Abraao amigo de deus gordon lidsay

1.163 visualizações

Publicada em

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.163
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
56
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Abraao amigo de deus gordon lidsay

  1. 1. 1748a Lindsay, Gordon, 1906-1973 Abraão: o amigo de Deus / Gordon Lindsay; traduzido por Josué Ribeiro - Rio de Janeiro: Graça, 2001. 60 pp.; 14x21 cm. - (Série Heróis do Antigo Testamento; vol. 3) ISBN 85-7343-450-3 Tradução de: Abraham: friend of God. 1. Abraão (patriarca hebreu). I. Título. II. Série CDD-222.11 braão O amigo de Deus Série heróis do Antigo Testamento Retratos dos personagens notáveis Volume 3 GORDON LINDSAY Traduzido por Josué Ribeiro Editado pela Graça Artes Gráficas e Editora Ltda. Graça Editorial Rio de Janeiro, 2001 Abraão o amigo de Deus (O Gordon Lindsay, 1982 ORIGINAL: "Abraham: friend of God" Gordon Lindsay Christ for the Nations, Inc. P. O. Box 769000 Dallas, Texas 75376-9000 Tradução: C oordenação: Re visão: Original Prova Final Supervisão Diagramação: c apa: Design Direção de Arte: Josué Ribeiro Eber Cocareli Patrícia F. Nunan Magdalena Bezerra Soares Célia Cândido Elaine Nascimento Uma Martins de Souza Graça Editorial Kleber Ribeiro Jonas Lemos Reservados todos os direitos de publicação à GRAÇA ARTES GRÁFICAS E EDITORA LTDA.
  2. 2. Rua Torres de Oliveira, 271 - Piedade Rio de Janeiro - RJ - CEP: 20740-380 (laixa Postal 3001 - Rio de Janeiro - RJ - 20010-974 lei (0xx21) 3899-5375/2594-1303-Fax: (0xx21) 2591-2344 SUMÁRIO Introdução...............................................................................7 Capítulo 1 O chamado de Abraão.........................................................9 Capítulo 2 Tragédia no lar de Abraão.................................................19 Capítulo 3 Abraão, o intercessor..........................................................31 Capítulo 4 O deslize de Abraão em Gerar..........................................43 Capítulo 5 Fatos importantes da vida de Abraão.............................49 INTRODUÇÃO Abraão foi um dos maiores homens da História. Ele é reverenciado tanto por judeus como por muçulmanos, e ambos os grupos reivindicam uma relação de parentesco com esse patriarca. Contudo, Abraão também foi uma pes- soa sujeita a erros, fracassos e às fragilidades inerentes à natureza humana. Deus ordenara a Abraão que fosse para Canaã, a fim de mostrar-lhe uma terra, que ele e seus descendentes haveriam de possuir. Porém, Abraão permitiu que a procrastinação de seu pai o retivesse por anos. Deus lhe ordenou que fosse para Canaã, não para o Egito. Mesmo assim, pressionado pela fome que assolava a terra, Abraão rumou para o Egito, envolvendo-se em toda sorte de problemas. Abraão foi um homem extremamente honrado, mas, por causa do medo, fez um pacto com Sara para mentirem sobre ela ser sua esposa, no entanto, a estratégia falhou. Como resultado, Sara foi afastada do marido e levada para o harém do Faraó. Somente a intervenção da graça de Deus poupou Abraão de uma tragédia irremediável. Embora fosse pacífico, todos os esforços de Abraão para manter a harmonia entre os seus servos e os pastores de seu sobrinho, fracassaram. A única solução foi a separação entre eles, tendo obtido Ló a permissão para seguir sen próprio caminho. Abraão também foi um homem que buscou manter uma família piedosa, que servisse de exemplo para outras, mas houve uma rivalidade muito grande entre as mulheres de sua casa. v Abraão: o amigo de Deus Abraão amava seu filho Ismael, por isso orou: Tomara que viva Ismael diante de teu rosto! (Gn 17.18b). Algum tempo depois, porém, o patriarca passou pela triste experiência de ter de mandar embora Ismael, juntamente com a mãe, para o deserto.
  3. 3. Costuma-se afirmar que apenas um tolo cometeria o mesmo erro duas vezes. Entretanto, Abraão repetiu um erro muito grave (Gn 12.11-13; 20.2) - tudo isso faz parte da sua história. Se você tem problemas familiares, a história de Abraão lhe proporcionará inspiração e encorajamento, pois ele enfrentou todo o desânimo que pode sobrevir a um homem que esteja tentando acertar e fazer o melhor. E, no final, alcançou a vitória. Capítulo 1 O CHAMADO DE ABRAÃO O nome de Abraão é um dos maiores na História. Nem mesmo Alexandre, o Grande; Júlio César ou Napoleão deixaram marcas tão profundas sobre a humanidade. Não existe lugar algum onde o nome de Abraão não seja conhecido. Tanto judeus como cristãos e muçulmanos, apesar de suas diferenças, vindicam uma ligação direta com o distinto patriarca. Todos estes dizem: Temos por pai a Abraão (Mt 3.9a)! Uma promessa singular foi feita a Abraão. Como um pequeno córrego que deflui do rio da humanidade, Deus começou a redimir toda a raça humana por meio de Abraão. A semente de Abraão deveria tornar-se uma grande nação que, cumprido o tempo determinado, derrotaria o império de Satanás e, sobre suas ruínas, estabeleceria um reino que subsistiria para sempre. A história desse homem memorável começa com seu pai, Terá. Conforme constatamos em Josué 24.2, Terá, apesar de crer em Jeová, estava corrompido pela adoração de ídolos: Então, Josué disse a todo o povo: Assim diz o Senhor, Deus de Israel: Dalém do rio, antigamente, habitaram vossos pais, Terá, pai de Abraão e pai de Naor, e serviram a outros deuses. Existindo adoradores de ídolos na linhagem principal dos descendentes de Noé, podemos imaginar o quanto a apostasia tinha se espalhado nos dias de Abraão. Quando Deus o chamou pela primeira vez, ele vivia em Ur dos caldeus. Embora o chamado fosse, especificamente, para Abraão, era costume que a liderança da família ou do clã estivesse com o membro mais velho. 9 Abraão: o amigo de Deus É provável que Terá tenha aprovado o chamado, mas tenha se acautelado. Há dúvidas quanto a Terá realmente ter entendido, ainda que vagamente, a importância dessa convocação. Terá era um homem com tendência para o adiamento. O próprio nome Terá significa demora. Enquanto a família adiava a partida, Harã, um dos filhos de Terá, morreu. Harã era o pai de Ló. Talvez, a morte de Harã tenha feito Terá perceber que o tempo se esvaía mesmo para ele, que viveu até a idade de 205 anos. Assim, Terá, juntamente com os dois filhos remanescentes Abraão e Naor, com suas respectivas famílias, iniciaram a jornada para Canaã (Gn 11.31). Porém, o homem, cujo nome significava demora, nunca chegou a Canaã. Terá encontrou um lugar agradável, próximo ao rio Eufrates, onde o solo bem-irrigado poderia ser facilmente cultivado, e permaneceu uma temporada. Esse lugar foi nomeado Harã, talvez em homenagem ao filho falecido. É provável que o plano de Terá fosse ficar naquele lugar temporariamente. Porém, depois que se estabeleceu, Terá não mais continuou a jornada para Canaã.
  4. 4. E tomou Terá a Abrão, seu filho, e a Ló, filho de Harã, filho de seu filho, e a Sarai, sua nora, mulher de seu filho Abrão, e saiu com eles de Ur dos caldeus, para ir à terra de Canaã; e vieram até Harã e habitaram ali. E foram os dias de Terá duzentos e cinco anos; e morreu Terá em Harã. Génesis 11.31,32 Abraão parte para Canaã Quando Terá morreu, Naor, sendo o irmão mais velho de Abraão, naturalmente, deveria tornar-se líder do clã. Naor tinha um filho chamado Betuel, o qual viria a ser o pai de Labão e Rebeca. Todos decidiram permanecer em Harã. Abraão, porém, estava determinado a atender ao chamado de Deus e a continuar em direção a Canaã. Consequentemente, Abraão se tornaria o cabeça de seu LO O chamado de Abraão próprio clã. Quando terminou o funeral de seu pai e o tempo habitual de luto, Abraão anunciou que se prepararia para continuar a jornada em direção à terra que Deus lhe prometera. Ora, o Senhor disse a Abrão: Sai-te da tua terra, e da tua parentela, e da casa de teu pai, para a terra que eu te mostrarei. Efar-te-eí uma grande nação, e abençoar-te-ei, e engrandecerei o teu nome, e tu serás uma bênção. E abençoarei os que te abençoarem e amaldiçoarei os que te amaldiçoarem; e em ti serão benditas todas as famílias da terra. Génesis 12.1-3 A Bíblia nos informa que Ló, o filho de Harã, também decidiu acompanhar Abraão nessa jornada. Parece- nos que Abraão desenvolveu um interesse paternal pelo sobrinho, que havia perdido o pai. Embora as intenções de Abraão fossem as melhores, essa disposição não o beneficiou. A rota para Canaã passava por Damasco - uma cidade famosa até hoje por se autoproclamar a mais antiga do mundo. Quando visitei a cidade, fiquei muito impressionado com sua arquitetura nobre, com as torres e domos brancos, construídos manualmente durante muitos séculos; com os minaretes altos e abundantes, sobre os quais os muezins recitam suas orações, várias vezes por dia. Ao redor de Damasco, existe uma planície muito fértil, com uma vegetação exuberante, inclusive, com bosques de palmeiras e árvores de frutos exóticos. No horizonte, vê-se uma grande cadeia de montanhas, o monte Hermon, com seu pico coberto de neve, claramente visível. As montanhas alimentam a planície com as brilhantes águas dos rios Abana e Farfar, os quais Naamã citou como superiores, em qualidade, ao rio Jordão. Diz uma lenda que, quando Maomé avistou Damasco pela primeira vez, ficou completamente atónito com a maravilhosa paisagem. Maomé teria decidido não se aventurar ,1 li Abraão: o amigo de Deus entrar na cidade, temendo ser seduzido por seu charme e esquecer os elevados padrões de vida, estabelecidos para si. Ele teria dito: "O homem só pode ter um paraíso, e o meu está lá em cima". Essas palavras, atribuídas a Maomé, provavelmente são apócrifas, mas dignas de reflexão por parte dos cristãos. Desde os tempos de Abraão, Damasco já era considerada uma cidade antiga. O principal servo de Abraão, Eliézer, era natural dessa cidade. Aparentemente, ele estaria destinado a permanecer junto de Abraão por, no mínimo, setenta e cinco anos, como seu administrador. Abraão tivera tamanha consideração pelo servo que, em certa ocasião, vislumbrou a possibilidade de fazê-lo seu herdeiro. E muito provável que Abraão e Eliézer tenham visitado
  5. 5. a família deste, durante a passagem por Damasco. Talvez tenham sido tentados a parar e fixar residência naquela grande metrópole. Abraão, contudo, atentando para o chamado de Deus, continuou seu caminho, porque esperava a cidade que tem fundamentos, da qual o artífice e construtor é Deus (Hb 11.10). A Bíblia descreve o percurso da viagem para Canaã em poucas palavras, que refletem a simplicidade do propósito de Abraão. E saíram para irem à terra de Canaã; e vieram a terra de Canaã (Gn 12.5b). Abraão encontrou fome na terra Quando o grupo chegou a Canaã, descobriu que a terra estava assolada pela fome (Gn 12.10). Isso deve ter parecido muito estranho para os recém-chegados, que provavelmente tinham grandes expectativas em relação à Terra Prometida e, no entanto, encontraram uma terra devastada pela fome. Contudo, é preciso lembrar que Abraão não chegou a Canaã no momento certo. O Senhor o chamara muito tempo antes, mas ele desperdiçou tempo com seu pai, em Harã. Quando Deus 12 O chamado de Abraão chama alguém para realizar uma tarefa, é melhor obedecer imediatamente, pois, caso contrário, Satanás trabalhará para lançar o maior número de obstáculos, a fim de atrapalhar a realização dos planos de Deus. Temos apenas um pequeno registro sobre o que aconteceu quando chegaram a Canaã. Abraão edificou um altar em Siquém, onde o Senhor lhe aparecera, confirmando Sua promessa de dar-lhe toda aquela terra. O patriarca prosseguiu para o sul, parando em Betei, onde construiu outro altar e invocou o Nome do Senhor. Betei, que significa Casa de Deus, tornou-se um lugar sagrado para Abraão e para seus descendentes. Naquele local, Jacó, neto de Abraão, teve a visão dos anjos subindo e descendo do céu. Abraão seguiu sua jornada rumo ao sul. A fome foi grave naquela terra e, como no sul da Palestina as chuvas são menos frequentes do que no norte, naturalmente, as condições pioravam à medida que prosseguiam. Porém, localizaram o Egito e o rico vale do rio Nilo, que devido à enchente anual, principiada na África, teria bem menos probabilidades de escassez. Naquela época, o Egito era o centro da civilização, excedendo a Babilónia em esplendor. O Egito era uma terra de riqueza e opulência; uma região de templos enormes, incluindo as gigantescas pirâmides, que, ainda hoje, fascinam os visitantes. O Egito era a nação que alcançara um elevado desenvolvimento nas ciências, invenções e artes. Abraão e seu grupo, tendo penetrado na região que hoje é chamada de Neguebe, onde há pouquíssima chuva, mesmo em tempos normais, encontraram pouco ou nenhum pasto para seu gado. A tentação de ultrapassar essa regi ião e rumar para o Egito era quase irresistível. E havia fome naquela terra; e desceu Abrão ao Egito, para peregrinar ali, porquanto afame era grande na terra. Génesis 12.10 L3 Abraão: o amigo de Deus Problemas no Egito Embora a fome fosse severa, teria sido melhor que Abraão permanecesse fora do Egito. Ele não ignorava totalmente os perigos daquele país. Sabia que era uma terra de violência, idolatria e imoralidade. Seu tolo artifício, tentando dar a impressão de que Sara não seria sua esposa, indica que ele tivera sérias dúvidas sobre aventurar-se ou não naquelas terras. Abraão, hesitante quanto a sua decisão, optou por uma atitude covarde.
