PLANO DE PAZ PARA JUDEUS, PARA ÁRABES E PARA O MUNDO
Os árabes e muçulmanos radicais não aceitam a criação do estado judeu na Palestina. Os judeus não podem abrir mão do seu d...
Estas só poderão ser superadas se o mundo árabe evoluir globalmente para um estágio superior de civilização, onde as difer...
A evolução para este estágio superior pressupõe educação universal e desradicalização na interpretação das religiões.
Os árabes, e o mundo muçulmano em geral, com sua alta taxa de natalidade e baixo crescimento econômico, caminham presentem...
Os judeus há muito já atingiram este nível cultural superior mas, cercados por um mar de intolerância e ameaça constante à...
A intolerância histórica de 2.000 anos continua, apesar da evolução do mundo. Explodiu novamente como mostram os recentes ...
Baseado nestas considerações, proponho meu plano de paz:
Os judeus deverão transferir o Estado de Israel para um novo território, longe dos árabes e sem qualquer remanescente de h...
Deverão aceitar que a constituição forçada do Estado de Israel na Palestina há 60 anos, embora compreensível pelos fundame...
Assim, proponho que o Estado de Israel se transfira para o território do Estado brasileiro do Amapá, na região que vai do ...
 
Este plano de paz se baseia em dois fundamentos, um político e outro econômico:
<ul><li>O fundamento político pressupõe: </li></ul><ul><li>Que os judeus aceitem a transferência do Estado de Israel e a o...
<ul><li>Que Jerusalém e grande entorno, bem como os demais lugares sagrados para judeus e árabes na palestina, sejam decla...
<ul><li>Que fará parte da Terra Santa território amplamente suficiente para a construção de complexos hoteleiros e residen...
<ul><li>O fundamento econômico pressupõe: </li></ul><ul><li>Que os estados árabes, através de um fundo especialmente const...
<ul><li>Estas propriedades serão transferidas aos palestinos que com elas formarão o Estado da Palestina. O Estado da Pale...
<ul><li>Que o Estado Brasileiro desaproprie, ou ofereça em troca outras terras da União, e pague em um ano as terras e os ...
<ul><li>Que o Estado de Israel e os judeus do mundo queiram enfrentar esta gigantesca empreitada econômica, da construção ...
A justificativa para a delimitação do território como proposto é geopolítica:
<ul><li>Trata-se de um território ainda pouco povoado e portanto com problemas menores de remanejamento populacional. O br...
As fronteiras do norte e oeste são históricas e delimitadas. A do leste é o Oceano Atlântico, com acesso aberto ao mundo. ...
Com esta divisão do Estado do Amapá, o Brasil continua mantendo o controle territorial do delta do Rio Amazonas, de enorme...
Existe também uma justificativa econômica global, além da proposta primordial de paz, para uma empreitada com tamanha magn...
Diante da crise mundial prevista e já em curso para os próximos anos, esta nova e gigantesca tarefa abrirá milhares de opo...
Dinamizará todos os setores econômicos mundiais, trazendo emprego, financiamento e investimento em ativos sólidos.
Para o Brasil, principalmente por ser um dos coadjuvantes essenciais e pela vizinhança geográfica, abrirá oportunidade de ...
Dada a amizade histórica que se formará, abrirá oportunidades para investimentos conjuntos em todos os setores da infra-es...
Será criado, em algumas décadas, um novo pólo industrial, científico e cultural fortíssimo, trazendo grande desenvolviment...
E  o novo Estado de Israel, agora mais próximo dos Estados Unidos e da mais forte comunidade judaica mundial, também terá ...
E o mundo se livrará do pesadelo de um conflito de enormes proporções e iminente entre árabes e judeus, muito provavelment...
<ul><li>Pela paz entre os homens e </li></ul><ul><li>entre as nações! </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>São Paulo, 1º ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Plano De Paz Para Judeus Para Arabes E Para O Mundo

1.449 visualizações

Publicada em

um projeto arrojado para acabar com os conflitos a e intolerância entre judeus e árabes. Pela paz no mundo.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.449
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Plano De Paz Para Judeus Para Arabes E Para O Mundo

