Guerra do Vietnã e Contracultura

626 visualizações

Publicada em

Guerra do Vietnã e Contracultura

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
626
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Guerra do Vietnã e Contracultura

  1. 1. Não confie em ninguém com mais de trinta • Geração pós-guerra acusava pais e professores, executivos e militares de serem responsáveis pela sociedade de consumo que se instaurava, pela indústria de armamentos e produtos químicos destinados às matanças das guerras, pelo envio de milhares de jovens recrutas para as frentes de batalha e o constante alerta do perigo nuclear.
  2. 2. • Nos EUA • Perseguição macarthista a todos considerados de esquerda, socialistas ou não (inimigos da nação); • Jovens atraídos pelo consumo compulsivo; • Aumento da solidão, da angústia e do medo; • Alguns passam a contestar o consumo, adotando visual chocante – rebels without a cause (rebeldes sem causa); • Falta engajamento político, jovens imitam o cinema - James Dean
  3. 3. • Neste contexto, surge o Rock n’ Roll, abordando assuntos pertinentes à juventude; • Destacam-se Elvis Presley e Bill Harley. • O sistema criticado pelo rock logo o absorveu, transformando-o em objeto de consumo
  4. 4. King Of The Road Elvis Presley Trailer for sale or rent, rooms to let fifty cents No phone, no pool, no pets, i ain't got no cigarettes Ah but, two hours of pushin' broom buys a Eight by twelve four-bit room I'm a man of means by no means, king of the road Third boxcar midnight train, destination bangor, maine Old worn out suit and shoes, i don't pay no union dues I smoke old stogies i have found, short but not too big around I'm a man of means by no means, king of the road I know every engineer on every train All the children and all of their names And every handout in every town And every lock that ain't locked when no-one's around I sing... King Of The Road (Tradução) Trailer à venda ou para locação Quartos para dormir por 50 centavos Sem telefone, sem piscina, sem animais de estimação Eu ainda não arrumei cigarros Mas duas horas varrendo com uma vassoura Pagam um quarto de 50 centavos, com 8 pés por 12 Eu sou um homem cujo plano é não ter planos O rei da estrada Terceiro vagão do trem da meia-noite Destino: Bangor, Maine Um suéter gasto e quente e sapatos Eu não pago impostos para a União Eu fumo os cigarros velhos que encontrei Pequenos, mas não tem nada maior por perto Eu sou um homem cujo plano é não planejar O rei da estrada Eu conheço a engenharia de todos os trens Todas as crianças e sei os nomes delas E todos os folhetos de todas as cidades E todo cadeado destrancado, quando não tem ninguém por perto... Eu canto...
  5. 5. • No Brasil • O rock chegou em meados da década, porém diferenças culturais fazem com que não tenha sucesso imediato. • O que fazia sucesso eram versões à brasileira, com letras inofensivas; • Celly e Tony Campelo, Ronnie Cord e Carlos Gonzaga; • Banho de Lua, Estúpido Cupido, Biquíni de bolinha amarelinha. • “Ao final dos 50’ nossa americanização chegava a galope, como qualquer ‘mocinho’ de filme de cowboy, para lutar contra o vilão representado pelo nosso ‘atraso cultural’!”
  6. 6. Os limites impostos ao prazer excitam o prazer de viver sem limites • Existencialismo: surge na França e alcança a América - reflexão sobre a existência do homem, buscando desvendar seu interior. • Estamos “condenados” a ser livres. Somos autores do nosso destino, limitados por circunstancias externas. • Na imaginação popular, estas pessoas se desviavam das normas estabelecidas se entregado aos prazeres da vida. • O existencialismo foi percebido no continente americano como a voz da rebelião e da liberdade.
  7. 7. Porque as pessoas loucas o bastante para acreditar que podem mudar o mundo, são as que o mudam Década de 1960 • Movimento Beat • O termo significa a beatitude e a batida do jazz; • Seus adeptos buscavam refletir sobre os “rebanhos de cidadãos medíocres”;
  8. 8. • Na década de 60’ o movimento influencia o pacifismo, as lutas pelos direitos civis, os grandes festivais de música e a contracultura; • São Francisco foi o berço dos beatniks • Allen Ginsberg, Jack Kerouac, William Burroughs - despontaram o movimento literário e poético norte- americano. • Embalados pelo espírito de contestação, tem início marcado com On the Road (Na Estrada), de Kerouac, em 1951. • Relatam histórias de jovens norte-americanos, de aparência rebelde, interessados por literatura, viagens, sexo, drogas e caronas.
