O Pensamento Sufista

3.671 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.671
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Pensamento Sufista

  1. 1. O Pensamento Sufista "Sigo a religião do Amor. Ora, às vezes, me chamam Pastor de gazelas [divina sabedoria] Ora monge cristão, Ora sábio persa. Minha amada são três - Três, e no entanto, apenas uma; Muitas coisas, que parecem três, Não são mais do que uma. Não lhe dêem nome algum, Como se tentassem limitar alguém A cuja vista Toda limitação se confunde"
  2. 2. <ul><li>“ Sem comer, provei a doçura do néctar e sem água, saciei minha sede. Onde há resposta da alegria, está a plenitude da felicidade”. KABIR. Isto é muito significativo. Se você está alegre, a felicidade desce sobre você. A alegria é humana, a felicidade é divina. Quando você está alegre, sente uma grande felicidade descendo sobre você. É por isso que insisto para que você cante, dance, alegre-se, celebre. É o que você pode fazer. A felicidade não está em suas mãos. Você pode se alegrar com as pequenas coisas – uma flor, um pássaro cantando, uma bela criança, uma bela mulher. Pode se alegrar com pequenas coisas – com a comida, com o sono, com a brisa da manhã, com o pôr-do-sol, com as estrelas. Pode se alegrar com as pequenas coisas. Se você puder se alegrar com as pequenas coisas, de repente sentirá uma grande felicidade descendo sobre você. A felicidade vem do todo. A alegria cria a capacidade para recebê-la. Permanecer alegre é suficiente para tornar-se uma pessoa religiosa. Se você puder celebrar constantemente, será suficiente: então Deus descerá sobre você. Você está criando a receptividade: a alegria como resposta cria o coração, deixa-o pronto, receptivo, abre suas portas. OSHO Êxtase – A Linguagem Esquecida. Página 198. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>“ Se você puder confiar na natureza, aos poucos irá se tornando quieto, silencioso, feliz, alegre e celebrante – porque a natureza é celebrante. A natureza é uma celebração. Olhe em volta. Consegue ver alguma flor que se pareça com os seus santos? Consegue ver algum arco-íris que se pareça com os seus santos? Ou alguma nuvem, um pássaro cantando, a luz refletindo no rio, e as estrelas? O mundo é celebração. O mundo não é triste. O mundo é canção, uma canção supremamente bela, e a dança continua. Torne-se parte desta dança e confie na sua natureza. Se você puder confiar em sua natureza, aos poucos irá se aproximando da natureza cósmica. Este é o único caminho. Você faz parte do cosmos. Quando confia em si mesmo, confia no cosmos que está em você. Por aí é o caminho. A partir desta pequena trilha, você pode alcançar a meta. Confiando em si mesmo, você confia em Deus que o fez. Não confiando em si mesmo, desconfia de Deus que fez você.” OSHO ÊXTASE – A LINGUAGEM ESQUECIDA. Dez/76 – página 163. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>&quot;Escute essas palavras de Octavio Paz: Há aqui uma longa e silenciosa rua. Ando na escuridão, tropeço e caio, Levanto e ando às cegas. Meus pés pisam sobre pedras silenciosas e folhas secas. Alguém atrás de mim também pisa sobre pedras e folhas. Se eu ando mais devagar, ele anda mais devagar; Se eu corro, ele corre. Eu me volto - ninguém. Tudo escuro e sem portas, Somente meus passos e voltas em meio a essas esquinas Que eternamente levam à rua, Onde ninguém me aguarda ou me segue, Onde eu persigo um homem Que tropeça e se levanta e diz quando me vê, &quot;Ninguém&quot;. Um insight notável... um insight notável no fenômeno do ego. Se você não olha para ele, ele está lá, ele o segue como uma sombra. Se você olha para ele - ninguém.&quot; Sobre poetas e pintores... algo misterioso aconteceu a eles; eles se tornaram instrumentos, foram médiuns. Mas um místico não é um médium, ele é a fonte. OSHO A SABEDORIA DAS AREIAS - Discursos sobre o Sufismo Volume III março de 1978. </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Nada deve ser negado, tudo deve ser aceito e transformado. Chamo de sábia a pessoa que aceita e transforma tudo o que foi dado por Deus, sem rejeição – porque nada errado pode ser dado por deus a você. Se você acha que algo está errado, este é o seu preconceito, a sua idéia, a sua interpretação. A raiva está presente: se a raiva se torna a sua meditação, a partir da raiva você verá um novo fenômeno surgindo - a compaixão. Somente uma pessoa raivosa pode ser compassiva. Se não houver raiva, a pessoa jamais será compassiva; ela será apenas impotente, ela não terá nenhuma fibra, e isso é tudo. É a partir do sexo que o samadhi começa a entrar em seu ser. O sexo é o degrau mais baixo da escada chamada samadhi; o samadhi é o degrau mais alto; mas você não pode se mover para o mais alto sem antes se mover a partir do mais baixo. No mais baixo estão as raízes, e o mais alto depende do mais baixo. O mais baixo não é inferior. Quando o chamo de “o mais baixo”, não o estou avaliando, mas simplesmente indicando sua posição. A base precisa ser mais baixa, somente assim a construção pode se erguer sobre ela. Mas por ser mais baixa ela não é inferior. Ela sustenta toda a construção; sem ela toda a construção teria se desfeito. O sexo é a própria estrutura da vida: ele sustenta. Tudo o que acontece, acontece através da mesma energia. Sim, existem muitas e muitas novas transformações da energia – ela se torna amor, oração, samadhi; no fim, ela se torna DEUS. O sexo é a semente de Deus; ele ainda não é o próprio Deus, mas a semente contém a árvore. O sexo contém o possível, e a menos que você ame a semente e a semeie no solo de sua consciência, você jamais terá a árvore e aquelas belas flores, aquela glória; aquele lótus de mil pétalas nunca surgirá em seu ser. (...) Assim, estou dando uma visão totalmente nova: aceite a vida como ela é. Tudo é bom. Isso não significa que você deva ficar estagnado onde está. Tudo é bom simplesmente significa que tudo pode ser usado para experiências cada vez mais elevadas. Tudo pode ser usado como um degrau. OSHO Permita o Coração A SABEDORIA DAS AREIAS Março de 1978 </li></ul>

×