Atividade física e saúde do idoso

24.542 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
1 comentário
7 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
24.542
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
535
Comentários
1
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Atividade física e saúde do idoso

  1. 1. Grupo: Francisco Penha, Giovani Bezerra, Iracema Cunha e José Wilson Atividade física e saúde do idoso e O efeito da atividade física no aparelho locomotor do idoso Artigos publicados no site Scielo Brasil.
  2. 2. ALGUMAS CONSIDERAÇÕES:O processo de envelhecimento biológico determina alterações noaparelho locomotor, que causam limitações às atividades da vidadiária e, assim, comprometem a qualidade de vida da pessoa queenvelhece. A diminuição do nível de atividade pode levar o idoso a umestado de fragilidade e de dependência. Evidências atuaisdemonstram que a atividade física traz benefícios à saúde do idoso,melhorando sua qualidade de vida;O Centro Nacional de Estatística para a Saúde estima que cerca de84% das pessoas com idade igual ou superior a 65 anos sejamdependentes para realizar as suas atividades cotidianas;Estima-se que em 2020 ocorrerá aumento de 84 a 167% no número deidosos com moderada ou grave incapacidade. Entretanto, aimplantação de estratégias de prevenção, como a prática da atividadefísica (AF) regular e de programas de reabilitação, poderá promover amelhora funcional e minimizar ou prevenir o aparecimento dessaincapacidade.
  3. 3. BENEFÍCIOS DA ATIVIDADE FÍSICA PARA A POPULAÇÃO IDOSA:A AF regular melhora a força, a massa muscular e aflexibilidade articular, notadamente, em indivíduos acima de50 anos. A treinabilidade do idoso (a capacidade de adaptaçãofisiológica ao exercício) não difere da de indivíduos maisjovens;A AF se constitui em um excelente instrumento de saúde emqualquer faixa etária, em especial no idoso, induzindo váriasadaptações fisiológicas e psicológicas, tais como:– -maiores benefícios circulatórios periféricos;– -aumento da massa muscular;– -melhor controle da glicemia;– -redução do peso corporal;– -melhor controle da pressão arterial;– -melhora da função pulmonar;– -melhora do equilíbrio e da marcha;– -menor dependência para realização de atividades diárias;– -melhora da auto-estima e da autoconfiança;– -significativa melhora da qualidade de vida.
  4. 4. MAIS...A AF regular diminui a incidência de quedas, o risco defraturas e a mortalidade em portadores de doença deParkinson. Para maior benefício, a AF nesses pacientesdeve incluir treinamento de equilíbrio, caminhadas eexercícios de força;A AF tem sido preconizada, também, para outrasdoenças neurológicas, como esclerose múltipla e doençade Alzheimer;A AF regular nos idosos - particularmente os exercíciosnos quais se sustenta o próprio peso e exercícios deforça - promove maior fixação de cálcio nos ossos,auxiliando na prevenção e no tratamento daosteoporose. Aumenta ainda a força muscular, oequilíbrio e a flexibilidade, com a conseqüentediminuição da incidência de quedas, fraturas e suascomplicações. Os idosos portadores de osteoartrosetambém podem e devem praticar AF regular, desde queadaptada à sua condição.
  5. 5. PRESCRIÇÃO DE EXERCÍCIOS:Na fase inicial de um programa é importante darsegurança, educando quanto aos princípios doexercício e estimulando a automonitorização. Éimportante fazer com que o hábito do exercíciose transforme em algo tão natural como, porexemplo, cuidar da própria higiene;Um programa de AF para o idoso deve estardirigido para quebrar o ciclo vicioso doenvelhecimento, melhorando sua condiçãoaeróbica e diminuindo os efeitos deletérios dosedentarismo. Deve maximizar o contato social,reduzindo a ansiedade e a depressão, comunsnessa faixa etária;As principais variáveis a serem observadas paraa prescrição são: modalidade, duração,freqüência, intensidade e modo de progressão. Éimportante enfatizar que o planejamento dosexercícios deve ser individualizado;
  6. 6. MAIS...A escolha da modalidade de exercício deve valorizar acima detudo as preferências pessoais e possibilidades do idoso. Asatividades devem ser, sempre que possível, em grupo evariadas;A AF deve ser iniciada por uma fase de aquecimento, exercíciosde alongamento e de mobilidade articular, além da atividadeprincipal em menor intensidade;A duração da atividade varia de 30 a 90 minutos, guardandorelação inversa com a intensidade. Os chamados "idososfrágeis" e indivíduos em fase inicial do programa de exercíciospodem beneficiar-se de sessões de curta duração (cinco a dezminutos) realizadas em dois ou mais períodos ao dia;
  7. 7. RECOMENDAÇÕES PRÁTICAS:Realizar exercício somente quando houver bem-estar físico;Usar roupas e calçados adequados;Evitar o fumo e o uso de sedativos;Não se exercitar em jejum. Dar preferência a carboidratosantes dos exercícios;Respeitar os limites pessoais, interrompendo se houver dor oudesconforto;Evitar extremos de temperatura e umidade;Iniciar a atividade lenta e gradativamente para permitiradaptação;Hidratação adequada antes, durante e após a atividade física.
  8. 8. CONCLUSÕES:As alterações no aparelho locomotor, ocorridas em decorrência doenvelhecimento que causam perda no equilíbrio, fragilidade óssea,dores articulares e decréscimo da função podem ter seu efeitominimizado por meio da prática regular de exercícios físicos;A atividade física regular melhora a qualidade e expectativa devida do idoso;Um programa de atividade física para o idoso deve ser precedidode uma avaliação médica e também contemplar os diferentescomponentes da aptidão física, incluindo exercícios aeróbicos, deforça muscular, de flexibilidade e de equilíbrio;a AF deve ser incentivada e estimulada para indivíduos idosos,inclusive através de iniciativas do poder público e/ou privado,como já existente em várias cidades do Brasil, visto se constituirem excelente instrumento de promoção da saúde. Não existenenhum segmento da população que obtenha mais benefícios coma AF do que os idosos.
  9. 9. FONTES BÁSICAS:Site Scielo Brasil;Revista Brasileira de Medicina do Esporte.vol.5, nº.6, Niterói, nov./dez. 1999;Revista Brasileira de Ortopedia. vol.44, no.2, SãoPaulo, mar./abr. 2009.

×