  9. 9. Sexo, drogas e rock’n’roll • Contracultura • Revolução dos costumes, quebra de velhos tabus, destruição de valores tradicionais; • Reivindicação de estilo de vida diferente da cultura oficial, valorizada e defendida pelo sistema; • Ridiculariza os valores da sociedade de consumo e a violência; The Doors Five to one
  10. 10. • Caracteriza-se por cores, ruídos, formas, gestos e ritmos destinados à agredir uma sociedade acomodada; • Novas maneiras de pensar, de compreender e de es relacionar com o mundo e com as pessoas; • Cabelos longos, roupas coloridas, misticismo oriental, música e drogas; • Revolução sexual - pílula anticoncepcional, minissaia; • Teatros de rua - palavrões e nudez em espetáculos; • Flower power; Gay power; Women’s lib; Black power; • Assim como o rock, gradualmente foi absorvida pelo sistema que combatia.
  11. 11. • No Brasil • Onda das versões iniciadas na década anterior é o processo que faz surgir a jovem guarda ; • Cresce o número de televisores nas casas. • Na TV misturava-se a moral tradicional com o desejo de transgressão dos espectadores; • A minissaia e o uso de cabelos soltos usados por Wandrelea contrapunha a ideia de cabelos presos e armados para as mulheres; os homens seguiam de perto o modismo ditado por Roberto e Erasmo, que usavam cabelos longos, anéis e colares reluzentes e roupas coloridas;
  12. 12. • Estes jovens não queriam mudar o mundo: • Canções sem apelo político, não pretendia ser rebelde ou chocar com temáticas violentas; • Demonstravam o apelo do consumismo (moda, automóveis, eletroeletrônicos); • Falavam de carros, velocidade, namoro, roupas; • Roberto Carlos, Wanderléa e Erasmo Carlos; • Para críticos de esquerda são jovens alienados e submissos à influencia cultural e imperialista norte-americana; • Passam longe da crítica social gerada pela contracultura;
  13. 13. Poder do amor e da flor • Movimento hippie – grupos de jovens que repudiavam ideais burgueses e todas as formas de violência, discriminação, repressão, consumismo e massificação; • Negação do sistema por meio da música, das drogas, da vida em comunidade e da liberdade sexual. • Buscavam a paz, o prazer, a liberdade, o lúdico, voltando-se para a dança e misticismo oriental;
  14. 14. • Os Yippies – atuam de forma mais direta, paralelamente aos hippies; • Mesclam estilo de vida psicodélico com posturas políticas de esquerda; • Valorizam problemas sociais : lutas de feministas, de negros e de homossexuais; • Utilizam do erotismo, da liberdade comportamental e da antiarte como ferramentas de luta, ao invés do discurso político.