  6. 6. De fato, é admirável que esse homem, que fulgura como um gigante da fé, tivesse aceitado elaborar um plano tão questionável. Porém, quando um crente se afasta - ainda que um pouco - da vontade de Deus, tende a sentir insegurança. Isso pode levá-lo a apelar para métodos erróneos. Com Abraão não houve exceção. E aconteceu que, chegando ele para entrar no Egito, disse a Sarai, sua mulher: Ora, bem sei que és mulher formosa a vista; e será que, quando os egípcios te virem, dirão: Esta é a sua mulher. E matar-me-ão a mim eati te guardarão em vida. Dize, peço-te, que és minha irmã, para que me vá bem por tua causa, e que viva a minha alma por amor de ti. Génesis 12.11-13 Quando um homem de Deus intenta enganar alguém, geralmente se sente impelido a planejar seu ato. Na realidade, o estratagema de Abraão envolvia alguma verdade, mas, certamente, não a verdade total, e o objetivo era causar uma falsa impressão. Sara era sua irmã apenas por parte de pai, pois não eram filhos da mesma mãe (Gn 20.12). (Tais casamentos, que, na época, eram permitidos, foram, posteriormente, proibidos pela Lei de Moisés.) Realmente, Sara deveria ser uma mulher de rara beleza, a qual teria conservado até uma idade bem avançada. Deveria ter uma beleza impressionante, pois, ao chegarem ao Egito, sendo avistada pelos príncipes, imediatamente, estes a recomendaram ao Faraó, como uma excelente aquisição para 14 O chamado de Abraão seu harém. Assim, Sara foi tirada de Abraão e levada para o palácio real. Não temos os detalhes sobre como isso afetou Abraão. Com certeza, o homem de Deus deve ter ficado totalmente desolado. Pareceu-lhe não haver qualquer atitude que pudesse ser tomada a respeito do acontecido. Abraão dissera que Sara era sua irmã; assim, a mentira lhe causou o infortúnio. E Deus nem sempre nos livra imediatamente das dificuldades, nas quais entramos quando agimos de forma insensata. Sara não chegou a se tornar esposa do Faraó. Geralmente, quando uma mulher chegava ao harém, primeiro tinha de passar por uma série de rituais de purificação, até que o casamento fosse consumado. Deus deixou Abraão sofrer um pouco. A única coisa boa resultante de toda aquela questão - sem dúvida, deve ter sido considerada uma compensação muito pequena para Abraão, pela perda da esposa - foi o episódio do Faraó, que antecipando o fato de Abraão se tornar seu cunhado, fez bem a Abrão por amor dela (Gn 12.16a). Aparentemente, teria sido autorizado que os rebanhos e manadas pertencentes a Abraão pastassem nas melhores terras do Egito. Esses animais, bem alimentados e gordos, poderiam ser vendidos por preços relativamente mais elevados do que a média, no país. A Bíblia assegura que, quando deixou o Egito, Abraão não somente tinha grandes possessões de gado e animais, mas estava muito rico em prata e em ouro (Gn 13.2b). Deus, no entanto, estava com Sua mão estendida sobre Abraão. O desastre se abateu sobre o palácio do Faraó. O monarca e sua família foram acometidos por misteriosas doenças. Quando grandes pragas ou desastres sobrevinham aos povos pagãos, era comum que seus mágicos ou sacerdotes buscassem descobrir a causa. Os egípcios, embora envoltos em densas trevas espirituais, de alguma maneira, reconheceram que a calamidade nacional era juízo divino (veja 1 Sm 5.9; 6.3). Abraão: o amigo de Deus Os servos do Faraó fizeram uma investigação para descobrir as causas da praga. Descobriu-se que Sara, a mulher que Faraó estivera para desposar, na verdade era esposa de Abraão. Ao saber a verdade, o Faraó devolveu-a imediatamente e ordenou a seus servos que providenciassem a partida de Abraão e de seu grupo do Egito, o mais
  7. 7. rápido possível. Essa estratégia usada por Abraão de pedir à esposa que o ajudasse na fraude, certamente foi vergonhosa e configurou uma mácula em seu caráter. Embora a experiência tivesse sido muito triste para Abraão, provavelmente, a viagem tivesse sido bastante lucrativa para Ló e sua esposa. De acordo com o ponto de vista do sobrinho de Abraão, ninguém se feriu e ambas as famílias aumentaram imensamente suas riquezas. Sara também adquiriu algo. Tudo indica que, quando deixou o palácio de Faraó, ela tenha levado consigo uma experiente dama de companhia, chamada Agar (Gn 16.1). Abraão se lembraria com tristeza do dia em que essa mulher se juntou ao seu grupo. Viagem para o Egito: uma figura da posterior temporada dé Israel no Egito Observe como, na Bíblia, um acontecimento incorre em outro. A viagem de Abraão ao Egito prefigura a temporada que seus descendentes teriam naquele país, no futuro. 1. Em decorrência de uma grave crise de fome na terra, Abraão foi obrigado a ir para o Egito. Mais tarde, também devido a fome, Jacó e sua família se dirigiram para tal nação. 2. Houve fraude em ambos os casos. Abraão fingiu que Sara não era sua esposa, e isso lhe causou problemas. Os filhos de Jacó o enganaram, fazendo-o acreditar que seu filho José estaria morto, pelo que, posteriormente, pagaram caro. 16 O chamado de Abraão 3. No Egito, tentações na área moral acometeram ambos os personagens: Sara foi tomada pelo Faraó, com o propósito de ser incluída no harém dele. Posteriormente, José foi tentado pela esposa de Potifar a cometer adultério, tendo resistido bravamente à tentação. 4. O Egito proporcionou uma prosperidade temporária em duas ocasiões. Abraão foi muito bem tratado, saindo do Egito muito rico (Gn 12.16). Os filhos de Israel receberam a boa e fértil terra de Gósen (Gn 47.6) para habitarem, onde prosperaram por algum tempo. 5. Severas pragas acometeram a casa de Faraó, por querer tomar a esposa de Abraão. Nos dias de Moisés, grandes pragas quase destruíram o Egito, porque Faraó mantivera os filhos de Israel como escravos. 6. Abraão recebeu presentes do Faraó (Gn 12.16). Os filhos de Israel tomaram dádivas dos egípcios, na ocasião em que, finalmente, saíram do Egito (Gn 15.14; Ex 12.35,36). 7. Quando Abraão deixou o Egito, tudo indica que Agar, a serva egípcia, teria ido junto. Quando os filhos de Israel partiram, uma mistura de gente subiu com eles (Êx 12.38). Nos dois episódios, egípcios causaram grandes problemas ao povo de Deus. [7 Capítulo 2 TRAGÉDIA NO LAR DE ABRAÃO Na ocasião em que Abraão voltou para a Palestina, após sua jornada pelo Egito, seu grupo de pastores e o de seu sobrinho Ló se envolveram em uma séria disputa, que culminou na separação dos dois grupos. Abraão fez uma proposta generosa: Ló escolheria a parte da terra que mais lhe agradasse. Ló escolheu as planícies de Sodoma - opção trágica que resultaria em piores circunstâncias, tanto para ele quanto para sua família.
