Antiguida..

188 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
188
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Antiguida..

  1. 1. ANTIGUIDADE CLÁSSICA: GRÉCIA E ROMAO termo Antiguidade Clássica é utilizado como referência à Grécia e Roma antigas, as quaisapresentam características semelhantes no que se refere a diversos aspectos e foramimportantes povos da Idade Antiga.Características GeraisFormaram impérios territoriais e comerciais, chegando a ocupar três continentes(Europa, norte da África, Ásia Menor e Oriente Médio).Possuíam exércitos que conquistavam territórios, seja através de legiões terrestres ouarmadas (marinha) de guerra.Presença de uma elite agrária ou comercial dominando uma vasta população e obtendopoder político.Apresentavam um corpo de organização política em forma de assembleias, senado,tribunato, etc., que decidiam sobre os destinos da política interna e externa, questõeseconômicas e de costumes.Forte religiosidade a qual influenciava consideravelmente na política, principalmenteatravésdo politeísmo.Apresentavam uma economia diversificada, com destaque para o comércio edisponibilidade de terras cultiváveis, especialmente nas áreas conquistadas.Apresentavam sociedades desiguais, sendo que em termos produtivos cabiam no modode produção escravista.Refletiam acercado contato existente entre povos de culturas diferenciados, tanto noOcidente quanto no Oriente.Desconfiança em relação a indivíduos ou povos estrangeiros chegando-se à xenofobia.Ocorrência de movimentos sociais e políticos envolvendo as elite política tradicionais,aristocráticas e as elites emergentes.Ocorrência de movimentos sociais envolvendo os mais pobres, especialmente osescravos, contra a exploração dos poderosos.Forneceram a base cultural e política para instituições e práticas presentes no Ocidentede hoje ao desenvolver conceitos como cidadania, democracia, senado, arte clássica,filosofia, língua, etc.Instituição do cristianismo (Império Romano).
  2. 2. AS QUESTÕES GEOGRÁFICASAs questões envolvendo a geografia nos territórios dos outrora Grécia Antiga e o ImpérioRomano foram fatores consideráveis para a evolução dos povos que os habitava, chegandomuitas vezes a orientar no destino dos mesmos.Pode-se dizer que tanto a Grécia quanto a Península Itálica apresentam uma parte continental,mas também são rodeadas por ilhas, em especial a Grécia que possui verdadeirosarquipélagos ao longo de seus mares (Egeu, Jônico e Mediterrâneo).Com base nisso, não somente havia uma pluralidade de povos como também de atividadeseconômicas, sendo uma delas o comércio marítimo, um condutor que ligava culturas, além detrazer e levar pessoas e mercadorias.A Península Itálica apresenta áreas férteis, assim como parte de suas ilhas, enquanto que aGrécia continental não tinha tantas áreas férteis assim, daí as ilhas darem um suporteeconômico, servindo de base agrícola ou portos comerciais. Além disso, as áreas colonizadaspelos gregos e as dominadas pelo Império Romano na Antiguidade apresentavam umavariedade geográfica que lhes imprimia direcionamento e função econômica.EVOLUÇÃO POLÍTICA, SOCIAL E EXPANSÃOTERRITORIALGrécia e Roma (Império Romano) saíram de pequenos povoados, passando para comunidadesgentílicas (genos e gens, respectivamente), nascendo daí uma aristocracia de terras, atéchegarem a status de cidades-Estado, sendo que as poleis grega não chegaram a se unificarno período antigo, enquanto que Roma foi conquistando o Lácio, a Península Itálica, as ilhasdo Mediterrâneo Ocidental, até abraçar a Europa Ocidental, os Bálcãs (inclusive a Grécia),atravessar o Mediterrâneo, conquistar o norte da África, após derrotar Cartago e chegar atéparte do Oriente Médio.Vale ressaltar que os gregos enfrentaram diásporas por questões econômicas, buscandomelhores condições de vida e maior liberdade culminando com a fundação de colônias,inclusive no sul da Península Itálica e em ilhas como a Sicília (Magna Grécia).No processo dessas conquistas e colonizações, foi fato a relação entre os povos e suasculturas.Esse contato fez surgir elites ligadas a latifúndios ou ao comércio, que ora brigavam pelopoder, ora dividiam-no. Também é certo que a população baixa (menos favorecida) ficava àmercê dos poderosos, mas estabeleciam resistências das mais diversas formas e nos maisvariados grupos socialmente minoritários, desde tentativa de reforma agrária até as lutas dosmenos afortunados.O estabelecimento