O LIMITE DA TOLERÂNCIA

6.986 visualizações

Publicada em

Palestra Espírita elaborada por Jorge Luiz, Fortaleza, Ceará, Brasil.
e-mail:jorge.grauca@gmail.com

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
6.986
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.278
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
148
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O LIMITE DA TOLERÂNCIA

  1. 1. “Tudo que vósquereis que oshomens vosfaçam, fazei-ovós também aeles, pois esta éa lei e osprofetas.” (Jesus – Mt.7-12)
  2. 2. “A indulgência, a condescendência emrelação a outrem, seja de referências àssuas opiniões ou comportamento, ao direitode crer no que lhe aprouver, pautando assuas atitudes nas linhas que pareçam maiscompatíveis ao modo de ser, desde que nãofiram os sentimentos alheios, nem atentecontra as regras da dignidade humana oudo Estado.” (FRANCO, Divaldo in Estudos Espíritas)
  3. 3. “Posso nãoconcordar comnenhuma daspalavras quevocê diz, masdefenderei até ofim o direito devocê dizê-las”
  4. 4. (BOFF, Leonardo in “Virtudes para um outro mundo possível” - vol.2)
  5. 5. indiferençapassiva pusilanimidade comodidade
  6. 6. “Não faças aos outros aquilo que gostarias que fizessem a ti: eles podemBernard Shaw não gostar.” (1856-1950)
  7. 7. A tolerância é o sustentáculo dosdireitos humanos, do pluralismo (inclusive o pluralismo cultural), dademocracia e do Estado de Direito. Implica a rejeição do dogmatismo e do absolutismo e fortalece as normas enunciadas nos instrumentos internacionais relativos aos direitos humanos”. (Declaração de Princípios da Unesco sobre a Tolerância – 28ª Conferência Geral, realizada de 25/10 a 16/11/1995 – art.1º item 1.13)
  8. 8. “A fim de mobilizar a opinião pública,de ressaltar os perigos e de reafirmarnosso compromisso e nossa determinaçãode agir em favor do fomento datolerância e da educação para atolerância, nós proclamamossolenemente o dia 16 de novembro decada ano como o dia Internacional daTolerância.” (Declaração de Princípios da Unesco sobre a Tolerância – 28ª Conferência Geral, realizada de 25/10 a 16/11/1995 )
  9. 9. “(...) as democraciasmodernas não se instituem sem o suporte e oesclarecimento da ideia de tolerância.”(MACHADO, Nilson J. in www.iea.usp.br/artigos)
  10. 10. “A educação é o meio mais eficaz deprevenir a intolerância. A primeira etapa daeducação para a tolerância consiste emensinar os indivíduos quais são os seusdireitos e suas liberdade a fim de assegurarseu respeito e de incentivar a vontade deproteger os direitos e liberdade dos outros.” (Declaração de princípios sobre a Tolerância – art. 4º - UNESCO)
  11. 11. (MACHADO, Nilson J. in www.iea.usp.br/artigos)
  12. 12. simetria assimetria“O outro não sou eu, pode não gostar domesmo que eu gosto: importa jamaisesquecer isto.” (MACHADO, Nilson J. in www.iea.usp.br/artigos)
  13. 13. “Não haverá paz entre as nações, se nãoexistir paz entre as religiões. Não haverápaz entre as religiões, se não existirdiálogo entre as religiões. Não haverádiálogo entre as religiões, se não existirempadrões éticos globais. Nosso planeta nãoirá sobreviver, se não houver um etosglobal, uma ética para o mundo inteiro.” (KUNG, Hans in Religiões no Mundo)
  14. 14. carta sobre a tolerância fundamentalismo e terrorismo(John Locke) diálogo inter-ecumenismo religioso
  15. 15. “O Espiritismo é uma fé íntima: está nocoração e não nos atos exteriores, nãoprescreve nada que seja de natureza aescandalizar aqueles que nãocompartilham dessa crença,recomendado disso se abster porespírito de caridade e de tolerância.” (KARDEC, Allan in Revista Espírita – agosto de 1864)
  16. 16. “Ele não diz: Fora do Espiritismonão há salvação, mas como oCristo: Fora da caridade não hásalvação, princípio de união, detolerância, que unirá os homensnum sentimento de fraternidade,em lugar de dividi-los em seitasinimigas.” (KARDEC, Allan in Revista Espírita – outubro de 1866)
  17. 17. “Somente ela explica as diferenças materiais, intelectuais e morais dentre os homens. Somente ela engrandece e torna perfeita a justiça de Deus.”(ANJOS, Luciano & MIRANDA, Hermínio in Crônicas de Um de Outro)
  18. 18. (Biografia de Allan Kardec – Obras Póstumas)
  19. 19. “Sempre ele praticou o que alegou depoisde 1868: — “A tolerância, sendo umaconsequência da moral espírita, nosimpõe o dever de respeitar todas ascrenças. Não se atirando pedras emninguém, desaparece o pretexto dasrepresálias, ficando os dissidentes com aresponsabilidade de suas palavras e deseus atos. Se eu tiver razão, os outrosacabarão por pensar como eu, se eu nãotiver razão, acabarei por pensar como osoutros.” (BRITO de, Crisanto in “Allan Kardec e o Espiritismo”)
  20. 20. John Locke (1632-1704)Pierre Bayle (1647-1706)
  21. 21. “Ao contrário do amor ou dagenerosidade, que não têmlimites intrínsecos e outrafinitude além da nossa, atolerância é, poisessencialmente limitada: umatolerância infinita seria o fim datolerância.”(CONTE-SPONVILLE, André in “O Tratado das Grandes Virtudes”)
  22. 22. o sofrimento do outro carta dos direitos humanos (1848 – ONU) carta da terra (2000 – UNESCO)(BOFF, Leonardo in “Virtudes Para um Outro Mundo Possível”)
  23. 23. “Se formos de uma tolerânciaabsoluta, mesmo com osintolerantes, e se nãodefendermos a sociedadetolerante contra seusassaltos, os tolerantes serãoaniquilados, e com eles atolerância.”(CONTE-SPONVILLE, André in “O Tratado das Grandes Virtudes”)

×