  8. 8. Os episódios concernentes à vida de Ló serão abordados em outro livro. Neste capítulo, destacamos um acontecimento infeliz que, provavelmente, não teria ocorrido caso Abraão não descesse ao Egito. Esse evento se refere a Agar, a serva egípcia que Sara deve ter adquirido quando esteve naquele país. Seguindo o conselho de Sara, Abraão tomou Agar como mulher, em uma malfadada tentativa de providenciar um herdeiro para si. O erro de Abraão se tornou ainda mais incompreensível porque Deus já lhe havia confirmado que ele teria um herdeiro. Em uma visão, Deus não só lhe assegurou a promessa de um filho, como lhe afirmou que, por intermédio desse herdeiro, sua descendência se tornaria tão numerosa quanto as estrelas do céu (Gn 15.4,5). Embora Abraão fosse homem de grande fé, era um mistério para ele como essa promessa se cumpriria. Haveria ele entendido corretamente a mensagem? Naquela ocasião, o patriarca tinha mais de oitenta anos de idade; sendo seu servo Eliézer o seu provável herdeiro. Como Abraão conciliaria essas realidades com a promessa que Deus lhe fizera? L9 Abraão: o amigo de Deus A oração de Abraão: a primeira registrada na Bíblia Durante uma notável visão celestial, Abraão aproveitou a oportunidade para interrogar Deus sobre o assunto que o perturbava. Na verdade, essa pergunta foi a primeira oração registrada na Bíblia. Abraão foi-engrandecido não por ser particularmente brilhante - embora, obviamente, tivesse uma inteligência acima da média - mas porque conhecia o segredo de uma oração vitoriosa. Se quisermos alcançar o mesmo sucesso de Abraão, será importante aprendermos também o segredo de uma vida de oração. Na Bíblia, existe algo, a que chamamos Lei da Primeira Alusão, ilustrando que, no momento em que uma grande verdade é mencionada pela primeira vez, seus princípios mais importantes são revelados ao mesmo tempo. No caso de Abraão, encontramos sete elementos que compõem a oração, como era praticada no Antigo Testamento. Primeiro, a promessa: Não temas, Abrão, eu sou o teu escudo, o teu grandíssimo galardão (Gn 15.1b). Para ser eficaz, a fé deve conter, primeiramente, uma promessa de Deus, na qual possa ancorar-se. Segundo, o pedido: Senhor JEOVÁ, que me hás de dar? Pois ando sem filhos, e o mordomo da minha casa é o ãamasceno Eliézer? (v. 2) Tiago ensina: nada tendes, porque não pedis (Tg 4.2b). Precisamos pedir para podermos receber. Observe que o pedido de Abraão é dirigido a Adonai feová, o Deus revelado na Bíblia, o Senhor. Terceiro, a fé: Abraão creu na promessa de Deus, mesmo que, para a sua realização, fosse necessário um milagre. E creu ele no Senhor, e foi-lhe imputado isto por justiça (Gn 15.6). Ter fé em Deus é um dos maiores segredos para uma vida de oração bem-sucedida. Devemos crer que Ele tem poder 20 Tragédia no lar de Abraão para fazer todas as coisas, até mesmo mudar o mundo, em resposta às nossas orações. Tiago assegura que, sem confiança em Deus, a oração não tem valor. Ninguém pode vacilar na fé e, simultaneamente, receber poderosas respostas às orações. Quarto, a oposição de Satanás: o homem tem um inimigo, o próprio diabo, que se opõe fortemente às orações a Deus. Quando Abraão ofereceu um sacrifício e pôs as peças sobre o altar, as aves desceram sobre a carcaça.
  9. 9. E as aves desciam sobre os cadáveres; Abrão, porém, as enxotava. E, pondo-se o sol, um profundo sono caiu sobre Abrão; e eis que grande espanto e grande escuridão caíram sobre ele. Génesis 15.11,12 Nesses versículos, percebemos duas alusões aos poderes das trevas. Na primeira, aves descendo sobre o sacrifício. Comparando com Lucas 8.5,12, notamos que, na simbologia bíblica, aves representam o diabo, disposto a roubar a Palavra, ou a fé na promessa. Abraão resistiu e expulsou aqueles carniceiros. Na segunda, grande espanto e grande escuridão caíram sobre ele, simbolizando os poderes das trevas, que tentavam se colocar entre o patriarca e Deus. Quinto, demora na resposta: Saibas, decerto, que peregrina será a tua semente em terra que não é sua; e servi-los-á e afligi-la-ão quatrocentos anos (v. 13). Abraão já tinha sofrido pela grande demora no cumprimento da promessa. Anos tinham-se passado e o herdeiro ainda não havia nascido. No verso 13, notamos que Abraão foi informado de que, depois que o herdeiro viesse ao mundo, ainda decorreriam quatrocentos anos até que sua descendência herdasse a terra prometida! Isso nos ensina que algumas orações, dependendo do caso, requerem um tempo certo para seu cumprimento. Muitas pessoas falham nesse ponto, pelo fato de ficarem impacientes em relação à resposta e, finalmente, desistirem. Dessa maneira, perdem a bênção que deveria ser delas, após algum tempo. 21 Abraão: o amigo de Deus Sexto, intervenção miraculosa: O grande espanto e grande escuridão que caíram sobre Abraão, foram dissipados por uma tocha de fogo que passou por aquelas metades (v. 17). Deus interveio e honrou a fé de Abraão. Sétimo, cumprimento: quando Abraão creu, Deus, então, considerou o assunto encerrado. A tua semente tenho dado [tempo verbal que indica ação já iniciada] esta terra, desde o rio do Egito até ao grande rio Eufrates (v. 18b). Realmente, de acordo com a promessa, quatro séculos mais tarde Israel entrou e se apossou da terra. Dessa forma, observamos, na experiência de Abraão, os sete elementos da oração, utilizados no Antigo Testamento. Conhecendo esses princípios, Abraão mudou o curso, tanto da sua, história quanto a de incontáveis gerações posteriores a sua. A despeito da firme promessa que Deus fizera a Abraão em resposta à sua oração, Abraão estava a ponto de cometer um erro que afetária seriamente seu futuro. Ele creu que Deus iria capacitá-lo para ter um filho; Sara, particularmente, não mostrou ter a mesma fé . Seguindo uma sugestão dela, Abraão cometeu o erro de tirar Agar do Egito e levá-la consigo. Sara era uma mulher de fé e acreditava que Deus daria um herdeiro a Abraão. Contudo, com o passar dos anos, a vida dela mudou, e sua fé, gradualmente, enfraqueceu; finalmente, Sara se resignou com o pensamento de que jamais daria à luz um filho. Ela tinha setenta e seis anos; apesar da longevidade naquela época, estava bem acima da idade normal de gravidez. Ao desistir da ideia de dar um filho a Abraão, Sara buscou outra solução para o problema. Ela pensou, então, em sua serva Agar. Com o ensino que recebera no Egito, a serva era uma pessoa sofisticada, se comparada as outras mulheres do grupo de Abraão. Caso Agar fosse tomada como mulher por Abraão, o filho gerado por esta seria considerado de Sara. Tragédia no lar de Abraão F. B. Meyer, em seu livro Abraão, faz um excelente comentário sobre a sugestão de Sara, para que Abraão coabitasse
  10. 10. com Agar. Isso, na verdade, foi um grande sacrifício da parte de Sara. Foi um heróico sacrifício da parte dela. Estava disposta a abrir mão da mais importante prerrogativa feminina: colocar outra mulher em seu próprio lugar; ceder a posição que ela tinha o direito legal de ocupar, apesar disso parecer ir justamente de encontro à promessa direta de Deus. Contudo, o seu amor por Abraão; seu desejo ardente de ter seu filho e sua incapacidade de acreditar que Deus poderia cumprir Sua Palavra por meios sobrenaturais, todas essas coisas se combinaram para levá-la a uma proposta que, de outra forma, sua natureza de esposa teria recusado. O amor em Sara violentou o amor próprio. Qualquer outra pessoa não poderia ter-se aproximado de Abraão com tal sugestão, e obter a mínima chance de sucesso. Entretanto, quando a própria Sara o fez, o quadro mudou. Essa possibilidade pode ter passado pela mente de Abraão em seus momentos de fraqueza, apenas para ser imediatamente descartada, como algo que causaria muita tristeza e mal à sua fiel esposa. A ideia foi apoiada pela suscetibilidade dos instintos naturais. Sara, cedeu às dúvidas, pois o seu consentimento parecia ser um provável expediente para a realização da promessa de Deus. No entanto, rapidamente e sem qualquer aprovação de Deus, Abraão aceitou a proposta, observando o conselho de Sara. Dessa maneira, Abraão acatou a proposta de Sara e tomou Agar como mulher. Por esta atitude de Abraão, percebemos que ele se colocou em uma situação, claramente, fora da vontade de Deus, influenciado pela esposa. Certamente, ele pouco percebeu o alcance das consequências que surgiriam desse ato. Em primeiro lugar, dar à luz a um filho de Abraão causou um profundo efeito psicológico em Agar; esse efeito não é incomum entre as mulheres e demonstra o fracasso do sistema de poligamia. 23 à Abraão: o amigo de Deus Uma união íntima produz um forte senso de posse na mulher, especialmente quando uma criança está para nascer dessa união. O fato de ambos os pais compartilharem o bebé, torna a realidade do elo entre eles muito forte. Quando Agar percebeu que teria um filho - algo que Sara era incapaz -desenvolveu uma superioridade e um sentimento de que significava mais para Abraão do que Sara. A antiga dama de companhia, em sua nova posição, esque-ceu-se completamente da generosidade de Sara, que lhe permitira ser elevada da posição de escrava. Agar começou, então, a demonstrar desprezo por sua senhora. Naturalmente, a conduta de Agar causou uma forte reação em Sara, que não só se queixou com Abraão sobre Agar, como também o culpou! Sem dúvida, Sara deveria acreditar que a arrogância de Agar fora encorajada por algo que Abraão tivesse dito à escrava. Pobre Abraão! Ele, mais do que qualquer pessoa, desejaria paz em seu lar; entretanto, mesmo que ele fosse um arcanjo, não teria como resolver o problema, advindo pela presença de duas mulheres em casa! Foi uma avaliação completamente equivocada de sua parte acreditar que continuaria havendo harmonia entre as duas, principalmente considerando que a mais nova era capaz de gerar filhos e a mais velha, não. Notamos, então, que Sara repreendeu o marido com as seguintes palavras: Então, disse Sarai a Abrão: Meu agravo seja sobre ti. Minha serva pus eu em teu regaço; vendo ela, agora, que concebeu, sou menosprezada aos seus olhos. O SENHORjulgue entre mim e ti. Génesis 16.5 Abraão enfrentou um dilema! Ele tinha muitas expectativas pelo nascimento de um filho, o que estava a ponto de acontecer. Apesar de todos os esforços dele para assegurar a reconciliação entre as duas mulheres, isso não foi possível. Se pudéssemos voltar no tempo e, por meio de um milagre, ouvíssemos as discussões e intrigas que aconteceram naquela casa, provavelmente questionaríamos se aquela era realmente a casa do grande 24
