O periodo regencial

1.967 visualizações

Publicada em

Resumo da matéria do oitavo ano

Publicada em: Educação
0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.967
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
383
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
75
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O periodo regencial

  1. 1. O PERIODO REGENCIAL PROFESSORA NATANIA A S NOGUEIRA nogueira.Natania@gmail.com
  2. 2. País sem rei, país com regente  Em 1831, D. Pedro I abdicou do trono em favor de seu filho Pedro de Alcântara, que tinha apenas 5 anos de idade.  Conforme as regras da constituição do império, o Brasil seria governado por um conselho de três regentes, eleitos pelo Legislativo, enquanto Pedro de Alcântara não atingisse a maioridade (idade de 18 anos).  O período regencial foi marcado também por importantes revoltas políticas e sociais que, agitaram a vida do país.  Diferentes setores da sociedade (desde os grupos mais ricos até os mais pobres) lutavam pelo poder político
  3. 3. Os grupos políticos no poder  A vida pública do país foi dominada por três grupos  principais que disputavam o poder político: restauradores, liberais moderados e liberais exaltados.  Em 1834, D. Pedro morreu em Portugal, aos trinta e seis anos de idade. Com sua morte, teve fim o objetivo do grupo dos restauradores.  Por volta de 1837, o grupo dos liberais moderados dividiu-se em duas grandes alas: os progressistas e os regressistas. Eles passaram a disputar o Centro do poder.
  4. 4. Regência Trina Provisória  No dia 7 de abril de 1831 (data da abdicação), o Parlamento brasileiro estava em férias.  Os poucos políticos que se encontravam na cidade resolveram, como solução de emergência, eleger uma Regência Provisória para governar a nação, até que se elegesse a regência permanente.  A Regência Trina Provisória governou o país durante quase três meses. Participaram dela: senador Carneiro de Campos, senador Campos Vergueiro e brigadeiro Francisco de Lima e Silva.
  5. 5. A Regência Trina Permanente  Após reunir deputados e senadores do país, a assembleia Geral elegeu a Regência Trina Permanente, no dia 17 de junho de 1831.  Durante a Regência Trina Permanente, destacam-se: 1. A criação da Guarda Nacional (uma polícia de confiança do governo e das classes dominantes agrárias) 2. O Ato Adicional de 1834 (uma reforma na Constituição do Império - uma tentativa de harmonizar as diversas forças políticas que brigavam no país).
  6. 6. A regência de Diogo Feijó  O padre Diogo Antônio Feijó, que era ligado à ala progressista dos moderados, ganhou as eleições para regente, com uma margem pequena de votos.  Depois de eleito, Feijó sofreu grande oposição dos regressistas, que o acusavam de não conseguir impor ordem no país.  Explodiram, durante seu governo, importantes rebeliões como a Cabanagem no Pará e a Farroupilha no Rio Grande do Sul.  Quando ainda faltavam dois anos para terminar seu mandato, Feijó decidiu renunciar ao cargo de regente. Provisoriamente, a regência foi entregue a Pedro de Araújo Lima, senador pernambucano que representava os regressistas.
  7. 7. A regência de Araújo Lima  Ao assumir o poder, Araújo Lima montou um ministério composto só de políticos conservadores.  Combateu as revoltas provinciais com violência.  As rebeliões separatistas ameaçavam a unidade territorial do país.  A Lei Interpretativa do Ato Adicional (12 de maio de 1840), que reduzia o poder das províncias e colocava os órgãos da Polícia e da Justiça sob o comando do poder central.
  8. 8. As revoltas do período regencial  A Cabanagem (Pará, 1835 a 1840): Seu nome deriva das cabanas construídas às margens dos rios, onde vivia a maior parte da população.  As causas principais foram a revolta dos liberais contra o presidente nomeado pelo governo regencial e a situação de miséria dos cabanos.  A revolta resultou no domínio sobre Belém durante um ano e lutas no interior do Pará. Além disso, acarretou a morte de 40% da população da província.
  9. 9.  A Sabinada (Bahia, 1837 a 1838). Seu nome se originou do líder do movimento, o médico Francisco Sabino.  A sabinada foi uma revolta liderada pela classe média.  A causa principal foi a insatisfação com as autoridades impostas pelos regentes na província.  A revolta resultou na organização da República Bahiense.
  10. 10. A Balaiada( Maranhão, 1838 a 1841): Seu nome se deve do fato que parte dos revoltosos eram fabricantes de balaios. As causas principais foram a insatisfação com o presidente nomeado pelos regentes e as precárias condições de vida dos vaqueiros, fazedores de balaios e escravos. A revolta resultou na conquista da vila de Caxias e na anistia dos revoltosos.
  11. 11.  A Guerra dos Farrapos (Rio Grande do Sul, 1835 a 1845): Seu nome se originou dos precários trajes dos revoltosos.  Seus principais líderes foram Bento Gonçalves e Giuseppe Garibaldi.  As causas principais foram os altos impostos sobre produtos gaúchos e exigência por mudanças políticas.  A revolta resultou na criação da República Rio-Grandense, no Rio Grande do Sul e na República Juliana, em Santa Catarina. Os revoltosos foram anistiados.
  12. 12. A revoltados Malês  A Revolta dos Malês foi um movimento que ocorreu na cidade de Salvador (província da Bahia) entre os dias 25 e 27 de janeiro de 1835.  Os principais personagens desta revolta foram os negros islâmicos (malês) que exerciam atividades livres, conhecidos como negros de ganho (alfaiates, pequenos comerciantes, artesãos e carpinteiros).  Os revoltosos estavam muito insatisfeitos com a escravidão africana, a imposição do catolicismo e com a preconceito contra os negros.  Tinham como objetivo principal à libertação dos escravos. Queriam também acabar com o catolicismo, o confisco dos bens dos brancos e mulatos e a implantação de uma república islâmica.  Após violentos combate a revolta foi sufocada. Os prisioneiros foram julgados e os líderes foram condenados a pena de morte. Os outros revoltosos foram condenados a trabalhos forçados, açoites e degredo (enviados para a África).
  13. 13. RESUMO DAS REVOLTAS DO PERÍODO REGENCIAL

×