Granjear Amigos

18.707 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
18.707
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
16.361
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
140
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Granjear Amigos

  1. 1. Ninguém tem maior amor do que aquele que dá a vida por seus amigos. Vós sois meus amigos, se praticais o que vos mando. João 15:13-14
  2. 2. Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que seu senhor faz; mas eu vos chamo amigos, porque tudo o que ouvi de meu Pai eu vos dei a conhecer. João 15:15
  3. 3. Jesus respondeu-lhe: "Amigo, para que estás aqui?" Então, avançando, deitaram a mão em Jesus e o prenderam. Mateus 26:50 Prisão de Jesus
  4. 4. Condição para se granjear a benevolência dos bons Espíritos Ora, a primeira condição para se granjear a benevolência dos bons espíritos é a humildade, o devotamento, a abnegação, o mais absoluto desinteresse moral e material. Allan Kardec: O Evangelho segundo o Espiritismo. Cap. XXVI, item 8.
  5. 5. A humildade é uma virtude bem esquecida entre vós. Os grandes exemplos que vos foram dados são bem pouco seguidos. Sem a humildade, podeis ser caridosos com vosso próximo? Oh! Não, porque esse sentimento nivela os homens. Allan Kardec - ESE, Cap. Bem aventurados os pobres de espírito, item 11, O orgulho e a humildade.
  6. 6. Dos ensinamentos de Jesus, o Evangelho registra diversas passagens sobre humildade: Mateus: V, 3 :”Bem aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus”. Lucas, XIV, 11: “Porque todo que se exaltar será humilhado e todo aquele que se humilhar será exaltado.”
  7. 7. Por desinteresse moral entendemos a abnegação, a humildade, a ausência de toda pretensão orgulhosa, de todo pensamento de dominação à custa do Espiritismo. Viagem espírita em 1862 e outras viagens de Kardec.
  8. 8. A bondade, a benevolência, a simplicidade do coração, o amor do próximo, o desprendimento das coisas materiais. […] Allan Kardec: O Livro dos Médiuns. Cap. XX, item 227. As qualidades que, de preferência, atraem os bons Espíritos são:
  9. 9. […] o orgulho, o egoísmo, a inveja, o ciúme, o ódio, a cupidez, a sensualidade e todas as paixões que escravizam o homem à matéria. Kardec, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo - Cap. XXVI, - Item 227, p. 287-288. As imperfeições morais são as portas que permitem o acesso aos maus Espíritos. As que mais se evidenciam são:
  10. 10. É o ORGULHO, porque é a que a criatura menos confessa a si mesma. Kardec, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo - Cap. XXVI, - - Item 228. A que, porém, os maus espíritos exploram com mais habilidade:
  11. 11. Os bons espíritos nos convidam ao bem, nos sustentam nas provas da vida e nos ajudam a suportá-las com coragem e resignação. Os maus nos convidam ao mal: é para eles um prazer ver-nos sucumbir e cair no seu estado. Kardec, Allan. O Evangelho segundo o Espiritismo - Cap. XXVI, - - Item 228. Afinidades espirituais
  12. 12. Querer o bem; repulsar o egoísmo e o orgulho. Kardec, Allan. O livro dos médiuns, 226 - item 11ª. Quais as condições necessárias para que a palavra dos Espíritos superiores nos chegue isenta de qualquer alteração?
  13. 13. •Perfeita comunhão de vistas e de sentimentos; •Cordialidade recíproca entre todos os membros; •Ausência de todo sentimento contrário à verdadeira caridade cristã; Kardec, Allan. O livro dos médiuns, 341. Condições para uma Sociedade granjear a simpatia dos bons Espíritos:
  14. 14. •Um único desejo: o de se instruírem e melhorarem, por meio dos ensinos dos Espíritos e do aproveitamento de seus conselhos. Kardec, Allan. O livro dos médiuns, 341.
  15. 15. •Recolhimento e silêncio respeitosos, durante as confabulações com os Espíritos; •União de todos os assistentes, pelo pensamento, ao apelo feito aos Espíritos que sejam evocados; Kardec, Allan. O livro dos médiuns, 341.

×