dos governos e das autoridades também evoluiu de leis consuetudináriasaté legislações civis, em especial por causa do processo de privatização, do crescimentourbano e populacional, das diferenças sociais e da necessidade de se estruturar e organizar asociedade. As leis orientavam acerca de aspectos diversos, desde a questão da cidadania,passando pelo direito de família, de propriedade, de elegibilidade, de comércio, etc.Para dar base aos governos, e estabelecer a dominação, vários organismos e instituiçõesforam criados como Assembleias e Senados, além de elementos coercitivos e com funçõesexpansionistas como os exércitos e/ou marinhas poderosos.RELIGIOSIDADE E CULTURAOs povos gregos e romanos eram politeístas desde suas respectivas formações. A “vida”religiosa dos mesmos pode ter se iniciado a partir do momento em que havia certa ociosidade
  3. 3. de determinados gruposdominantes, já que com a abundância de mão de obra, aquelespassaram a cuidar das diversas formas de domínio (político e religioso).Vê-se na mitologia a maneira de como aqueles povos compreendiam sua relação com osobrenatural e procuravam explicação para além da lógica, esta nascendo também no períodoem questão.Os deuses foram criados à imagem e semelhança dos homens, com suas virtudes, defeitos,características e sentimentos, positivos e negativos. Levados a sério, os seres divinosparticipavam ativamente da vida política e social dos indivíduos.Com os apóstolos e através da população pobre e dos soldados romanos, o cristianismoacabou com o politeísmo dos povos gregos e do grande Império, não sem antes travar umaguerra com aqueles que queriam manter o panteão de deuses.Sem dúvida que entre o mundo presente existem situações, características, instituições ecostumes que remetem à cultura greco-romana. Aspectos da língua, das leis, das formas degoverno, de instituições governamentais, de estilos arquitetônicos, de questões familiares e dereligião estão no dia a dia do mundo contemporâneo.GRÉCIASobre a Grécia atual:Localização: Península dos Bálcãs.Geografia: Existência de uma parte continental e parte insular.Capital atual: Atenas.Política: República Parlamentarista.Religião; Igreja Ortodoxa Grega (grande maioria), cristianismo católico e protestante eislamismo.Membro da zona do Euro.Grécia AntigaFoi constituída através da contribuição de povos indo-europeus como dórios, jônios, eólios eaqueus.Período pré-homérico ou da civilização creto-micênicaVida girando em torno de palácios em Creta.
  4. 4. Por serem dedicados à navegação a ao comércio os cretenses tiveram contato compovos do Mediterrâneo.Fusão entre os cretenses e a civilização micênica.A parte continental sofreu invasões de dórios forçando a dispersão do povo (PrimeiraDiáspora Grega) para as ilhas do Mar Egeu e litoral da Ásia Menor.Período HoméricoBase de informações: Ilíada e Odisseia, de Homero.Caracterizado pela comunidade gentílica (genos): sociedade rural com pequenasunidades agrícolas autossuficientes, estando os bens da comunidade sob o controle dochefe comunitário (pater ou geronte) que exercia diversas funções.Pobreza do solo e expansão demográfica causaram conflitos e o fim da comunidadegentílica.Sociedade dividida entre proprietários, não proprietários e indivíduos dedicados aocomércio.União dos genos a fim de centralizar o poder e, assim, poder melhor se defender.Apropriação de terras mais ricas nas mãos dos mais próximos do pater, passando a seros bem nascidos (eupátridas), as restantes dadas aos agricultores (georgoi) e osexcluídos do acesso à terra, os marginalizados, chamados de thetas.Saída de levas de povos gregos em busca de terras e melhores condições (SegundaDiáspora Grega), dessa vez se estabelecendo na Península Itália e na Sicília (MagnaGrécia), além de se voltarem para o Mar Negro fundando novas cidades (Bizâncio).Nascimento das poleis grega (cidades-Estado).Período em que possivelmente ocorreu a Guerra de Troia.Período ArcaicoConsolidação da pólis, cujo ponto geográfico central era a acrópole, local mais elevadoda cidade, onde se desenvolvia o núcleo urbano.Inicialmente governadas por um rei (basileu), depois substituído por um regimeoligárquico (domínio do poder de um pequeno grupo, geralmente pertencentes a umamesma família, grupo ou classe) e aristocrático (poder nas mãos dos gruposprivilegiados), sendo estes líderes donos de terras que se reuniam no conselho deeupátridas.Surgimento de outras