Pelo Professor Gilson NunesSEGREDOS DA ARTE BRASILEIRA 1
O quadro “O grito do Ipiranga”, pintado por Pedro Américo, foi uma obracontratada em 14 de janeiro de 1886. Uma encomenda ...
Título original do quadro: “independência ou morte” –Altura: 7,60 x 4,15m. Concluída em Veneza, em 1888.
Descrevendo os personagens do cenário da pintura
1 – Sargento-mor Antonio Ramos Cordeiro, representante da guarda real.
2 – Paulo Emílio Bregaro – Responsável por entregar a Dom Pedro já em SãoPaulo, correspondência da Imperatriz Leopoldina. ...
3 – Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, era dono de caligrafiaexcelente, dominava várias línguas, escrevia com correção, ...
4 – Antonio Leite Pereira da Gama Lobo. Responsável pelasArmas do Governo Provisório do Brasil.
5 – Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão – não estevepresente no ato do grito, homem rico que emprestavadinheiro para socorr...
6 – Luis Filipe de Saldanha da Gama – Militar da Marinhabrasileira, lutou na Guerra do Paraguai e liderou a segundarevolta...
7 - Dom Pedro I
8 – Capitão-mor Manuel Marcondes Mello – comandante do IEsquadrão da guarda de honra. Barão e rico fazendeiro doVale do Pa...
9 – Pedro Américo – Autorretrato.
10 – Casa do Grito
11 – Córrego do Ipiranga
12 – Trabalhador anônimo
Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não umaespada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
Segundo o romancista Stieg Larsson, muitas mulheres sevestiam de homens para participar das manifestações, massão omitidas...
D. Pedro I não montava um cavalo castanho-escuro, mas uma“besta baia gateada” – uma mula amarelo-avermelhado. Burrose mula...
O fardamento era simples, e não essa sofisticada majestosafarda. Pois, à época não existia a Guarda de Honra. D.Pedro esta...
O carreiro foi posto no cenário para representar o povo,que se apresenta assustado e surpreendido com o ato. Poisnunca est...
Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não umaespada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
Usou farda branca para contrastar com a farda escura doscivis. Ampliou o número de regentes a sua volta e reduziu atropa p...
À distância de 405 metros da colina onde se encontra D.Pedro ao riacho, coloca-o em posição de destaque.
Para o Professor José Murilo de Carvalho, o artistadesprezava os asnos em suas obras, e a parada ao riacho foimotivada por...
Composição questionada 1: o quadro lembra a batalha deFriedland, vencida em 1807 por Napoleão, obra de ErnestMeissonier, p...
Composição questionada 2: outra obra intituladaIndependência – a pedido do Senado Imperial, pintada noBrasil em 1844, pelo...
Bibliografia:- CARVALHO, José Murilo de. Os esplendores da imortalidade.Folha de São Paulo – mais!, 26/12/1999, pag. 12- J...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Segredos da arte brasileira 1

643 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
643
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Segredos da arte brasileira 1

