ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS

4.291 visualizações

Publicada em

Palestra espírita "Allan Kardec, Jesus e os Evangelhos", elaborada por Jorge Luiz - Fortaleza - Ceará - Brasil.
e-mail: jorge.grauca@gmail.com

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.291
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.129
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
144
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS

  1. 1. XI SEMANA KARDECIANA
  2. 2. XI SEMANA KARDECIANA ALLAN KARDEC “O APÓSTOLO DA FÉ”“(...) Eis-te à frente do apóstolo da fé, que, sob aégide do Cristo, descerrará para a Terraatormentada um novo ciclo de conhecimento...”(XAVIER, Fco. C. in Cartas e Crônicas, pelo Espírito Irmão X) “(...) Ao te escolherem, os Espíritos conheciam a solidez das tuas convicções e sabiam que a tua fé, qual muro de aço, resistiria a todos os ataques.” (KARDEC, Allan in Obras Póstumas, pag. 307)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  3. 3. XI SEMANA KARDECIANA ALLAN KARDEC HERANÇA ESPIRITUAL ALLAN KARDEC“Ao examinarmos os papéis que os druidasdesempenharam como mestre ou juízes,conselheiros, e cientistas, há de se notar que portrás de cada uma dessas funções, o druida era umfilósofo, preocupado com a transcendência da almahumana e o significado da vida na Terra. (...) odruida, além da filosofia natural estudavam tambéma filosofia moral. (...).” (MONTEIRO, Eduardo C. in Allan Kardec (O Druida Reencarnado)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  4. 4. XI SEMANA KARDECIANA JAN HUSS (1369/1415)“(...) Ó homem de virtude inestimável, de brilhantesantidade, de humildade e piedade inestimáveis, dedesinteresse e de caridade inacreditáveis.(...) tiravadas Santas Escrituras, sepultada no esquecimento,motivos novos e poderosos, a fim de exortar oseclesiásticos viciosos a voltarem atrás em seusdesregramentos e a cumprirem os compromissosde seu caráter, e para reformar os costumes detodas as ordens com base na Igreja primitiva.”(Revista Espírita – setembro/1869 – Testemunho daUniversidade de Praga, dado em seu favor após a sua morte– Comemoração dos 500 anos do seu nascimento.)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  5. 5. XI SEMANA KARDECIANA “Vocês hoje estão queimando um ganso, mas dentro de um século, encontrar-se-ão com um cisne. E este cisne vocês não poderão queimar.” (Jan Huss)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  6. 6. XI SEMANA KARDECIANA Preparação para a execução de Jan Huss“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  7. 7. XI SEMANA KARDECIANA RIVAIL: A HERANÇA DA EDUCAÇÃO A INFLUÊNCIA DE PESTALOZZI a liberdade de pensamento; a liberdade religiosa e a convivência entre diferentes credos; a religiosidade sem dogmas, predominantemente moral; a capacidade da observação empírica dos fenômenos naturais e da sociedade humana; (...)” (INCONTRI, Dora in Para Entender Kardec)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  8. 8. XI SEMANA KARDECIANA“(...) tudo isso levou Denizard Rivail aconceber, desde os quinze anos de idade, aidéia de uma reforma religiosa, com opropósito de conseguir a unificação dascrenças. E escreve Maurice Lachâtre, (...) (...)que por muitos anos Rivail trabalhou emsilêncio nessa reforma, mas “lhe faltava oelemento indispensável à solução doproblema, que só o Espiritismo lhe ofereceu.”(ZANTUIL, Zêus e THIESEN, Francisco, in Allan Kardec –Meticulosa Pesquisa Biobibliográfica – Vol. I – pag. 75)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  9. 9. XI SEMANA KARDECIANA“(...) percebi naqueles fenômenos achave do problema tão obscuro e tãocontrovertido do passado e do futuroda Humanidade, a solução de queprocurara em toda a minha vida. Era,em suma, toda uma revolução nasidéias e nas crenças; (...)” (Allan Kardec – Obras Póstumas – pag. 268)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  10. 10. XI SEMANA KARDECIANA ALLAN KARDEC E JESUS SOBRE A NATUREZA DO CRISTO OS MILAGRES PROVAM A DIVINDADE DO CRISTO?“Importa, pois, que se risquem os milagres do roldas provas sobre que se pretende fundar dadivindade da pessoa do Cristo.(...).” (Allan Kardec –Obras Póstumas – pag. 126) AS PALAVRAS DE JESUS PROVAM A SUA DIVINDADE? DUALIDADE DE PESSOAS A HIERARQUIA“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  11. 11. XI SEMANA KARDECIANA AS PALAVRAS DE JESUS PROVA A SUA DIVINDADE? A BONDADE A DOUTRINA“Desde que ele nada diz de si mesmo; que adoutrina que prega não é sua, que ela lhe veio deDeus, que lhe ordenou viesse dá-la a conhecer; quenão faz senão o que Deus lhe deu o poder de fazer;que a verdade que ele ensina ele a aprendeu deDeus, a cuja vontade se acha sujeito, é que ele não éDeus, mas, apenas, seu enviado, seu messias e seusubordinado.” (Allan Kardec – Obras Póstumas – pag.131)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  12. 