  15. 15. velo
  16. 16. Vietnan Song Country Joe Well, come on all of you, big strong men, Uncle Sam needs your help again. He's got himself in a terrible jam Way down yonder in Vietnam So put down your books and pick up a gun, We're gonna have a whole lotta fun. (repeat) And it's one, two, three, What are we fighting for ? Don't ask me, I don't give a damn, Next stop is Vietnam; And it's five, six, seven, Open up the pearly gates, Well there ain't no time to wonder why, Whoopee! we're all gonna die. Come on Wall Street, don't be slow, Why man, this is war au-go-go There's plenty good money to be made By supplying the Army with the tools of its trade, But just hope and pray that if they drop the bomb, They drop it on the Viet Cong. (repeat) Well, come on generals, let's move fast; Your big chance has come at last. Now you can go out and get those reds 'Cause the only good commie is the one that's dead And you know that peace can only be won When we've blown 'em all to kingdom come. (repeat) Come on mothers throughout the land, Pack your boys off to Vietnam. Come on fathers, and don't hesitate To send your sons off before it's too late. And you can be the first ones in your block To have your boy come home in a box. (repeat)
  17. 17. Vietnan Song Country Joe Bem, vamos lá todos vocês grandes homens fortes Tio Sam precisa de sua ajuda novamente, Ele se meteu em um congestionamento terrível Muito lá embaixo no Vietnã Então largue seus livros e pegue uma arma Nós teremos muita diversão REFRÃO E é 1,2,3 Estamos lutando para que? Não me pergunte eu não dou a mínima Próxima parada é o Vietnã, E é 5,6,7 Abra as portas de pérolas Bem, não há tempo para se perguntar por que WHOPEE!! Vamos todos morrer Venha para Wall Street, não seja lento, Porque o homem desta guerra a-go-go, Há muito dinheiro para ser feito Suprir o exército com as ferramentas do comércio Só espero e rezo para que quando soltar a bomba Eles deixem cair no Vietcong. Bem, vamos lá generais , andem rápido Sua grande chance veio, finalmente. Agora você sair e os vermelhos? Porque o único bom comunista é um que é morto, E você sabe que a paz só pode ser ganha, Quando você explodir todos eles para o reino. Vamos mães por todo o país Embalem seus meninos para o Vietnã, Venham pais não hesitem Enviem seus filhos antes que seja tarde demais, Seja o primeiro em seu quarteirão Para ter o seu filho de volta em casa em uma caixa http://www.youtube.com/watch?v=xuUBCF3KKxc
  18. 18. É proibido proibir! • Movimento estudantil em contestação ao regime militar; • No teatro, a peça Roda-Viva, de Chico Buarque escandaliza com linguagem agressiva; • Cinema novo, com Glauber Rocha - “Uma câmera na mão e uma ideia na cabeça”; • Imagens sem movimento, longos diálogos, cenários despojados - poucos recursos financeiros; • Aponta problemas sociais brasileiros;
  19. 19. • Bossa Nova surge sendo considerada música da classe média; • Influenciada pelo Jazz norte-americano; • Exaltação nacionalista faz da MPB símbolo de resistência ao golpe de 1964, e à invasão cultural estrangeira. • Surge, em 1967, o movimento Tropicalista, com a música Alegria, Alegria, de Caetano Veloso. • Aponta as contradições da época: cultura nacional x internacional, arte engajada x alienada; • Música como arma contra estado de opressão, não apenas para distração; • AI-5 viola a livre manifestação política prevista na Constituição;
  20. 20. Pra Não Dizer Que Não Falei Das Flores Geraldo Vandré Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não Nas escolas, nas ruas Campos, construções Caminhando e cantando E seguindo a canção Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer Pelos campos há fome Em grandes plantações Pelas ruas marchando Indecisos cordões Ainda fazem da flor Seu mais forte refrão E acreditam nas flores Vencendo o canhão Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer Há soldados armados Amados ou não Quase todos perdidos De armas na mão Nos quartéis lhes ensinam Uma antiga lição: De morrer pela pátria E viver sem razão Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer Nas escolas, nas ruas Campos, construções Somos todos soldados Armados ou não Caminhando e cantando E seguindo a canção Somos todos iguais Braços dados ou não Os amores na mente As flores no chão A certeza na frente A história na mão Caminhando e cantando E seguindo a canção Aprendendo e ensinando Uma nova lição Vem, vamos embora Que esperar não é saber Quem sabe faz a hora Não espera acontecer
