Relatos de uma CÃOminhante                          de 26/09 a 06/10/2012No inicio acreditei que não seria possível realiz...
pousada enquanto os peregrinos ouviam atenciosamente o meu “herói” JoséPalma, alias foi ele quem ajeitou tudo para eu esta...
Vitral, será Belga?                 Pátio Interno do SeminárioQuinta 27 de Setembro, o frio persiste e a garoa também, nov...
Olha isso, frio que frio????               Entra dona.....entraaaa         Apenas o começo                    Nada como um...
Vamos pessoal falta pouco           Olha só isso, oh dóÉ isso ai, vamos...vamos       Olha a vista, não valeu!!!!!! ?!?!?!...
Casa da minha Aumiga                Minha Aumiga, lindaaaaSábado 29 de Setembro, logo cedo, meu aguçado faro sentiu no ar ...
Domingo 30 de Setembro, retornamos ao hotel ponto de partida do Caminho,para nos juntarmos aos demais peregrinos e seguirm...
Segunda 01 de Outubro, início de caminhada, humhum na guia, mas logoentramos na estrada de terra e liberdaadeeee. Como amo...
Agora só falta metade eheheh    Da uma olhada como será......  Nada se deixa... só pegadas   Fazenda Milhã, descanso obaaa...
Terça 02 de Outubro, neste dia o grupo resolveu sair mais cedo, fabuloso vi onascer do sol e senti o frescor da manhã em m...
Olha só isso....                 Local do Acidente   Objeto causador do acidente        Represa, preciso me refrescar     ...
Seguimos nosso caminho para Mombuca, sempre no infinito de canas. O solneste dia não deu trégua, sombra nem pensar, só can...
Depois do infinito o paraíso              Descanso Quatro RodasQuinta 04 de Outubro. Não saímos tão cedo, o Artur não deix...
Olaria época do café                Tudo mudou depois da cana    Casa de colono abandonada                Placa da PM de P...
A recompensa, lindooo                 Antes do rio Piracicaba      Um brinde aos peregrinos                     O Chef Egy...
ou madrinha entre os peregrinos para receber o Certificado. Podem nãoacreditar, mas fui escolhida para ser madrinha e adiv...
Preciosidade             Enfim São Pedro           Quase lá            Uma sombrinhaSim....... O Sino da Glória   Deixa qu...
auau, cheguei, que lindooooo           O Ara Solis  Meu santinho protetor        Agradecendo....pedindo?!?!?
Tó Alex, parabéns                Vamos lá, pausa para foto               Aubrigada Palma, consegui           Tudo registra...
Aos meus aumigos peregrinos, que me aceitaram para juntos realizarmos estalinda jornada. Espero ter deixado boa impressão ...
Estrela                                PeregrinaSobre O CaminhoNão é um caminho de fé mas de certeza, não oferece carinho ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Relatos de uma cãominhante 1

388 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
388
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
209
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatos de uma cãominhante 1

  1. 1. Relatos de uma CÃOminhante de 26/09 a 06/10/2012No inicio acreditei que não seria possível realizar o Caminho do Sol nacompanhia de minha dona. Havia pela frente a aceitação de um cão naspousadas, além do grupo de peregrinos que sairiam na mesma data. Graçasao esforço sem limite do Palma e alguns ajustes, tudo foi possível. Foram onzedias de muita raça, acompanhada de muito carinho, atenção, confiança, alegriae felicidade, além de variações climáticas: de um frio extremo a um calor dequeimar minhas almofadinhas. Enfim patinhas no caminho auuubaaaaaaa.Para começar....... aurrumar a mochila, isso inclui um peso extra, minha raçãoe meu tapetinho de dormir, auau. Não to vendo minha ração nem meu tapetinho hummmTerça 25 de Setembro, Pousada 1896, cidade de Santana de Parnaíba. Arecepção não poderia ter sido melhor, ganhei petiscos do Dr. Alex enviadocarinhosamente por sua esposa a Dra. Denise, também ganhei uma avó, assimela me chamava, vem com a vovó, a Peregrina e professora Maria José, aMazé. Completa o grupo o peregrino Mauricio, a peregrina Dra. Iara, e nãoesquecendo minha dona, Dalila. Aconcheguei-me em um canto do salão da
