MATERIAL ORGANIZADO PELA PROFESSORA ELENA BILLIG MELLO

521 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
521
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
88
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

MATERIAL ORGANIZADO PELA PROFESSORA ELENA BILLIG MELLO

  1. 1. PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO “O projeto busca um rumo, uma direção. É uma ação intencional, com um sentido explícito, com um compromisso definido coletivamente. Por isso, todo projeto pedagógico da escola é, também, um projeto político por estar intimamente articulado ao compromisso sociopolítico com os interesses reais e coletivos da população majoritária.” (VEIGA, 2004, p. 14 e 15). Org. Profª Elena Mª Billig Mello 2010
  2. 2.  DIMENSÃO POLÍTICA = “... no sentido de compromisso com a formação do cidadão para um tipo de sociedade. ‘A dimensão política se cumpre na medida em que ela se realiza enquanto prática especificamente pedagógica’(Saviani, 1983, p. 93).” (VEIGA, 2004, p. 15).  DIMENSÃO PEDAGÓGICA = “... reside a possibilidade da efetivação da intencionalidade da escola, que é a formação do cidadão participativo, responsável, compromissado, crítico e criativo”. (VEIGA, 2004, p. 15).
  3. 3. COMO? AÇÃO PROPRIAMENTE DITA O QUE É? SITUAÇÃO REAL PARA QUÊ? UTOPIA SOCIAL 2. ATO CONCEITUAL •Em face da realidade descrita e analisada, que concepções de educação, escola, gestão, currículo, ensino, aprendizagem e avaliação se fazem necessários para atingir o que pretendemos? • Outras... 3. ATO OPERACIONAL •Quais as decisões de operacionalização? •Como redimensionar a organização do trabalho pedagógico? •Que tipo de gestão? •Outras.. 1. ATO SITUCIONAL • Como compreendemos a sociedade atual? • Como se caracteriza o contexto social onde a escola deverá atuar? • Qual o papel da escola? • A quem ela serve? • Que experiências ela propicia aos alunos? • Outras... (Gandin, 1986 apud VEIGA, 2004, p. 53) 20/05/2012 3
  4. 4. CONCEPÇÃO DO PROJETO ATO SITUACI ONAL ATO CONCEI TUAL ATO OPERACIO NAL A V A L I A Ç Ã O P L A N E J A M E N T O EXECUÇÃO DO PROJETO INÍCIO (VEIGA, 2004, p. 54) 20/05/2012 4
  5. 5.  Igualdade de condições para acesso e permanência na escola;  Qualidade para todos: implica duas dimensões indissociáveis – a formal ou técnica e – a política;  Gestão democrática, em suas dimensões pedagógica, administrativa e financeira;  Liberdade, associada à idéia de autonomia;  Valorização do magistério, ligada à formação, condições de trabalho, remuneração, profissionalização. 20/05/2012 5
  6. 6. Veiga (2004) elenca sete elementos básicos constitutivos da organização do trabalho pedagógico, que contribuem para a construção do PPP: a) Finalidades da escola b) Estrutura organizacional c) Currículo d) Tempo Escolar e) Processo de decisão f) Relações de trabalho g) Avaliação
  7. 7. 1. Ordenamento constitucional, legal e normativo:  Constituição Federal de 1988 (princípios do ensino, educação como direito);  Constituição Estadual RS de 1989; O R D E N A M E N T O C O N S T I T U C I O N A L 20/05/2012 7
  8. 8.  LDB nº 9.394/1996 – estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, educação como direito público subjetivo, princípios do ensino, deveres do Estado com a educação;  Lei nº 8.069/1990 – dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente;  Lei nº 10.172/2001 – Plano Nacional de Educação;  Decreto 6.094/2007: Dispõe sobre a implementação do Plano de Metas Compromisso Todos pela Educação, pela União Federal, em regime de colaboração com Municípios, Distrito Federal e Estados, e a participação das famílias e da comunidade, mediante programas e ações de assistência técnica e financeira, visando a mobilização social pela melhoria da qualidade da educação básica;  Lei n° 10.639/2003 e Lei 11.646/2008 - Altera a Lei nº. 9.394/1996, para incluir no currículo oficial da rede de ensino a obrigatoriedade da temática «História e Cultura Afro-Brasileira e Indígena»;  Plano Nacional de Educação em Direitos Humanos (PNEDH) – Portaria 66, de 12 de maio de 2003, da Secretaria Especial dos Direitos Humanos (SEDH). O R D E N A M E N T O L E G A L 20/05/2012 8
