Os verdadeiros laços de familia

33.347 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
1 comentário
20 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
33.347
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16.681
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1.250
Comentários
1
Gostaram
20
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os verdadeiros laços de familia

  1. 1. Providência da família de Jesus — E voltou para casa. E de novo a multidão se apinhou, de tal modo que eles não podiam se alimentar. E quando os seus tomaram conhecimento disso, saíram para detê-lo, porque diziam: ―Enlouqueceu!‖ Marcos 3:20-21 e 31-35.
  2. 2. Os verdadeiros parentes de Jesus — Chegaram então sua mãe e seus irmãos e, ficando do lado de fora, mandaram chamá-lo. Havia uma multidão sentada em torno dele. Disseram-lhe: ―Eis que tua mãe, teus irmãos e tuas irmãs estão lá fora e te procuram‖. Marcos 3:20-21 e 31-35.
  3. 3. Os verdadeiros parentes de Jesus —Ele perguntou: ―Quem é minha mãe e meus irmãos?‖ E, repassando com o olhar os que estavam sentados ao seu redor, disse: ―Eis a minha mãe e os meus irmãos. - Quem fizer a vontade de Deus, esse é meu irmão, irmã e mãe‖. Marcos 3:20-21 e 31-35.
  4. 4. Os laços do sangue não criam forçosamente os liames entre os Espíritos. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o Espírito já existia antes da formação do corpo. - A parentela corporal e a parentela espiritual - Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  5. 5. 207. Os pais transmitem muitas vezes a seus filhos a semelhança física. Eles também lhes transmitem alguma semelhança moral? – Não, uma vez que têm almas ou Espíritos diferentes. O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito. Entre os descendentes das raças há apenas consanguinidade. - Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 207.
  6. 6. 207. a) De onde vêm as semelhanças morais que existem algumas vezes entre os pais e filhos? – São Espíritos simpáticos atraídos pela semelhança de suas tendências. - Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 20e 207a.
  7. 7. 203. Os pais transmitem aos filhos uma porção de sua alma ou limitam-se a dar- lhes a vida animal a que uma nova alma, mais tarde, vem acrescentar a vida moral? – Dão-lhe apenas a vida animal, porque a alma é indivisível. Um pai estúpido pode ter filhos inteligentes e vice-versa. - Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 203.
  8. 8. Não é o pai quem cria o Espírito de seu filho; ele mais não faz do que lhe fornecer o invólucro corpóreo, cumprindo-lhe, no entanto, auxiliar o desenvolvimento intelectual e moral do filho, para fazê-lo progredir. - A parentela corporal e a parentela espiritual - Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  9. 9. Missão dos Pais Ó espíritas! compreendei agora o grande papel da Humanidade; compreendei que, quando produzis um corpo, a alma que nele encarna vem do espaço para progredir; inteirai-vos dos vossos deveres e ponde todo o vosso amor em aproximar de Deus essa alma; tal a missão que vos está confiada e cuja recompensa recebereis, se fielmente a comprirdes. - Santo Agostinho (Paris, 1862.). Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  10. 10. Desde pequenina, a criança manifesta os instintos bons ou maus que traz da sua existência anterior. A estudá-los devem os pais aplicar-se. Todos os males se originam do egoísmo e do orgulho. Espreitem, pois, os pais os menores indícios reveladores do gérmen de tais vícios e cuidem de combatê-los, sem esperar que lancem raízes profundas. - Santo Agostinho (Paris, 1862.). Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  11. 11. Se deixarem se desenvolvam o egoísmo e o orgulho, não se espantem de serem mais tarde pagos com a ingratidão. - Santo Agostinho. - Santo Agostinho (Paris, 1862.). Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  12. 12. 208. O Espírito dos pais tem influência sobre o do filho após o nascimento? – Há uma influência muito grande. Como já dissemos, os Espíritos devem contribuir para o progresso uns dos outros. Pois bem, os Espíritos dos pais têm como missão desenvolver o de seus filhos pela educação. É para eles uma tarefa: se falharem, serão culpados. Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 208.
  13. 13. Sobre Educação, Allan Kardec adverte na questão 685-A: ―Não a educação intelectual, mas a moral, e nem ainda a educação moral pelos livros, mas a que consiste na arte de formar os caracteres, aquela que cria os hábitos adquiridos.‖ Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 685a.
