Apresentacao jagaurao outubro de 2013

188 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • {}
  • Apresentacao jagaurao outubro de 2013

    1. 1. Diálogo sobre Educação e Currículo da Escola do Campo Prof. Salomão Hage GEPERUAZ/ ICED/UFPA Jaguarão – Rio Grande do Sul – Outubro de 20 13
    2. 2. EDUCAÇÃO DO CAMPO CAMPO Lutas e Movimentos Sociais EDUCAÇÃO Escola Processos formativos das lutas Sociais POLÍTICA PÚBLICA Universalização de Direitos (Roseli Caldart)
    3. 3. EDUCAÇÃO DO CAMPO PRECARIZAÇÃO Negação e violação de direitos PROTAGONISMO Sujeito de direitos
    4. 4. Consolidação do Agronegócio Aliança entre os grandes proprietários de terra, o capital estrangeiro e o capital financeiro Apoio do Estado – financia com considerável volume de recursos públicos
    5. 5. Conseqüências do Agronegócio - A não realização da reforma agrária… - A não demarcação e reconhecimento de territórios indígenas e quilombolas… - A violação dos territórios dos pescadores e povos da floresta… - A fragilização da agricultura familiar e camponesa… - O consumo de alimentos contaminados e a degradação ambiental… - A desigualdade social entre o campo e a cidade… - O esvaziamento do meio rural - O aumento da vulnerabilidade dos sujeitos do campo, das águas e da floresta.
    6. 6. 347 pessoas ameaçadas de morte por causa dos conflitos agrários (CONTAG, 2012)
    7. 7. Acesso à Educação Básica no Campo • População do Campo - 29.830.007 • Matrículas na Educação Básica – 6,3 milhões – 21%   • Fonte: Censo Escolar INEP/2011 • Censo IBGE/2010
    8. 8. Acesso à Educação Básica no Campo • Total de Escolas no Campo: 76.229 • Total de matrículas: 6.293.885 • 71,37% das escolas tem turmas multisseriadas 22% das matrículas do campo  • 54.405 – Escolas Multisseriadas Fonte: Censo Escolar INEP/2011 Censo IBGE/2010
    9. 9. Número de Turmas Multisseriadas, segundo a região geográfica – Brasil – 2012 21.581 53.537 2.843 11.069 4.463 Elaboração : Fábio Josué - UFRB Fonte: Sinopse Estatística - 2012 Brasil: 93.493
    10. 10. Número de Turmas Multisseriadas segundo a região geográfica – Brasil - 2012 Região Classes Multisseriadas 93.493 100 Norte 21.581 22,97 Nordeste 53.537 57,26 Sudeste 11.069 11,83 Sul 4.463 4,77 Centro Oeste 2.843 3,64 BRASIL Elaboração : Fábio Josué – UFRB. Sinopse Estatística da Educação Básica, Brasil, INEP, 2012. %
    11. 11. Acesso à Educação Básica no Campo Taxas de atendimento Educação Infantil /Creche 6,98% Educação Infantil/Pré-Escola 66,80% Ensino Fundamental 91,96% Ensino Médio 18,43% EJA – Ensino Fundamental 4,34% EJA – Ensino Médio 3,10% Censo Escolar INEP/2011 Censo IBGE/2010 Ministério da Educação
    12. 12. Analfabetismo no Campo Idade média da população analfabeta no campo: 53 anos • População não alfabetizada com 15 anos ou mais: 23,2% no campo, 7,3% urbano e 9,6% em todo o País. Brasil: 13.933.173 analfabetos Campo: 4.935.448 (35,4% do total) Fonte: Censo PNAD/2009 e IBGE/2010
    13. 13. Matrículas no Campo • Ensino Fundamental Para 02 vagas nos anos iniciais - existe 01 vaga nos anos finais • Ensino Fundamental e Ensino Médio Para 06 vagas nos anos finais do Ensino Fundamental - existe apenas 01 vaga no Ensino Médio   Fonte: Observatório da Equidade – As Desigualdades na Escolarização do Brasil
    14. 14. Formação dos Professores Total de professores no campo: 342.845 Professores no campo sem educação superior: 160.317 •Com ensino médio - 156.190 •Com ensino fundamental - 4.127 Censo INEP/2011Escolar Ministério da Educação
    15. 15. Vínculo Empregatício Precário •Muitos professores com contratos temporários •Vulnerabilidade aos políticos e aos representantes do poder local
    16. 16. Infraestrutura Física e Tecnológica das Escolas Infraestrutura Total Escola Campo % 76.229 Sem Internet 68.651 90,1% Sem Energia Elétrica 11.413 15,0% 7.950 10,4% 11.214 14,7% Sem Água Potável Sem Esgoto Sanitário Censo Escolar INEP/2011
    17. 17. Quando a terra, o território e as formas de produção estão ameaçados, são ameaçadas também as identidades dos sujeitos: a infância, a adolescência e a juventude… a ESCOLA também é (Miguel Arroyo) ameaçada!
    18. 18. No Brasil Nos últimos 10 anos Foram fechadas mais de 30 mil escolas rurais Nas Redes Municipais
    19. 19. Para os gestores públicos a Nucleação e o Transporte Escolar é a solução para a precarização da escola do campo Não importa que as crianças, adolescentes e jovens passem o dia todo sendo transportados, em condições desumanas e abandonem suas comunidades
    20. 20. Traporte Escolar
    21. 21. Protagonismo dos Sujeitos e Movimentos Sociais do Campo
    22. 22. FÓRUM NACIONAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO Articulação Nacional Por Uma Educação do Campo Movimento Paraense da Educação do Campo