  9. 9.  Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental;  Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Infantil;  Parecer CNE/CEB n° 1/2002 - Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo;  Parecer CNE/CEB nº 11/2000 - Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação de Jovens e Adultos;  Resolução CNE/CEB nº 1/2002 - Institui Diretrizes Operacionais para a Educação Básica nas Escolas do Campo;  Resolução CNE/CEB nº 11/2000 - Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação e Jovens e Adultos; O R D E N A M E N T O N O R M A T I V O 20/05/2012 9
  10. 10. 2. PRINCÍPIOS NORTEADORES 2.1. DO ENSINO – Constituição Federal, LDB, finalidades da educação, princípios do ensino 2.2. DA REDE DE ENSINO – princípios básicos (interdisciplinaridade, contextualização, igualdade de direitos, pluralidade de conhecimentos, ética, democratização das relações,...) 2.3. DA ESCOLA P R I N C Í P I O S N O R T E A D O R E S 20/05/2012 10
  11. 11. 3. PRESSUPOSTOS CONCEITUAIS/ EPISTEMOLÓGICOS  EDUCAÇÃO  ESCOLA  ALUNO  PROFESSOR  GESTÃO  CONHECIMENTO  CURRÍCULO  AVALIAÇÃO R E F E R E N C I A L T E Ó R I C O 20/05/2012 11
  12. 12. ITENS DE ANÁLISE ESTRATÉGICO- EMPRESARIAL EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA ESCOLA/ EDUCAÇÃO Bancária, cartorial e padronizada por ser: •mercoescola, submissa aos valores do mercado; •voltada para formar “clientes e consumidores”; •privatista; •excludente. Emancipadora e cidadã por ser: •estatal quanto ao funcionamento; •democrática quanto à gestão; •pública quanto à destinação; •inclusiva. DESAFIO/ FINALIDADE DA EDUCAÇÃO •Garantir qualidade formal, a fim de aumentar o desempenho da escola por meio do planejamento eficaz. •Garantir qualidade técnica e política para todos. • Princípios e finalidades da educação previstos constitucionalmente. R E F E R E N C I A L T E Ó R I C O20/05/2012 12
  13. 13. ITENS DE ANÁLISE ESTRATÉGICO-EMPRESARIAL EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA PRESSU POSTOS •pensamento separado da ação; •estratégia separada do operacional; •os pensadores separados dos concretizadores; •os estrategistas separados das estratégias. •unidade da teoria e da prática; •ação consciente e organizada; •participação efetiva da comunidade escolar e trabalho coletivo; •articulação da escola, da família e da comunidade. GESTÃO •processo autoritário de tomada de decisões; •construída numa obrigação política vertical professores- direção-Estado; •baseada na separação, no tempo e na posição funcional dos professores; •autonomia decretada, palavra ordem e vazia de significado. •processo democrático para constituir um caminho real da melhoria da qualidade do ensino; •construída por meio de uma “colaboração voluntária cidadão-cidadão fundadora de uma verdadeira federação de esforços participativos” (Gomes, 1996, p. 102); •construída com base em um projeto coletivo gestado com a presença efetiva de outros protagonistas: alunos, família, professores, funcionários e demais forças sociais; •autonomia construída, social e politicamente, pela interação dos diferentes protagonistas. 20/05/2012 13
  14. 14. ITENS DE ANÁLISE ESTRATÉGICO- EMPRESARIAL EDUCAÇÃO EMANCIPATÓRIA CURRÍCULO E CONHECIMENTO Currículo homogêneo é uma estratégia para a padronização que consolida a exclusão. Conhecimento como produto pronto e acabado, podendo ser transmitido e arquivado por meio da repetição e da memorização. Currículo como instrumento de compreensão do mundo, de transformação social e de cunho político. Conhecimento como um processo de construção permanente, interdisciplinar e contextualizado, fruto da ação individual e coletiva dos sujeitos. AVALIAÇÃO Visa aferir e controlar a qualidade por meio de instrumentos técnico- burocráticos aplicados por grupos estratégicos articulados em diferentes níveis da esfera administrativa. Visa à emancipação, voltada para a construção do sucesso escolar e a inclusão como princípio e compromisso social. (VEIGA, 2004, p. 74) R E F E R E N C I A L T E Ó R I C O 20/05/2012 14
  15. 15. 4. GESTÃO DEMOCRÁTICA:  PROCESSO DE DECISÃO: descentralizador, participativo; escolha de dirigentes com critérios democráticos; instâncias colegiadas de representação dos segmentos: conselho escolar, grêmio estudantil, associação de pais e professores, conselho de classe; relações e decisões nos diferentes conselhos: CME, Conselhos de Controle Social (FUNDEB, CAE).  RELAÇÕES DE TRABALHO: solidariedade, reciprocidade, participação coletiva, diálogo, comunicação horizontal, descentralização do poder ... G E S T Ã O D E M O C R Á T I C A 20/05/2012 15