  14. 14. Quando os pais hão feito tudo o que devem pelo adiantamento moral de seus filhos, se não alcançam êxito, não têm de que se inculpar a si mesmos e podem conservar tranquila a consciência. - Santo Agostinho. (Paris, 1862.) Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  15. 15. Os que encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  16. 16. 204. Uma vez que tivemos diversas existências, o parentesco pode recuar além de nossa existência atual? – Não pode ser de outra forma. A sucessão das existências corporais estabelece entre os Espíritos laços que remontam às existências anteriores. Daí muitas vezes decorrem as causas de simpatia entre vós e alguns Espíritos que vos parecem estranhos. Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 204.
  17. 17. Formam famílias os Espíritos que a analogia dos gostos, a identidade do progresso moral e a afeição induzem a reunir-se. - Santo Agostinho. (Paris, 1862.) Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  18. 18. Esses mesmos Espíritos, em suas migrações terrenas, se buscam, para se gruparem, como o fazem no espaço, originando-se daí as famílias unidas e homogêneas. - Santo Agostinho. (Paris, 1862.) Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  19. 19. Se, nas suas peregrinações, acontece ficarem temporariamente separados, mais tarde tornam a encontrar-se, venturosos pelos novos progressos que realizaram. - Santo Agostinho. (Paris, 1862.) Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  20. 20. Mas, como não lhes cumpre trabalhar apenas para si, permite Deus que Espíritos menos adiantados encarnem entre eles, a fim de receberem conselhos e bons exemplos, a bem de seu progresso. - Santo Agostinho. (Paris, 1862.) Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  21. 21. Mas, também pode acontecer sejam completamente estranhos uns aos outros esses Espíritos, afastados entre si por antipatias igualmente anteriores, que se traduzem na Terra por um mútuo antagonismo, que aí lhes serve de provação. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  22. 22. Esses Espíritos se tornam, por vezes, causa de perturbação no meio daqueles outros, o que constitui para estes a prova e a tarefa a desempenhar. - Santo Agostinho. (Paris, 1862.) Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo XIV, item 9.
  23. 23. 209. Por que pais bons e virtuosos geram, às vezes, filhos de natureza perversa? Melhor dizendo, por que as boas qualidades dos pais nem sempre atraem, por simpatia, um bom Espírito para animar seu filho? – Um Espírito mau pode pedir pais bons, na esperança de que seus conselhos o orientem a um caminho melhor e, muitas vezes, Deus lhe concede isso. Allan Kardec – O livro dos Espíritos – q. 209.
  24. 24. Não são os da consanguinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de ideias, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  25. 25. Segue-se que dois seres nascidos de pais diferentes podem ser mais irmãos pelo Espírito, do que se o fossem pelo sangue. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  26. 26. Podem então atrair-se, buscar-se, sentir prazer quando juntos, ao passo que dois irmãos consanguíneos podem repelir-se, conforme se observa todos os dias: problema moral que só o Espiritismo podia resolver pela pluralidade das existências. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  27. 27. Há, pois, duas espécies de famílias: as famílias pelos laços espirituais e as famílias pelos laços corporais. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  28. 28. Duráveis, as primeiras se fortalecem pela purificação e se perpetuam no mundo dos Espíritos, através das várias migrações da alma. As segundas, frágeis como a matéria, se extinguem com o tempo e muitas vezes se dissolvem moralmente, já na existência atual. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  29. 29. Foi o que Jesus quis tornar compreensível, dizendo de seus discípulos: Aqui estão minha mãe e meus irmãos, isto é, minha família pelos laços do Espírito, pois todo aquele que faz a vontade de meu Pai que está nos céus é meu irmão, minha irmã e minha mãe. Allan Kardec – O evangelho segundo o espiritismo - capítulo 14, item 8 e 9.
  30. 30. Estudando as obras de Kardec Ano 1 - N° 1 - 18 de Abril de 2007 ASTOLFO OLEGÁRIO DE OLIVEIRA FILHO aoofilho@oconsolador.com.br Londrina, Paraná (Brasil) O Livro dos Médiuns Allan Kardec (1ª Parte) Iniciamos com este número o estudo de “O Livro dos Médiuns”, segunda obra que integra o chamado Pentateuco Kardequiano, que Allan Kardec lançou em Paris no ano de 1861, a qual será aqui apresentada na forma de 175 questões objetivas.

×