Farroupilha/RS   Carlos Barbosa/RS   Fortaleza/CE   Crato/CE   Sobral/CE         BTG Pactual XIII CEO Conference    São Pa...
AvisoEssa apresentação contém declarações que podem representar expectativassobre eventos ou resultados futuros. Essas dec...
AgendaHistóricoDestaquesSetor de calçadosEstratégiaResultadosPerspectivas                             3
Histórico1971   Embalagens plásticas para vinho (palha de garrafão).1978   Lançamento da primeira sandália (“Nuar”).1990  ...
DestaquesGrendene é uma das maiores empresas produtoras de calçadosno mundo.200 mm de pares/ano de capacidade instalada.Pr...
Localização das plantas industriais e       Processo de produção     Brasil        Verticalização = Agilidade             ...
Setor de calçadosDados gerais da indústria8,2 mil empresas produtoras de calçados em 2010Geração de mais de 348.000 empreg...
Setor de Calçados    Distribuição da produção de                        País    Produção 2009  calçados por continente em ...
Setor de calçados no BrasilMilhões de pares                 2006      2007     2008       2009    2010    2011Produção    ...
Brasil – aumento de gastos conforme a mudança          de Classe Social (Roupas e Sapatos)             +125%              ...
Indústria Brasileira de Calçados x                                            Grendene                                  Pr...
Exportação Brasileira de Calçados x                                      Grendene                                      Exp...
Menos                   A expertise de 40 anos                Mais intensiva                produzindo calçados           ...
Proposta de Valor                              Marcas   Produtos                 Marketing                 Gestão Criação...
ProdutosProdutos que atendem   Produtos para todas as   as necessidades     classes sociais: A, B, C,  essenciais a baixo ...
Principais Licenças                      16
Canais de venda no BrasilVarejo – Di Santinni    Varejo – Centauro                                            17
Canais de venda no BrasilMagazine – C&A      Auto-Serviço – Carrefour                                               18
Canais de venda no BrasilDistrib. seletiva – Doc Dog   Distrib. Seletiva – Daslu                                          ...
Canais de venda no exteriorMonastiraki - Atenas   Footlocker - Milão                                            20
Canais de venda no exteriorFred Segal - Los Angeles   Jean Pierre Bua - Barcelona                                         ...
Galeria Melissa – Loja Conceitual                                       © Todos os direitos reservadosRua Oscar Freire, 82...
Resultados (em IFRS)                       23
Principais indicadores econômico-financeirosR$ milhões             9M10         9M11         Var. % 9M10-9M11Receita líqui...
Receita bruta de vendas (IFRS)                                                    (R$ milhões)        Receita Bruta de    ...
Participação % por mercado   Receita bruta de vendas                            Volume de pares14,9% 16,5%            22,6...
Resultado (IFRS)                                         (R$ milhões)Lucro Bruto / Margem bruta                           ...
Resultado (IFRS)                                          (R$ milhões)   EBITDA / Margem EBITDA                           ...
Produção                                                 (Milhões de pares)  Volume de Vendas                             ...
Patrimônio líquido (R$ milhões) e Retorno sobre o                         patrimônio líquido                   28,1%      ...
Disponibilidades, Caixa líquido e Total                da dívida                                                          ...
Distribuição de Dividendos                                                              R$ 0,4400     R$ 0,3991           ...
Capex: Baixa necessidade                40                                   35                35                        3...
Perspectivas                                          Meta para o período:                                         2009 – ...
