Ecologia - Restinga e Manguezal

7.073 visualizações

Publicada em

1 comentário
4 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.073
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
135
Comentários
1
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ecologia - Restinga e Manguezal

  1. 1. RESTINGA E MANGUEZAL Alunas: Bianca , Brielle, Giovanna Mirella, Lauriza, Letícia Marcelino, Letícia Tereski, Liz e Paula.
  2. 2. RESTINGA
  3. 3. Biodiversidade Ecológica  Possui terreno arenoso e salino;  Solo pobre em nutrientes;  Vegetação herbácea e rasteira;  Clima variado. Na porção norte é mais quente que na porção sul.
  4. 4. Biodiversidade de Espécies  Na restinga não há uma grande diversidade de espécies;  É composta por algumas aves, insetos, vermes cavadores, crustáceos e moluscos;  São mais utilizadas por animais migratórios para:  Áreas de descanço e alimentação;  Acasalamento e desovas.
  5. 5. Gaivotão
  6. 6. Maçaricos
  7. 7. Tartaruga Verde
  8. 8. Tartaruga Careta
  9. 9. Elefante Marinho
  10. 10. Lobo Marinho
  11. 11. Anu Branco
  12. 12. Gavião Carrapateir
  13. 13. Coruja
  14. 14. Maria farinha
  15. 15. Besourinho da praia
  16. 16. Tiê-sangue
  17. 17. Blutaparon portulacoides
  18. 18. Ipomoea imperati
  19. 19. Ipomoea pes-caprae
  20. 20. Pinheirinho de praia (Polygala cyparissias)
  21. 21. Gramíneas (Spartina spp.)
  22. 22. Açariçoba (Hydrocotile sp.)
  23. 23. Cereus peruvianus
  24. 24. Opuntia monoacant ha
  25. 25. Bromélias
  26. 26. Taboa
  27. 27. Aperta-goela
  28. 28. Conceitos de ecologia aplicados  Componentes Abióticos:  Luz do Sol, água do mar, temperatura;  Componentes Bióticos:  Produtores: as vegetações rasteiras produzem as folhas e frutos para os consumidores.
  29. 29. Conceitos de ecologia aplicados  Consumidores: São os animais que se alimentam dos consumidores(herbívoros), mas também outros consumidores podem se alimentar de outros consumidores(carnívoros). Ex: aves comendo os mexilhões na areia ou insetos; formigas se alimentando de folhas.
  30. 30. Conceitos de ecologia aplicados  Decompositores: bactérias decompondo um tubarão, ou uma tartaruga.
  31. 31. Conceitos de ecologia aplicados  Níveis de organização da biodiversidade:  Organismo: cada ser vivo, podendo ser unicelular ou pluricelular;
  32. 32. Conceitos de ecologia aplicados  Espécie: organismos com semelhanças estruturais e capacidade de se reproduzir.
  33. 33. Conceitos de ecologia aplicados  População: conjunto de organismos da mesma espécie que vivem em um mesmo local.
  34. 34. Conceitos de ecologia aplicados  Comunidade: conjunto de populações em um mesmo local, com interações entre as espécies. Ex: uma população de bromélias convivendo com uma população de cactos; uma população de aves convivendo com pequenos moluscos.
  35. 35. Conceitos de ecologia aplicados  Relações Intraespecíficas:  Sociedade: de formigas;  Competição: marias-farinhas disputando alimento;  Colônia: de cactos.
  36. 36. Conceitos de ecologia aplicados  Relações Interespecíficas:  Mutualismo: presença de líquens;  Epifitismo: bromélias invadindo outras plantas;  Predatismo: aves caçando os pequenos moluscos;  Competição: gaivotas e maçaricos competindo por alimento.
  37. 37. Conceitos de ecologia aplicados  Habitat: É o "endereço" onde podem ser encontradas as espécies. Ex: na areia, entre as vegetações, embaixo da areia, perto do mar, etc.
  38. 38. Impactos ambientais  A ocupação no litoral teve início com pequenos estabelecimentos de núcleos de povoamento;  A urbanização na restinga ocorreu para fins de lazer, surgindo prédios, condomínios, etc.  Com esse avanço da urbanização nas áreas de restinga, ocorre a eliminação da vegetação natural.
  39. 39. Impactos ambientais  A restinga é importante pois controla o avanço das dunas e evita prejuízos urbanos;  Servem de abrigo para várias espécies, sendo residentes e migratórias;  Um outro impacto é o lixo;
  40. 40. Uso e conservação  As restingas são afetadas pelas construções de estradas e moradas na beira do mar, retirando a vegetação para as devidas construções;  É vista como algo feio e não levam em consideração sua importância, podendo aumentar as calçadas e diminuir a faixa de areia das praias.
  41. 41. Uso e conservação  Uma forma que podemos evitar tais agressões é denunciar isso pra algum órgão responsável em fiscalizar a restinga, tendo a possibilidade do autor do crime pagar multa.  As formas de conservar a restinga é de suma importância para o equilíbrio ecológico, pois lá é o habitat de várias espécies e onde elas capturam seu alimento.
  42. 42. MANGUEZAL