formas de governo, em especial a democracia, quando se ampliouos direitos de cidadania até os thetas.EspartaLocalização: Lacônia (Península do Peloponeso).Geografia: presença de terras férteis.Origem dórica.Características: continental, oligárquica, agrícola, escravista e militarizada.Apresentou um desenvolvimento semelhante às demais cidades-Estado, mas conseguiuevitar o problema da escassez agrícola e do crescimento da população.Sociedade: espartanos ou esparciatas: principal grupo, elite militar, descendentes dosconquistadores dórios, possuindo todos os poderes político, religioso e civil esubmetendo os demais; periecos: viviam na periferia, sendo pequenos proprietários,dedicando-se ao artesanato ou ao comércio, sem direitos e hilotas: escravos,proprietários do Estado espartano e doados aos cidadãos de Esparta, descendentes doshabitantes conquistados pelos dórios, sem direitos, sendo explorados.Criação de legislação (Licurgo), para estabelecer, dentre outras coisas, os direitosexclusivos dos espartanos ou esparciatas e marginalizando os demais.
  5. 5. Sistema oligárquico de governo composto principalmente pela ápela (assembleia deguerreiros) e gerúsia(conselho de anciãos, formado por membros das famílias maisricas, com funções legislativas).As terras e a mão de obra pertenciam ao Estado e era disponibilizada para osespartanos.Esparta não sofreu as mesmas transformações econômicas e políticassemelhantes a outras cidades gregas, daí suas instituições serem mantidasconforme suas origens, evitando, inclusive, o advento da democracia, como emalgumas poleis.Educação a cargo do Estado para os filhos dos espartanos, sendo direcionada para aguerra a fim de formar guerreiros (hoplitas).Prática da krypteia ou kryptia, como forma de treinamento e controle da população dehilotas.Mulher possuía uma vida mais livre e ativa do que em outras cidades-Estado,especialmente Atenas, recebendo educação estatal para desempenhar suas funções,principalmente gerar filhos sadios para o Estado; com o tempo parece que foramincluídas no funcionamento da pólis.AtenasLocalização: Península da Ática.Geografia: região litorânea, com a presença do porto do Pireu, voltado para o Mar Egeu.Origem: aqueus, seguidos de eólios e jônios.Características: litorânea, democrática, prática do comércio marítimo, imperialista eescravista.Inicialmente monárquica, o último basileu foi destronado pela aristocracia de terras,estabelecendo um regime oligárquico com base no arcontado, órgão formado porindivíduos com mandatos anuais e com funções jurídicas, militares e religiosas;areópago, conselho de eupátridas (bem nascidos) que fiscalizavam os arcontes; bulé,após o estabelecimento das reformas de Sólon, ampliando a cidadania, comquatrocentos membros com funções administrativas e legislativas e eclésia, surgidatambém após as reformas de Sólon, sendo uma assembleia popular, aberta a todos oscidadãos (homem livre, filho de pai e mãe ateniense, acima de 18 anos).Sociedade: eupátridas, aristocracia antiga da cidade, dono das melhores terras, tendodireitos civis e políticos; povo, uma camada complexa constituída desde comerciantes,pequenos lavradores, população pobre, inicialmente sem direitos políticos; metecos,estrangeiros sem direitos e escravos, principal mão de obra de Atenas.Principais responsáveis pela expansão pelo Mediterrâneo (Segunda Diáspora Grega),os ateniense sofreram profundas transformações na estrutura econômica e social graçasao vasto comércio estabelecido entre a cidade e as regiões colonizadas, além de outrascidades.Crescimento do comércio de escravos vindos de outras localidades, tornando-se a baseda mão de obra ateniense.O amplo comércio gerou concorrência para os pequenos proprietários atenienses,levando-os ao endividamento e à escravidão por dívida, causando grande tensão social,ameaçando o regime oligárquico.Crescimento da categoria de homens enriquecidos pelo comércio, questionando odomínio político dos eupátridas.Surgimento de legisladores com propostas para solucionar o problema da crise: Drácon,que registrou leis baseadas na tradição oral e nos costumes, estas conhecidas apenaspelos eupátridas, que mantiveram seus privilégios; Sólon, eliminou a escravidão pordívida, libertando os que havia se tornado escravos, dividiu a sociedade de formacensitária, possibilitando a ascensão de trabalhadores livres (demiurgos), criou a bulécujas leis estavam submetidas à aprovação da eclésia.
