O CENTRO ESPÍRITA E O COMPROMISSO COM A CIDADANIA

1.757 visualizações

Publicada em

Palestra espírita elaborada por Jorge Luiz, Fortaleza, Ceará, Brasil.
jorge.grauca@gmail.com
viste o blog:
www.canteiroideias.blogspot.com.br

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.757
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
547
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
45
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O CENTRO ESPÍRITA E O COMPROMISSO COM A CIDADANIA

  1. 1. “Cidadania é o conjunto de ações que fazem um cidadão. É a maneira do cidadão viver o seu dia-a-dia – seja mulher, homem ou criança – usando plenamente os direitos e deveres do país em que nasceu e onde mora.” (Ouvidores Gerais do Estado do Paraná) www.pr.gov.br/ouvidoria/mirim2a.htm
  2. 2. a valorização e atualidade da dignidade do homem e o reconhecimento da importância de dispensar a todos tratamento fraternal, igualitário e não discriminativo; a confiança nos talentos e possibilidades latentes dos homens;
  3. 3. a segurança e o crédito nos valores institucionalizados pelas massas, como fundamentos para o progresso do bem comum e o alcance da justiça; a aceitação da legitimidade das decisões tomadas por meio de processos racionais e participativos de deliberação, com o consenso da maioria, que constitui o reflexo, o resultado de debates livre entre todos;
  4. 4. o respeito aos grupos minoritários; e, a compreensão de que todo o interesse geral é a síntese dos diversos interesses e idéias dos indivíduos e dos grupos, diferentes centros de poder, que integra a sociedade pluralista. (Cristiane Rozicki – Mestre em Direito e Doutorada em Teoria do Estado in www.suigeneris.pro.br/direito-de-rozicki.htm)
  5. 5. “O mesmo acontecerá com o Espiritismo e dentro em pouco ele terá direitos de cidadania entre os conhecimentos humanos.” (Allan Kardec) (“O Livro dos Espíritos”, Conclusão, VIII)
  6. 6. “ – Toda sujeição absoluta de um homem a outro é contrária à Lei de Deus. (...).” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 829)
  7. 7. “ – O trabalho é uma lei da Natureza, e por isso mesmo é uma necessidade.(...)” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 674)
  8. 8. “ – Tudo o que entrava a marcha da Natureza é contrário à lei geral.” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 693)
  9. 9. “ (...) A mãe ou qualquer outra pessoa cometerá sempre um crime ao tirar a vida à criança antes do seu nascimento,(...)” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 359)
  10. 10. “(...) pois acreditais que Deus vos obriga a viver com aqueles que vos desagradam? “O Livro dos Espíritos”, questão nº 940)
  11. 11. “ - Há outros meios de se preservar do perigo, sem matar. É necessário, aliás, abrir ao criminoso e não fechar a porta do arrependimento.” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 761)
  12. 12. “ – A que extremos tenha chegado um moribundo, ninguém pode dizer com certeza que soou a sua hora. A ciência, por acaso, nunca se enganou em suas previsões?.” (“O E.S.E.”, cap. V:28)
  13. 13. “O uso dos bens da Terra é um direito de todos os homens? - Esse direito é a consequência da necessidade de viver. Deus não pode impor um dever sem conceder os meios de ser cumprido”. (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 711)
  14. 14. “Só há uma propriedade legítima, a que foi adquirida sem prejuízos para os outros.” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 884)
  15. 15. “ – Predominância da bestialidade sobre a natureza espiritual. Toda destruição que ultrapassa os limites da necessidade é uma violação da lei de Deus.” (“ Livro dos Espíritos”, questão nº 735)
  16. 16. “(...) pois aquele que tira a vida de um semelhante interrompe uma vida de expiação ou de missão, e nisso está o mal.” “O Livro dos Espíritos”, questão nº 746)
  17. 17. “Predominância da natureza animal sobre a espiritual e a satisfação das paixões.(...).” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 742)
  18. 18. “- Sim, todos tendem para o mesmo fim e Deus fez as suas leis para todos.(...).” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 803)
  19. 19. “- De direitos , sim; de funções, não. (...)” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 822 “a”)
  20. 20. “- (...) Estudai todos os vícios e vereis que no fundo de todos existe o egoísmo.(...).” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 913)
  21. 21. “ – É, sem contradita, uma missão. E ao mesmo tempo um dever muito grande, que implica, mais do que o homem pensa, sua responsabilidade para o futuro.(...).” (“O Livro dos Espíritos”, questão nº 582)
  22. 22. “ (...) Um partido, pois é um partido, que inscreve em sua bandeira “Fora da caridade não há salvação”, indica suas tendências com bastante clareza, para que ninguém tenha razão de o temer.(...).” (Anatole de la Forge) (“Revista Espírita”, julho 1868, pag.298)
  23. 23. “Que ninguém, portanto, se iluda: o estudo do Espiritismo é imenso; liga-se a todas as questões da metafísica e da ordem social; é todo um mundo que se abre ante nós.” (Allan Kardec) (“O Livro dos Espíritos”, Introdução, XIII)
  24. 24. “(...) a Sociedade tem necessariamente que exercer grande influência conforme o disseram os próprios Espíritos; sua ação, não será, em realidade, eficiente, senão quando ela servir de centro e de ponto de ligação donde parta um ensinamento preponderantemente espírita.” (Allan Kardec) (“Projeto 1868 “– Obras Póstumas)
  25. 25. “O Centro não é templo nem laboratório – é para usarmos a expressão espírita de Victor Hugo: point d’optique do movimento doutrinário, ou seja, o seu ponto visual de convergências. Podemos figurá-lo como um espelho côncavo em que todas as atividades doutrinárias se refletem e se unem, projetando-se conjugadas no plano social, geral, espírita e não espírita.” (PIRES, Herculano J. in “O Centro Espírita”
  26. 26. “Se os espíritas soubessem o que é o Centro Espírita, quais são realmente a sua função e a sua significação, o Espiritismo seria hoje o mais importante movimento cultural da Terra.” (PIRES, Herculano J. in “O Centro Espírita”)
  27. 27. Somos favoráveis a que os espaços ociosos sejam utilizados em tarefas compatíveis com as necessidades e com o programa das nossas Casas. Sem qualquer constrangimento, porque isso não afeta a atividade espiritual. Pelo contrário, atrai ainda mais os Benfeitores interessados em nosso progresso.” (FRANCO, Divaldo in “Palavras de Luz”
  28. 28. “(...) Se tivermos a presunção de mudarmos o meio social, de imediato, nós falharemos nas nossas metas, porque o nosso objetivo é criar as bases de um mundo feliz partindo da transformação moral do homem conforme propôs o Codificador.” (FRANCO, Divaldo in “Palavras de Luz”
  29. 29. “Mas o conceito de mediunidade ilumina também a existência terrena dando-lhe uma nova dimensão. O existente ou homem no mundo adquire a condição espírita de interexistente ou homem no intermúndio.” (PIRES, J. Herculano in “Introdução à Filosofia Espírita”)

×