  43. 43. Biodiversidade Ecológica  Zona úmida;  ecossistema costeiro, de transição entre os ambientes terrestre e marinho, característic o de regiões tropicais e subtropicais, sujeito ao regime das marés;  Solo arenoso e salino sem cobertura vegetal;
  44. 44. Biodiversidade Ecológica  Segundo o mapeamento realizado pelo MMA em 2009, os manguezais abrangem cerca de 1.225.444 hectares em quase todo o litoral brasileiro;  Estão morfologicamente associados a costas de baixa energia ou a áreas estuarinas, lagunares, baías e enseadas que fornecem a proteção necessária ao seu
  45. 45. Biodiversidade de Espécies  Predominam espécies halófilas, em formações de vegetação litorânea ou em formações lodosas;  Conseguem se sustentar no lodo graças às suas grandes raízes.
  46. 46. Biodiversidade de Espécies  Mangue-vermelho (Rhizophora mangle)  Próprio de solos lodosos, respira através de rizóforos;  Possui folhas expessas e lisas.
  47. 47. Biodiversidade de Espécies  Mangue-preto (Avicennia schaueriana)  Possuem folhas esbranquiçadas na parte inferior;  Suas raízes são ramificadas a alguns centímetros sob o substrato lodoso e delas saem pneumatóforos esponjosos que realizam as trocas gasosas, os quais parecem grandes palitos saindo do solo.
  48. 48. Biodiversidade de Espécies  Mangue-branco (Laguncularia racemosa)  Possui pecíolo avermelhado;  Pneumatófaros são menores.
  49. 49. Bem-te-vi (Pitangus
  50. 50. Carcará (Caracara plancus
  51. 51. Colhereiro (Platalea ajaja)
  52. 52. Garça
  53. 53. Guará-vermelho
  54. 54. Martim-pescador
  55. 55. Sagui
  56. 56. Lontra
  57. 57. Jacaré do papo amarelo
  58. 58. Caranguejo guaiamum
  59. 59. Caranguejo uçá
  60. 60. Conceitos de ecologia aplicados  Componentes abióticos  Luz, água, temperat ura.  Componentes bióticos  Produtores: mangues produzindo frutos e folhas para os consumidores;
  61. 61. Conceitos de ecologia aplicados  Consumidores: caranguejos e insetos comendo as folhas dos mangues, bem te vi comendo um inseto.  Decompositores: barctérias decompondo uma ave morta.
  62. 62. Conceitos de ecologia aplicados  Niveís de organização da biodiversidade:  Organismo celular ou pluricelular.
  63. 63. Conceitos de ecologia aplicados  Espécie: de bem-te-vi, de carcarás.
  64. 64. Conceitos de ecologia aplicados  População: de guarás vermelhos, de saguis.
  65. 65. Conceitos de ecologia aplicados  Comunidade: de mangue-vermelho vivendo com mangue-branco, robalos convivendo com garoupas.
  66. 66. Conceitos de ecologia aplicados  Relações Intraespecíficas:  Colônia: de cracas  Competição: guarás disputando alimento
  67. 67. Conceitos de ecologia aplicados  Relações Interespecíficas:  Competição: entre guarás e garças por alimento;  Mutualismo: presença de líquens nas árvores;  Predação: lontra predando um peixe
  68. 68. Conceitos de ecologia aplicados  Habitat: o “endereço”, onde a espécie pode ser encontrada. Ex: nas árvores do mangue, na água, no lodo, etc.
  69. 69. Impactos ambientais  Ventos fortes; inundações; fluxos das águas; represamento da área; marés extremas; frentes atmosféricas;  Extrativismo animal e vegetal, esgoto lançado;  A sociedade desmata, aterra e constrói casas.  Pesca predatória, arrasto;  Salinas;  Desmatamento;  Turismo frequente.
  70. 70. Impactos ambientais  Necessidade em utilizar grandes volumes de água;  Usinas hidroelétricas;  Capturas do caranguejo-uçá na época de “andadas”(quando saem das tocas totalmente vulneráveis).
  71. 71. Uso e conservação  Espécies o usam para se reproduzir, outras para a fase de crescimento e outras permanecem ali pela vida toda;  Sua manutenção é vital para a subsistência das comunidades pesqueiras, mas os recursos devem ser usados sem exagero;  A vegetação do mangue serve para fixar as terras, impedindo uma erosão e estabilizar a costa  As raízes servem como filtros na retenção de sedimentos.
  72. 72. Uso e conservação  Constitui importante banco genético para a recuperação de áreas degradadas;  A aquicultura utiliza para construir tanques e barragens, perturbando o equilíbrio hidrológico;  Agricultura utiliza para construir instalações urbanas;
  73. 73. Uso e conservação  A melhor forma de se preservar esse ecossistema,é, primeirame nte, conscientizando os extrativistas desse meio ambiente, as famílias de catadores;  utilização de oficinas de artesanatos e cursos profissionalizantes;  Educando tais famílias, para que assim possam lucrar de forma sustentável, sendo bom para ambas partes
  74. 74. Uso e conservação  Repovoar o mangue utilizando larvas de caranguejos, plantios de mudas;  Estudar a genética das espécies;  Criar projetos científicos para interagir com as comunidades.

×