Sepsis Neonatal

359 visualizações

Publicada em

Contem o basico sobre sepsis neontal. Há que verificar o uso de Ceftriaxona

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
359
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • De recém-nascidos com sepse neonatal precoce, 85% apresentam dentro de 24 horas, 5% presente em 24-48 horas, e uma porcentagem menor presente dentro de 48-72 horas. O início é mais rápida em recém-nascidos prematuros.
    A pele do bebé, do trato respiratório, conjuntivas, gastrintestinal (GI), e umbigo pode ficar colonizada a partir do ambiente/cateteres
  • O polissacarídeo de cápsula bacteriana adere bem aos polímeros plásticos dos cateteres . Além disso, proteínas encontradas no organismo ( Atle e SSP - 1 ) aumentar a ligação à superfície do cateter . A aderência entre a cápsula cria um micróbio e cateter , impedindo a deposição de C3 e fagocitose .
  • Sepsis Neonatal

    1. 1. SEPSIS NEONATAL Gomes Cumbe, ME Ago.2015
    2. 2. Conteúdo Definição & Incidência Classificação & Etiologia Factores de Riscos Clinica Diagnostico Conducta Bibliorafia
    3. 3. Definição & Incidência Sepsis Neonatal (SN) é uma síndrome clinica caracterizado por sinais e sintomas de infecção sistêmica com ou sem bacteriémica, no primeiro mês de vida. Incidência 1-8/1000 nados vivos. 13-27/1000 nados vivos com peso < 1500g. Taxa de Mortalidade SN responsável por 13-25%MN em PD e 30-50% PED. Estima-se que dos 20% com SN, 1% morrem. Taxa elevada em prematuros.
    4. 4. Classificação & Etiologia Sepsis Neonatal Precoce Sepsis Neonatal Tardia Menos de 72h Mais de 72h Doença sistêmica fulminante Doença “localizada” Distress respiratório e Pneumonia (Aspiração do LA, corioamnionite materna) Meningite e Choque Séptico (ambiente ou contacto humano)/PE Causas comuns Streptpcoccos do Grupo B 35-40%  Stafilococcos coagulase-, Enterococcos sp, 20-25% Escherichia coli 20%  Klebsiella sp, Haemophilus influenza 10-15% Listeria monocytogenes 1-2%
    5. 5. Factores de Riscos A conducta inicial baseia na presença na presença de 1 factor de risco maior ou 2 menores. FACTORES DE RISCO (Fetais) FACTORES DE RISCO (Maternos) Prematuridade Corioamnionite Baixo peso Colonizacao por strept.grupo B sem tto Gemelaridade RPM >24h Sofrimento fetal Febre materna > 38ºC no TP Asfixia perinatal Infecção do trato urinario (mãe) Sexo masculino Baixo nivel socio-economico
    6. 6. Clinica é Inespecífica  Temperatura irregular (alta ou baixa)  Comportamento  Letargia, irritabilidade, tônus ↓  Pele  Perfusão ↓, cianose, palidez, petequeias, rashes, icterícia  Alimentação  Intolerância, vômitos, diarreia, distensão abdominal  Cardiopulmonar  Taquipnea, gemido, tiragem, apneia, taquicardia, hipotensão  Metabólico  Hipo ou hiperglicemia, acidose metabólica
    7. 7. Diagnostico Cultura Sangue/LCR  Confirma sepsis  94% crescem em 36-48 hours Urina/Pus/Liquido pleural  Desnecessário em crianças com <1 dia/vida porque UTIs são raras neste grupo de idade  Hemograma  PTL<100*/µl (normal≥150*/µl), WBC >18**/L  Rx do tórax Glicemia
    8. 8. Conducta Apôs colheita de amostras INICIE o tratamento para evitar IMUNOSSUPRESAO. 1. Antibioterapia empírica 2. Mude de acordo com TSA
    9. 9.  http://www.newbornwhocc.org/pdf/teaching-aids/neonatalsepsis.pdf
    10. 10.  http://www.newbornwhocc.org/pdf/teaching-aids/neonatalsepsis.pdf
    11. 11. AIIMS protocols in Neonatology 2014, CBS Publishers , Delhi  http://www.newbornwhocc.org/2014_pdf/Neonatal%20sepsis%202014.pdf
    12. 12. Terapia de Supporte 1. Manter a Tº normal (calor-frio), 2. Se o TPC > 3s ↔ baixa perfusão, dar: 3. SF0,9% (10ml/kg) em 10min. Repetir 1-2x passado 30-45min, se a perfusão ↓. 4. Dar: glicose 10% (2ml/kg) 5. Ventilar se tiver cianose, 6. Estimule carinhosamente se tiver apneia 7. Dieta 0, de líquidos ev. 8. Avalie a necessidade do uso de dopamina se perfusão continuar ↓
    13. 13. ABORDAGEM
    14. 14. BIBLIORAFIA  WHO, Neonatal Sepsis, 2013 http://www.newbornwhocc.org/pdf/teaching-aids/neonatalsepsis.pdf  AIIMS protocols in Neonatology 2014, CBS Publishers , Delhi (http://www.newbornwhocc.org/2014_pdf/Neonatal%20sepsis%202014.pdf)  Oliveira, Reynaldo, Blackbook Pediatria, 2005, 3aed, SP

    ×