Usp 11 12 01

403 visualizações

Publicada em

Publicada em: Turismo, Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
403
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Usp 11 12 01

  1. 1. O Fundo Setorial de Energia: CTenerg Gilberto De Martino Jannuzzi Centro de Gestão e Estudos Estratégicos em Ciência, Tecnologia e Inovação – CGEE USP – 11/12/01
  2. 2. Características principais <ul><li>Criado pela Lei 9.991/00 Regulamentado 3.867/01 </li></ul><ul><li>1% da RAL das empresas de eletricidade , 30% N-NE-CO </li></ul><ul><li>Até 2005 0,5% para P&D e 0,5% EE (D) </li></ul><ul><li>Após 2006: 0,25% para EE e 0,75% P&D </li></ul><ul><li>½ dos recursos de P&D: empresas (ANEEL) e ½ Ctenerg: atividades de P&D e EE </li></ul>
  3. 3. Diretrizes Estratégicas
  4. 4. A filosofia do Fundo: Documento de Diretrizes <ul><li>Recursos Regulados (supervisão da ANEEL) </li></ul><ul><li>Recursos Estratégicos (P&D de interesse corporativo) </li></ul><ul><li>Recursos para atividades de P&D de interesse público (Ctenerg) </li></ul><ul><ul><li>Maior tempo de maturação </li></ul></ul><ul><ul><li>Maior risco </li></ul></ul>
  5. 5. Desafios do Setor Elétrico <ul><li>Reduzir o “gap” entre demanda e suprimento de eletricidade </li></ul><ul><li>Diversificar a matriz de geração de eletricidade </li></ul><ul><li>R eduzir o impacto ambiental, diminuir custos para o consumidor final e aumentar o alcance social </li></ul><ul><li>G arantir as características de interesse público em um ambiente crescentemente competitivo e privado </li></ul>
  6. 6. Metas para o Ctenerg <ul><li>diminuir a intensidade energética da economia brasileira </li></ul><ul><li>aumentar as opções tecnologicamente viáveis para o país (geração, transmissão, distribuição e uso) </li></ul><ul><li>desenvolver, consolidar e aumentar a competitividade da tecnologia industrial e estimular oportunidades de exportação </li></ul><ul><li>aumentar o intercâmbio internacional no setor de P&D em energia </li></ul><ul><li>formar recursos humanos na área de energia e fomentar a capacitação tecnológica </li></ul>
  7. 7. Diretrizes Temáticas <ul><li>Geração de energia elétrica; </li></ul><ul><li>transmissão de energia elétrica; </li></ul><ul><li>distribuição de energia elétrica; </li></ul><ul><li>processos, equipamentos e eficiência energética; </li></ul><ul><li>qualidade de energia, certificação e normatização; </li></ul><ul><li>planejamento integrado de recursos energéticos; </li></ul><ul><li>treinamento e capacitação de recursos humanos; </li></ul><ul><li>disseminação de informação e de conhecimento </li></ul>
  8. 8. Estratégias para o Ctenerg <ul><li>Diagnóstico e prospecção: detalhamento de diretrizes temáticas; formulação e priorização de programas e projetos; </li></ul><ul><li>Projetos/progamas mobilizantes/ estruturantes; </li></ul><ul><li>Estabelecer mecanismos de indução de atividades P&D; </li></ul><ul><li>Contexto regional; </li></ul><ul><li>Transparência, estabelecimento de metas e critérios para avaliação de projetos. </li></ul>
  9. 9. Documentos <ul><li>Plano Anual de Investimentos </li></ul><ul><ul><li>Programas </li></ul></ul><ul><ul><li>Projetos </li></ul></ul><ul><ul><li>Mecanismos de atuação: </li></ul></ul><ul><ul><ul><li>Demanda Induzida </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Editais </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><ul><li>Encomendas </li></ul></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>Demanda espontânea </li></ul></ul></ul><ul><li>Regimento Interno </li></ul><ul><li>Manual Operativo (em elaboração) </li></ul>Ações preferenciais Estruturantes/mobilizadores
  10. 10. Ações propostas 2001 <ul><li>Ação 1: Formação e capacitação de recursos humanos </li></ul><ul><li>Ação 2: Normatização e infra-estrutura em metrologia </li></ul><ul><li>Ação 3: Divulgação tecnológica </li></ul><ul><li>Ação 4: Apoio ao planejamento e operação de sistemas hidroenergéticos (junto com CT-HIDRO) </li></ul><ul><li>Ação 5: Fontes alternativas de energia </li></ul><ul><li>Ação 6: Indução ao desenvolvimento tecnológico empresarial no setor elétrico </li></ul><ul><li>Ação 7: Prospecção tecnológica na área de Energia Elétrica </li></ul>
  11. 11. Investimentos: ano 2001 <ul><li>Treinamento: Eficiência Energética em Pequenas e Médias Empresas (~R$ 7 milhões) </li></ul><ul><li>Difusão Tecnológica: R$ 4.5 milhões </li></ul><ul><li>Projetos em Eficiência Energética: R$ 10 milhões Total de R$ 33 milhões </li></ul><ul><ul><li>Laboratórios </li></ul></ul><ul><ul><li>Projetos: solar, e. eólica e biomassa </li></ul></ul><ul><ul><li>Gás natural, clima/meteorologia </li></ul></ul><ul><ul><li>Hidroeletricidade </li></ul></ul>
  12. 12. Investimentos: ano 2002 Editais <ul><li>Laboratórios, infra-estrutura para pesquisa </li></ul><ul><li>Foresight tecnológico para o setor de energia (CGEE) </li></ul><ul><li>Desenvolvimento tecnológico industrial (CT-ENERG e parceria com setor privado) </li></ul><ul><li>Auxílios para congressos, bolsas (CNPq) </li></ul>

×