  11. 11. Tragédia no lar de Abraão Abraão. O patriarca era um bom homem, mas não dispunha de soluções semelhantes as de Salomão para os problemas. Finalmente, já sem esperanças, Abraão disse a Sara: Eis que tua serva está na tua mão, faze-lhe o que bom é aos teus olhos (Gn 16.6). Algumas pessoas poderiam pensar que aquele era o momento ideal para colocar Sara no devido lugar, uma vez que ela mesma dera a sugestão que originara toda a situação. Mas, para um homem que está tentando viver piedosa e pacificamente, isso não é uma tarefa fácil, estando ela irada. Geralmente, Sara era uma esposa obediente e amável (1 Pe 3.6), mas uma situação tinha-se desenvolvido na casa, cuja solução tinha fugido ao controle de Abraão. Em um certo sentido, Agar foi a causadora do problema, a partir do momento em que demonstrou ingratidão em relação a Sara. Do ponto de vista de Sara, Agar tentou minar e alienar as afeições de Abraão pela esposa. Naturalmente, Sara não estava em condições de lidar com Agar de forma complacente, e a despojou da posição em que se encontrava, reconduzindo-a à condição de escrava. A pior parte da natureza de Sara aflorou, porque sua segurança como esposa havia sido ameaçada. Agar, incapaz de suportar tratamento tão duro, e percebendo que sua situação ficaria insustentável, fugiu de sua senhora em direção ao deserto. Deve ter sido um profundo choque para Abraão, retornar à sua tenda, à noite, e descobrir que Agar tinha desaparecido. Que situação! Abraão, o homem que, algum dia, estaria no topo da lista dos heróis da fé, naquele momento, fazia parte de uma vergonhosa intriga doméstica, do tipo que só presenciamos na casa de pessoas com coração totalmente endurecido. Em outras circunstâncias, a partida de Agar poderia ter encerrado a questão. Em algum lugar no deserto, ela sentiu que suas forças estavam totalmente exauridas. Agar, então, 25 Abraão: o amigo de Deus caiu completamente cansada, esperando pela morte, juntamente com seu filho, ainda no ventre. Contudo, o patriarca Abraão foi um homem de fé, um intercessor. Essa era a grande diferença entre Abraão e os outros. O homem de Deus orou até pela perversa cidade de Sodoma. Quanto o espírito abatido de Abraão não deve ter intercedido naquela noite por seu filho e pela mãe, perdidos na imensidão do deserto! Deus é onipresente, mas Seu poder só pode operar por meio da fé. Por meio dela, Abraão permitiu que o sobrenatural se manifestasse da seguinte forma: Deus enviou um anjo a Agar. E o Anjo do Senhor a achou junto a uma fonte de água no deserto, junto à fonte no caminho de Sur (Gn 16.7). A tradição conta que esse lugar estava, aproximadamente, a 200 quilómetros da Palestina, no caminho que levava ao Egito. Para uma mulher grávida, tal percurso representaria uma jornada sem esperanças, atravessando um vasto e inóspito deserto. Caso não ocorresse a aparição do anjo no tempo certo, Agar e o bebé teriam morrido. O anjo, sabiamente, ordenou a Agar que voltasse e se submetesse à sua senhora. Ele evitou repreendê-la, pois ela já havia sofrido demais. Como já foi mencionado, Agar causou todo o problema para si, devido a sua atitude para com sua benfeitora. Sara a promovera acima de todas as outras mulheres do clã de Abraão (Gn 14.14) e Agar abusou dessa confiança. Mesmo que Sara tenha sido demasiadamente severa, de qualquer maneira, a provocação também foi muito grave. A escrava e seu filho são expulsos Ismael nasceu. Por catorze anos, desde que Agar retornara ao acampamento, não houve mais conflitos
  12. 12. registrados entre ela e Sara. Obedecendo à ordem do anjo, Agar se submeteu a Sara e ambas viveram sem maiores problemas. - Tragédia no lar áe Abraão Para completar nossa história sobre Ismael, temos de avançar alguns anos. Todas as cinzas da antiga disputa se reacenderam, quando Sara viu Ismael ridicularizando seu filho Isaque. Sara percebeu que, quando os dois crescessem, haveria somente conflitos entre eles. Até que Sara concebesse, Agar supôs que não haveria a mínima chance de sua senhora ter seu próprio filho. Ismael, com certeza, seria o herdeiro de Abraão. Mas, quando Isaque nasceu, todo esse quadro mudou. Ismael tinha idade suficiente para entender o que isso significava. Sua reação foi considerar Isaque um intruso e usurpador. Irada, Sara exigiu que Agar fosse despedida do acampamento. £ disse, a Abraão: Deita fora esta serva e o seu filho; porque o filho desta serva não herdará com meu filho, com Isaque. Génesis 21.10 Em Gálatas 4.21-31, as particularidades entre Isaque e Ismael são reveladas como alegoria de dois concertos, um feito com Abraão e o outro, com seus descendentes. Um era o pacto da Lei, no Sinai, representado por Agar, que era escrava juntamente com seu filho (v. 24). Por outro lado, aqueles que estão em Cristo são como Isaque: filhos da promessa. Paulo prossegue, mostrando que o nascido da carne perseguiu o que havia nascido pelo Espírito. Do mesmo modo como Ismael fora lançado fora, aqueles que buscarem a salvação pela Lei não poderão ser co-herdeiros com os filhos do Espírito. O conflito de interesses entre Ismael e Isaque era tão grave que não houve meios para resolvê-lo, e isto atormentou a alma de Abraão. Como o patriarca deveria agir? Ele amava Ismael. Mesmo assim, uma situação insustentável tinha-se desenvolvido, para a qual ele não via solução, enquanto os dois filhos permanecessem juntos. Agar, provavelmente, foi esperta o suficiente para conseguir esconder seus sentimentos; seu filho não foi tão sábio e fez uma 27 Abraão: o amigo de Deus cena. Agar e Ismael são personagens trágicos. A situação, tal como se apresentava naquele momento, era irremediável. Não havia qualquer possibilidade de as duas famílias viverem juntas pacificamente. Por isso, Sara deu um ultimato: Deita fora esta serva e o seu filho (Gn 21.10a). Que drama pungente! A Bíblia informa que pareceu esta palavra mui má aos olhos de Abraão, por causa de seu filho (v. 11). Abraão deve ter recordado sobre a última fuga de Agar. Ele deveria sentir que seria insuportável aquilo novamente. Separar-se de Ismael seria mais do que poderia aguentar. Constatamos o amor de Abraão por Ismael, na oração do pai pelo filho: Tomara que viva Ismael diante de teu rosto! (Gn 17.18). Com certeza, havia muita turbulência na alma de Abraão. Ele não poderia permitir que Ismael fosse embora, mas, ao mesmo tempo, caso não o fizesse, sua casa seria destruída. Deus, então, intervém na situação, apoiando Sara em sua exigência. Porém Deus disse a Abraão: Não te pareça mal aos teus olhos acerca do moço e acerca da tua serva; em tudo o que Sara te diz, ouve a sua voz; porque em Isaque será chamada a tua semente. Génesis 21.12 Por que Deus agiria dessa maneira? Deve haver mais de uma resposta. Primeiro, Deus deveria estar mostrando sua desaprovação quanto à poligamia. Abraão deveria ser um exemplo de fé para todas as gerações
  13. 13. vindouras. Ele seria o pai de todos os que crêem (Rm 4.11b). Por isso, Deus desfaria a situação poligâmica na casa de Abraão. Por ter aceito a sugestão de Sara para tomar Agar como mulher, Abraão experimentou o sofrimento de ter de separar-se tanto de Agar, quanto do filho Ismael. Por meio desse episódio, Deus, definitivamente, nos ensina sobre a malignidade da poligamia. Essa lição não foi esquecida por Isaque, que se envolveu apenas com uma mulher, Rebeca, e foi fiel a ela durante toda sua vida. Muito Tragédia no lar de Abraão provavelmente, Jacó também teria feito a mesma coisa, caso seu astuto sogro não o tivesse forçado a casar-se com a filha mais velha, além de Raquel, sua escolhida. E quanto a pobre Agar, vítima dessa infeliz situação? Sara, enraivecida pela conduta de Ismael, não estaria disposta a demonstrar misericórdia pela mãe. Mas, o mesmo não ocorreria com Abraão, que tinha um profundo amor por Ismael, bem como muita consideração por Agar. Ele não desejaria cogitar sobre deixá-los à mercê do deserto. E pareceu esta palavra mui má aos olhos de Abraão (Gn 21.11). Porém, Deus ordenara a Abraão que fizesse exatamente o seguinte: despedisse Ismael e sua mãe. Ismael não seria mais considerado herdeiro de Abraão. Ismael e sua mãe deveriam ser despedidos - não mais pertenceriam à casa de Abraão. Considere o triste quadro: Agar, colocando sobre o ombro um pacote de pão e uma garrafa de água, tomando seu filho adolescente pela mão e caminhando lentamente em direção ao deserto. Que tristeza profunda deve ter partido o sensível coração de Abraão, naquele trágico momento! Que preço estaria pagando por ter ouvido o conselho de Sara! A explicação acerca dos propósitos de Deus nessa questão é encontrada no capítulo 22, de Génesis. Deus pediu a Abraão que renunciasse a seu único filho remanescente, Isaque, sacri-ficando-o no monte Moriá. Abraão, com o coração partido, levou Isaque ao monte e preparou-se para sacrificá-lo, crendo - contra a esperança - que Deus o ressuscitaria. O único alento que Abraão pôde encontrar em seu coração para permitir que Agar e Ismael partissem, foi a promessa de que Deus cuidaria deles. Ele entregou Ismael nas mãos de Deus, como faria mais tarde com Isaque. E Deus, em troca, fez-lhe uma promessa com relação a Ismael. Mas também do filho desta serva farei uma nação, porquanto é tua semente (Gn 21.13). 29 Abraão: o amigo de Deus O resto da história pode ser contado rapidamente. Agar e Ismael vagaram pelo deserto até que o rapaz caísse prostrado, fraco e sedento. Agar sentou-se bem longe dele e chorou, não desejando presenciar a morte do filho. Nesse momento preciso, o anjo do Senhor apareceu e chamou-a. Abrindo os olhos, Agar avistou uma fonte; imediatamente, deu água para Ismael e encheu, novamente, os cantis. Então, o Senhor confirmou as palavras verdadeiras ditas a Abraão, e a incentivou a ter coragem. E ouviu Deus a voz do menino, e bradou o Anjo de Deus a Agar desde os céus e disse-lhe: Que tens, Agar? Não temas, porque Deus ouviu a voz do rapaz desde o lugar onde está. Ergue-te, levanta o moço e pega-lhe pela mão, porque dele farei uma grande nação. Génesis 21.17,18 Nesse texto, percebemos que Ismael sabia orar. Deus estava cuidando de Agar e de Ismael, como prometera