Muito Obrigado!                    Time de RI da Grendene                        Francisco Schmitt              Diretor de...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

BTG Pactual XIII CEO Conference

599 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
599
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

BTG Pactual XIII CEO Conference

  1. 1. Farroupilha/RS Carlos Barbosa/RS Fortaleza/CE Crato/CE Sobral/CE BTG Pactual XIII CEO Conference São Paulo, 14, 15 e 16 de Fevereiro de 2012
  2. 2. AvisoEssa apresentação contém declarações que podem representar expectativassobre eventos ou resultados futuros. Essas declarações estão baseadas emcertas suposições e análises feitas pela Companhia de acordo com suaexperiência, com o ambiente econômico e nas condições de mercado e nosdesenvolvimentos futuros esperados, muitos dos quais estão além docontrole da Companhia. Fatores importantes que podem levar a diferençassignificativas entre os resultados reais e as declarações de expectativas sobreeventos ou resultados futuros, incluindo a estratégia de negócios daCompanhia, condições econômicas brasileira e internacional, tecnologia,estratégia financeira, desenvolvimento da indústria de calçados, condições domercado financeiro, incerteza a respeito dos resultados de suas operaçõesfuturas, planos, objetivos, expectativas e intenções, e outros fatores. Comoresultado desses fatores, os resultados reais da Companhia podem diferirsignificativamente daqueles indicados ou implícitos nas Declarações deExpectativas sobre Eventos ou Resultados Futuros. 2
  3. 3. AgendaHistóricoDestaquesSetor de calçadosEstratégiaResultadosPerspectivas 3
  4. 4. Histórico1971 Embalagens plásticas para vinho (palha de garrafão).1978 Lançamento da primeira sandália (“Nuar”).1990 Instalação em Fortaleza da primeira unidade Fabril, no Ceará.1993 Inauguração da fábrica em Sobral, Ceará.1997 Inauguração da fábrica em Crato, Ceará. Grendene assume a liderança na Exportação de calçados2002 brasileiros.2004 Abertura de capital – BM&FBOVESPA.2007 Inauguração da fábrica em Teixeira de Freitas, Bahia.2009 Comemoração dos 30 anos da marca Melissa.2010 Comemoração dos 40 anos da Grendene. 4
  5. 5. DestaquesGrendene é uma das maiores empresas produtoras de calçadosno mundo.200 mm de pares/ano de capacidade instalada.Produção média de 500.000 pares por dia.24 mil funcionários.1.002 lançamentos em 2011.Presente em mais de 90 países.Marcas com forte personalidade.Inovação em produto, distribuição e mídia.Listada no Novo Mercado: Free Float 25%.Sólida estrutura de capital e forte geração de caixa. 5
  6. 6. Localização das plantas industriais e Processo de produção Brasil Verticalização = Agilidade Formulação do PVC Design Matriz (moldes) P&D 6
  7. 7. Setor de calçadosDados gerais da indústria8,2 mil empresas produtoras de calçados em 2010Geração de mais de 348.000 empregos diretosProdução de 894 milhões de pares em 2010 (814 milhões de pares em 2009)Brasil é o 3º maior Produtor MundialConsumo aparente no mercado interno: 780 milhões e 4,1 pares percapita/ano em 2010 (717 milhões e 3,7 pares em 2009)Exportação: 143 milhões de pares para mais de 140 países em 2010 (+12,9%vs. 2009)Fonte:IEMI/TEM/MDIC-SECEX/ABICALÇADOSSetor com mais de 150 anos no Brasil – caracterizado por empresaspequenas, intensivas em mão de obra e sem barreiras à entrada ou saída. 7
  8. 8. Setor de Calçados Distribuição da produção de País Produção 2009 calçados por continente em 2009 (milhões de pares) China 9.500 1,5% 1,9% 1,6% Índia 2.100 0,03% 5,6% Brasil 8146,4% Vietnã 661 Indonésia 578 Outros 2.958 83,1% Total 16.611 Os 5 principais paísesÁsia América do Sul produziram 13.653 milhõesEuropa América do Norte & CentralÁfrica Oriente médio de pares, equivalente a 82%Oceania da produção mundial. Fonte: World Shoe Review 2010 / ABICALÇADOS 8
