O homem trocado

2.925 visualizações

Publicada em

Leitura e produção de texto.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.925
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
14
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O homem trocado

  1. 1. UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ-UESPI CAMPUS RIO MARATAOAN – BARRAS – PIAUÍ CURSO: LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA DISCIPLINA – LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO PROFª- ROSEMARY BLOCO I; TURNO MANHÃ COMPONENTES : ACELINO ELIDA GIRLENO IRANILDO Girleno
  2. 2. Na literatura e no jornalismo, uma crônica é uma narração curta, produzida essencialmente para ser veiculada na imprensa, seja nas páginas de uma revista, seja nas páginas de um jornal. Possui assim uma finalidade utilitária e pré-determinada: agradar aos leitores dentro de um espaço sempre igual e com a mesma localização, criando-se assim, no transcurso dos dias ou das semanas, uma familiaridade entre o escritor e aqueles que o leem. Crônica (gênero) Girleno
  3. 3. A palavra crônica deriva do Latim chronica que significava, no início do Cristianismo, o relato de acontecimentos em sua ordem temporal (cronológica). Era, portanto, um registro cronológico de eventos. No século XIX, com o desenvolvimento da imprensa, a crônica passou a fazer parte dos jornais. Ela apareceu pela primeira vez em 1799, no Journal des Débats, publicado em Paris. A crônica literária, surgida a partir do folhetim, na França, tomou Origem Elida
  4. 4. Características A crônica é, primordialmente, um texto escrito para ser publicado em jornais e revistas. Assim o fato de ser publicada nesses meios já lhe determina vida curta, pois à crônica de hoje seguem-se muitas outras nas próximas edições. Há semelhanças entre a crônica e o texto exclusivamente informativo. Assim como o repórter, o cronista se inspira nos acontecimentos diários, que constituem a base da crônica. Entretanto, há elementos que distinguem um texto do outro. Após cercar-se desses acontecimentos diários, o cronista dá-lhes um toque próprio, incluindo em seu texto elementos como: ficção, fantasia e criticismo, elementos que o texto essencialmente informativo não contém. Com base nisso, pode-se dizer que a crônica situa-se entre o jornalismo e a literatura, e o cronista pode ser considerado o poeta dos acontecimentos do dia-a-dia. A crônica, na maioria dos casos, é um texto curto e narrado em primeira pessoa, ou seja, o próprio escritor está "dialogando" com o leitor. Isso faz com que a crônica apresente uma visão totalmente pessoal de um determinado assunto: a visão do cronista. Ao desenvolver seu estilo e ao selecionar as palavras que utiliza em seu texto, o cronista está transmitindo ao leitor a sua visão de mundo. Ele está, na verdade, expondo a sua forma pessoal de compreender os acontecimentos que o cercam.3 Geralmente, as crônicas apresentam linguagem simples, espontânea,Iranildo
  5. 5. Características Em resumo, podemos determinar quatro pontos  Seção ou artigo especial sobre literatura, assuntos científicos, esporte etc., em jornal ou outro periódico.  Pequeno conto baseado em algo do cotidiano.  Normalmente possui uma crítica indireta.  Muitas vezes a crônica vem escrita em tom humorístico. Exemplos de autores deste tipo de crônica no Brasil são Fernando Sabino, Leon Eliachar, Luis Fernando Verissimo,Millôr Fernandes. Acelino
  6. 6. Tipos de Crônica  Crônica Descritiva Ocorre quando uma crônica explora a caracterização de seres animados e inanimados em um espaço, vivo como uma pintura, precisa como uma fotografia ou dinâmica como umfilme publicado.  Crônica Narrativa Tem por eixo uma história, o que a aproxima do conto. Pode ser narrado tanto na 1ª quanto na 3ª pessoa do singular. Texto lírico (poético, mesmo em prosa). Comprometido com fatos cotidianos ("banais", comuns).  Crônica Dissertativa Opinião explícita, com argumentos mais "sentimentalistas" do que "racionais" (em vez de "segundo o IBGE a mortalidade infantil aumenta no Brasil", seria "vejo mais uma vez esses pequenos seres não alimentarem sequer o corpo"). Exposto tanto na 1ª pessoa do singular quanto na do plural. Acelino
