Exercícios registros linguísticos

10.810 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.810
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
90
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Exercícios registros linguísticos

  1. 1. 1 CENTRO UNIVERSITÁRIO ESTÁCIO RADIAL DE SÃO PAULODISCIPLINA: ANÁLISE TEXTUALProf. Dr. Manoel Edson de Oliveira OS DIFERENTES REGISTROS LINGUÍSTICOS No processo de comunicação, há diferentes registros lingüísticos, a saber:1. Registro formal: é aquele ensinado nas escolas e serve de veículo às ciências;é usado pelas pessoas instruídas das diferentes classes sociais e caracteriza-se pelaobediência às normas gramaticais; mais usada na linguagem escrita, refleteprestígio social e cultural; é mais estável, menos sujeito a mudanças. É de uso nosmeios diplomáticos e científicos; nos discursos e sermões; nos tratados jurídicos enas sessões do tribunal. Usam-na os juristas nos diferentes misteres da profissão.2. Registro informal: é aquele usado espontaneamente pelo povo; mostra-sequase sempre rebelde à norma gramatical e é carregado de vícios de linguagem(pleonasmos, solecismos etc), expressões vulgares, gírias e orações coordenadas, oque ressalta o caráter oral e popular da língua.3. Registro Regional: são variações geográficas do uso da língua, quanto àsconstruções gramaticais e emprego de certas palavras e expressões. Há, no Brasil,o falar amazônico, nordestino, baiano, fluminense, mineiro, sulino, caipira etc.4. Registro Vulgar: é a linguagem dos analfabetos, daqueles que não têm culturaletrada.5. Gíria: é um estilo que se integra à norma popular, segundo Mattoso. A gíriarelaciona-se ao cotidiano de certos grupos sociais como esportistas, prostitutas,homossexuais, malandros etc. 1
  2. 2. 2 EXERCÍCIOS PROPOSTOSTexto para responder às questões de 1, 2 e 3: O "POBREMA" É NOSSO Segundo Eliana Marquez Fonseca Fernandes, professora de Língua Portuguesa daFaculdade de Letras da Universidade Federal de Goiás, em se tratando de linguagem, não sepode falar em erro ou acerto, mas desvios à norma padrão. "O importante é estabelecer acomunicação. Para isso, usamos a língua em vários níveis, desde o supercuidado ou formalaté o não-cuidado ou não-formal." "A gramática tradicional diz que, quando se fala nóis vai, nóis foi, isso não é português.Mas é sim. Em outro nível. Estudos mais recentes na área dizem que tais formas deexpressão são corretas. Censurar ou debochar de quem faz uso delas é discriminaçãolingüística." Para a professora, o domínio da norma culta não deve ser exigido da população de modogeral, principalmente de pessoas que têm baixo grau de escolaridade. "Quem tem obrigaçãode saber o português formal, falar e escrever de acordo com as regras são os professores,os jornalistas, os acadêmicos", diz. ("Diário da Manhã", Goiânia, 05.05.04. Adaptado.)1. O texto discute a questão da língua em sua função comunicativa, contrapondo usos maisinformais a usos formais.A frase:"A gente sabe que tem gente que escorrega no português" está no nível popular(informal) da língua. Reescreva-a de acordo com o registro formal.2. O texto expõe pontos de vista diferentes sobre a concepção de língua e de seu uso.Segundo o texto,a) qual o ponto de vista da professora Eliana?b) qual o ponto de vista da gramática tradicional?3. Qual a função da linguagem predominante no texto? 2
  3. 3. 34. Identifique os registros lingüísticos presentes nos segmentos que seguem.a) Dois homens tramando um assalto. - Valeu, mermão? Tu traz o berro que nóis vamo rende o caixa bonitinho. Engrossou, enche o cara de chumbo. Pra arejá. - Podes crê. Servicinho manero. É só entrá e pegá. - Tá com o berro aí? - Tá na mão. Aparece o guarda. - Ih, sujou. Disfarça, disfarça... O guarda passa por eles. - Discordo terminantemente. O imperativocategórico de Hegel chega a Marx diluído pela fenomenologia de Feurbach. - Pelo amor de Deus! Isso que dizer queKierKegaard não passa de um Kant com algumas sílabas a mais. Ou que osiluministas do século 18... O guarda se afasta. - O berro, tá recheado? - Tá. - Então vamlá! (Luís Fernando Veríssimo)__________________________________________________________________b) - Tu, Tião, diabo! Tu apertou demais o cocão!... Não vê que a gentecarreando defunto-morto, com essa cantoria, até Deus castiga, siô?!... Não vê queé teu pai demoninho?!... Fasta! Fasta, Canindé!... (conversa de bois, in Sagarana, Guimarães Rosa)_________________________________________________________________c) É bom quando a gente volta da escola, não tem nada de bom passando naTV normal, aí a gente pega e liga a DIRECTV, que tem sempre alguma coisa boapra ver. (Sérgio Cleto Jr.)__________________________________________________________________ 3
  4. 4. 4d) “(...) A história religiosa e política mostra que, em todos os tempos, ofanatismo é a arma principal daqueles que acreditam que a sua é a única visãoválida da vida e que todas as outras visões devem ser destruídas.” (Marco Antônio de Carvalho)__________________________________________________________________Leia o fragmento a seguir para responder à questão 2:“A princesa Diana já passou por poucas e boas. Tipo quando o seu ex-maridoCharles teve um love affair com Lady Camille revelado para Deus e o mundo.”(Folha de S. Paulo, 5/11/93)2. No texto acima, há expressões que fogem ao registro formal da língua. a) Identifique-as. ________________________________________________________________ ________________________________________________________________ b) Reescreva-as conforme o registro formal.________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________Texto para responder às questões 3 e 4:“GOL CONTRA: A estação de TV KTLA, em Los Angeles, achou que estava marcandoum tento de originalidade ao contratar Claudia Trejos para apresentar o noticiárioesportivo no fim de semana. Por enquanto, ganhou um bate-boca. A colombiana de30 anos fala inglês com sotaque muito carregado, igual ao de uma imensa maioriana cidade. Claudia Trejos pegou a cadeira de um veterano apresentadorfoneticamente correto. Colunistas com sobrenomes anglo-saxões não perdoam amuchacha, mas ela diz que vai sobreviver à língua racista e machista doscoleguinhas.” (O Globo)3. O que significa, no contexto da notícia, o comentário “veterano apresentadorfoneticamente correto”?Resposta:____________________________________________________________________________________________________________________________________ 4
  5. 5. 5_________________________________________________________________________________________________________________________________4. O que a expressão “foneticamente correto” evidencia em relação à variedadelingüística utilizada pela apresentadora?Resposta:______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________5. Reescreva os trechos a seguir, utilizando o registro formal.a) “Bom, primeiro o delegado decidiu ir na periferia. Lá onde mora o acusado Praassuntar umas coisas sobre ele. Lembrou de entrar numa casa de jogos. Meio queesqueceu do que ia fazer.”_______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________b) “Eu procurei ela pra resolver o poblema, como se diz, como amigo. Fui noprédio que ela mora . Mas não tinha ninguém na portaria. Então desisti de esperare resolvi telefonar. Mas aí chegou o porteiro. Então, ele abriu a porta e eu entrei.Mas o elevador estava parado. Então, subi pelas escadas. Aí cheguei no 4 o andar.Mas não tinha ninguém em casa. Então, escrevi um bilhetinho e botei por baixo daporta. Mas aí chegou a empregada. Então eu perguntei a ela: “Guilhermina está?Ela respondeu: Não está não senhor.”______________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________ 5

×