  9. 9. Setor de calçados no BrasilMilhões de pares 2006 2007 2008 2009 2010 2011Produção 830 808 816 814 894 n/dImportação 19 29 39 30 29 34Exportação 180 177 166 127 143 113Consumo aparente 669 660 689 717 780 n/dConsumo per capita (pares) 3,6 3,5 3,6 3,7 4,1 n/dFonte: IEMI / SECEX / ABICALÇADOS (Cartilha Estatística 2011)n/d: Informações não disponíveis Consumo – 2009 Total Per capitaReino Unido 410 6,6 Fonte: World ShoeEstados Unidos 1.987 6,4 Review 2010 /França 364 5,8 ABICALÇADOSJapão 689 5,4Itália 316 5,3 9
  10. 10. Brasil – aumento de gastos conforme a mudança de Classe Social (Roupas e Sapatos) +125% +141% +132% Classe Classe Classe Classe D/E C B AFonte: Revista Exame / Site de Relações com Investidores das Lojas Renner 10
  11. 11. Indústria Brasileira de Calçados x Grendene Produção Brasileira Grendene CAGR (2001/2010): 4,3% CAGR (2001/2010): 6,7% CAGR (9M10/9M11): (17,2%) 1000 180 166 169 897 916 877 894 900 830 808 816 814 160 145 146 146 Milhões de pares /ano Milhões de pares /ano 800 140 130 132 121 120 700 610 642 120 116 600 100 94 100 500 80 400 60 300 40 200 20 100 0 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 A Grendene tem crescido acima da taxa média deFonte: IEMI / Abicalçados crescimento da indústria de calçados no Brasil. 11
  12. 12. Exportação Brasileira de Calçados x Grendene Exportação Brasileira Grendene CAGR (2001-10): (2,0%) CAGR (2001-10): 15,5% CAGR (2001-11): (4,1%) VAR. (9M11/9M10): (27,0%) Var. (9M11/9M10): (24,7%) 250 60 55 212 48 48Milhões de pares /ano 50 Milhões de pares /ano 200 189 190 180 177 171 164 166 40 41 143 40 150 32 127 30 113 109 30 27 29 28 100 82 20 15 16 50 10 0 0 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 9M10 9M11 A Grendene respondeu por 36,1% dos pares de Fonte: DECEX / MDIC / ABICALÇADOS calçados exportados no 9M11. (37,2% no 9M10). 12
  13. 13. Menos A expertise de 40 anos Mais intensiva produzindo calçados intensivaem mão de em capital inovadores e gerindo obra marcas desejadas, demonstra o acerto de Estratégia: nossa visão do Quebra de Paradigmas mercado, nossa estratégia e modelo de negócios e a Muito Maior intensiva capacidade de criarbarreira a valor para nossos em entrada acionistas. marketing 13
  14. 14. Proposta de Valor Marcas Produtos Marketing Gestão Criação constante  Marketing agressivo  Ganhos de escala de produtos  Licenças com e escopo Design inovador celebridades  Rentabilidade  Segmentação  Melhoria Tecnologia de  Investimento em contínua fabricação mídia / Eventos  Solidez financeira Poucos produtos  Forte  Crescimento em larga escala relacionamento sustentável com o trade Valor para Stakeholders 14
  15. 15. ProdutosProdutos que atendem Produtos para todas as as necessidades classes sociais: A, B, C, essenciais a baixo D e E – com custo x custo. benefício muito bom. 15
  16. 16. Principais Licenças 16
  17. 17. Canais de venda no BrasilVarejo – Di Santinni Varejo – Centauro 17
  18. 18. Canais de venda no BrasilMagazine – C&A Auto-Serviço – Carrefour 18
  19. 19. Canais de venda no BrasilDistrib. seletiva – Doc Dog Distrib. Seletiva – Daslu 19
  20. 20. Canais de venda no exteriorMonastiraki - Atenas Footlocker - Milão 20
  21. 21. Canais de venda no exteriorFred Segal - Los Angeles Jean Pierre Bua - Barcelona 21
  22. 22. Galeria Melissa – Loja Conceitual © Todos os direitos reservadosRua Oscar Freire, 827, São Paulo, SP 22
  23. 23. Resultados (em IFRS) 23
  24. 24. Principais indicadores econômico-financeirosR$ milhões 9M10 9M11 Var. % 9M10-9M11Receita líquida 1.116,4 975,7 (12,6%)Lucro líquido 189,7 183,9 (3,1%)Margens % 9M10 9M11 Var. p.p.Bruta 37,7% 40,8% 3,1EBIT 10,2% 9,5% (0,7)EBITDA 12,1% 11,7% (0,4)Líquida 17,0% 18,8% 1,8 24