  2. 2. pousada enquanto os peregrinos ouviam atenciosamente o meu “herói” JoséPalma, alias foi ele quem ajeitou tudo para eu estar aqui. Informaçõespassadas, credenciais e o colar símbolo do Caminho entregues, estamosprontos para realizar o sonho de minha dona, fazer o caminho em minhacompanhia. Ahah também recebi credencial e colar, lindo, linnnnndoooooo.Amei. Ficou perfeito No detalhe, linnndoooooQuarta 26 de Setembro, manhã fria com garoa fina, segui minha dona. Assetas nos levariam a nosso primeiro destino, Pirapora do Bom Jesus. Trechosem muita liberdade, caminhado todo na guia, não curti muito, era de estradacom forte fluxo de veículos, onde todo o cuidado era necessário. Próximo aPirapora pude desfrutar de caminhar sem guia, que maravilha. Chegada aPousada Casarão no inicio da tarde. Calorosamente recebida pelo Márcio esua família, eles adoram cães, me senti em casa. Enquanto minha dona foivisitar o Seminário Belga, a família do Márcio se prontificou a cuidar de mim, eque cuidado, recebi muito carinho e guloseimas. Aubrigada Márcio e família. Seguindo as setas Olha ela ali
  3. 3. Vitral, será Belga? Pátio Interno do SeminárioQuinta 27 de Setembro, o frio persiste e a garoa também, novamente estradae lógico eu na guia. Seguimos para nosso segundo destino a cidade deCabreuva. Parada no Mirante do Sol para fotos. Este trecho com fluxo menorde veículos não deixa de merecer atenção, seguimos caminhando em filaindiana por segurança. Ao cruzar a ponte tcham..... um rio e, mesmo com o diafrio, não deixei de dar uma passadinha para pelo menos molhar minhaspatinhas no primeiro de muitos rios do caminho. Nova parada para descanso eum lanchinho no Bairro do Bananal. Em Cabreuva, visita à Igreja Matriz ecarimbo no passaporte. Caminhando em direção à pousada fomosinterceptados pela Márcia, ela estava tão ansiosa em me conhecer que veiocom sua pick-up nos pegar no sopé do morro, foi uma bênção, aquele vento nomeu focinho sem precisar dar um passo, apenas sentada na caçamba, quedelicia, ainda faltava uma boa subida para chegarmos à Pousada Colina Verde.Aubrigada Márcia, neste dia caminhamos muiiittooooo, não sou fã deestrada..... na verdade de caminhar com guia ehehehe. Mirante do Sol Cadê a fila indiana?? Humanos,,,,,
  4. 4. Olha isso, frio que frio???? Entra dona.....entraaaa Apenas o começo Nada como uma sonecaSexta 28 de Setembro, agora sim o caminho começa, eu sem guia,liberdadeeeee. O caminho seguia por uma linda mata logo atrás da Pousada.A Márcia nos guiou pelo meio da mata até chegarmos ao topo do morro,confesso que fiquei com pena dos humanos peregrinos, para eles a subida(escalaminhada) foi de “matar”, mas a vista lá de cima vale o esforço. Paradapara admirar e tirar fotos, seguimos entre pastos até a estrada, novamente euna guia, mas confiava em minha dona, era necessário, o que eu não sabia éque breve estaria livre novamente. Após a rodovia, estrada de terra, vivaaaa,caminhando livre, leve e solta. Chegamos ao Armazém do Limoeiro um pontohistórico do caminho, aproveitei para descansar, e de quebra acompanheiminha dona à Capela de São Francisco de Paula da Fazenda Limoeiro daConcórdia, onde pedimos proteção. Este trecho do caminho é muito rico emmata e riachos, e adivinhem, nadei em todos onde o acesso permitiu. Possodisser que passei por locais onde os peregrinos humanos não passaram, embaixo da maioria das pontes onde havia um riachinho para me refrescar.Chegada ao Haras do Mosteiro, um lindo local para um descanso merecido, láconheci uma aumiga, que, ao seguir peregrinos, acabou por ser adotada pelosproprietários do Haras, garota de sorte.
