Power point "Frei Luís de Sousa"

1.254 visualizações

Publicada em

Um conjunto de diapositivos que sintetizam a ação dramática do texto de Almeida Garrett.

Publicada em: Educação
0 comentários
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.254
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
65
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
114
Comentários
0
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Power point "Frei Luís de Sousa"

  1. 1. INTERAÇÕESINTERAÇÕES Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa
  2. 2. Frei Luís de Sousa • ESTRUTURA • Externa: Frei Luís de Sousa apresenta-se dividido em 3 atos com 12, 15 e 12 cenas, respetivamente. • Interna: exposição, conflito e desenlace. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  3. 3. Cada ato em Frei Luís de Sousa contém uma exposição. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  4. 4. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa • No primeiro ato, a Exposição desenrola-se nas primeiras 4 cenas: o leitor/espetador tem acesso ao contexto em que decorrerá a ação dramática, aos antecedentes da ação e ao passado das personagens. • No segundo ato, a Exposição decorre nas 3 primeiras cenas: o que se passou depois de terem saído de casa após o incêndio. • No terceiro ato, a Exposição corresponde à primeira cena: a decisão de entrada para o convento como solução para o conflito.
  5. 5. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Cada ato em Frei Luís de Sousa contém um Conflito.
  6. 6. • No primeiro ato, o Conflito decorre da quinta à oitava cena: à intenção dos governadores de Lisboa se mudarem para Almada, ocupando a casa de D. Manuel de Sousa Coutinho que decide incendiar o palácio para impedir que tal aconteça. • No segundo ato, o Conflito decorre entre a quarta e a oitava cena: D. Manuel vai a Lisboa, levando Maria e Telmo e deixa D. Madalena sozinha com Frei Jorge. • No terceiro ato o Conflito decorre entre a segunda e a nona cena: morte social das personagens e preparação para o desenlace. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  7. 7. Cada ato contém um Desenlace. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  8. 8. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa • No primeiro ato, o Desenlace decorre da nona à décima segunda cena: incêndio do palácio. • No segundo ato, o Desenlace decorre entra a nona e a décima quinta cena: chegada de um romeiro com notícias perturbadoras – reconhecimento de D. João de Portugal nessa figura. • No terceiro ato, o Desenlace decorre entre a décima e a décima segunda cena: morte física de Maria e morte social dos seus pais.
  9. 9. AÇÃO • Constitui-se no drama que se abate sobre a família de Manuel de Sousa Coutinho casado com e D. Madalena de Vilhena (viúva de D. João de Portugal) de quem tem uma filha. • D. Madalena pressente que a sua felicidade e harmonia familiar podem estar em perigo, sendo disso prenunciador os versos d'Os Lusíadas: “Naquele engano d’alma ledo e cego, /Que a fortuna não deixa durar muito...” Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  10. 10. • O incêndio no final do ato I permite uma mudança dos acontecimentos e já na antiga casa de D. Madalena e de D. João de Portugal, a ação atinge o seu Clímax, proporcionando ao Romeiro a possibilidade de reconhecer a sua antiga casa e de se identificar a Frei Jorge. • Os presságios da desgraça iminente sucedem-se e tudo se conjuga para um desfecho dramático: morte física de Maria e a morte para o mundo de Manuel e Madalena. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  11. 11. PERSONAGENS Todas as personagens têm um relevo significativo. As relações entre pais, e pais e filha, entre o aio (figura tutelar) e os seus amos e a relação fraterna com Frei Jorge. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  12. 12. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa •D. Madalena de Vilhena foi casada com D. João de Portugal e tinha 17 anos quando este desapareceu na batalha de Alcácer Quibir, junto com D. Sebastião. Foi procurado intensamente durante 7 anos. •Casou-se ao fim desse tempo com D. Manuel de Sousa Coutinho, com quem vive há catorze anos. É uma mulher bela, de grande caráter, que pressente que a sua felicidade é efémera, e que está predestinada à tragédia.
  13. 13. • Teme inconscientemente a vinda de D. João de Portugal, que nunca foi encontrado morto ou vivo. Fica transtornada quando se vê confrontada com a necessidade de voltar para o antigo palácio onde viveu com o seu primeiro marido. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  14. 14. • D. Manuel de Sousa Coutinho é um nobre e honrado fidalgo, que incendeia a sua própria casa para impedir que nela se instalem os governadores que querem fugir à peste que então grassava em Lisboa. • Racional, equilibrado e sereno é dominado pelos sentimentos quando se preocupa com a doença da filha. É um bom pai e um bom marido (será Frei Luís de Sousa quando entra para o convento). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  15. 15. • Maria de Noronha tem 13 anos, é uma menina bela e frágil que sofre de tuberculose (incurável na época), que acredita que D. Sebastião regressará para pôr fim ao domínio Filipino. • Revela-se muito curiosa e pressente que pode ser filha ilegítima. É em Maria que recai o desenlace trágico. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  16. 