  7. 7. Crônica Poética Apresenta versos poéticos em forma de crônica, expressando sentimentos e reações de um determinado assunto. Crônica Jornalística Apresentação de notícias ou fatos baseados no cotidiano. Pode ser policial, desportiva, etc... Crônica Histórica Baseada em fatos reais, ou fatos históricos. Tipos de Crônicas Acelino
  8. 8. Tipos de Crônicas  Crônica Narrativo-Descritiva  É quando uma crônica explora a caracterização de seres, descrevendo-os. E, ao mesmo tempo mostra fatos cotidianos ("banais", comuns) no qual pode ser narrado em 1ª ou na 3ª pessoa do singular. Ela é baseada em acontecimentos diários.  Crônica Humorística  Deve ter algo que chame a atenção do leitor assim como um pouco de humor. É sempre bom ter poucos personagens e apresentar tempo e espaços reduzidos. A linguagem é próxima do informal. Visão irônica ou cômica de fatos apresentados  Crônica Lírica  Apresenta uma linguagem poética e metafórica. Nela predominam emoções, os sentimentos (paixão, nostalgia e saudades ), traduzidos numa atitude poética Acelino
  9. 9. Crônica de humor Elida
  10. 10. Biografia de Luis Fernando Veríssimo  Luis Fernando Verissimo nasceu em 26 de setembro de 1936 em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul. É o escritor que mais vende livros no Brasil. O trabalho do autor também é conhecido na TV, que adaptou para minissérie o livro Comédias da Vida Privada. O programa recebeu o prêmio da crítica como o melhor da TV brasileira. Filho do escritor Erico Verissimo e Mafalda Verissimo. De 1943 a 45, Erico morou com a família nos Estados Unidos, onde lecionou na Universidade de Berkeley, na Califórnia. Ao retornar ao Brasil, em 1956, começou a trabalhar na editora Globo de Porto Alegre, em 1962 transferiu-se para o Rio de Janeiro onde exerceu as atividades de tradutor e redator de publicações comerciais. De volta a Porto Alegre em 1967, Luis Fernando começou a trabalhar como copydesk do jornal Zero Hora e como redator de publicidade. Elida
  11. 11. Biografia de Luis Fernando Veríssimo  Em pouco tempo já mantinha uma coluna diária, que o consagrou por seu estilo humorístico e uma série de cartuns e histórias em quadrinhos. O primeiro livro, "O popular", de crônicas e cartuns, foi publicado em 1973. Atualmente, o autor escreve para os jornais Zero Hora, O Estado de São Paulo e O Globo. Criou personagens As Cobras, cujas tiras de quadrinhos são publicadas em diversos jornais. Em 1995, o livro O Analista de Bagé, lançado em 81, chegou à centésima edição. Algumas de suas crônicas foram publicadas nos Estados Unidos e na França em coletâneas de autores brasileiros.Elida
  12. 12.  Obras do autor: A Mesa Voadora - 1978 Ed Mort e Outras Histórias - 1979 Sexo na Cabeça - 1980 O Analista de Bagé - 1981 (100ª edição em 1995) Outras do Analista de Bagé - 1982 O Analista de Bagé em Quadrinhos - 1983 Ed Mort Porocurando o Silva - 1985 Ed Mort em Disneyworld Blues - 1987 O Jardim do Diabo - 1988 Ed Mort com a Mão no Milhão - 1988 Ed Mort em Conexão Nazista - 1989 Traçando Nova York - 1991 Traçando Paris - 1992 O Suicida e o Computador - 1992 Pai Não Entende Nada - 1993 Traçando Roma - 1993 Comédias da Vida Privada - 1994 Traçando Tóquio - 1995 Comédias da Vida Pública - 1895 Comédias da Vida Privada - 1996 Novas Comédias da Vida Privada - 1996 Elida
  13. 13. Elida
  14. 14. O que é crônica humorística? Narrativa (conta uma estória) curta e leve, que apresenta fatos do cotidiano, fazendo o leitor divertir-se. Iranildo
  15. 15. O homem trocado  Faz parte da compilação “Comédias para se Ler na Escola” (2001)  O que o título sugere? Girleno
