Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa

476 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
476
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
5
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Redes Sociais O Impacto Da Colaboracao Em Massa

  1. 1. Rede minasBIOenergia : construção coletiva da inovação no setor da bio-energia no Estado de Minas www.biovalecollectivex.com
  2. 2. A força da convergência <ul><li>As tecnologias digitais estão orientando invenções em novos processos empresariais, estruturas organizacionais e estratégias de negócios. Esses aspectos intangíveis são menos visíveis do que os avanços industriais, mas terão e já estão tendo impacto econômico muito maior. </li></ul><ul><li>A era industrial esgotou seu modelo para dar lugar a uma era em que uma massa hiperconectada de indivíduos auto-organizados segura suas necessidades econômicas em uma mão e seus destinos econômicos em outra. </li></ul><ul><li>“ Nada no universo resiste ao impulso convergente de um número significativamente grande de inteligências ordenadas e agrupadas.” Teillard Chardin </li></ul>
  3. 3. “ Enquanto o comunismo sufocou o individualismo, a colaboração em massa se baseia em indivíduos e empresas utilizando a computação e tecnologias de comunicação amplamente distribuídas para alcançar resultados compartilhados, através de associações voluntárias livres. A revolução de participação que está acontecendo agora abre novas possibilidades para que bilhões de pessoas desempenhem papéis ativos em seus locais de trabalho, comunidades, democracias nacionais e na economia global. Os benefícios sociais são profundos e incluem a oportunidade de atribuir maior responsabilidade aos governos e tirar milhões de pessoas da pobreza.” Don Tapscot - Wikinomics Colaboração para inclusão
  4. 4. <ul><li>“ Mudanças profundas na natureza da tecnologia, da demografia e da economia global estão fazendo emergir novos e poderosos modelos de produção baseados em comunidade, colaboração e auto-organização, e não em hierarquia e controle. </li></ul><ul><li>Com um número cada vez maior de empresas percebendo os benefícios da colaboração em massa, esse novo modo de organização acabará por substituir as estruturas empresariais tradicionais como o motor primário de criação de riqueza na economia.” </li></ul>Don Tapscot - Wikinomics Colaboração para inclusão
  5. 5. <ul><li>A criação de valor está sendo cada vez mais rápida e fluída... Uma nova e dura regra empresarial está surgindo: use a nova colaboração ou morra. </li></ul><ul><li>Firmas que cultivam relacionamento agéis baseados na confiança com seus colaboradores externos estão bem posicionadas para formas dinâmicos ecosistemas empresariais, que criam valor de forma mais eficaz do que empresas hierarquicamente organizadas. </li></ul><ul><li>... O conhecimento, a competência e os recursos coletivos reunidos em amplas redes horizontais de participantes podem ser mobilizados para realizar muito mais do que uma única empresa agindo sozinha seria capaz. </li></ul><ul><li>E, nos próximos anos, esse novo modo de peering/colaboração substituirá as hierarquias empresariais tradicionais como o mecanismo essencial para criação de riqueza na economia. </li></ul>Don Tapscot - Wikinomics Colaboração para inclusão
  6. 6. Novo paradigma de valor À medida que as tecnologias avançaram, tanto a localização como a mobilidade da inteligência de rede mudaram substantivamente. Quanto á localização, a inteligência “back-end” incorpora-se em uma estrutura compartilhada no centro da rede, enquanto a inteligência “front-end” fragmenta-se em formas muito diferentes na periferia da rede, onde estão os atores. Quanto à mobilidade, amplas unidades de Inteligência,antes desconectadas, tornam-se pequenas unidades de inteligência flutuante e livre que coligem em agrupamentos temporários para resolver problemas. Fonte: Mohanbir Sawhney, & Deval Prikh (2001). Where value lives in a networked world. Harvard Business Review , HBR #R0101E. isolada CENTRO Centralizada Robusta Escalonável Padronizada PERIFERIA Descentralizada Flexível Personalizada Contextualizada
  7. 7. Internet: a ferramenta <ul><li>A Internet com suas novas ferramentas WEB 2.0 é a grande força propulsora e plataforma de colaboração </li></ul>WOMM widget bliget chicklet buzztracker mashup delicious social media social bookmarking SMO trackback digg tag typelist blogroll viral marketing buzz marketing vblog podcasting contentcasting Miríade de ferramentas
  8. 8. População Online Global <ul><li>Atualmente, cerca de 1.2 bilhões </li></ul><ul><li>Projetado expandir para 1.8 bilhões até 2010 </li></ul>
  9. 9. Mídia social Mídia Social descreve as tecnologias e práticas online que as pessoas usam para compartilhar opiniões, experiências, perspectivas e a própria mídia. A mídia social pode assumir diferentes formas, tais como textos, imagens, video. Esses espacos na Internet geralmente usam tecnologias como blogs, painéis de mensagens, podcasts, wikis que permitem que os usuários interajam
  10. 10. Comunidades temáticas]sub-grupos <ul><li>Os atores elegem ou criam comunidades temáticas, indicam os mediadores destas comunidades e exercem um papel fundamental na expansão do processo convidando os atores da cadeia de valor para participar da rede. Estes atores são empresários, consultores, pesquisadores, líderes políticos, profissionais, fornecedores, clientes, professores, alunos, enfim todo os tipos de pessoas que interagem com aquele setor. </li></ul><ul><li>Ao se cadastrarem na rede, os atores definem seus perfis declarando seus interesses, participam de fóruns de discussão e compartilham conteúdos. </li></ul><ul><li>Neste processo, vão definindo seus interesses e o Administrador geral gerencia a rede como um todo na conseçução de seus objetivos. </li></ul>
  11. 11. Interacão <ul><li>A interação dos atores através de seus perfis pessoais, fóruns e comunidades, fomentados pela ação das instituições âncora e seus respectivos mediadores, é o que forma o segundo nível de articulação da rede minasBIOenergia </li></ul><ul><li>A interação com outras fontes de conhecimento e informação (redes, sites, portais, blogs etc) forma o terceiro nível de articulação da rede minasBIOenergia </li></ul><ul><li>A plataforma da Rede minasBIOenergia , hospedada no Collectivex, disponibiliza todas as ferramentas da Web 2.0 para a interação eficaz de seus atores </li></ul>
  12. 12. <ul><li>Uma estrutura em rede (...) corresponde também ao que seu próprio nome indica: seus integrantes se ligam horizontalmente a todos os demais, diretamente ou através dos que os cercam. O conjunto resultante é como uma malha de múltiplos fios, que pode se espalhar indefinidamente para todos os lados, sem que nenhum dos seus nós possa ser considerado principal ou central, nem representante dos demais. Não há um “chefe”, o que há é uma vontade coletiva de realizar determinado objetivo. (Withaker, 1998) </li></ul><ul><li>A eficiência da rede se dá pela capilaridade de seus atores e sua capacidade de fazer o conhecimento se multiplicar na rede. </li></ul><ul><li>É preciso visualizarmos graficamente (social graph) todos os seus atores, sua legitimidade e credibilidade na malha de relacionamentos e sua capilaridade medida pelas suas conexões. </li></ul>Potencializando a Rede minasBIOenergia O QUE ESPERAMOS DA REDE: gerar conhecimento coletivo a partir de conexões multi-direcionais construídas pelo próprio ator. É ele que deve estar no centro da ação. Tem um papel de protagonista, constrói seus próprios conteúdos, define e se conecta a grupos e outros atores sinérgicos e faz a informação e o conhecimento andar em múltiplas direções.

×