12. XI SEMANA KARDECIANA PALAVRAS DE JESUS DEPOIS DE SUA MORTE“Tudo, pois, nas palavras de Jesus, quer as que ele disse emvida, quer as de depois de sua morte, acusa uma dualidade deentidades perfeitamente distintas, assim como o profundosentimento da sua inferioridade e da sua subordinação em facedo Ente supremo.” (Allan Kardec – Obras Póstumas – pag. 137) DUPLA NATUREZA DE JESUS OPINIÃO DOS APÓSTOLOS PREDIÇÃO DOS PROFETAS PREDIÇÕES DO EVANGELHO“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  13. 13. XI SEMANA KARDECIANA O VERBO SE FEZ CARNE O FILHO DE DEUS E O FILHO DO HOMEM“É de notar-se que, durante essa interminável polêmica queapaixonou os homens por longa série de séculos e que aindacontinua, que acendeu fogueiras e fez correr rios de sangue, o quese discutia era uma abstração, a natureza de Jesus, da qual sefizera a pedra angular do edifício, embora deste não falassem ehajam olvidado uma coisa, a que o Cristo disse ser toda a lei e osprofetas: o amor a Deus e do próximo e a caridade, que eleestabeleceu como condição expressa da salvação. Aferram-se àquestão de afinidade de Jesus com Deus e emudecem com relação àsvirtudes que ele recomendou e exemplificou.” (Allan Kardec – Obras Póstumas – pag. 152)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  14. 14. XI SEMANA KARDECIANA SUPERIORIDADE DA NATUREZA DE JESUS “(...) Agia por si mesmo, em virtude do seu poder pessoal, como o podem fazer, em certos casos, os encarnados, na medida das suas forças. Que Espírito, ao demais, ousaria insuflar-lhe seus próprios pensamentos e encarregá-lo de os transmitir? Se algum influxo estranho recebia, esse só de Deus lhe poderia vir. Segundo definição dada por um Espírito, ele era médium de Deus.” (Allan Kardec – “A Gênese” – Cap. XV – item 2)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  15. 15. XI SEMANA KARDECIANA ALLAN KARDEC E OS EVANGELHOS“(...)Diante desse código divino, a própriaincredulidade se curva. É o terreno em que todos oscultos podem encontrar-se, a bandeira sob a qualtodos podem abrigar-se, por mais diferentes quesejam as suas crenças. (...)(...)É, por fim, e acima de tudo, o caminho infalívelda felicidade a conquistar, uma ponta do véuerguida sobre a vida futura.(...).” (Allan Kardec – O Evang. Seg. o Espiritismo – Introdução)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  16. 16. XI SEMANA KARDECIANA O EVANGELHO SEGUNDO O ESPIRITISMO“Esse livro de doutrina terá considerávelinfluência, pois que explanas questõescapitais, e não só o mundo religioso encontraránele as máximas que lhe são necessárias,como também a vida prática das naçõeshaurirá dele instruções excelentes. Fizeste bemenfrentando as questões de alta moral prática,do ponto de vista dos interesses gerais, dosinteresses sociais e dos interesses religiosos.”(Obras Póstumas – mensagem psicografada pelo Médium Sr.d’A... – Ségur, 09/08/1863)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  17. 17. XI SEMANA KARDECIANA A RELIGIÃO ESPÍRITA E A LAICIDADE“O Espiritismo, longe de negar ou destruir o Evangelho, vemao contrário, confirmar, explicar e desenvolver, pelas novasleis da Natureza, que revela, tudo quanto o Cristo disse efez; elucida os pontos obscuros do ensino Cristão, de talsorte que aqueles para quem eram ininteligíveis certaspartes do Evangelho, ou pareciam inadmissíveis, ascompreendem e admitem, sem dificuldade, com o auxíliodesta doutrina; vêem melhor o seu alcance e podemdistinguir entre a realidade e a alegoria; o Cristo lhes parecemelhor: já não é simplesmente um filósofo, é um Messiasdivino.” (Allan Kardec – A Gênese – Cap. I, item 41)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  18. 18. XI SEMANA KARDECIANA A MORAL ESPÍRITA E A MORAL EVANGÉLICA“(...) O Espiritismo não cria umanova moral, mas facilita aos homensa compreensão e a prática da moraldo Cristo, ao dar uma fé sólida eesclarecida aos que duvidam ouvacilam.” (Allan Kardec – O E.S.E. CAP. XVII – item 4)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  19. 19. XI SEMANA KARDECIANA A CONSCIÊNCIA EVANGÉLICA“Fizeram-se, é verdade, tratados de moralevangélica, mas a adaptação ao estilo literáriomoderno tira-lhe a ingenuidade primitiva, que lhedá, ao mesmo, encanto e autenticidade.Acontece o mesmo com as máximas destacadas,reduzidas a mais simples expressão proverbial,que não passam, então, de aforismos, perdendouma parte de seu valor e de seu interesse, pelafalta dos acessórios e das circunstâncias em queforam dadas.”