  16. 16. O homem acorda da anestesia e olha em volta. Ainda está na sala de recuperação. Há uma enfermeira do seu lado. Ele pergunta se foi tudo bem. - Tudo perfeito - diz a enfermeira, sorrindo. - Eu estava com medo desta operação... - Por quê? Não havia risco nenhum. - Comigo, sempre há risco. Minha vida tem sido uma série de enganos... E conta que os enganos começaram com seu nascimento. Houve uma troca de bebês no berçário e ele foi criado até os dez anos por um casal de orientais, que nunca entenderam o fato de terem um filho claro com olhos redondos.Girleno
  17. 17. Descoberto o erro, ele fora viver com seus verdadeiros pais. Ou com sua verdadeira mãe, pois o pai abandonara a mulher depois que esta não soubera explicar o nascimento de um bebê chinês. - E o meu nome? Outro engano. - Seu nome não é Lírio? - Era para ser Lauro. Se enganaram no cartório e... Os enganos se sucediam. Na escola, vivia recebendo castigo pelo que não fazia. Fizera o vestibular com sucesso, mas não conseguira entrar na universidade. O computador se enganara, seu nome não apareceu na lista. - Há anos que a minha conta do telefone vem com cifras incríveis. No mês passado tive que pagar mais de R$ 3 mil. Acelino
  18. 18. - O senhor não faz chamadas interurbanas? - Eu não tenho telefone! Conhecera sua mulher por engano. Ela o confundira com outro. Não foram felizes. - Por quê? - Ela me enganava. Fora preso por engano. Várias vezes. Recebia intimações para pagar dívidas que não fazia. Até tivera uma breve, louca alegria, quando ouvira o médico dizer: Iranildo
  19. 19. - O senhor está desenganado. Mas também fora um engano do médico. Não era tão grave assim. Uma simples apendicite. - Se você diz que a operação foi bem... A enfermeira parou de sorrir. - Apendicite? - perguntou, hesitante. - É. A operação era para tirar o apêndice. - Não era para trocar de sexo? Elida
  20. 20. Interpretando...  Por que o título “O Homem Trocado”?  Narrador: observador ou personagem?  Quais os personagens da crônica?  Onde se passa a estória?  Em que fato do quotidiano o narrador se baseou?  No início da crônica, o homem fica tranquilo ou agitado? Girleno
  21. 21. Interpretando...(II)  Que enganos que aconteceram durante a vida do homem, desde seu nascimento até o momento da cirurgia?  O final confirma ou contrasta com o início da crônica?  O que gera humor no texto?  Como é a linguagem? Formal ou coloquial?  Discurso direto ou indireto? Girleno
  22. 22. Estrutura básica da crônica lida  Título – O homem trocado  Narrador – Observador  Personagens – Homem e Enfermeira  Espaço – Sala de recuperação  Tempo – Presente / Época atual  Fato cotidiano – Erro médico  Enredo – Tranquilidade inicial, relato dos enganos e mais um engano (quebra da tranquilidade inicial)  Linguagem – Coloquial  Discurso – Direto e Indireto Iranildo
  23. 23. Antes de escrever sua crônica, pense:  Narrador  Personagem ou observador?  Personagens: quem vai participar da estória?  Poucos  Quotidianos  Não precisa descrevê-los muito. Acelino
  24. 24. Antes de escrever sua crônica, pense:  Espaço: onde se passará a estória?  Em geral, um único espaço (uma sala de recepção, um escritório, o banco de uma praça etc.);  Não precisa descrevê-lo muito, só o necessário;  Tempo: quando?  Em geral, presente, podendo haver voltas ao passado. Elida
  25. 25.  O homem acorda da anestesia e olha em volta. Ainda está na sala de recuperação. Há uma enfermeira do seu lado. Ele pergunta se foi tudo bem. - Tudo perfeito - diz a enfermeira, sorrindo. - Eu estava com medo desta operação... - Por quê? Não havia risco nenhum. - Comigo, sempre há risco. Minha vida tem sido uma série de enganos... E conta que os enganos começaram com seu nascimento. Houve uma troca de bebês no berçário e ele foi criado até os dez anos por um casal de orientais, que nunca entenderam o fato de terem um filho claro com olhos redondos. Descoberto o erro, ele fora viver com seus verdadeiros pais. Ou com sua verdadeira mãe, pois o pai abandonara a mulher depois que esta não soubera explicar o nascimento de um bebê chinês.