  5. 5. Vamos pessoal falta pouco Olha só isso, oh dóÉ isso ai, vamos...vamos Olha a vista, não valeu!!!!!! ?!?!?!?!? Agora tá fácil Pena que não deixaram a chave Pedindo proteção Olha esta água, cristalina, deliciaaaaa
  6. 6. Casa da minha Aumiga Minha Aumiga, lindaaaaSábado 29 de Setembro, logo cedo, meu aguçado faro sentiu no ar o cheirode pão tirado do forno, mas este era para os peregrinos humanos, para mimuma deliciosa tigela de leite fresquinho tirado momentos antes, deliciosa. Apóso café da manhã me despedi de minha aumiga e segui viagem, agora para acidade de Salto. Lá nosso grupo precisou se separar, o hotel do Caminho nãoaceitava cães. Então minha dona, Dr. Alex e eu fomos para a Pousada Por doSol, lá cães são bem-vindos. A despedida E a viagem continua, patas no caminho Força, ainda falta muito Pousada Por do Sol, ahhh sossego
  7. 7. Domingo 30 de Setembro, retornamos ao hotel ponto de partida do Caminho,para nos juntarmos aos demais peregrinos e seguirmos as setas amarelas quenos levariam a um almoço divino na propriedade do Sr. Marino, Anjo doCaminho. Neste trecho tive minha primeira experiência com um cão não muitosociável. Não que pelo caminho não houvesse cães, sim havia de montão, mastodos muito sociáveis, cumprimentei um a um conforme nos encontrávamos, sóque este não quis conversa, já foi chegando e se impondo como se fosse donodo caminho. Minha sorte é que minha dona foi rápida, e evitou aquelasdiscussões desnecessárias entre dois cães, na verdade evitou um agarraagarra ehheh. Com a ajuda do Dr. Alex fui tirada do local onde longe da vistadele pude voltar a caminhar tranquilamente. Para quebrar o stress do ataque eme acalmar, nada melhor que uma refrescada em mais um dos rios que cortamo caminho, maravilhaaaa. Após a refeição e um descanso merecido,carimbamos nossos passaportes e seguimos para a cidade de Elias Fausto.Ainda faltava muito, e caminhar após uma refeição não estava nada fácil. Enfima pousada, fui recepcionada por duas Fox Paulistinhas moradoras da pousada,duas lady’s, me deram boas vindas e me deixaram a vontade. Rumo ao almoço anti-estress, ataque que ataque? O descanso, faltava muito Enfim a pousada
  8. 8. Segunda 01 de Outubro, início de caminhada, humhum na guia, mas logoentramos na estrada de terra e liberdaadeeee. Como amo tudo isso. DestinoCapivari, mas antes uma passada pela casa que pertenceu a AssisChateaubriand, responsável pela chegada da TV ao Brasil (TV Tupi), caminhotambém é cultura. Confesso que o dia estava quente e ainda faltava muiiitoooo,mas nada como um novo riachinho para refrescar. Não sei o que seria de mimsem estes riachinhos do caminho. Algumas horas caminhando chegamos aomarco do meio do caminho, parada para fotos, oba metade já foi vencida, sónão sabia se foi a melhor ou a pior metade, bem durante o percurso vamosdescobrindo. Chegada à fazenda Milhã, registramos nossas pegadas, tocamoso sino anunciando a chegada, obaaaaa mais um local delicioso paradescansar. Casa de Assis Chateaubriand Olha isso, falta pouco mais da metade Cadê as canas?? Pelo menos deixaram este riachinho
  9. 9. Agora só falta metade eheheh Da uma olhada como será...... Nada se deixa... só pegadas Fazenda Milhã, descanso obaaaaa Toque o Sino Lugar legal esse....
  10. 10. Terça 02 de Outubro, neste dia o grupo resolveu sair mais cedo, fabuloso vi onascer do sol e senti o frescor da manhã em meu focinho. Cruzamos a cidadede Capivari, não curti muito esta parte do trecho, andar na guia não é meuforte, mas é seguro. Parada no Bar do Jarbas, aproveitei o piso frio para umasoneca enquanto os humanos ouviam algumas histórias sobre romeiros, ecomo o local passou a ser ponto de parada dos peregrinos. Passaportecarimbado hora de seguir, na guia, era pela rodovia, até entrarmos novamenteem uma estrada de terra, minha liberdade de volta. Seguindo as setas e nomeio do caminho, uau um riachinho para me refrescar, afinal este é mesmo ocaminho do sol, e ele não dá trégua, ainda bem que me refresquei, pois aindatinha muito caminho até chegamos à propriedade da Família Bianchini, pontode parada para descanso e carimbo do passaporte. Esta parada foi especial,fiquei encantada com a linda piscina e acabei acidentalmente caindo, quefrescor, mas não ficou só na piscina, tinha também uma linda represa ondetambém pude me refrescar e rolar pela grama, estava no paraíso, nadar, nadare nadar, amo muito tudo isso. Seguimos nosso caminho para Mombuca, lá fuirecepcionada pela Emanuelle, uma linda menina de nove anos, que deixou deir à escola naquela tarde porque ficou sabendo que no grupo havia umcãominhante, eu, tiramos várias fotos juntas e fui descansar. Amanhecer na Fazenda Milhã Casal legal esse ai Pessoal me espera Maravilha, este caminho é demais
  11. 11. Olha só isso.... Local do Acidente Objeto causador do acidente Represa, preciso me refrescar rolar, rolar e rolar Pousada da minha fã, EmmanuelleQuarta 03 de Outubro. O grupo aprovou as saídas mais cedo, e novamentepude desfrutar os benefícios de se caminhar sentindo o frescor da manhã nomeu focinho. Passamos pela praça com o Marco de Tijolo do Caminho, paradapara fotos. Seguindo as setas e passando por vários vilarejos e cruzando aestrada estávamos novamente caminhando entre mata e plantação de canasque tendiam ao infinito. Após alguns riachos e muito caminhar entramos emuma nuvem do caminho. Apossei-me do portamalas do carro do Artur e ládescansei, enquanto os peregrinos humanos desfrutavam da boa musica,frutas, suco, água e um lanche natural delicioso, este eu também desfrutei.