(Allan Kardec – Evang. Segundo o Espiritismo – Introdução)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  20. 20. XI SEMANA KARDECIANA A VIDA FUTURA “A idéia clara e precisa que se faz da vida futura dá uma fé inabalável no porvir, e essa fé tem consequências enormes sobre a moralização do homem, porque muda completamente o ponto de vista pelo qual eles encaram a vida terrena. (Allan Kardec – O Evang. Seg. o Espiritismo – Cap.II,item 5)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  21. 21. XI SEMANA KARDECIANA A VIVÊNCIA POSSÍVEL “Para os homens, em particular, é uma regra de conduta, que abrange todas as circunstâncias da vida privada e pública, o princípio de todas as relações sociais fundadas na mais rigorosa justiça.” (Allan Kardec – O Evang. Seg. o Espiritismo – Introdução)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  22. 22. XI SEMANA KARDECIANA O CRISTIANISMO REDIVIVO“A opinião geral manifesta hoje umatendência acentuada a voltar às idéiasfundamentais da Igreja primitiva e à partemoral dos ensinamentos do Cristo, por ser aúnica que pode tornar melhores os homens.Essa é clara, positiva e não pode abrir ensejopara nenhuma controvérsia.” (Allan Kardec – Obras Póstumas – pag. 153)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  23. 23. XI SEMANA KARDECIANA O CONSOLADOR PROMETIDO“O Espiritismo, realiza, (...) todas ascondições do Consolador que Jesusprometeu. Não é uma doutrina individual,nem de concepção humana; ninguém podedizer-se seu criador. É fruto do ensinocoletivo dos Espíritos, ensino a que presideo Espírito de Verdade. Nada suprime doEvangelho: antes o completa e elucida.” (Allan Kardec – A Gênese – Cap. XVII, item 40)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  24. 24. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO O ESPÍRITO DA VERDADE“Não podeis imaginar quanto me sinto orgulhoso dedistribuir a cada um de vós os elogios e oencorajamento que o Espírito de Verdade, nosso bem-amado mestre, ordenou-me conferisse às vossaspiedosas coortes.” (Espírito Erasto) (Revista Espírita – out/1861)“Conta conosco e conta sobretudo com a grandealma do Mestre de todos nós, que te protege demodo muito particular.” (Obras Póstumas – Médium Sr. D’A... – pag. 307)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  25. 25. XI SEMANA KARDECIANA O LEGADO KARDECIANO (Allan Kardec – O E.S.E. Cap. XIX, item 7)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  26. 26. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO Jesus refere-se a Deus, junto da fé sem obras. Kardec fala de Deus, rente às obras sem fé. Jesus é combatido, desde a primeira hora do Evangelho, pelos que se acomodam na sombra. Kardec é impugnado desde o primeiro dia do Espiritismo, pelos que fogem da luz.“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  27. 27. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO Jesus caminha sem convenções. Kardec age sem preconceitos. Jesus exige coragem e atitudes. Kardec reclama independência mental. Jesus convida ao amor. Kardec impele à caridade. Jesus consola a multidão. Kardec esclarece o povo.“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  28. 28. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO Jesus acorda o sentimento. Kardec desperta a razão. Jesus constrói. Kardec consolida Jesus revela. Kardec descortina. Jesus propõe. Kardec expõe.“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  29. 29. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO Jesus lança as bases do Cristianismo, entre fenômenos mediúnicos. Kardec recebe os princípios da Doutrina, através da mediunidade. Jesus afirma que é preciso nascer de novo. Kardec explica a reencarnação. Jesus reporta-se a outras moradas. Kardec menciona outros mundos.“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  30. 30. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO Jesus espera que a verdade emancipe os homens; ensina que a justiça atribui a cada um pelas próprias obras e anuncia que o Criador será adorado, na Terra, em espírito. Kardec esculpe na consciência as leis do Universo. Em suma, diante do acesso aos mais altos valores da vida, Jesus e Kardec estão perfeitamente conjugados pela Sabedoria Divina.“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”
  31. 31. XI SEMANA KARDECIANA O MESTRE E O APÓSTOLO (Psicografia de Francisco C. Xavier, pelo Espírito Emmanuel, da obra Opinião Espírita, cap.2)“ALLAN KARDEC, JESUS E OS EVANGELHOS”

×