  1. 1. PLANO DE PAZ PARA JUDEUS, PARA ÁRABES E PARA O MUNDO
  2. 2. Os árabes e muçulmanos radicais não aceitam a criação do estado judeu na Palestina. Os judeus não podem abrir mão do seu direito de ter um estado. Os anseios são milenares e as diferenças também.
  3. 3. Estas só poderão ser superadas se o mundo árabe evoluir globalmente para um estágio superior de civilização, onde as diferenças nacionais e étnicas não só serão aceitas como até valorizadas pela contribuição cultural que possam dar uns aos outros e ao mundo.
  4. 4. A evolução para este estágio superior pressupõe educação universal e desradicalização na interpretação das religiões.
  5. 5. Os árabes, e o mundo muçulmano em geral, com sua alta taxa de natalidade e baixo crescimento econômico, caminham presentemente no sentido inverso. E, quanto mais deseducados e pobres, mais se tornam presa fácil de líderes radicais.
  6. 6. Os judeus há muito já atingiram este nível cultural superior mas, cercados por um mar de intolerância e ameaça constante à própria existência, também radicalizaram suas posições.
  7. 7. A intolerância histórica de 2.000 anos continua, apesar da evolução do mundo. Explodiu novamente como mostram os recentes acontecimentos e está cada vez mais perigosamente perto da perda de controle.
  8. 8. Baseado nestas considerações, proponho meu plano de paz:
  9. 9. Os judeus deverão transferir o Estado de Israel para um novo território, longe dos árabes e sem qualquer remanescente de hostilidade histórica pelas etnias vizinhas, onde poderão ter um horizonte de paz, tranquilidade e prosperidade para as suas futuras gerações.
  10. 10. Deverão aceitar que a constituição forçada do Estado de Israel na Palestina há 60 anos, embora compreensível pelos fundamentos históricos milenares, pelo momento de hegemonia dos vencedores da 2ª Guerra Mundial e pelo amplo desejo mundial de reparação pelo Holocausto, aconteceu num século já tardio, tendo os árabes já consolidado seu domínio e principalmente a ocupação demográfica da região.
  11. 11. Assim, proponho que o Estado de Israel se transfira para o território do Estado brasileiro do Amapá, na região que vai do rio Amaparí até a fronteira norte com as Guianas e a fronteira oeste com o Estado do Pará, conforme o mapa que segue:
  12. 13. Este plano de paz se baseia em dois fundamentos, um político e outro econômico:
  13. 14. <ul><li>O fundamento político pressupõe: </li></ul><ul><li>Que os judeus aceitem a transferência do Estado de Israel e a ofereçam ao povo árabe de livre vontade, em prol da paz no mundo. E que os árabes a aceitem, também pela paz no mundo. </li></ul><ul><li>Que o povo brasileiro concorde em ceder esta pequena parcela do seu território, como um grandioso gesto pela paz e ímpar na história do mundo. </li></ul>
  14. 15. <ul><li>Que Jerusalém e grande entorno, bem como os demais lugares sagrados para judeus e árabes na palestina, sejam declarados Terra Santa, sob governo independente estabelecido pela ONU, mantidos com recursos judeus e árabes, e onde qualquer agressão e intolerância serão abominadas e severamente reprimidas pelos governos do mundo, em compromisso solene. </li></ul>
  15. 16. <ul><li>Que fará parte da Terra Santa território amplamente suficiente para a construção de complexos hoteleiros e residenciais para abrigar os peregrinos e religiosos de todas as origens, que terão sua segurança e total liberdade de ir e vir garantidas solenemente por este mesmo acordo, com liberdade de culto irrestrita e conforme suas religiões. </li></ul>
  16. 17. <ul><li>O fundamento econômico pressupõe: </li></ul><ul><li>Que os estados árabes, através de um fundo especialmente constituído, comprem dos israelenses e do estado de Israel toda a sua terra e os seus ativos imobiliários e de infra-estrutura que se situarem na palestina e fora do território futuro da Terra Santa. </li></ul>
  17. 18. <ul><li>Estas propriedades serão transferidas aos palestinos que com elas formarão o Estado da Palestina. O Estado da Palestina deverá determinar de que forma repagará aos Estados Árabes financiadores, mas sempre com longo prazo e grande carência. </li></ul>
