1. Introdução

Todos aqueles que lidam com a educação sabem que, hoje em dia, a palavra de ordem é inclusão.
Inclusão tida...
2. PEDAGOGIA ESPECIAL
2.1 – Definição de termos
A palavra Pedagogia tem origem na Grécia antiga, paidós (criança) e agogé ...
2.2- Breve historial
O nascimento de uma criança com deficiência, constituia um embaraço para a família porque a
deficiênc...
2.5- Objectivos da pedagogia especial
Existem dois objectivos:
 Gerais
A pedagogia especial tem como objectivos gerais a ...
2.6- Inclusão escolar
A inclusão escolar surgiu com a "Declaração de Salamanca" na década de 90, com a ideia de
romper par...
o anterior quadro de guerra, onde houve desintegração familiar e outros problemas derivantes do
contexto passado.
O país t...
Portanto: as deficiências não impedem a participação e contribuição dessas pessoas na sociedade.
A escola, família e comun...
5- Bibliografia
- Encontro nacional metodológico sobre educação especial 2ª edição Luanda 2009
- Necessidades educativas e...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Pedagogia especial em Angola

514 visualizações

Publicada em

trabalho feito pelos estudantes do 1º ano do ISCED-Huíla

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
514
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pedagogia especial em Angola

  1. 1. 1. Introdução Todos aqueles que lidam com a educação sabem que, hoje em dia, a palavra de ordem é inclusão. Inclusão tida como o atendimento aos alunos com necessidades educativas especiais nas escolas e sempre que possível, nas classes regulares dessas mesmas escolas. O atendimento Inadequado a esta parcela da população é devido a falta de informações básicas sobre deficiência, o que aumenta o preconceito. Neste contexto o presente trabalho tem por objectivo não só descrever e analisar, mas, também, responder as questões levantadas sobre o tema deficiência e, em especial, inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais na rede regular de ensino. 3
  2. 2. 2. PEDAGOGIA ESPECIAL 2.1 – Definição de termos A palavra Pedagogia tem origem na Grécia antiga, paidós (criança) e agogé (condução). Pedagogia: é a ciência que estuda e explica as formas de ensinar e educar o homem. Estuda igualmente os fins, o conteúdo, os meios e os métodos da actividade educativa. Especial: exclusivo a uma coisa ou pessoa. Pedagogia especial: é uma modalidade de ensino que ocupa-se no estudo daqueles que não se enquadram nos parâmetros da normalidade. Das pessoas que apresentam algum tipo de defeito nomeadamente deficiência motora, sensorial, intelectual, com problemas de comportamento e trata da prevenção, da recuperação, integração socioeducativa e socioeconómica dos mesmos e dos alunos portadores. 4
  3. 3. 2.2- Breve historial O nascimento de uma criança com deficiência, constituia um embaraço para a família porque a deficiência era regeitada e ignorada. Por exemplo: nos séculos XVI e XVII as pessoas com deficiência mental eram internadas em orfanatos, manicomios, prisões e outros tipos de instituições estatais. Ali ficavam junto de delinquentes, velhos, pobres indiscriminadamente. Já no século XIX, portadores de necessidades especiais eram vistos como incapazes, não havendo no momento algo que trouxesse esperança para mudar essa realidade. Na sociedade da época esses indivíduos viviam as margens do abandono social e até mesmo abandono da própria família. Somente no fim da década de 60 ouve a iniciação à integração escolar com objectivo de inserir portadores de necessidades nos sistemas gerais da sociedade, a inclusão surge para romper com os paradígmas educacionais, após todos esses anos de exclusão, essas crianças estão sendo olhadas com um olhar mais humano e a inclusão escolar reflecte bem esse novo momento de desenvolvimento social e humano. Neste mesmo século inicia-se o período da institucionalização especializada de pessoas com deficiências, e é a partir de então que podemos considerar ter surgido a Educação Especial. Essa Educação acontecia em escolas fora das povoações, argumentando que o campo lhes proporcionaria uma vida mais saudável e alegre. Porem no intuito de oferecer um serviço especializado, acaba-se, na verdade,privando-os do convívio com as demais pessoas da sua comunidade. 