  12. 12. Seguimos nosso caminho para Mombuca, sempre no infinito de canas. O solneste dia não deu trégua, sombra nem pensar, só cana, cana e mais cana, opiso estava quente, minha dona achou melhor proteger minhas almofadinhas ecolocou os sapatinhos, confesso que não gostei de caminhar com aquilo, masminhas almofadinhas não são de borracha e queimam. Mas não foi osuficiente, sendo minha temperatura dois graus a mais que a dos humanos,caminhar no sol para os animais é muito mais sacrificante que para humanosque controlam a temperatura pela transpiração. Fui me proteger na sombraentre as canas e decidi que de lá só sairia após o sol se por. Mas os peregrinoshumanos, também sou peregrina, precisavam chegar ao pouso, pois tinhamhorário para refeição e cuidados com suas roupas e bolhas. Então minha donapediu para o Artur me resgatar, estávamos bem próximo ao alojamentoArapongas, mas com aquele sol minha dona preferiu não arriscar, eu poderiaentrar em superaquecimento, o que resulta em problemas renais eneurológicos em animais homeotérmicos. Marco de Tijolo do Caminho Isso não é cana!!!!! Veja isso, o infinito existe A Sobrevivente, arvore solitária
  13. 13. Depois do infinito o paraíso Descanso Quatro RodasQuinta 04 de Outubro. Não saímos tão cedo, o Artur não deixou ehehehehe,o café foi regado de muita conversa e informações. Mesmo saindo tarde não foipossível degustar o pastel e suco do restaurante Packer, estava fechadoquando passamos, nosso passaporte ficou sem este carimbo, que aliás ficousem outros, no Arraial São Bento os estabelecimentos também estavamfechados, paciência, nosso caminho tinha que continuar e lá fomos para MonteBranco, passando por várias fazendas que fizeram a história do Brasil do cafée que acabaram sendo tomadas pela plantação de cana. Uma placa de BoasVindas indicava que nosso caminho estava chegando ao fim, faltavam apenasdois dias. Hoje 04/10, é um dia especial, comemora-se o dia de São Franciscode Assis, santo Protetor dos Animais e da Natureza. Quanto a mim, devo dizerque fui abençoada, realizando o caminho com peregrinos maravilhosos e empaz. Valeu meu santinho preferido. O Sol prometia Antes havia café aqui, hoje só açúcar eheh
  14. 14. Olaria época do café Tudo mudou depois da cana Casa de colono abandonada Placa da PM de PiracicabaSexta 05 de Outubro. Voltamos a aproveitar a manhã, saímos bem cedo.Parada para fotos do nascer do Sol, este trecho é em meio a vilarejos e mata.Novo encontro com um cão antissocial, só que neste minha dona foi maisrápida e conseguiu segurar o cão com o cajado, até a proprietária aparecer econtrolar o cão. Posso dizer que meu pedido, lá na igrejinha do Limoeiro, foiatendido. Cruzamos a estrada e novamente o caminho seguia em meio a muitaplantação de cana. Como não vi nenhuma ponte ou riacho, aproveitei o apoioao Dr. Alex e segui com ele até a Pousada do Egydio. Aqui sim fuirecepcionada por nada mais do que uns vinte cães que me impediram dedescer do carro, foi necessário a intervenção do Sr Egydio, que ajeitou todosem sua caminhonete e os levou para passar aquela noite na casa sede, ficandoapenas o Pincher e o Fox Paulistinha, que dividiram comigo os ossos dascostelas, cuidadosamente preparadas pelo Sr Egydio aos peregrinos humanos.