  14. 14. a Abraão. Mas os dois deveriam encontrar o próprio caminho. Ismael, amargurado por ter sido despojado do que pensava ser sua herança, precisaria reconciliar-se com a vontade de Deus. Ele deveria aprender a confiar no Senhor, antes de ocupar seu lugar no destino divinamente estabelecido. No deserto, atormentado pela sede, o rapaz orou e Deus atendeu sua oração. Sabemos poucos detalhes sobre a vida de Ismael a partir desse ponto; contudo, sabemos que era Deus com o moço (Gn 21.20). Ismael se tornou caçador e sua mãe arranjou-lhe uma esposa no Egito. E interessante notar que, anos mais tarde, Isaque e Ismael, aparentemente reconciliados, reuni-ram-se para o sepultamento de Abraão (Gn 25.9). 30 Capítulo 3 ABRAÃO, O INTERCESSOR Em outro livro, Ló e Sua Esposa, recontamos a história da separação entre Ló e Abraão; por isso vamos resumir alguns detalhes aqui (a história de Ló faz parte da narrativa sobre Abraão e deve ser estudada em conexão com ela). Um dos propósitos de Deus ao chamar Abraão e ordenar que saísse de Ur dos caldeus era separá-lo de sua parentela. A princípio, Abraão não entendeu totalmente, pois desejou manter, pelo menos, alguns de seus parentes por perto, o que é compreensível. Quando Abraão iniciou sua jornada para Canaã, seu pai o acompanhou, embora este tenha permanecido em Harã até morrer. Ao reiniciar a viagem, Abraão levou com ele seu sobrinho. Como Ló estava mais inclinado para as coisas materiais do que para as espirituais, podemos imaginar o quanto deve ter influenciado na decisão de Abraão sobre descer ao Egito. Mas, quando chegou o tempo dos dois se separarem, Ló olhou para as planícies bem irrigadas do Jordão e escolheu as cidades nelas situadas para habitar, sem considerar o caráter ímpio dos moradores. Ló habitou nas cidades da campina e armou as suas tendas até Sodoma (Gn 13.12), não suspeitando que seria apanhado em meio ao castigo, que, em alguns anos, Deus lançaria sobre aquela cidade. A teofania Um dos mais misteriosos eventos no Antigo Testamento são as teofanias. Teofania é a aparição de Deus em forma humana. A mais incrível teofania do Antigo Testamento é a descrita em Génesis 18.1,2. 31 Abraão: o amigo de Deus Jesus pode ter-se referido a essa teofania, quando fez referência aos judeus: Abraão, vosso pai, exultou por ver o meu dia, e viu-o, e alegrou-se (Jo 8.56). Ainda assim, quando os visitantes se apresentaram a Abraão pela primeira vez, ele não os reconheceu, de imediato, como seres celestiais. Sem dúvida, o escritor de Hebreus aludiu a essa situação, ao afirmar alguns, não o sabendo, hospedaram anjos (Hb 13.2). Contudo, Abraão possuía discernimento espiritual e, observando aqueles homens, percebeu que não eram habitantes comuns de Canaã. A memorável visita teria ocorrido por volta do meio-dia. Durante toda a manhã, Abraão deve ter supervisionado os trabalhos, delegando as tarefas e cuidando dos afazeres domésticos. No maior calor do dia, o patriarca teria voltado à sua tenda e descansado à sombra de uma grande árvore. Subitamente, a atenção dele teria sido atraída para os três homens, que se aproximaram. Eram estrangeiros e não tinham negócios com Abraão; mas este deve ter-se levantado, corrido ao encontro deles, inclinado-se diante deles, convi-dando-os para uma refeição. A
  15. 15. fim de que não temessem o incómodo, Abraão deve ter falado modestamente a respeito do que pretendia oferecer- lhes: um bocado de pão. Realmente, Abraão enfatizou que, aceitando sua hospitalidade, eles estariam fazendo-lhe um favor. E disse: Meu Senhor, se agora tenho achado graça aos teus olhos, rogo-te que não passes de teu servo. Traga-se, agora, um pouco de água; e lavai os vossos pés e recostai-vos debaixo desta árvore; e trarei um bocado de pão, para que esforceis o vosso coração; depois, passareis adiante, porquanto por isso chegastes até vosso servo. E disseram: Assim, faze como tens dito. Génesis 18.3-5 Abraão chamou Sara, pediu-lhe que preparasse bolos, enquanto ele mesmo correria ao rebanho e mandaria que um dos jovens preparasse uma vitela. Rapidamente, Abraão Abraão, o intercessor teria uma saborosa refeição preparada e colocada diante dos visitantes. Ele deve ter permanecido ao lado deles, pronto para servi-los, enquanto comessem. A conversa deve ter prosseguido amena, até que os homens terminassem de comer; então, o aspecto da visita mudaria repentinamente. Os visitantes informaram a Abraão que teriam sérias questões a tratar, indo rapidamente ao assunto. Um deles perguntou: Onde está Sara, tua mulher? Abraão respondeu que ela estaria dentro da tenda. A tenda deveria ser dividida ao meio, a parte da frente, onde Abraão estaria sentado, seria aberta e separada da parte dos fundos. Então, Abraão começou a perceber quem seus visitantes realmente eram. Uma declaração, feita por um deles, revelou Seu caráter sobrenatural: E disse: Certamente tornarei a ti por este tempo da vida; e eis que Sara, tua mulher, terá um filho. Génesis 18.10 Sara, atrás da cortina da tenda, ouviu essas palavras sem, contudo, reconhecer a identidade dos visitantes. Ela riu com a ideia, supondo que seria apenas uma extravagância do hóspede de seu marido. Não é raro, no Oriente, as pessoas desejarem aos amigos a bênção de muitos filhos, mesmo que seja improvável a realização. Sara já havia ultrapassado a idade de gerar filhos e, do ponto de vista humano, seria impossível engravidar. O Senhor sabia que Sara tinha achado engraçado e perguntou: Por que se riu Sara? (Gn 18.13). Ela, com medo, negou, sendo esse seu pecado. O Senhor, então disse, Não digas isso, porque te riste (v. 15). Existe algo interessante nas palavras do Senhor, repetidas duas vezes: Certamente tornarei a ti por este tempo da vida e Ao tempo determinado tornarei a ti por este tempo da vida (vv.10,14). Cada nascimento é um milagre natural, mas aquele nascimento 33 Abraão: o amigo de Deus foi um milagre sobrenatural. Exigiu uma intervenção direta do Espírito Santo de Deus. Sara, no íntimo do coração, era uma mulher de fé. Depois de ser repreendida, creu na promessa de que o Senhor lhe daria um filho, apesar de parecer impossível, devido à sua idade avançada. Pela fé, também a mesma Sara recebeu a virtude de conceber e deu à luz já fora da idade; porquanto teve por fiel aquele que lho tinha prometido (Hb 11.11). A revelação de Deus a Abraão a respeito do destino de Sodoma
  16. 16. As boas notícias que Abraão recebeu foram temperadas por uma grave revelação. Foi informado que as cidades da planície estavam às portas de uma catástrofe que as destruiria. O tempo tinha-se esgotado para Sodoma e para sua irmã, a cidade de Gomorra. Ora, eram maus os varões de Sodoma e grandes pecadores contra o Senhor (Gn 13.13). Os visitantes se levantaram e viraram o rosto em direção de Sodoma. Quando começaram a se retirar, Abraão foi com eles, acompanhando-os (Gn 18.16). Os anjos seguiram para Sodoma, mas o Senhor ficou com Abraão. Disse o Senhor: Ocultarei eu a Abraão o que faço [...]? Então, acrescentou: Porque eu o tenho conhecido, que ele há de ordenar a seus filhos e a sua casa depois dele, para que guardem o caminho do Senhor, para agirem com justiça e juízo; para que o Senhor faça vir sobre Abraão o que acerca dele tem falado (Gn 18.17,19). Deus não revela Seus segredos àqueles que são meramente curiosos ou inquiridores. Eva desejou um conhecimento proibido, o qual contribuiu para seu próprio prejuízo e só lhe trouxe tristeza. Saul, não tendo recebido resposta de Deus, procurou os serviços de uma adivinhadora, a fim de conhecer o futuro. Entretanto, no caso de Abraão, Deus sabia que ele usaria o conhecimento por Ele revelado para um bom propósito. Além disso, Abraão ordenaria a seus descendentes que guardassem o caminho do Senhor. 34 Abraão, o intercessor Abraão não teve facilidade na realização dessa tarefa. Sua vida familiar não foi simples. Seus parentes não possuíam a mesma visão que ele. Abraão passou por experiências intensas, que envolveram sua família e, em uma ou duas ocasiões, revelaram sua própria alma. Ele não venceu na batalha da fé por ser especialmente esperto, ou por ser um conhecedor da psicologia humana. Muitas vezes, ele tomou decisões dolorosamente tolas, que trabalharam contra ele. Abraão teve sucesso porque era um intercessor. Vemos essa fantástica qualidade, na ocasião em que orou pela cidade de Sodoma. O Senhor, em sua conversa íntima com Abraão, revelou que Sodoma estaria prestes a ser destruída. Disse mais o Senhor: Porquanto o clamor de Sodoma e Gomorra se tem multiplicado, e porquanto o seu pecado se tem agravado muito, descerei agora e verei se, com efeito, têm praticado segundo este clamor que é vindo até mim; e, se não, sabê-lo-ei (Gn 18.20,21). A linguagem é clara. O clamor de Sodoma havia chegado até o céu. Em Sodoma, a impiedade era tão chocante, que foi necessária uma intervenção imediata da justiça divina. De qualquer maneira, Deus não fez nada até que a questão fosse bem investigada. Qualquer circunstância atenuante seria adequadamente avaliada. As orações e intercessões feitas pela cidade seriam consideradas. Abraão foi levado a entender que sua intercessão teria muito valor, caso pudesse encontrar ainda que dez homens justos na cidade. A intercessão de Abraão por Sodoma É interessante que essa oração intercessória seja encontrada em Génesis. Tendo em vista que cada capítulo bíblico abrange, às vezes, períodos de séculos, é significativo que a oração de Abraão seja descrita nos mínimos detalhes. Com isso, a Bíblia está revelando a toda humanidade o poderoso papel da intercessão no plano redentor divino. Por isso, vamos rever brevemente os elementos dessa memorável súplica: 35 Abraão: o amigo de Deus 1. A oração é apresentada com fundamento inteligente. Abraão começou sua oração dizendo: Destruirás também o justo com o ímpio? (Gn 18.23b). Ele não assumiu o ponto de vista dos universalistas, de que Deus é bom demais para punir o pecado. Ele não orou para que Sodoma, cuja perversidade ofendera a longanimidade de Deus,
  17. 17. fosse poupada, nem deixou de lado o princípio de que o salário do pecado é a morte (Rm 6.23). Oração alguma do justo pode evitar que o ímpio enfrente o Juízo. As vinhas da ira, depois de colhidas, devem ir para o lagar. 2. Abraão se aproximou do Senhor. Um intercessor precisa estar diante de Deus. Somente quando uma pessoa vive na presença do Senhor, pode sentir o real valor da alma humana. A igreja hoje precisa aproximar-se de Deus, mais do que qualquer outra coisa. Como Tiago disse: Chegai-vos a Deus, e ele se chegará a vós (Tg 4.8a). 3. Abraão argumentou com Deus. Longe de ti que faças tal coisa, que mates o justo com o ímpio; que o justo seja como o ímpio, longe de ti seja. Não faria justiça o Juiz de toda a terra? (Gn 18.25). Abraão se valeu da integridade de Deus, mas de uma maneira totalmente diferente da dos cépticos. O ateu manipula as ferramentas da ridicularização e da sátira para destruir a confiança em Deus. O incrédulo pode tentar provar que o Deus da Bíblia é vingativo, sem amor ou misericórdia. Essa argumentação, nascida da malícia, despreza totalmente a necessidade de se fazer justiça. Abraão, por outro lado, está reverentemente interessado em que a justiça de Deus não seja contestada. Não faria justiça o juiz de toda a terra? E interessante notar que Abraão se deparou com um problema que ainda confunde a mente dos teólogos. Contudo, ele não discutiu sobre a necessidade de lidar com o mal. Tampouco, protestou contra o fato de Deus enviar juízo sobre os impenitentes, não importando quão terrível esse castigo pudesse parecer. Deus não tem prazer na morte do ímpio (Ez 33.11). 36 Abraão, o intercessor Igualmente, a lei do pecado e da morte não pode ser desprezada. Caso isso acontecesse, os fundamentos do universo seriam derrubados. E isso que o diabo deseja -a anulação da lei da semeadura e da colheita. Mas, as leis de Deus são sempre boas e justas. Como clama a voz do justo, em Apocalipse 19.2: Porque verdadeiros e justos são os seus juízos. Assim, a humanidade sabe que todos os caminhos de Deus são justos e bons. Ainda que Deus não justifique o perverso, Sua misericórdia, de qualquer maneira, vai muito além da misericórdia humana. F. B. Meyers faz um comentário instrutivo sobre a intercessão de Abraão: Essa oração foi perseverante. Abraão voltou seis vezes ao mesmo assunto e, à medida em que cada petição era concedida, sua fé e coragem cresciam; e vendo que achou o caminho, continuou insistindo. Inicialmente, parece que Abraão forçou Deus a recuar passo a passo, arrancando seus pedidos de Suas mãos relutantes. Pensar assim, contudo, é um erro. Na verdade, Deus era quem o estava impelindo adiante; caso Abraão ousasse pedir primeiro o que pediu no final, conseguiria mais do que pedira ou pensara ao iniciar a intercessão. Aquele era o momento de Abraão ser ensinado. Ele não havia aprendido antes sobre toda a extensão da justiça e da misericórdia de Deus; Abraão foi escalando, dando um passo de cada vez; quando conquistava mais um pedaço de terreno, era desafiado a prosseguir adiante. Lamentavelmente, ele parou no número dez! Não podemos saber o que teria conseguido, se continuasse em frente. No final, Deus se viu compelido, pelas exigências da Sua própria natureza, a exceder os limites estabelecidos por Abraão, conduzindo para fora da cidade somente as pessoas com a mínima possibilidade de serem consideradas justas. A cidade toda seria poupada, se dez homens justos pudessem ser encontrados dentro de seus muros. Homens perversos quase não percebem o quanto devem à presença de filhos de Deus no meio deles. O castigo merecido já 37 Abraão: o amigo de Deus deveria tê-los destruído há muito tempo; entretanto, o juízo foi suspenso, porque Deus nada fez, enquanto havia justos
