História da Igreja - Fátima e o Século XX

1.409 visualizações

Publicada em

Slides criados por Fernando Farrapeira e apresentados em 27/07/2011.

Publicada em: Educação, Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.409
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
40
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
64
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

História da Igreja - Fátima e o Século XX

  1. 1. SOB O SIGNO <br />DE FÁTIMA<br />
  2. 2. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  3. 3. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Colocando os pontos nos is<br />O verdadeiro Senhor da História se impõe. Fátima é um sinal claro do Céu ante a loucura historicista<br />O futuro condicional é hipótese para o homem, realidade para Deus (não há “futuro” para Deus)<br />As guerras como conseqüência e castigo pelas escolhas humanas<br />Fátima: um aviso do céu<br />
  4. 4. Fátima: um aviso do céu<br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  5. 5. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Primeiras manifestações sobrenaturais<br />1915: Lúcia , Maria Rosa Matias, Teresa Matias e Maria Justino viram, suspensa no ar sobre o arvoredo do vale "uma nuvem mais branca que a neve, algo transparente, com forma humana. Era uma figura, como se fosse uma estátua de neve, que os raios do sol tornavam algo transparente". <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  6. 6. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Os videntes: três pastorinhos portugueses<br />Fátima: um aviso do céu<br />
  7. 7. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Aparições do anjo<br />1916: Lúcia , Francisco e Jacinta, pastorinhos, vêem 3 aparições de um jovem (“transparente, mais brilhante que um cristal atravessado pelos raios do Sol”), que se apresenta como Anjo de Portugal, e pede para que eles rezem muito e ofereçam sacrifícios a Deus, em reparação pelas ofensas a Ele dirigidas pelos homens. <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  8. 8. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Aparições do anjo<br />1916: o anjo ensina orações aos pastorinhos: <br />“Meu Deus, eu creio, adoro, espero e amo-Vos. Peço-Vos perdão para os que não crêem, não adoram, não esperam e não Vos amam.”<br />Fátima: um aviso do céu<br />
  9. 9. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Aparições do anjo<br />1916: o anjo ensina orações aos pastorinhos: <br />“Santíssima Trindade, Pai, Filho, Espírito Santo, adoro-Vos profundamente e ofereço-Vos o preciosíssimo Corpo, Sangue, Alma e Divindade de Jesus Cristo, presente em todos os sacrários da terra, em reparação dos ultrajes, sacrilégios e indiferenças com que Ele mesmo é ofendido. E pelos méritos infinitos do Seu Santíssimo Coração e do Coração Imaculado de Maria, peço-Vos a conversão dos pobres pecadores.”<br />Fátima: um aviso do céu<br />
  10. 10. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />1ª aparição de Nossa Senhora – 13.05.1917<br />(...“uma Senhora vestida de branco e mais brilhante que o Sol, espargindo luz mais clara e intensa que um copo de cristal cheio de água cristalina.”)<br />“Não tenhais medo. Eu não vos faço mal... Sou do Céu. Vim para vos pedir que venhais aqui seis meses seguidos, no dia 13, a esta mesma hora. Depois vos direi quem sou e o que quero.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  11. 11. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />2ª aparição de Nossa Senhora – 13.06.1917<br />[os videntes notaram novamente um clarão, a que chamavam relâmpago, mas que não era propriamente tal, mas sim o reflexo de uma luz que se aproximava]<br />“Quero que venhais aqui no dia 13 do mês que vem, que rezeis o terço todos os dias e que aprendam a ler. Depois, direi o que quero.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  12. 12. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />2ª aparição de Nossa Senhora – 13.06.1917<br />“... a Jacinta e o Francisco levo-os em breve. Mas tu [Lúcia] ficas cá mais algum tempo. Jesus quer servir-se de ti para me fazer conhecer e amar. Ele quer estabelecer no mundo a devoção ao meu Imaculado Coração. A quem a abraçar, prometo a salvação e serão queridas de Deus estas almas, como flores postas por mim a adornar o seu trono.