  25. 25. Receita bruta de vendas (IFRS) (R$ milhões) Receita Bruta de Receita Mercado Receita Mercado Vendas Interno Externo CAGR (2006-10): 9,8% CAGR (2006-10): 8,2% CAGR (2010-06): 17,9% Var. % (9M10-9M11): (12,4%) Var. % (9M10-9M11): (11,6%) Var. % (9M10-9M11): (15,7%) 1.604 395 1.999 1.464 356 355 1.819 1.266 1.170 1.220 1.5151.576 1.125 2691.374 1.394 995 249 1.221 227 205 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 2006 2007 2008 2009 2010 25
  26. 26. Participação % por mercado Receita bruta de vendas Volume de pares14,9% 16,5% 22,6% 19,5% 19,8% 19,3% 18,6% 23,9% 27,5% 32,7% 29,1% 32,2% 33,8% 29,8%85,1% 83,5% 77,4% 80,5% 80,2% 80,7% 81,4% 76,1% 72,5% 67,3% 70,9% 67,8% 66,2% 70,2%2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 M.Interno Exportação M.Interno Exportação 26
  27. 27. Resultado (IFRS) (R$ milhões)Lucro Bruto / Margem bruta EBIT / Margem EBIT CAGR (2006-10): 6,9% CAGR (2006-10): 5,0% Var. % (9M10/9M11): (5,4%) Var. % (9M10/9M11): (18,6%) 651 212 566 519499 506 175 173 161 421 151 39845,1% 114 42,2% 41,5% 40,8% 38,9% 40,6% 37,7% 93 15,8% 14,5% 12,9% 13,2% 10,4% 10,2% 9,5% 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 27
  28. 28. Resultado (IFRS) (R$ milhões) EBITDA / Margem EBITDA Lucro líquido / Margem líquida CAGR (2006-10): 4,1% CAGR (2006-10): 5,0% Var. % (9M10-9M11): (15,4%) Var. % (9M10-9M11): (3,1%) 312 241 272 257 261205 201 239 187 177 190 184 23,3% 135 21,7% 19,2% 18,7% 19,5% 18,8%18,5% 114 16,7% 17,0% 15,0% 15,0% 12,2% 12,1% 11,7% 9M10 9M11 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 2006 2007 2008 2009 2010 28
  29. 29. Produção (Milhões de pares) Volume de Vendas Volume – M. Interno Volume – Exportação CAGR (2006-10): 6,5% CAGR (2010-06): 3,4% CAGR (2010-06): 14,8% Var. % (9M10-9M11): (17,2%) Var. % (9M10-9M11): (12,2%) Var. % (9M10-9M11): (27,0%) 166 170 55 117 115 146 146 48 48132 106 100 99 120 40 41 100 80 32 70 30 9M10 9M11 9M10 9M11 2006 2007 2008 2009 2010 9M10 9M112006 2007 2008 2009 2010 2006 2007 2008 2009 2010 29
  30. 30. Patrimônio líquido (R$ milhões) e Retorno sobre o patrimônio líquido 28,1% 24,9% 20,3% 20,6% 21,3% R$ milhões 18,3% % 1.047 1.180 1.318 1.465 1.676 1.740 2006 2007 2008 2009 2010 2011* Patrimônio líquido (R$ milhões) Retorno sobre o patrimônio líquido %* 30 de setembro de 2011. 30
  31. 31. Disponibilidades, Caixa líquido e Total da dívida 1.151 1.184 1.119 1.031 860 845 859 1.021 983 942 852R$ milhões 793 815 756 (104) (52) (45) (178) (167) (164) (177) 31/03/10 30/06/10 30/09/10 31/12/10 31/03/11 30/06/11 30/09/11 Disponibilidades Endividamento Caixa líquido Forte Geração de caixa 31
  32. 32. Distribuição de Dividendos R$ 0,4400 R$ 0,3991 R$ 0,4048 R$ 0,3667 74,9% R$ 0,3633 46,0% 45,5%R$ % 40,4% 38,9% 4,9% 6,7% 5,8% 4,7% 6,8% 2007 2008 2009 2010 9M11 Dividendo por ação (R$) Dividend yield (%) Payout (%)Dividend yield: Lucro por ação dividido pelo valor médio da ação no ano. 32
  33. 33. Capex: Baixa necessidade 40 35 35 33 30 27 24Milhões de R$ 24 25 20 20 15 10 5 0 2007 2008 2009 2010 9M10 9M11 33
  34. 34. Perspectivas Meta para o período: 2009 – 2013 / 2011-2015 Crescimento da receita bruta a uma taxa composta média (CAGR) entre 8% e 12%. Crescimento do Lucro Líquido a uma taxa composta média (CAGR) entre 12% e 15% nos próximos 5 anos. Despesas de propaganda e publicidade em média entre 8% e 10% da receita líquida.Entendemos que neste período poderemos ter anos com crescimento maior queesta taxa, como foi o caso em 2009 e outros anos com crescimento menor, maspretendemos na média atingir esta meta. 34
  35. 35. Muito Obrigado! Time de RI da Grendene Francisco Schmitt Diretor de Relações com Investidores schmitt@grendene.com.br (5554) 2109.9022 Secretária Cátia Gastmann (5554) 2109.9011 Analistas Alexandre Vizzotto Lenir Baretta (5554) 2109.9036 (5554) 2109.9026 Maiores informaçõesInternet: http://ri.grendene.com.br / Email: dri@grendene.com.br 35

×