  18. 18. vivendo no meio deles. Os servos impacientes frequentemente perguntam ao Senhor se podem começar a colher o joio. Contudo, a resposta do Deus justo sempre tem sido: Não; para que, ao colher o joio, não arranqueis também o trigo com ele (Mt 13.29). O mundo não percebe o débito que tem com os santos! O sal que o preserva da corrupção; a luz que impede que a terra seja lançada novamente nas trevas e no caos. Só podemos lamentar sobre a Terra, enquanto ela caminha para seu triste e escuro final. Vamos implorar por esse mundo, desde os carvalhais de Manre. Que nós e nossos entes queridos possamos escapar dele em segurança, antes que as últimas pragas o atinjam plenamente, trazendo a destruição total. O argumento de Abraão consistia em que o justo não deveria ser destruído com os ímpios. Ele começou sua intercessão argumentando que poderia haver cinquenta justos na cidade e foi abaixando até chegar a dez. Infelizmente, em toda a cidade, não se pôde encontrar nem dez pessoas justas. A cidade estava condenada. Sodoma poderia ser salva? A pergunta é: Sodoma poderia ser salva? A resposta deve considerar que, mesmo sendo perversa como era, haveria duas possibilidades pelas quais a cidade poderia ser poupada da destruição: 1. Sodoma poderia ter sido salva se o povo tivesse visto o poder de Deus em ação: E tu, Cafarnaum, que te ergues até aos céus, serás abatida até aos infernos; porque, se em Sodoma tivessem sido feitos os prodígios que em ti se operaram, teria ela permanecido até hoje. Porém eu vos digo que haverá menos rigor para os de Sodoma, no Dia do juízo, do que para ti. Mateus 11.23,24 Abraão, o intercessor A cidade de Cafarnaum presenciou as obras de Cristo e não se arrependeu. Jesus afirmou que se Sodoma tivesse tido a mesma oportunidade, teria ela permanecido até hoje. Em outras palavras, se Jesus tivesse feito Seus milagres em Sodoma, o povo teria se arrependido (veja também o v. 21). Por essa declaração, podemos concluir que o ministério de cura e o ministério de libertação são os meios mais poderosos, utilizados por Deus, para despertar as pessoas. Caso fossem utilizados, fariam toda a cidade de Sodoma se arrepender. Mas Abraão, apesar de ser um grande homem, não teve essa fé miraculosa. 2. Sodoma poderia ser salva se houvesse dez justos na cidade. Disse mais: Ora, não se ire o Senhor que ainda só mais esta vez falo: Se, porventura, se acharem ali dez? E disse: Não a destruirei, por amor dos dez. Génesis 18.32 A esperança de Abraão foi colocada na possibilidade de que haveria dez justos na cidade. Ele começou perguntando a Deus se a cidade seria poupada se lá houvesse cinquenta justos. Deus indicou que sim. Bem, mas, se não houvesse cinquenta justos? Gradualmente, Abraão foi reduzindo -quarenta e cinco, quarenta, trinta, vinte e, finalmente, dez. Se houvesse dez justos, o Senhor pouparia a cidade? Deus respondeu que a pouparia, por amor dos dez. Abraão esperava que houvesse uma chance de existirem dez justos em Sodoma. Por que Abraão teria se limitado a dez? Abraão deveria ter razões para crer que esse número poderia ser alcançado. A esperança de Abraão deveria ser em relação à família de Ló. Contando rapidamente, deve ter acreditado na possibilidade de descobrir dez justos, entre familiares e agregados. A esposa de Ló, mesmo tendo um caráter vacilante, assim como os outros, contava com a disposição de Deus para salvá-la. 39 Abraão: o amigo de Deus Abraão deve ter-se lembrado das filhas de Ló, quando eram crianças inocentes e brincavam na porta da sua
  19. 19. tenda. Certamente elas tinham um lugar especial no coração do patriarca. Porém, quando ele orou, encontrou uma parede intransponível. Suas orações não estavam atravessando. O que havia de errado? Os homens com quem as filhas de Ló estavam para se casar eram de Sodoma. No momento em que Ló os alertou, no meio da noite, devem ter pensado que ele estaria brincando. Os genros o julgaram um tolo, devem ter se aborrecido por terem sido chamados naquela hora da noite. Abraão deve ter abaixado a cabeça. As coisas estariam piores do que ele havia imaginado para Ló e para sua esposa. Seu sobrinho teria desprezado todas as advertências, permanecendo em Sodoma. Promovido e tratado com honra, Ló se assentaria à porta da cidade. Mas, enquanto enriquecia cada vez mais em Sodoma, Ló perdia os próprios filhos. Tudo o que Abraão poderia esperar era que os anjos resgatassem os familiares de Ló dispostos a deixar a cidade (Gn 19.22). Pela manhã, Abraão se levantou e olhou em direção à planície. E olhou para Sodoma e Gomorra e para toda a terra da campina; e viu, e eis que a fumaça da terra subia, como a fumaça duma fornalha (v. 28). Esse foi o fim de Sodoma. Antes de terminarmos a triste história de Ló, há ainda uma circunstância peculiar que devemos mencionar. Por que, ao ter de abandonar Sodoma, Ló não voltou para a companhia de Abraão, que o receberia alegremente? Não é difícil perceber a razão. O orgulho de Ló deveria estar tão ferido que ele não suportaria encarar o tio. Como Saul, Ló fez uma opção tola, errando tremendamente. Ló ignorou todas as advertências. Sua cobiça pelas riquezas de Sodoma fora muito forte. Mesmo após a lição 40 Abraão, o intercessor recebida na ocasião em que os quatro reis o fizeram prisioneiro, juntamente com todos os outros habitantes, Ló retornou e se tornou parte da cidade. Tudo o que Ló possuía, exceto suas duas filhas, ficou enterrado nas cinzas das cidades daquela planície. Todos os outros familiares permaneceriam lá, mortos. Sua esposa, tendo olhado para trás, também fora apanhada pela catástrofe. As duas filhas sobreviventes perderam o senso da decência. Envol- veram-se no pecado de incesto, gerando filhos do próprio pai. A última notícia, em Génesis, sobre Ló informa que ele estava tentando esquecer os problemas por meio da bebida (Gn 19.33-35). As palavras de Jesus a respeito dessa família carregam uma séria advertência, por serem tão curtas: Lembrai-vos da mulher de Ló (Lc 17.32). 41 Capítulo 4 O DESLIZE DE ABRAÃO EM GERAR s E incrível que Abraão tenha repetido duas vezes o mesmo erro que cometera no Egito. A segunda vez foi em Gerar, na Filístia. Embora Abraão tenha derrotado o rei Quedorlaomer e seus exércitos, exibindo uma notável liderança militar e demonstrado uma perseverante fé nas promessas de Deus, ao chegar a Gerar, Abraão repetiu o mesmo estratagema usado no Egito. O episódio aponta para o fato de, às vezes, os homens na meia-idade baixarem a guarda, a ponto de cometerem um erro ridículo. Abraão, o herói da fé, disse: Certamente não há temor de Deus neste lugar, e eles me matarão por amor da minha mulher (Gn 20.11). Lendo o texto, aprendemos lições ricas para nossa jornada de fé: 1. A causa da dificuldade de Abraão foi não ter tratado adequadamente de seu erro, na primeira vez. Em vez
  20. 20. disso, foi em frente, e ainda tornou Sara sua cúmplice na fraude. Ele obteve a cumplicidade de Sara, que o apoiou na mentira de que eram apenas irmãos. Não é raro os homens aliviarem a consciência dizendo algo parcialmente verdadeiro, mas que tem o propósito de causar uma falsa impressão em quem ouve. Abraão e Sara eram meio- irmãos, mas, na verdade, Sara era esposa de Abraão. A lição que podemos aprender nessa história é que Deus se opõe ao dolo. Jesus testemunhou a respeito de Natanael: Eis aqui um verdadeiro israelita, em quem não há dolo (Jo 1.47b). Jesus queria dizer que Natanael era um homem que não 43 Abraão: o amigo de Deus utilizava subterfúgios e evasivas. Mesmo um homem como Abraão não estaria totalmente isento dessa fraqueza. 2. Frequentemente, ouvimos que todas as pessoas cometem erros, mas só um tolo os repete. Esse seria um julgamento muito severo para um homem da estatura de Abraão. Mas ele cometeu duas vezes o mesmo erro. Mesmo após sua fraude ter sido descoberta no Egito, o que lhe causou uma série de problemas, Abraão não aprendeu a lição e continuou usando o mesmo artifício. Na verdade, ele fez desse subterfúgio uma prática, aplicando-o em todos os lugares aonde fosse. E aconteceu que, fazendo-me Deus sair errante âa casa âe meu pai, eu lhe disse: Seja esta a graça que me farás em todo o lugar aonde viermos: dize de mim: É meu irmão. Génesis 20.13 Abraão confessou ter praticado o mesmo engano por longo tempo. Além disso, tornou Sara sua cúmplice. Ele estava longe de ser um tolo, então, vamos concluir assim: muitos homens bons têm cometido tolices em uma ou em outra ocasião, alguns até com mais frequência do que gostariam de admitir. 3. Abimeleque foi veemente em sua justa declaração. Felizmente, Deus trouxera aquela situação toda às claras, antes que ele tivesse oportunidade de tomar Sara como mulher. Então, Abimeleque interpelou: Senhor, matarás também uma nação justa? (v. 4) Mas Abraão teve uma perspectiva diferente sobre a situação. Este sabia que havia assassinos naquele lugar; Abraão disse: Certamente não há temor de Deus neste lugar, e eles me matarão por amor da minha mulher (v. 11). Anos mais tarde, seu filho Isaque observou a mesma prática (Gn 26.7). 4. Deus foi mais severo do que realmente precisaria ser. Abimeleque continuou insistindo em sua inocência e integridade (Gn 20.6). Se Deus desejasse, poderia ter mostrado que a estimativa de Abraão sobre o caráter perverso do povo de 44 O deslize âe Abraão em gerar Abimeleque não era infundada; mas, uma vez que Abimeleque fora iludido naquela questão, Deus permitiu que ele continuasse com seus protestos. Por essa mesma razão, Deus criou uma situação, evitando que Abimeleque cometesse um grande pecado. Deus poderia ter dito a Abimeleque, "Você quebrou a lei da monogamia que Eu estabeleci para o homem desde o princípio. Cada vez que encontra uma mulher formosa, imediatamente, você deseja incluí-la em seu harém. Você não se preocupou em saber se a mulher tinha marido ou não. Os visitantes, que chegam à sua cidade, temem pela própria vida". Contudo, Deus não falou nada disso. Ele não é como um lobo, querendo devorar até o último pedaço de carne; pelo contrário, o Senhor está sempre inclinado a dar ao homem mais do que este realmente merece!