  18. 19. <ul><li>Que o Estado Brasileiro desaproprie, ou ofereça em troca outras terras da União, e pague em um ano as terras e os imóveis do estado do Amapá na região delimitada nesta proposta. Estas terras e propriedades serão transferidas ao Estado de Israel, que assumirá esta dívida com o Estado Brasileiro, também sempre com longo prazo e grande carência. </li></ul>
  19. 20. <ul><li>Que o Estado de Israel e os judeus do mundo queiram enfrentar esta gigantesca empreitada econômica, da construção de um novo país à partir da floresta tropical e da terra quase nua. Que certamente será baseada nos mais modernos e avançados conceitos de urbanização, de exploração racional da terra, de preservação e renovação do meio ambiente e no emprego da tecnologia de ponta. </li></ul>
  20. 21. A justificativa para a delimitação do território como proposto é geopolítica:
  21. 22. <ul><li>Trata-se de um território ainda pouco povoado e portanto com problemas menores de remanejamento populacional. O brasileiro é um povo de índole amistosa e tolerante, e poderá ser bem possível que muitos nem queiram se mudar, aceitando sua permanência sob as leis de um novo estado e até satisfeitos com as novas oportunidades de trabalho e progresso social que virão. </li></ul>
  22. 23. As fronteiras do norte e oeste são históricas e delimitadas. A do leste é o Oceano Atlântico, com acesso aberto ao mundo. A do lado sul é o Rio Amaparí, que delimita uma importante parte do território do Estado do Amapá, com suas principais cidades e colonizações à beira do Rio Amazonas, deliberadamente escolhida para se manter brasileira.
  23. 24. Com esta divisão do Estado do Amapá, o Brasil continua mantendo o controle territorial do delta do Rio Amazonas, de enorme importância estratégica para o controle de toda a região amazônica.
  24. 25. Existe também uma justificativa econômica global, além da proposta primordial de paz, para uma empreitada com tamanha magnitude e impacto mundiais:
  25. 26. Diante da crise mundial prevista e já em curso para os próximos anos, esta nova e gigantesca tarefa abrirá milhares de oportunidades para milhares de empresas ao redor do mundo, em quase todos os ramos da atividade humana.
  26. 27. Dinamizará todos os setores econômicos mundiais, trazendo emprego, financiamento e investimento em ativos sólidos.
  27. 28. Para o Brasil, principalmente por ser um dos coadjuvantes essenciais e pela vizinhança geográfica, abrirá oportunidade de empregar sua mão de obra ociosa, desde a mais até a menos qualificada, esta especialmente mais próxima e concentrada na sua região norte.
  28. 29. Dada a amizade histórica que se formará, abrirá oportunidades para investimentos conjuntos em todos os setores da infra-estrutura do novo país. Haverá então uma enorme troca de tecnologias e know-how, muito produtiva para ambas as nações.
  29. 30. Será criado, em algumas décadas, um novo pólo industrial, científico e cultural fortíssimo, trazendo grande desenvolvimento para os países da América Central e Caribe. O avanço social e tecnológico dos israelenses permeará e desenvolverá toda esta região, trazendo prosperidade e bem estar social.
  30. 31. E o novo Estado de Israel, agora mais próximo dos Estados Unidos e da mais forte comunidade judaica mundial, também terá dinamizada a sua existência e perspectiva futuras, podendo se dedicar mais à prosperidade dos seus cidadãos e canalizar para este fim muitos dos seus investimentos, então não mais necessários à máquina de guerra e auto-defesa .
  31. 32. E o mundo se livrará do pesadelo de um conflito de enormes proporções e iminente entre árabes e judeus, muito provavelmente com o emprego devastador de armas nucleares e incalculável prejuízo para a estabilidade do planeta e das gerações futuras.
  32. 33. <ul><li>Pela paz entre os homens e </li></ul><ul><li>entre as nações! </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>São Paulo, 1º de janeiro de 2009 </li></ul><ul><li>Gyorgy Troyko </li></ul><ul><li>Cidadão brasileiro, nascido húngaro e não judeu </li></ul><ul><li>[email_address] </li></ul>

×