  6. 6. Continuidade das agitações políticas e sociais, facilitando o surgimento de tiranos, quena Grécia antiga representavam a vontade do povo.Reformas de Clístenes (Pai da Democracia), as quais culminaram com a implantaçãoda democracia, com a sociedade dividida de acordo com o território (tribos) e não pelariqueza; a bulé passou para quinhentas pessoas (50 por tribo) e a eclésia teve seu poderampliado, dedicando-se a discutir e votar as leis. Criação do ostracismo (exílio por dezanos), para defender a democracia, ato decidido por votação.Período ClássicoPeríodo do apogeu e da decadência das cidades-Estado.Período de grandes guerras envolvendo gregos e outros povos, além dos gregos entresi.Imperialismo grego e persa na Ásia Menor levando-o às Guerras Médicas ou Greco-Pérsicas.Criação da Liga ou Confederação de Delos, sob a liderança de Atenas, sendo umaunião militar das cidades gregas que pagavam impostos para sustentar a frota edisponibilizavam homens para formação de exércitos, a fim de combaterem os persas.Foi mantida mesmo após a derrota dos persas.Grande poderia de Atenas que passou a administrar o tesouro, a embelezar a cidadecom esse dinheiro e aumentar sua frota marítima dando vazão ao imperialismoateniense, quando a cidade passou a submeter outras cidades-Estado.Insatisfação das cidade gregas contra o domínio ateniense, sob o comando de Esparta,levando à Guerra do Peloponeso, guerra civil entre os gregos, com a derrota de Atenas,mas levando-os à decadência, inclusive da democracia.Domínio macedônico, através de Felipe II e, mais tarde, Alexandre Magno.Período HelenísticoPeríodo no qual os gregos estiveram sob o domínio macedônico.Espalhamento da cultura grega no oriente, que juntando-se à cultura oriental formou ohelenismo, que influenciou tanto nesta parte quanto na região grega.Após a morte de Alexandre, o Império Macedônico foi dividido e se enfraqueceu,facilitando a dominação romana da Grécia.A cultura gregaPresente até os dias de hoje em várias partes do mundo.Desenvolvimento do antropocentrismo e do uso da razão.Religião politeísta antropomórfica (deuses à imagem e semelhança dos homens) comsuas virtudes e defeitos.Arquitetura e esculturas ricas, buscando a expressão do humanismo, cultivando osprincípios do racionalismo, da simplicidade, do equilíbrio e da ordem. As cidades e obraseram planejadas.Estudos de filosofia.Estudos de medicina.Nascimento da história.Já com o realismo surgiu uma arte mais realista, com expressões de dor, violência edrama sendo Alexandria (Egito), Pérgamo (Ásia Menor) e a ilha de Rodes(Mediterrâneo) seus centros helenísticos. Surgiram novas escolas filosóficas.Ainda com o helenismo, surgiu o despotismo, no qual a autoridade do governo éinquestionável.
  7. 7. FONTESBRAICK, Patrícia Ramos & MOTA, Myriam Becho. História: das cavernas ao terceiromilênio. Vereda Digital: São Paulo: Moderna, 2012.VICENTINO, Cláudio e DORIGO, Gianpaolo. História Geral e do Brasil. 1ª Ed. São Paulo:Scipione, 2010.Disponível em:http://binhobarros16.blogspot.com.br/2011/07/grecia-antiga.html.Acesso em 26 de março de 2013.

×