2.3- Objecto de estudo O objecto de estudo da pedagogia especial é a educação de pessoas com necessidades especiais tais como:       Deficiência intelectual; Retardo no desenvolvimento psíquico; Deficiência auditiva; Deficiência visual; Transtorno na conduta, na fala e na linguagem; Super dotado. 2.4- Especialidades da Pedagogia Especial       Surdo-pedagogia: ocupa-se da educação e ensino do individuo que apresenta deficiência auditiva; Tiflo-pedagogia: ocupa-se da educação e instrução do individuo com deficiência visual; Oligofreno-pedagogia: trata-se do ensino dirigido a pessoas congénitas; Orto-pedagogia: aplica-se a todos que apresentam deficiências físicas; Ecto-pedagogia: ocupa-se do ensino do individuo de difícil aprendizagem, para isso utilizam-se métodos lúdicos tais como: jogos, brincadeiras e observação directa de gravuras; Logo-pedagogia: elabora princípios e métodos profiláticos para correcção da insuficiência na linguagem. Utiliza-se para a textualização e comunicação. 5
  4. 4. 2.5- Objectivos da pedagogia especial Existem dois objectivos:  Gerais A pedagogia especial tem como objectivos gerais a integração e a inclusão do individuo com necessidades educativas especias na comunidade. Integração: é uma acção que combate a exclusão social geralmente ligada a pessoas portadoras de deficiência física, idosas ou minorias raciais entre outras que não têm acesso a várias oportunidades. Inclusão: É a nossa capacidade de entender e reconhecer o outro e, assim, ter o privilégio de conviver e compartilhar com pessoas diferentes de nós. Inclusão é nós, pessoas com deficiência, estarmos misturados a todos, com nossas características particulares participarmos de tudo. Qual a diferença entre integração e inclusão? Embora ambas constituam formas de inserção do portador de necessidades educacionais especiais, a prática da integração basea-se no modelo em que os educandos portadores de necessidades educacuionais especiais precisavam modificar-se (habilitar-se, reabilitar-se, educar-se) para tornarem-se aptos a satisfazerem os padrões aceitos no meio social, familiar, escolar, profissional, recreativo, ambiental. A prática da inclusão segue o modelo social da deficiência, segundo o qual a nossa tarefa consiste em modificar a sociedade (escolas, empresas, programas, serviços, ambientes físicos, etc) para torna-la capaz de acolher todas as pessoas que apresente alguma diversidade, portanto estamos falando de uma sociedade de direitos para todos.  Específicos A pedagogia especial tem como objectivos específicos:      Desenvolver as potencialidades físicas e intelectuais, compensando as limitações provocadas pela deficiência; Desenvolver as potencialidaes de comunicação; Proporcionar uma adequada formação pre-profissional e/ou profissional visando a integração na vida activa; Criar condições para o atendimento dos alunos super dotados; Apoiar a inserçaõ familiar, escolar e social do individuo com deficiência proporcionando a aquisição de estabilidade emocional. 6
  5. 5. 2.6- Inclusão escolar A inclusão escolar surgiu com a "Declaração de Salamanca" na década de 90, com a ideia de romper paradigmas educacionais existente na época. Após tantos anos de segregação e isolamento hoje essas pessoas são reconhecidas como cidadãos. A inclusão escolar está directamente relacionada com acções políticas, pedagógicas, cultural e social, esse movimento junto torna possível a interacção das pessoas com necessidades especiais junto com as pessoas sem necessidades especiais convivendo no mesmo ambiente escolar, aprendendo e respeitando as diferenças. Para que a inclusão seja de fato efectivada é necessário que os sistemas educacionais quebrem paradigmas, a educação inclusiva tem como um de seus princípios a valorização da diversidade, respeito aquele que é diferente e não inferior. 