  1. 1. Pelo Professor Gilson NunesSEGREDOS DA ARTE BRASILEIRA 1
  2. 2. O quadro “O grito do Ipiranga”, pintado por Pedro Américo, foi uma obracontratada em 14 de janeiro de 1886. Uma encomenda da comissão deconstrução do monumento do Ipiranga – São Paulo/Brasil.
  3. 3. Título original do quadro: “independência ou morte” –Altura: 7,60 x 4,15m. Concluída em Veneza, em 1888.
  4. 4. Descrevendo os personagens do cenário da pintura
  5. 5. 1 – Sargento-mor Antonio Ramos Cordeiro, representante da guarda real.
  6. 6. 2 – Paulo Emílio Bregaro – Responsável por entregar a Dom Pedro já em SãoPaulo, correspondência da Imperatriz Leopoldina. E o encontro se deu noriacho do Ipiranga, no dia 7 de setembro, junto com Antonio Cordeiro.Apelidado com o “Correio da independência”.Dom Pedro reuniu a guarda e, arrancando os laços de cores portuguesas,ordenou: “Laços fora, soldados! Camaradas, as cortes de Lisboa querem mesmoescravizar o Brasil: cumpre, portanto, declarar a sua independência. Estamosdefinitivamente separados de Portugal”. E bradou a famosa frase:“Independência ou morte seja a nossa divisa!”.
  7. 7. 3 – Francisco Gomes da Silva, o Chalaça, era dono de caligrafiaexcelente, dominava várias línguas, escrevia com correção, tinha opensamento organizado - perfeito administrador. Por outro lado,prestava também outros "servicinhos", como arregimentar belasmulheres. A mais fascinante de todas surge na vida de D. Pedroexatamente nesta viagem a São Paulo e se chamava Maria DomitiladeCastro Canto e Melo, que mais tarde receberia o título deMarquesa de Santos.
  8. 8. 4 – Antonio Leite Pereira da Gama Lobo. Responsável pelasArmas do Governo Provisório do Brasil.
  9. 9. 5 – Brigadeiro Manuel Rodrigues Jordão – não estevepresente no ato do grito, homem rico que emprestavadinheiro para socorrer as crises públicas.
  10. 10. 6 – Luis Filipe de Saldanha da Gama – Militar da Marinhabrasileira, lutou na Guerra do Paraguai e liderou a segundarevolta armada em 1893
  11. 11. 7 - Dom Pedro I
  12. 12. 8 – Capitão-mor Manuel Marcondes Mello – comandante do IEsquadrão da guarda de honra. Barão e rico fazendeiro doVale do Paraíba
  13. 13. 9 – Pedro Américo – Autorretrato.
  14. 14. 10 – Casa do Grito
  15. 15. 11 – Córrego do Ipiranga
  16. 16. 12 – Trabalhador anônimo
  17. 17. Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não umaespada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
  18. 18. Segundo o romancista Stieg Larsson, muitas mulheres sevestiam de homens para participar das manifestações, massão omitidas da representação. O fato é apenas de um heróie não coletivo.
  19. 19. D. Pedro I não montava um cavalo castanho-escuro, mas uma“besta baia gateada” – uma mula amarelo-avermelhado. Burrose mulas eram o meio de transporte habitual para subir aSerra do Mar.
  20. 20. O fardamento era simples, e não essa sofisticada majestosafarda. Pois, à época não existia a Guarda de Honra. D.Pedro estava escoltado por guardas voluntários.
  21. 21. O carreiro foi posto no cenário para representar o povo,que se apresenta assustado e surpreendido com o ato. Poisnunca esteve presente a cena. Tipificando um cenário ruralperturbado por acontecimento inesperado.
  22. 22. Detalhes da obra: D. Pedro I ergue seu chapéu e não umaespada, fechando o semicírculo dos cavalheiros da comitiva.
  23. 23. Usou farda branca para contrastar com a farda escura doscivis. Ampliou o número de regentes a sua volta e reduziu atropa para manter o equilíbrio da cena.
  24. 24. À distância de 405 metros da colina onde se encontra D.Pedro ao riacho, coloca-o em posição de destaque.
  25. 25. Para o Professor José Murilo de Carvalho, o artistadesprezava os asnos em suas obras, e a parada ao riacho foimotivada por uma diarréia de D. Pedro, que o incômodo nãose fez revelar em sua fisionomia. (Museu do Ipiranga/SP –Brasil)
  26. 26. Composição questionada 1: o quadro lembra a batalha deFriedland, vencida em 1807 por Napoleão, obra de ErnestMeissonier, pintada em 1875.
  27. 27. Composição questionada 2: outra obra intituladaIndependência – a pedido do Senado Imperial, pintada noBrasil em 1844, pelo francês François-René Moreaux.Semelhanças e contradições. (Museu Imperial dePetrópolis/RJ – Brasil)
  28. 28. Bibliografia:- CARVALHO, José Murilo de. Os esplendores da imortalidade.Folha de São Paulo – mais!, 26/12/1999, pag. 12- JÚNIOR, Donato Mello. Pedro Américo e Melo, 1843-1905.Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1983.- ROSEMBERG, Liana Ruth Bergstein. Pedro Américo e o olharoitocentista. Rio de Janeiro; Relume Dumará, 1995.- CARDOSO, Rafael. A arte brasileira em 25 quadros 1790-1930. Rio de Janeiro, Record, 2008.Criação do Slide, Prof. Gilson Nunes, 16/02/2013Campina Grande – Paraíba – BrasilContato: gilsonunes2000@bol.com.brprofessorgilsonunes@facebook.com

×