Atmosfera espiritual da terra

78.435 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
78.435
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
72.251
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
254
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atmosfera espiritual da terra

  1. 1. De que é constituída a atmosferaespiritual da Terra?R.: Ela se constitui dos fluidos maispróximos do estado de materialização,ou seja, dos menos puros. A Gênese, de Allan Kardec, itens 5.
  2. 2. A SINTONIA DO PENSAMENTO (Allan Kardec - A Gênese, cap. XIV, item 16)
  3. 3. Os pensamentos bons impõem-lhesluminosidade e vibrações elevadas quecausam conforto e sensação de bemestar às pessoas sob sua influência.Os pensamentos maus provocamalterações vibratórias contrárias àscitadas. Allan Kardec - Revista Espírita, Maio, 1867.
  4. 4. Pode-se concluir assim, que em torno deuma pessoa, de uma família, de umacidade, de uma nação ou planeta, existeuma atmosfera espiritual fluídica, quevaria vibratoriamente, segundo a naturezamoral dos Espíritos envolvidos. Allan Kardec - Revista Espírita, Maio, 1867.
  5. 5. Ensina o Espiritismo que os Espíritosconstituem a população invisível do globo,estão no espaço e entre nós, vendo-nos enos acotovelando incessantemente, de talsorte que, quando nos julgamos sós,constantemente temos testemunhassecretas de nossas ações e de nossospensamentos. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  6. 6. Conforme a natureza dos Espíritos queabundam em determinado lugar, o arambiente se ache carregado de elementossalutares ou malsãos, que devem exercerinfluências sobre a saúde física, assimcomo sobre a saúde moral? (Allan Kardec - R. E. 1867)
  7. 7. Quando se pensa na energia da ação queum Espírito pode exercer sobre umhomem, é de admirar-se da que deveresultar de uma aglomeração de centenasou de milhares de Espíritos? (Allan Kardec - R. E. 1867)
  8. 8. Esta ação será boa ou má conforme osEspíritos derramem num dado meio um , agindo àmaneira das emanações fortificantes oudos miasmas deletérios, que se espalhamno ar. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  9. 9. Assim se podem explicar certos efeitos coletivos,produzidos sobre massas de indivíduos, osentimento de bem-estar ou de mal-estar, que seexperimenta em certos meios, e que não têmnenhuma causa aparente conhecida, oentusiasmo ou o desencorajamento por vezes, aespécie de vertigem que se apodera de toda umaassembleia, de toda uma cidade, mesmo detodo um povo. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  10. 10. Em razão do seu grau desensibilidade, cada indivíduo sofre ainfluência dessa atmosfera viciada ouvivificante. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  11. 11. Um princípio perfeitamente constatado portodo Espírita, é que as qualidades do fluidoperispiritual estão na razão direta dasqualidades do Espírito encarnado oudesencarnado; . (Allan Kardec - R. E. 1867)
  12. 12. Pelo só fato da presença dos encarnadosnuma assembleia, os fluidos ambientesserão, pois, salubres ou insalubres,conforme os pensamentos dominantesforem bons ou maus. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  13. 13. Agora se considerar que os pensamentosatraem os pensamentos da mesmanatureza, que os fluidos atraem os fluidossimilares, compreende-se que cadaindivíduo traga consigo um cortejo deEspíritos simpáticos, bons ou maus. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  14. 14. Se os maus pensamentos forem em minoria, nãoimpedirão que as boas influências se produzam,pois estas os paralisam.Se dominarem, enfraquecerão a radiaçãofluídica dos bons Espíritos ou mesmo, por vezesimpedirão que os bons fluidos penetrem nessemeio, como o nevoeiro enfraquece ou detém osraios do sol. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  15. 15. Qual é, pois, o meio de se subtrair àinfluência dos maus fluidos?Esse meio ressalta da própria causa queproduz o mal.Que se faz quando se reconhece que umalimento é nocivo à saúde? Rejeita-o,substituindo-o por um alimento mais são. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  16. 16. Desde que são os maus pensamentos queenquadram os maus fluidos e os atraem, , repelir tudoo que é mau, como se repele um alimento quenos torna doentes; numa palavra, (Allan Kardec - R. E. 1867)
  17. 17. Melhorando-se, a humanidade verádepurar-se a atmosfera fluídica em cujomeio vive, porque não lhe enviarásenão bons fluidos, e estes oporão umabarreira à invasão dos maus. (Allan Kardec - R. E. 1867)
  18. 18. Sem dúvida o tempo ainda está longe;mas, enquanto se espera, essas condiçõespodem existir parcialmente; (Allan Kardec - R. E. 1867)
  19. 19. Os que tiverem possuído a luz serão tantomais repreensíveis quanto terão tido emmãos os meios de se esclarecer. Incorrerãona responsabilidade dos retardamentosque seu exemplo e sua má vontadetiverem trazido ao melhoramento geral. (Allan Kardec - R. E. 1867)

×