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  13. 13. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />3ª aparição de Nossa Senhora – 13.07.1917<br />“... Quero que venhais aqui no dia 13 do mês que vem, que continuem a rezar o terço todos os dias, em honra de Nossa Senhora do Rosário para obter a paz do mundo e o fim da guerra, porque só Ela lhes poderá valer... Em Outubro direi quem sou, o que quero e farei um milagre que todos hão de ver para acreditarem.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  14. 14. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />3ª aparição de Nossa Senhora – 13.07.1917<br />A visão do Inferno“... Vistes o Inferno, para onde vão as almas dos pobres pecadores. Para as salvar, Deus quer estabelecer no mundo a devoção a meu Imaculado Coração. Se fizerem o que eu disser salvar-se-ão muitas almas e terão paz. A guerra vai acabar, mas se não deixarem de ofender a Deus, no reinado de Pio XI começará outra pior. Quando virdes uma noite, alumiada por uma luz desconhecida , sabei que é o grande sinal que Deus vos dá de que vai a punir o mundo de seus crimes, por meio da guerra, da fome e de perseguições à Igreja e ao Santo Padre.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  15. 15. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />3ª aparição de Nossa Senhora – 13.07.1917<br />O terceiro segredo<br />“... Então vimos ... algo semelhante a como se vêem as pessoas num espelho quando lhe passam por diante, um bispo vestido de branco. Tivemos o pressentimento de que era o Santo Padre. Vários outros bispos, sacerdotes, religiosos e religiosas subiam uma escabrosa montanha, no cimo da qual estava uma grande Cruz.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  16. 16. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />3ª aparição de Nossa Senhora – 13.07.1917<br />O terceiro segredo<br />“... O Santo Padre, antes de chegar aí, atravessou uma grande cidade meia em ruínas, e meio trêmulo com andar vacilante, acabrunhado de dor e pena, ia orando pelas almas dos cadáveres que encontrava pelo caminho; chegado ao cimo do monte, prostrado de joelhos aos pés da grande Cruz foi morto por um grupo de soldados que lhe dispararam vários tiros e setas, e assim mesmo foram morrendo uns trás dos outros os Bispos, Sacerdotes, religiosos e religiosas e várias pessoas seculares, cavalheiros e senhoras de varias classes e posições.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  17. 17. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />3ª aparição de Nossa Senhora – 13.07.1917<br />O terceiro segredo<br />“... Sob os dois braços da Cruz estavam dois Anjos cada um com um regador de cristal na mão, n'êles recolhiam o sangue dos Mártires e com ele regavam as almas que se aproximavam de Deus”. <br />Terminada esta visão, disse Nossa Senhora: - Isto não o digais a ninguém. Ao Francisco sim, podeis dizê-lo.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  18. 18. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />3ª aparição de Nossa Senhora – 13.07.1917<br />“...Quando rezardes o terço, dizei depois de cada mistério: "Ó meu Jesus! Perdoai-nos e livrai-nos do fogo do Inferno, levai as almas todas para o Céu, principalmente aquelas que mais precisarem.” <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  19. 19. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />4ª aparição de Nossa Senhora – 13.08.1917<br />Nesse dia, juntou-se uma grande multidão que aguardava pela aparição. Por volta do meio-dia ouviu-se um trovão, ao qual se seguiu o relâmpago, tendo os espectadores notado uma pequena nuvem branca que pairou alguns minutos sobre a azinheira:<br />“Rezai, rezai muito e fazei sacrifícios pelos pecadores, que vão muitas almas para o Inferno por não haver quem se sacrifique e peça por elas”... <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  20. 20. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />5ª aparição de Nossa Senhora – 13.09.1917<br />Como das outras vezes, uma série de fenômenos foram observados pelos circunstantes (de 15 e 20 mil pessoas): o súbito refrescar da atmosfera, o empalidecer do Sol até ao ponto de se verem as estrelas, uma espécie de chuva como que de pétalas irisadas ou flocos de neve que desapareciam antes de pousarem na terra. Em particular, foi notado desta vez um globo luminoso que se movia lenta e majestosamente pelo céu, do nascente para o poente e, no fim da aparição, em sentido contrário.:<br />“Continuem a rezar o terço para alcançarem o fim da guerra”... <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  21. 21. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />6ª aparição de Nossa Senhora – 13.10.1917<br />“Quero dizer-te que façam aqui uma capela em minha honra, que sou a Senhora do Rosário, que continuem sempre a rezar o terço todos os dias. A guerra vai acabar e os militares voltarão em breve para suas casas”. <br />Fátima: um aviso do céu<br />
  22. 22. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />6ª aparição de Nossa Senhora – 13.10.1917<br />Milagre do Sol<br />Fátima: um aviso do céu<br />
  23. 23. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />6ª aparição de Nossa Senhora – 13.10.1917<br />Fátima: um aviso do céu<br />
  24. 24. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />O Socialismo chega ao poder<br />A revolução, iniciada com a modernidade e concretizada na Revolução Francesa e nas ondas que se lhe seguiram no séc. 19, atingem o seu ápice no século 20, com a implantação do Socialismo como regime de governo.<br />Os governos socialistas assumem feições totalitárias, que emprestam o “tempero” da política do século 20 na Europa.<br />As forças revolucionárias estarão presentes tanto na Primeira quanto na Segunda Grande Guerra; seja avançando, seja reagindo à implantação do Socialismo.<br />A apoteose de revolução<br />
  25. 25. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />“Priminhos” desunidos: Nazismo & Comunismo<br />Ambos são filhos do Socialismo e comungam dos mesmos dogmas e métodos: elegem uma base de poder e aniquilam os seus inimigos; repugnam a religião católica e a perseguem. <br />A apoteose de revolução<br />
  26. 26. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />“Priminhos” desunidos: Nazismo & Comunismo<br />A apoteose de revolução<br />
  27. 27. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />“Priminhos” desunidos: Nazismo & Comunismo<br />A apoteose de revolução<br />
  28. 28. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />“Priminhos” desunidos: Nazismo & Comunismo<br />A apoteose de revolução<br />
  29. 29. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />A conta paga em vidas humanas<br />A implantação de regimes socialistas reais introduz na História a figura do “democídio” (o assassinato sistemático pelo estado de seus próprios súditos).<br />Os nazistas dirigem sua onda destruidora contra raças que consideram inúteis (ciganos, judeus, negros, etc.). Os comunistas também o fazem (tártaros, ciganos, etc.), mas concentram sua atenção na eliminação de classes (capitalistas, burgueses, kulaks, etc.).<br />A apoteose de revolução<br />
  30. 30. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />A conta paga em vidas humanas<br />Tanto os nazistas como os comunistas vêem na eliminação de milhões de vidas humanas um preço a ser pago para a edificação da nova sociedade, do novo homem, a concretização da utopia.<br />A doutrinação atinge todos os campos do conhecimento humano e chegam a dominar a própria linguagem, que passa a desempenhar uma função litúrgica: assume o papel de sujeitar a realidade à visão própria do mundo criada (o cogito ergo sumlevado às últimas conseqüências).<br />A apoteose de revolução<br />
  31. 31. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />A conta paga em vidas humanas<br />Mortos na 1ª Guerra Mundial: 19 milhões, a maior parte militares <br />Mortos na 2ª Guerra Mundial: 50 milhões, a maior parte civis (estima-se que os nazistas assassinaram perto de 6 milhões de judeus)<br />A apoteose de revolução<br />
  32. 32. SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />A performance comunista(milhões de mortos)<br />A apoteose de revolução<br />