  21. 21. 5. Tudo o que Deus ordenou foi que Abimeleque restituísse Sara a seu marido. Agora, pois, restitui a mulher ao seu marido, porque profeta é e rogará por ti, para que vivas; porém, se não lha restituíres, sabe que certamente morrerás, tu e tudo o que é teu. Génesis 20.7 O princípio da restituição deveria ser mais enfatizado hoje em dia. Quando a salvação chegou à casa de Zaqueu, ele confessou ao Senhor: E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se em alguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. E disse-lhe Jesus: Hoje, veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão. Lucas 19.8,9 É claro que existem situações onde é impossível fazer restituição, mas onde quer que possa ser aplicada, constitui um importante meio para se alcançar a graça. 6. Abimeleque repreendeu Abraão severamente. O patriarca aceitou humildemente a reprovação e isso deve ser creditado em sua honra. 45 Abraão: o amigo de Deus Abimeleque também repreendeu Sara. Embora ela tenha sido vítima, não era totalmente inocente. Mulher alguma tem a obrigação de ser conivente com seu marido no erro. Safira conspirou com o marido, mentindo para o Espírito Santo e recebeu o castigo juntamente com ele. As mulheres modernas protestam contra o padrão desigual da sociedade, desejando ter os mesmos direitos que os homens, a fim de compartilharem dos mesmos vícios. Isso é um infortúnio para elas. Sara era uma mulher piedosa, mas, nesse caso, mereceu ser admoestada. O primeiro caso de cura divina nas Escrituras E um tanto misterioso que Abimeleque, tendo restituído a esposa a Abraão, tomou ovelhas, e vacas, e servos, e servas e os deu a Abraão [...] e mil moedas de prata [...] (Gn 20.14,16). E provável que Abimaleque tenha obedecido a um costume da terra. Uma praga terrível veio sobre a casa dele. Talvez, ele tenha pensado que os presentes seriam uma propiciação, que acabariam com a praga. Se esse foi o pensamento de Abimaleque, deve ter-se desapontado profundamente. O restabelecimento só aconteceu quando Abraão orou. Parece que a praga afetou principalmente a fertilidade das mulheres. A oração de fé resultou em cura. Sem dúvida, Abraão teve uma fé inabalável, crendo na solução para aquele tipo de aflição, deve ter-se lembrado da esterilidade de Sara e de como Deus a curou, aos 90 anos de idade. Essa é a primeira narrativa sobre cura, mencionada na Bíblia. De acordo com a Lei da Primeira Alusão, um acontecimento assim encerra em si os princípios sobre a solução divina. Assim, depreendemos que: 1. A doença não vem como uma bênção, por meio da qual, Deus ensina algo aos crentes. Ela vem como uma maldição, 46 O deslize de Abraão em gerar como uma violação das leis. No entanto, isso não significa que não devamos aprender lições importantes por intermédio dos nossos próprios erros e das enfermidades. 2. Às vezes, o motivo da enfermidade é desconhecido. Caso isto ocorra, deverá haver diligente exame. 3. Quando a causa for encontrada, deve ser, então, solucionada. Se houver necessidade de restituição, isso deverá ser providenciado. 4. O cumprimento dos princípios acima, contudo, não implica, necessariamente, em cura. O
  22. 22. restabelecimento de Abimeleque e de sua casa somente aconteceu quando alguém proferiu a oração da fé, nesse caso, feita por Abraão (Gn 20.17). V Capítulo 5 FATOS IMPORTANTES DA VIDA DE ABRAÃO E Melquisedeque, rei de Salém, trouxe pão e vinho; e este era sacerdote do Deus Altíssimo. E abençoou-o e disse: Bendito seja Abrão do Deus Altíssimo, o Possuidor dos céus e da terra; e bendito seja o Deus Altíssimo, que entregou os teus inimigos nas tuas mãos. E deu-lhe o dízimo de tudo. Génesis 14.18-20 A história de Abraão não estaria completa se não comentássemos um pouco sobre esse personagem formidável, chamado Melquisedeque, com quem Abraão se encontrou após uma batalha contra os reis de Elão, de Goim, de Sinar e de Elasar, no vale de Sidim (Gn 14). No livro Enoque e Noé, já mencionamos estes personagens tão importantes para os crentes. Não iremos enfocar muitos detalhes aqui, mas apenas indicar alguns fatos relevantes na vida desses dois homens de Deus. Sem foi o pai da raça semita e contemporâneo de Abraão. Ao todo, Sem viveu dez gerações. Sua memorável longevidade foi superior a de qualquer outro homem, que tenha vivido após o dilúvio. Gerações se levantaram e se findaram, enquanto Sem, com algumas características físicas peculiares à época antediluviana, continuou firme. Na história, nunca mais foi registrada uma disparidade tão grande entre a idade de um ser humano e a de seus contemporâneos. Embora Sem tenha nascido pelo menos um século antes do dilúvio, continuaria vivo nos dias de Isaque. Ele foi o único homem a desempenhar um pape] ativo i" Abraão: o amigo de Deus em três dispensações diferentes - a Era Antediluviana, a Era Pós-diluviana e a Era Abraâmica. No início da narrativa de Génesis 14, temos a impressão de que aquele foi o primeiro encontro de Abraão com Melquisedeque. A vitória do patriarca sobre o rei Quedorlaomer dissipou uma terrível sombra de sobre toda a terra. Salém, bem como todas as cidades das planícies, estava ameaçada de ser atacada a qualquer momento pelo impiedoso rei e seus aliados. Ao que parece, Melquisedeque se encontrou com Abraão pouco antes que o rei de Sodoma entrasse em cena, após ter saído de seu esconderijo nas colinas. Imediatamente Abraão reconheceu Melquisedeque como sacerdote do Deus Altíssimo. Melquisedeque é referido na Bíblia como sendo mais importante do que Abraão (Hb 7.4,7). Ainda assim, na opinião de todos os leitores da Bíblia, Abraão foi mais importante do que qualquer de seus contemporâneos. Alguma coisa na revelação de Melquisedeque sobre Deus ser El Elion, o possuidor do céu e da terra, teve um efeito especial sobre Abraão. No encontro, Abraão deu a Melquisedeque o dízimo de todo o despojo da batalha. Quando o rei de Sodoma chegou, propondo a Abraão que ficasse com tudo para si mesmo, o patriarca ergueu as mãos a El Elion, o Deus Altíssimo de Melquisedeque, possuidor do céu e da terra e respondeu a Bera, rei de Sodoma: desde um fio até a correia dum sapato, não tomarei coisa alguma de tudo o que é teu; para que não digas: Eu enriqueci a Abrão (Gn 14.23). Abraão como guerreiro Em Génesis 14.13-16, temos uma breve indicação de que, na juventude, Abraão foi um homem com alguma
  23. 23. habilidade militar. Embora fosse pacífico, quando Abraão era forçado a agir, sabia o que fazer. Sua estratégia na batalha contra Fatos importantes da vida de Abraão Quedorlaomer foi inteligente e demonstrou uma habilidade considerável. Com uma tropa numericamente muito inferior, Abraão seguiu ao encalço dos inimigos e - dividindo suas tropas -investiu contra eles no meio da noite, atacando-os por dois lados. Na confusão causada pela escuridão, o inimigo bateu em retirada. Abraão aproveitou a vantagem, não deu trégua, perseguindo-o até as proximidades da cidade de Damasco. As evidências quanto aos bens e aos cativos despojados indicam que a vitória foi total. Os invasores foram expulsos definitivamente da Terra Prometida. Como resultado, Abraão ficou conhecido pelos habitantes da terra como príncipe de Deus (Gn 23.6). Apesar disso, nunca utilizou seu poder para oprimir as pessoas; pelo contrário, estava sempre disposto a firmar pactos de paz com os príncipes. Abraão é repreendido No capítulo 20 de Génesis, vemos que Abraão e sua esposa foram severamente repreendidos por Abimeleque, pela mentira sobre Sara ser esposa e não irmã de Abraão. Ao que parece, Abraão aceitou a repreensão e, mais que isso, foi capaz de orar por aqueles que o recriminaram (Gn 20.9,17). Isso certamente demonstrou a abundante graça que havia na vida dele! Mais tarde, Abraão estabeleceu um pacto de paz com o rei Abimeleque (Gn 21.22,23). Por outro lado, Abraão também sabia repreender, caso fosse necessário. Quando Abimeleque se vangloriou sobre os benefícios que tinha feito a Abraão (Gn 21.23), o patriarca o lembrou sobre o episódio em que os servos do rei tomaram à força um poço de água. Abraão, porém, repreendeu a Abimeleque por causa de um poço de água que os servos de Abimeleque haviam tomado por força. Génesis 21.25 51 Abraão: o amigo de Deus É interessante notar o contraste entre Abraão e seu filho Isaque. Ao ter seus poços roubados, Abraão protestou. Quando o mesmo ocorreu a Isaque, ele não reclamou, mudando-se para outro lugar (Gn 26.18-23). A prova final Abraão foi o protagonista do grande teste, no monte Moriá (enfocamos essa história no livro Isaque e Rebeca). Naquele momento, o patriarca passou pelo exame final, tendo sido aprovado com méritos. Foi um momento crucial na vida de Abraão. 1. Nessa linda ilustração, Abraão representou o Pai que nem mesmo a seu próprio Filho poupou, antes, o entregou por todos nós (Rm 8.32). Seu filho Isaque tipificou Cristo, sendo obediente até à morte (Fp 2.5-8). O cordeiro, a substituição feita por Cristo, imolado como sacrifício em nosso lugar (Hb 10.5-10). A ressurreição também foi vislumbrada nessa história. 2. Em uma prova de suprema devoção a Deus, Abraão desfez a mentira que o diabo está sempre tentando apregoar - que nenhum homem serve a Deus gratuitamente.