  16. 16. 5. DINÂMICA CURRICULAR E METODOLÓGICA 5.1. CURRÍCULO: - Concepções de Currículo: • “...é uma construção social do conhecimento, pressupondo a sistematização dos meios para que essa construção se efetive (...); refere-se à organização do conhecimento escolar.” (VEIGA, 2004, p. 26) - Estrutura Curricular: currículo por atividades, por áreas do conhecimento; multisseriada, globalizada; base nacional comum e temas transversais. Obs.: - O currículo não é neutro, implica(-se) ideologia; - Não é separado do contexto social; - Além do currículo formal, há o currículo oculto. D I N Â M I C A C U R R I C U L A R E M E T O D L Ó G I C A 20/05/2012 16
  17. 17. 5.2. METODOLOGIA – Princípios e Indicadores Metodológicos: dialogicidade, reflexão, problematização, relação teórico-prática, criatividade, criticidade, (re)construção de saberes e conhecimentos, interdisciplinaridade, contextualização, participação, ética, estética. - Formas Metodológicas:  projetos colaborativos, interdisciplinares projetos de ensino, projetos de trabalho, projetos via tema, rede temática ou complexo temático, projetos de pesquisa;  pesquisa de campo  trabalhos individuais, trabalhos em grupo;  problematização da realidade; D I N Â M I C A C U R R I C U L A R E M E T O D L Ó G I C A 20/05/2012 17
  18. 18.  oficinas pedagógicas;  estudo dirigido; estudo de texto;  demonstração em laboratórios;  oficinas escolares;  entrevistas; observações;  atividades para atendimento às dificuldades de aprendizagem e aos PcDs;  etc. - Tempo-espaço escolar:  calendário escolar (dias letivos);  horário escolar (h.a., tempo integral, contraturno)  reuniões e encontros pedagógicos D I N Â M I C A C U R R I C U L A R E M E T O D L Ó G I C A 20/05/2012 18
  19. 19. 6. AVALIAÇÃO 6.1. AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL (da Escola, do PPP, dos professores, dos funcionários) 6.2. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM (discente) Obs.:  A avaliação é um ato dinâmico que qualifica...  Envolve três momentos: compreensão crítica da realidade escolar, a compreensão crítica da realidade descrita e problematizada e a proposição de alternativas de ação.  A avaliação é um processo contínuo, formativo, qualitativo, democrático, participativo...  Importância da auto-avaliação (de todos os segmentos escolares). P R O C E S S O A V A L I A T I V O 20/05/2012 19
  20. 20. 7. INFRAESTRUTURA 7.1. Da Mantenedora: laboratórios de informática, de ciências, de artes, salas de recursos especiais, biblioteca, centro/casa de cultura, espaço ludopedagógico (“brinquedoteca”), espaços públicos, etc; recursos pedagógicos, tecnológicos e audiovisuais, acervo bibliográfico;... 7.2. Das Escolas: espaço físico (salas de aula, sala de reuniões, salas especiais, laboratórios, espaço ludopedagógico, quadra de esporte, ginásio, auditório, sala de vídeo; cozinha, refeitório); recursos pedagógicos, tecnológicos e audiovisuais; acessibilidade; internet, etc. I N F R A - E S T R U T U R A 20/05/2012 20
  21. 21. “Ninguém caminha sem aprender a caminhar, sem aprender a fazer o caminho caminhando, refazendo e retocando o sonho pelo qual se pôs a caminhar.” (Paulo Freire apud VEIGA, 2001, p. 45) 20/05/2012 21
  22. 22. GANDIN, Danilo; GANDIN, Luís Armando. Temas para um projeto político-pedagógico. 2 ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1999. MELLO, Elena Mª Billig; CÓSSIO, Maria de Fátima. Gestão da educação básica: ausências e emergências. In.: CAMARGO, Ieda de (Org.). Gestão e políticas da educação. Santa Cruz do Sul: EDUNISC, 2006. PADILHA, Paulo Roberto. Planejamento dialógico: como construir o projeto político-pedagógico da escola. São Paulo: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2001. PORTO, Yeda da S. (Org.). Projeto político-pedagógico: construindo identidades. Pelotas: EDUCAT, 2001. VEIGA, Ilma P. A.; FONSECA, Marília (Orgs.). As dimensões do projeto político-pedagógico. Campinas,SP: Papirus, 2001. VEIGA, Ilma Passos Alencastro. Educação Básica e Educação Superior: projeto político-pedagógico. Campinas,SP: Papirus, 2004. ______. (Org.). Quem sabe faz a hora de construir o projeto político-pedagógico. Campinas,SP: Papirus, 2007. ______. (Org.). Aula: gênese, dimensões, princípios e práticas. Campinas,SP: Papirus, 2008. 20/05/2012 22

×