  15. 15. A recompensa, lindooo Antes do rio Piracicaba Um brinde aos peregrinos O Chef EgydioSábado 06 de Outubro. Um inicio diferente, poupei minhas patinhas, apenasme acomodei no barco para sentir a brisa daquela manhã que prometia maisum dia de muito sol. Saímos pelos fundos da pousada pelo Rio Piracicaba abordo da chalanga de propriedade do Sr Egydio. Após alguns kilometros rioabaixo, desembarcamos na margem oposta, pausa para fotos. No caminho apaisagem não poderia ser diferente....... cana, cana, cana e mais cana, com umsol digno do nome do Caminho, sem contar que não se avistava nenhumriachinho, pocinha d’água ou laguinho. Após horas de caminhada uma sombra,projetada pela única arvore numa imensidão de canas. Uma sombra especial,nela havia uma “Nuvem”, sim aquele Oasis que surge no meio do nada com umanjo do caminho nos aguardando com água e suco gelado, frutas e lanchesdiversos. Rui nosso anjo da nuvem, adora tocar violino, só que neste diadevido ao vento, não foi possível ouvi-lo tocar, mas foi muito bom conhece-lo.Aubrigada Rui, valeu. Após o descanso merecido tomamos o caminho atéÁguas de São Pedro. Ainda faltava muitas patinhas para adentramos a cidade,estamos quase lá, mas antes do destino final, uma parada para mais umregistro fotográfico, A Igreja Matriz. Por fim o Horto Florestal de Águas de SãoPedro. E como boa peregrina, toquei o sino, segui até o altar de São Tiago eSão Francisco de Assis. Lá nos aguardando estava José Palma, explicou osignificado do “Ara Solis”. Pediu a cada caminhante para escolher seu padrinho
  16. 16. ou madrinha entre os peregrinos para receber o Certificado. Podem nãoacreditar, mas fui escolhida para ser madrinha e adivinhem de quem........ doperegrino Alex, fiquei muito feliz pela honra, aubrigada Dr. Alex. Tambémrecebi o “Ara Solis”, o meu foi entregue nada mais nada menos pelo próprioidealizador do caminho, quanta honra, receber de José Palma, aubrigada portudo. Rio Piracicaba A brisa da manhã Economizando patinhas Do outro lado do Rio Cana, cana e mais cana Olha!!!! Incrivell
  17. 17. Preciosidade Enfim São Pedro Quase lá Uma sombrinhaSim....... O Sino da Glória Deixa que eu toco
  18. 18. auau, cheguei, que lindooooo O Ara Solis Meu santinho protetor Agradecendo....pedindo?!?!?
  19. 19. Tó Alex, parabéns Vamos lá, pausa para foto Aubrigada Palma, consegui Tudo registrado.... agora cãogrina
  20. 20. Aos meus aumigos peregrinos, que me aceitaram para juntos realizarmos estalinda jornada. Espero ter deixado boa impressão e ter me comportado bem.Vou sentir saudades desta aventura que foi muito especial e mágica.Aubrigada, Pepper Mauricio, Dalila, Eu, Iara, Maria José e Alex “Para Sempre Unidos no Caminho”Sobre a AUtora:Meu nome é Pepper, sou da raça Border Collie, nasci em 28/08/2004 emMonteiro Lobato/SP. Pratico agility desde cinco meses, atualmente no Grau II(para saber sobre agility acesse www.tudodocão.com.br). Associada desde09/2008 do Clube 4 Patas (para conhecer acesse www.turismo4patas.com.br).Capa da Edição Especial da Revista “Saúde É Vital” da editora Abril, edição nº54 de 12/2006, vencedora do Concurso Cão Incrível. Depois do Caminhoacredito que ganhei este concurso sem saber que no futuro seria digna do tituloauauauauauauau. Esportista Aventureira
  21. 21. Estrela PeregrinaSobre O CaminhoNão é um caminho de fé mas de certeza, não oferece carinho mas gratidão,nas verdades da vida oferece confiança e na alegria do caminhar o encanto dafelicidade. Pepper Power Eye

×