2.7- Dificuldades encontradas no ambiente escolar para a inclusão    Péssimas condições das estruturas físicas das instituições; Falta de entusiasmo; Baixos salários, além disso, os professores que estão na sala de aula não foram preparados para realizar esse tipo de actividade. 2.8- Papel do Professor A escola é o primeiro lugar que a criança frequenta fora de seu ciclo familiar e a maneira como ela é tratada lá pode marcar toda a sua vida. Por isso, é preocupante quando alguns professores muitas vezes, de forma inconsciente maltratam os alunos, principalmente os que têm necessidades educativas especiais. Uma das funções do orientador educacional é observar os detalhes do quotidiano escolar e descobrir se ocorrem situações em que os alunos com deficiência ou necessidades educativas especiais estejam sendo rotulados, intencionalmente ou não. Ele (o professor) pode oferecer permanentemente à equipe pedagógica e a todos os funcionários que também são educadores as informações necessárias para que possam exercer o papel de agentes da socialização desses alunos e assegurar que as condições de aprendizagem de todos estejam garantidas. 2.9- Curiosidades sobre a Educação Especial em Angola A 14 de Outubro de 1992, na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas foi adoptado o dia 3 de Dezembro como o Dia Internacional das Pessoas com Deficiência. 30.607 Alunos com necessidades especiais, entre elas auditivas e visuais, estão inseridas no sistema de educação especial em Angola, 25 porcento têm deficiência auditiva, 21 porcento intelectual, 11 porcento visual, 12 porcento transtornos globais, 10 porcento com deficiência motora, e outros 10 porcento com transtorno de conduta. Segundo Maria de Lurdes Franco o número de alunos abrangidos ainda não representa o quadro real de pessoas com necessidades educativas especiais, se se ter em conta 7
  6. 6. o anterior quadro de guerra, onde houve desintegração familiar e outros problemas derivantes do contexto passado. O país tem 12 escolas especiais, duas na província de Luanda e uma em Benguela, Huambo, Huíla, Cuando-Cubango, Cunene, Bengo, Lunda-Sul, Namibe, Cuanza-Sul e Uíge. 3- Sugestões Hoje em dia vivemos numa sociedade de trabalho exaustivo e frenético, fazemos tudo e mais alguma coisa, andamos sempre a correr de um lado para o outro, mas precisamos de romper com o ciclo da invisibilidade e de nos ir lembrando que há pessoas que não andam, não vêem, não ouvem, não falam, não caminham ou simplesmente não se mexem e que podem estar sozinhas a precisar de um simples sorriso. Por isso:      Nunca se esqueça que essas pessoas existem e têm direitos e deveres como todos os cidadãos; Respeite suas particularidades, potenciais e formas de se relacionar no mundo; Trate-as com naturalidade na medida das suas diferenças; Não as discrimine nem as idolatre. As pessoas com deficiência não são heroínas e nem coitadinhas; Lute pela inclusão dessas pessoas, e não pelo assistencialismo caridoso e totalmente ineficaz. 8
  7. 7. Portanto: as deficiências não impedem a participação e contribuição dessas pessoas na sociedade. A escola, família e comunidade precisam interagir! É uma luta constante e diária, numa sociedade preconceituosa que vivemos, não só contra as pessoas com necessidades educativas especiais mas, aos brancos, ciganos, gordos, magros, etc. É uma luta nossa de combater esse preconceito juntos, de nos aliarmos aos que tem o temor de DEUS, e termos também paciência e confiar, pois há muitos profissionais que abraçam essa causa. Falta muito para que a inclusão aconteça! Mas vemos pouco a pouco, esse número crescendo, não é um número de matrícula e carteira na sala, mas sim, de interacção, socialização, professores sendo capacitados. E com apoio e parceria da família estamos caminhando a passo de formiga, mas nós acreditamos e fazemos a diferença! 9
  8. 8. 5- Bibliografia - Encontro nacional metodológico sobre educação especial 2ª edição Luanda 2009 - Necessidades educativas especiais na sala de aula 3ª edição/ porto editora, Lee Brattland Nielsen - http://www.diversidadeemcena.net/artigo26.htm - www.euroacessibilidade.com/informacao/info02.htm 10

×