  21. 21. • Novas bandas surgem com o imaginário hippie e visual despojado, afastando-se da Jovem Guarda; • Entre eles Os Mutantes e Raul Seixas; • Para eles, a velocidade não significava apenas pisar no acelerador, e sim voar nas viagens psicodélicas da contracultura, acelerar a mente, descobrindo novos registros sensoriais; • Posicionavam-se contra a sociedade de consumo, ironizando a vida cristã e valores burgueses;
  22. 22. Hey Boy Os Mutantes He he he hey boy O teu cabelo tá bonito hey boy Tua caranga até assusta hey boy (Tchu aa uu) Vai passear na rua Augusta tá He he he hey boy Teu pai já deu tua mesada hey boy A tua mina tá gamada hey boy (Tchu aa uu) Mas você nunca fez na na na No pequeno mundo do teu carro O tempo é tão pequeno Teu blusão importado (úúúa) Tua pinta de abonado (tuas idéias modernas) He hey boy Mas teu cabelo tá bonito hey boy Tua caranga até assusta hey boy (Tchu aa uu) Vai passear na rua Augusta tá A menina e as pernas Vão aparecer Nos passos ritmados (úúúa) No iê iê iê bem dançado (Da cuba libre gelada) Hey boy Viver por viver Hey boy Viver por viver Hey boy Viver por viver
  23. 23. Faça amor, não faça guerra! • Auge da Guerra Fria: • Medo de uma guerra nuclear e pavor da ameaça comunista; • Fortalecido pela Revolução Cubana; • O Vietnã: • Em 1941, o Partido Comunista inicia uma guerra de guerrilha contra a ocupação militar japonesa; • Em 1954, acabam com o colonialismo francês; • A partir de 1964 enfrentam os norte-americanos;
  24. 24. • Os EUA • Objetivo era conter o avanço da guerrilha comunista, situada no Norte do Vietnã e que lançava-se para o Sul; • Intensificam ataquem em 1965; • Teoria do “Efeito Dominó” – ontem Cuba, hoje Vietnã e amanhã? • Os soldados • Pouca visibilidade dos inimigos; • Aspectos geográficos dificultavam a locomoção; • Armadilhas;
  25. 25. • Os vietnamitas • Vilarejos e aldeias não foram poupados; • Cresce o ódio da população, que passa a fazer oposição e praticar sabotagem; • O termo “vietcong” foi uma forma pejorativa de chamar os vietnamitas do Norte, mescla de vietnamita + comunista; • Condição de inferioridade militar da população vietnamita demonstra capacidade de resistência ao imperialismo; • Tornam-se exemplo de resistência, despertando a solidariedade internacional (Che);
  26. 26. • Os jovens americanos • Sacrifícios da guerra eram inúteis; • Não viam motivos para arriscarem suas vidas, muitos desertaram; • Hippies saem às ruas em marchas pacifistas, protestando contra a guerra, pelos direitos dos cidadãos, pregando a paz e queimando carteiras de reservistas; • Musical Hair retrata jovens que se recusam a prestar serviço militar; • Os EUA se retiram da guerra em 1973; • 1,2 milhão de mortos civis e militares – apenas 58 mil norte- americanos; • Média de idade era de 19 anos.
  27. 27. Masters Of War Bob Dylan Come you masters of war You that build the big guns You that build the death planes You that build all the bombs You that hide behind walls You that hide behind desks I just want you to know I can see through your masks You that never done nothin' But build to destroy You play with my world Like it's your little toy You put a gun in my hand And you hide from my eyes And you turn and run farther When the fast bullets fly Like Judas of old You lie and deceive A world war can be won You want me to believe But I see through your eyes And I see through your brain Like I see through the water That runs down my drain [...] Senhores Da Guerra Bob Dylan Venham seus senhores da guerra Vocês que constroem as grandes armas Vocês que constroem os aeroplanos da morte Vocês que constroem todas as bombas Vocês que se escondem atrás das paredes Vocês que se escondem atrás das mesas Eu só quero que vocês saibam Que eu enxergo através de suas mascaras Você que nunca fez nada A não ser criar para a destruição Você brinca com meu mundo Como se fosse seu pequeno brinquedo Você coloca uma arma em minha mão E se esconde da minha vista E se vira e corre longe Quando as rajadas de balas voam Como um Judas do passado Você mente e engana Uma guerra mundial pode ser vencida Você quer que eu acredite Mas eu enxergo através de seus olhos E eu enxergo através de sua mente Como enxergo através da água Que escorre pelo meu ralo [...]
  28. 28. REFERÊNCIAS ALVES, Júlia Falivene. A invasão cultural norte- americana. Coleção Polêmica, São Paulo: Moderna, 1988. CARMO, Paulo Sérgio do. Culturas da Rebeldia: a juventude em questão. 2ª ed, São Paulo: Editora SENAC São Paulo, 2003. SILVA, Francisco Carlos Teixeira da., CABRAL, Ricardo., MUNHOZ, Sidnei. Impérios na História. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. Imagens: Google Músicas: Acervo Pessoal

×