  24. 24. O diabo desafiou Deus em relação à vida de Jó. Porventura, teme Jó a Deus debalde? (Jó 1.9). Porém, Jó foi paciente, recu-sando-se a blasfemar contra Deus, mesmo debaixo de severa provação. Igualmente, houve disposição em Abraão para renunciar a seu bem mais precioso, seu intento de sacrificar Isaque, revelou, de maneira dramática, sua total dedicação a Deus. 3. O episódio do monte Moriá foi uma demonstração da diferença contundente entre as naturezas de Isaque e de Ismael. Este era um "homem violento"; sua mão se estendia contra todos. Ele, já aos quinze anos de idade, fora flagrado perseguindo e ridicularizando o pequeno Isaque; se Ismael 52 Fatos importantes da vida de Abraão tivesse permanecido na companhia de Abraão, com certeza viveria em constante rivalidade com o irmão. A disposição de Isaque, permitindo ser amarrado e até mesmo morto como sacrifício ao Senhor Deus, revelou a distinção entre a natureza daquele que é nascido do Espírito e do nascido da carne. 4. Embora não soubessem disso naquele momento, Abraão e Isaque descobririam que Deus não intentava permitir que Isaque se tornasse um sacrifício. Ao rapaz foi permitido representar Cristo, como um tipo. Além disso, Deus usou aquele acontecimento para revelar a Abraão e a toda a humanidade, que o sacrifício humano nunca seria necessário. Os cananeus instituíram esse costume terrível, comum na Babilónia. A provisão de um substituto comprovou que o povo de Deus nunca deveria apelar para essas práticas. A morte de Sara Em toda a história de Abraão, Sara desempenhou um papel importante, embora não tenha sido o principal. Alguns acontecimentos nem sempre a exibem sendo beneficiada. Na questão da mentira, em que ela se disse irmã de Abraão, por exemplo, podemos afirmar, com toda justiça, que Abraão foi muito mais culpado do que ela. Sara foi ensinada a submeter-se ao marido. Pedro fez um interessante comentário sobre isso, afirmando que Sara obedecia ao marido, chaman-do-o de senhor. Porque assim se adornavam também antigamente as santas mulheres que esperavam em Deus e estavam sujeitas ao seu próprio marido, como Sara obedecia a Abraão, chamando-lhe senhor, da qual vós sois filhas, fazendo o bem e não temendo nenhum espanto. 1 Pedro 3.5,6 Embora Abraão ocupasse o lugar de chefe da casa, não tirava vantagem dessa posição; na verdade, era um marido bem condescendente para Sara. Isso pode ser percebido pela 53 Abraão: o amigo de Deus maneira como aceitou a sugestão dela quanto a Agar, ainda que essa proposta tenha trazido muita tristeza para os três envolvidos. Na maioria das vezes, Sara era uma mulher submissa e humilde, satisfeita em ter Abraão resolvendo a maioria das situações; entretanto, quando sua segurança como esposa foi ameaçada, descobrimos que ela era capaz de pensar e agir por si mesma. Quando ficava irada, podia ser intolerante. Sua atitude em relação a Agar deve ter sido tão ríspida, a ponto de a serva preferir fugir para o deserto, embora estivesse grávida. A conduta de Sara naquele momento não poderia ser classificada, exatamente, como caridosa. Sara morreu com 127 anos e Abraão, com 137. Ela é a única mulher, cujo tempo de vida é mencionado na Bíblia. Na ocasião de sua morte, observamos que o velho patriarca, que viveria ainda mais 38 anos, se lamentou e chorou por ela (Gn 23.2).
  25. 25. Em Génesis 15.18-20, há um registro memorável: vemos que Deus tinha dado a Abraão, especificamente, a terra que ia do rio Eufrates até o rio do Egito. Ainda assim, Abraão precisou comprar um terreno para enterrar a esposa. O tempo de cumprimento da promessa ainda não havia chegado (At 7.15,16). E interessante observar que Jacó, cerca de um século mais tarde, teve de comprar novamente a mesma terra (compare Gn 33.19; 50.13; Js 24.32; At 7.15,16). Tudo indica que os direitos de propriedade não eram respeitados pelos cananeus. Após a morte de Sara, Abraão deixou de ser o personagem principal na narrativa bíblica, o foco mudou para Isaque. Todos os homens têm a sua hora e, chegou o tempo de Abraão sair de cena. Nós o vemos preocupado em que seu filho tome uma esposa de sua parentela, na Mesopotâmia. Abraão não poderia ir até lá pessoalmente, por isso encarregou seu 54 Fatos importantes da vida de Abraão servo mais antigo e mais confiável (Eliézer) dessa importante missão. O servo cumpriu fielmente sua tarefa, e retornou com a linda Rebeca. A morte de Abraão E Abraão expirou e morreu em boa velhice, velho e farto de dias; efoi congregado ao seu povo. E sepultaram-no Isaque e Ismael, seus filhos, na cova de Macpela, no campo de Efrom, filho de Zoar, heteu, que estava em frente de Manre. Génesis 25.8,9 Abraão viveu bastante, mas finalmente o momento de sua partida aconteceu. Ele viveu de forma plena e, quando a morte o buscou, ele estava pronto para ir. Não houve relutância quando os anjos vieram dar-lhe as boas vindas. A indicação de que foi congregado ao seu povo não pode referir-se a seu corpo, tendo em vista ele não ter sido sepultado com seus ancestrais, e sim ao lado da amada esposa. Deve referir-se a seu espírito. Abraão se reuniria com o povo de Deus. Ismael, que outrora nutria tanta rivalidade com Isaque, reuniu-se ao irmão mais novo para, juntos, sepultarem o pai. Naquele momento, todas as diferenças deveriam ser esquecidas. Sem dúvida, os líderes locais também devem ter participado daquela última homenagem ao poderoso príncipe, que habitou naquela terra por um século. Abraão realmente foi uma pessoa simples, sem ganância, consciencioso e sujeito a falhas, como todo ser humano; foi um bom homem. Mas, acima de tudo, um homem de fé, cuja fidelidade a Deus proporcionou bênção para todas as nações. Quanta paz Abraão teria transmitido a seus filhos, amigos governantes, bravos guerreiros e às chorosas mulheres, enquanto lançavam um último olhar àquele, que era o "amigo de Deus". A respeito de Abraão, poderia ser dito, com justiça, que sua obra havia sido consumada. 55 Abraão: o amigo de Deus Uma última olhada para Abraão A Bíblia nos dá mais uma oportunidade de atentar para Abraão; o próprio Cristo ergueu o véu. Veremos, além-túmulo as condições do outro lado. Mais de dois milénios já haviam se passado, desde que Abraão deixara esse mundo, quando o Senhor revela Abraão junto de seu povo, em um lugar denominado "o seio de Abraão" (Lc 16),
  26. 26. onde, um de seus filhos, chamado Lázaro, um homem que suportou muitos sofrimentos nesta terra, teria sido confortado. Nesse texto, lamentavelmente, é enfocada a situação de outro homem, que se referia a Abraão como pai; um rico. Ele também se encontrava nas regiões da morte. Esse homem rico estava no Hades, um local separado do "seio de Abraão" por um abismo, e tendo falado a Abraão, implorou que o patriarca pedisse a Lázaro que umedecesse a ponta do dedo na água e o colocasse em seus lábios ressecados; caso isso não pudesse ser feito, que ele pudesse voltar à terra para testemunhar a seus cinco irmãos, a fim de evitar que estes se reunissem a ele, naquele lugar. A resposta de Abraão foi sentenciosa: Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro, somente males; e, agora, este é consolado, e tu, atormentado. E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá, passar para cá. E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai, pois tenho cinco irmãos, para que lhes dê testemunho, afim de que não venham também para este lugar de tormento. Disse-lhe Abraão: Eles têm Moisés e os Profetas; ouçam-nos. E disse ele: Não, Abraão, meu Pai; mas, se algum dos mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. Porém Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos Profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite. Lucas 16.25-31 Assim, Abraão, que testemunhou verdadeiramente sobre a importância da vida eterna à sua própria geração, teve mais 56 Fatos importantes da vida de Abraão uma oportunidade de fazê-lo às gerações vindouras. Sua mensagem foi simples. Viva para Deus enquanto pode, pois na morte, boa ou má, a situação será eterna. Não existe ponte alguma que ligue o justo ao ímpio, ou os que viveram para Deus aos que viveram para si mesmos. 57 Série Heróis do Antigo Testamento Gordon Lindsay Adão e Eva - vol. 1 Enoque e Noé - Patriarcas do dilúvio - vol. 2 Abraão: o amigo de Deus - vol. 3 Ló e sua esposa - vol. 4 Isaque e Rebeca - vol. 5 Jacó: o suplantador que se tornou um príncipe com Deus - vol. 6 Jacó e seu filho José - vol. 7 José e seus irmãos - vol. 8 Moisés, o libertador - vol. 9 Moisés, o legislador - vol. 10 Moisés e a igreja no deserto - vol. 11 Moisés e seus contemporâneos - vol. 12 Josué: o conquistador de Canaã - vol. 13 Gideão e os primeiros juízes - vol. 14 Jefté e Sansão - vol. 15 Rute, a respigadeira e o menino Samuel - vol. 16 O profeta Samuel - vol. 17 Saul, primeiro rei de Israel - vol. 18
  27. 27. Saul e Jônatas - vol. 19 O jovem Davi - vol. 20 Davi alcança o reino - vol. 21 Davi: colhendo tempestades - vol. 22 Os últimos dias de Davi - vol. 23 • Salomão e Roboão - vol. 24 • Os primeiros reis de Judá - vol. 25 • Os primeiros reis de Israel - vol. 26 • Elias: o profeta do turbilhão - vol. 27 • Elias: o homem que não morreu - vol. 28 • Eliseu: aquele que recebeu porção dobrada - vol. 29 • Eliseu: o profeta do sobrenatural - vol. 30 • A revolução e suas consequências - vol. 31 • Declínio e queda de Israel e Judá - vol. 32 • Esdras e Neemias: o retorno da Babilónia - vol. 33 • Isaías: o profeta messiânico - Jeremias: o profeta "chorão" - vol. 34 • Os profetas menores: Oséias a Miquéias - vol. 35 • Os profetas menores: Naum a Malaquias - vol. 36 • Os 400 anos do silêncio profético - vol. 37

×