16. • Telmo Pais é um velho criado, confidente privilegiado, que se caracteriza pela lealdade, pela fidelidade e pelo grande amor que tem a Maria que viu crescer. • Nunca acreditou na morte do seu antigo amo, D. João de Portugal. • No fim, acaba por trair um pouco a lealdade de escudeiro para com D. João pelo amor que o une à filha daquele casal, D. Maria de Noronha. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  17. 17. • Por um lado, representa o papel de coro da tragédia grega, com os seus agoiros/presságios e com os seus apartes; mas por outro, representa também o corte com o Portugal velho incarnado pela figura de D. João de Portugal, abrindo a esperança de um novo Portugal. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  18. 18. • O Romeiro apresenta-se, inicialmente, como um peregrino da Terra Santa, mas é o próprio D. João de Portugal que os vinte anos de cativeiro transformaram num homem velho que ninguém reconhece nem mesmo o seu velho escudeiro Telmo. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  19. 19. • Identifica-se como "Ninguém" ao defrontar-se com a impossibilidade de um lugar na vida de D. Madalena e, por conseguinte, na sociedade. • A sua existência constitui a impossibilidade da felicidade daquela família, tornando inválido o casamento de D. Madalena e ilegítimo o nascimento de Maria. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  20. 20. • Frei Jorge Coutinho é irmão de Manuel de Sousa, é o confidente e amigo nas horas de angústia. • Desempenha um papel importante na identificação do Romeiro, que à pergunta Romeiro, quem és tu, responderá com um gesto ao indicar o quadro de D. João de Portugal, sem olhar para ele (sabendo, portanto, exatamente a localização do quadro, denunciando, deste modo, a sua verdadeira identidade). • Aconselha a entrada de D. Madalena e D. Manuel Coutinho na vida religiosa como solução para o conflito. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  21. 21. TEMPO • A ação reporta-se ao final do século XVI, embora a descrição do cenário do Ato I se refira à "elegância" portuguesa dos princípios do século XVII. • O texto é, porém, escrito no século XIX, acontecendo a primeira representação em 1843. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  22. 22. • A ação dramática de Frei Luís de Sousa passa-se 21 anos após a batalha de Alcácer Quibir, durante o domínio filipino, em 1599: • "A que se apega esta vossa credulidade de sete... e hoje mais catorze... vinte e um anos?" Pergunta D. Madalena a Telmo (Ato I, cena II). • "Vivemos seguros, em paz e felizes... há catorze anos" (Ato I, cena 11). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  23. 23. • "Faz hoje anos que... que casei a primeira vez, faz anos que se perdeu el-rei D. Sebastião, e faz também que... vi pela primeira vez a Manuel de Sousa", afirma D. Madalena (Ato II, cena X). • "Morei lá vinte anos cumpridos" (...) "faz hoje um ano... quando me libertaram", diz o Romeiro (Ato 11, cena XIV). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  24. 24. ESPAÇO • O ato I passa-se numa “câmara antiga com todo o luxo e caprichosa elegância do século XVII”, no palácio de Manuel de Sousa Coutinho, em Almada. Este espaço elegante pretende corresponder à felicidade e harmonia familiar que aí se vive. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  25. 25. • O ato II acontece “no palácio que fora de D. João de Portugal, em Almada; salão antigo, de gosto melancólico e pesado, com grandes retratos de família...” As memórias do passado e soturnidade deste espaço indiciam fatalidade. • O ato III passa-se na capela, que se situa na “parte baixa do palácio de D. João de Portugal”. “É um casarão vasto sem ornato algum.” O espaço simboliza e caracteriza o mundo da espiritualidade em que os bens materiais não fazem sentido. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  26. 26. A atmosfera • Sebastianismo (crença no regresso do monarca desaparecido e consequente libertação do domínio filipino). Telmo Pais alimenta estas crenças, e Maria mostra-se uma fervorosa partidária. Existe uma atmosfera de superstição em redor de D. Madalena. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  27. 27. Simbologia • A leitura dos versos de Camões refere-se ao trágico fim dos amores de D. Inês de Castro que, como D. Madalena, também vivia uma felicidade aparente, quando a desgraça se abateu sobre ela e a sua família. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  28. 28. • O tempo dos principais momentos da ação acontece num dia aziago, sexta-feira: – fim da tarde e noite (Ato I), sexta-feira, tarde (Ato II), sexta-feira, alta noite (Ato III); – D. Madalena casou-se pela primeira vez a uma sexta- feira; a uma sexta-feira viu Manuel pela primeira vez; – à sexta-feira dá-se o regresso de D. João de Portugal; a uma sexta-feira morreu D. Sebastião, vinte e um anos antes. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  29. 29. • A numerologia parece ter sido escolhida intencionalmente: – Madalena casou 7 anos depois de D. João ter desaparecido na batalha de Alcácer Quibir; – há 14 anos que vive com Manuel de Sousa Coutinho; – a desgraça, com o aparecimento do Romeiro, sucede 21 anos depois da batalha (21 = 3 x 7). Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano
  30. 30. – O número 7 liga-se ao ciclo lunar e representa o descanso no fim da criação. – O número 3 é o número da criação e representa o círculo perfeito e exprime o percurso da vida: nascimento, crescimento e morte. – Na crença popular o 13 indicia azar. Maria vive apenas 13 anos. Um olhar sobreUm olhar sobre Frei Luís de SousaFrei Luís de Sousa Interações – 11.º Ano

×