________. Técnica Espaço Tempo - Globalização e meio técnico- científico informacional. São Paulo: Hucitec, 1994. NIDELCOFF. Maria Teresa. As Ciências sociais na escola. Editora Brasiliense. 1987. OLIVEIRA, A U. A . Para onde vai o ensino da geografia. São Paulo: ed. Contexto. 1994 ( Coleção repensando o ensino). RUA. J. Para ensinar geografia – contribuição para o trabalho com 1º e 2º graus. Rio de Janeiro: Acess. 1993. SANTOS, Milton. Espaço e método. São Paulo: Nobel , 1985. SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: Hucitec, 1988. * por Cléa Hempe: Especialista em Orientação e Supervisão Escolar pela UNICRUZ, tutora no curso de Especialização em Educação Ambiental, aluna no curso de Mídias na Educação pela UFSM e aluna do Curso de Gestão de Polos pela UFPEL.

×