    23. 23. • Marcha das Margaridas • Grito da Terra Brasil • Abril Vermelho • Marcha em Defesa da Pesca Artesanal do Brasil • Encontro Unificado de trabalhadores e trabalhadoras, povos do campo, das águas e das florestas: Por Terra, Território e Dignidade!
    24. 24. Movimento da Educação do Campo: Movimentos e Organizações Sociais Universidades Governos (Tensões e conflitos permeiam a relação entre esses atores)
    25. 25. Aliança cosntruída entre: - Universidades - Classes Trabalhadoras do Campo - Setores do governo Garantir a universalização do direito: - Ao conhecimento - À escolarização - À vida com dignidade
    26. 26. CONQUISTAS •Inclusão da Educação do Campo na agenda política da Sociedade Brasileira - MEC, Secretarias de Educação, Universidades... • Marco legal próprio- Resoluções, Pareceres, Decretos – Programas e políticas educacionais; - Experiências pedagógicas inovadoras – Pedagogia da Alternância – Saberes da Terra, Pedagogia da Terra, Pedagogia das Águas ...
    27. 27. Desafios para a construção de uma Agenda Coletiva • Projeto Político-Pedagógico • currículo
    28. 28. Consolidar a Participação Construir com os sujeitos e não para eles Protagonismo – empoderamento emancipação - controle social
    29. 29. • Precisamos ouvir os sujeitos do Campo; • Aprender com suas experiências; • Afirmar os seus modos de vida; • Oportunizá-los o acesso à informação, ciência, tecnologias, sem hierarquizar os conhecimentos, valores, ritmos de aprendizagem... EDUCAÇÃO DIALÓGICA
    30. 30. Fortalecer a Inter-Multiculturalidade Afirmar as identidades e modos de vida próprios do Campo Heterogeneidade Conflitualidade Diferença Convivialidade
    31. 31. Denúncia feita pela Educação do Campo Os saberes produzidos no trabalho, na cultura e nas lutas sociais dos sujeitos do campo não têm sido considerados na construção das pesquisas, das políticas, do currículo e das práticas educacionais vigentes e muitas vezes são tratados de modo preconceituoso, discriminatório. O Universal tem sido pouco universal. O que se quer portanto, não é ficar na particularidade, fragmentar o debate e as lutas; ao contrário, a luta é para que o “universal seja mais universal”, seja de fato síntese de particularidades diversas, contraditórias. (Roseli Caldart)
    32. 32. Na organização do Currículo, estimulamos os professores a incorporar: - Os Os Os Os saberes da Terra saberes da Mata saberes das Águas saberes das ciências e da Tecnologia
    33. 33. Vamos construir currículos e PPPs: Que tenham a cara, o jeito de ser, de sentir, de agir e de viver do Campo Que considerem o contexto urbano, nacional e internacional e ao mesmo tempo afirmem as identidades culturais do campo
    34. 34. Articular saberes de diferentes Tradições TRABALHO - CIÊNCIA - CULTURA Interdisciplinaridade Transdisciplinaridade Perspectiva relacional
    35. 35. Estimular formas inovadoras de Organização Curricular
    36. 36. TRANSGREDIR MULTI(SÉRIE) SERIAÇÃO PRECARIZADA
    37. 37. Pilares da Seriação – fragmentação e padronização: - TEMPO – Ano letivo (anual), carga horária para cada disciplina... - ESPAÇO – Escola como único local de aprendizagem (deslegitima as lutas – trabalho – atividades culturais como espaços educativos - CONHECIMENTO – Só o conhecimento científico tem validade, é legítimo, os saberes dos sujeitos do campo são desvalorizados, negados e invisibilizados
    38. 38. Transgressão do modelo seriado urbano de ensino Minar os pilares da seriação
    39. 39. A Transgressão não se efetivará: 1- Via decreto, por imposição do poder público, 2 - De modo compulsório e padronizado para todas as escolas ao mesmo tempo, 3 - Por decisão de pesquisadores, educadores ou outro segmento isoladamente.
    40. 40. A Transgressão se efetivará: 1 - Com muito diálogo e reflexão, envolvendo todos os segmentos escolares, 2 - Com estudos e pesquisas sobre as condições existenciais e as possibilidades de intervenção que considerem as peculiaridades locais das escolas e suas comunidades,
    41. 41. A Transgressão se efetivará: 3 - Incorporando o acúmulo de experiências e práticas dos sujeitos que participam dessas escolas, que resistem e que procuram fazer diferente mesmo quando as condições materiais, objetivas e subjetivas são muito desfavoráveis e as limitações e carências são muito profundas.
    42. 42. Coletânea - EDUCAÇÃO DO CAMPO: Políticas e Práticas Educacionais no Pará e no Brasil Volume 1 História, Contexto e Políticas Públicas Volume 2 Escola do Campo – Metodologias e Experiências Educativas
    43. 43. http://www.educampoparaense.org/ http://educampoparaense.eform.net.br/revistamare/

    ×