  26. 26. Quando for escrever sua crônica...  Enredo  Baseado em um fato cotidiano;  Um flagrante da vida, curioso e atual  Precisa ser engraçado (como?) e interessante;  Pense, passo a passo, o que vai acontecer;  Começo, meio e fim! Elida
  27. 27. Enredo  Em geral, começa-se situando o leitor quanto a personagens, espaço e tempo, veja:  Seguem as ações planejadas por você, contadas em discurso direto e/ou indireto; O homem acorda da anestesia e olha em volta. Ainda está na sala de recuperação. Há uma enfermeira do seu lado. Ele pergunta se foi tudo bem. Elida
  28. 28.  Os enganos se sucediam. Na escola, vivia recebendo castigo pelo que não fazia. Fizera o vestibular com sucesso, mas não conseguira entrar na universidade. O computador se enganara, seu nome não apareceu na lista. - Há anos que a minha conta do telefone vem com cifras incríveis. No mês passado tive que pagar mais de R$ 3 mil. - O senhor não faz chamadas interurbanas? - Eu não tenho telefone!
  29. 29. Enredo  O texto deve ser recheado de humor (cenas, fatos, ações ou palavras engraçadas);  O final deve ser surpreendente, colaborando com o humor; Iranildo
  30. 30. Quando for escrever sua crônica...  Linguagem  Leve  Variedade padrão, mas sem formalismo  Título  Criativo  Incita o leitor a ler o texto Acelino
  31. 31. O que NÃO fazer!  Discurso Direto.  - Oi, tudo bem?  - Tudo bem e você?  - Bem também, então, você viu a Joana?  - A Joana? Não vi e você?  ...
  32. 32. O que NÃO fazer!  Enredo sem qualquer interesse  Estórias sem começo, meio e fim;  Técnica do despertador;  Estórias complicadas que se resolvem em segundos;  1º parágrafo estilo “inquérito policial”  “Era uma vez um homem loiro, alto, torcedor do Vasco, que se chamava Alexandre, entra no hospital São José, às 14 horas e vê uma enfermeira, morena, gorda, 46 anos, sentada num banco de madeira etc..etc..etc...”
  33. 33. O que NÃO fazer!  Confundir crônica com conto  A crônica é rápida, curta e leve  Os personagens(são poucos) tem menos densidade, não precisam ser muito descritos  Os espaços e o tempo são reduzidos  A estória da crônica pode ser precedida ou entremeada de comentários reflexivos do cronista.
  34. 34. Referencias bibliograficas http://pensador.uol.com.br/frase/MjMxNDk5/ http://pensador.uol.com.br/autor/luis_fernando_verissim o/biografia/ http://pt.wikipedia.org/wiki/Luis_Fernando_Verissimo http://pt.wikipedia.org/wiki/Cr%C3%B4nica_(g%C3%AAn ero)
  35. 35. Obrigado !!!

×