  33. 33. A Igreja na tempestade<br />Pio XII e a lenda negra<br />MitBrennenderSorge– documento de Pio XI contra o Nazismo, elaborado com a colaboração de Eugenio Pacelli, núncio na Alemanha.<br />Pio XII ordena que as congregações, ordens e casas religiosas em geral abriguem e escondam judeus, protegendo-os da perseguição nazista na Itália.<br />A difamação de Pio XII foi orquestrada tanto por nazistas quanto por comunistas, interessados em minar a autoridade moral do Papa (cf. Patrick J. Gallo).<br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  34. 34. A Igreja na tempestade<br />Pio XII e a lenda negra<br /> "Durante o decênio do terror nazista, quando nosso povo sofreu terrível martírio, a voz do papa se levantou para condenar os perseguidores e para pedir compaixão em favor de suas vítimas." (GoldaMeir)<br />"Só a Igreja se pronunciou claramente contra a campanha hitlerista que suprimia a liberdade. Até então a Igreja nunca tinha chamado minha atenção; hoje, porém, expresso minha admiração e meu profundo apreço por esta Igreja que, sozinha, teve o valor de lutar pelas liberdades morais e espirituais“ (Einstein). <br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  35. 35. A Igreja na tempestade<br />O Concílio Vaticano II<br /> Convocação pelo Papa João XXIII, em dezembro de 1961. Com quatro sessões, terminou em dezembro de 1965, já sob o reinado de Paulo VI. <br />A Igreja pretendia abrir uma porta para que o mundo retornasse a Cristo. Não mediu esforços nesse sentido, chegando mesmo a adotar uma linguagem mais flexível, procurando derrubar os obstáculos de uma sociedade destruída pelas duas grandes guerras e pela polarização da guerra fria.<br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  36. 36. A Igreja na tempestade<br />O Concílio Vaticano II<br /> Modernistas de um modo geral, socialistas e maçons aproveitam a ocasião para fazer valer uma nova hermenêutica, que tentará transtornar o ensino tradicional da Igreja. Cria-se a figura do “espírito do concílio”, amplamente condenado pelos Papas João Paulo II e Bento XVI.<br />Teologia da Libertação: o inimigo dentro de casa. Desenvolve-se no esteio de escritos de Leonardo Boff e Gustavo Gutierrez. Pretende conjugar uma teologia mediada pelo marxismo.<br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  37. 37. A Igreja na tempestade<br />João Paulo II<br />Um Papa polonês, saído de um país destruído pelo nazismo e pelo comunismo. Totustuus.<br />Escapa da morte em 1981, por intervenção de Nossa Senhora, fazendo com que uma das balas que tinham endereço certo, seja desviada inexplicavelmente dos órgãos vitais. O Papa reconhece a mão materna de Maria e agradece-lhe em Fátima, ocasião em que doa a bala que lhe tiraria a vida e que hoje está integrada à coroa da imagem de Nossa Senhora de Fátima. <br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  38. 38. A Igreja na tempestade<br />João Paulo II<br />13 de maio de 1981. A intervenção de nossa Mãe Santíssima salva o Papa que iria desmanchar o comunismo praticamente sem derramamento de sangue.<br />A queda do Muro de Berlim sela o termo da experiência real do socialismo, jogando as forças revolucionárias para a periferia das ONG e das instituições que hoje carregam o programa revolucionário, seguindo os ditames de Antonio Gramsci. <br />A luta contra a Igreja de Cristo assume novas fronteiras.<br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />
  39. 39. Christus Vincit<br />SOB O SIGNO DE FÁTIMA<br />Chegando ao território de Cesaréia de Filipe, Jesus perguntou a seus discípulos: No dizer do povo, quem é o Filho do Homem? Responderam: Uns dizem que é João Batista; outros, Elias; outros, Jeremias ou um dos profetas. Disse-lhes Jesus: E vós quem dizeis que eu sou? Simão Pedro respondeu: Tu és o Cristo, o Filho de Deus vivo! Jesus então lhe disse: Feliz és, Simão, filho de Jonas, porque não foi a carne nem o sangue que te revelou isto, mas meu Pai que está nos céus. E eu te declaro: tu és Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha Igreja; as portas do inferno não prevalecerão contra ela. Eu te darei as chaves do Reino dos céus: tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus. [Mt 16, 13-19]<br />
  40. 40. SOB O SIGNO <br />DE FÁTIMA<br />

×