Parnasianismo

5.428 visualizações

Publicada em

Uma síntese do Parnasianismo, enfatizando a bibliografia de Olavo Bilac, bem como dois de seus principais poema: Profissão de Fé, e As Pombas.

Publicada em: Educação
1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.428
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
178
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Parnasianismo

  1. 1. PARNASIANISMO <ul><li>a </li></ul>Parnasianismo vem de Parnaso, que era um monte situado na Grécia e habitado por Apolo, deus da arte e do sol, e pelas musas.
  2. 2. CONTEXTO HISTÓRICO <ul><li>- Ocorrem transformações na sociedade européia </li></ul><ul><li>Ocorreu durante a 2ª Revolução Industrial </li></ul><ul><li>Aumento do poder da burguesia </li></ul><ul><li>- A preocupação não se volta para os problemas sociais e sim para a estética da poesia </li></ul><ul><li>- Vertente poética do Realismo e Naturalismo brasileiro </li></ul><ul><li>Teve origem na França (1866, Parnasse Conteporain) </li></ul><ul><li>Negação do Romantismo </li></ul>
  3. 3. CARACTERÍSTICAS <ul><li>Esteticismo </li></ul><ul><li>Impassibilidade </li></ul>- Poesia Descritiva - Temas Greco-Romanos - Perfeição Formal Métrica Definida Soneto Rimas - Arte pela Arte Objetivismo
  4. 4. PARNASIANISMO NO BRASIL - Inicia-se com Fanfarras de Teófilo Dias, publicada em 1882. <ul><li>O movimento foi uma das causas da </li></ul><ul><li>Semana da Arte Moderna (1922). </li></ul>TRÍADE PARNASIANA DO BRASIL Olavo Bilac Alberto de Oliveira Raimundo Correia
  5. 5. Olavo Brás Martins dos Guimarães Bilac - Um dos fundadores da Academia Brasileira de Letras - Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 1865 — Rio de Janeiro, 28 de dezembro de 1918 - A preocupação formal é uma característica parnasiana marcante em suas obras <ul><li>Foi duramente criticado </li></ul><ul><li>pelos modernistas juntamente </li></ul><ul><li>pela sua preocupação formal </li></ul><ul><li>Bilac escreveu a letra do Hino </li></ul><ul><li>à Bandeira </li></ul>
  6. 6. PROFISSÃO DE FÉ ...“Invejo o ourives quando escrevo: Imito o amor Com que ele, em ouro, o alto relevo  Faz de u ma flor. Imito-o. E, pois, nem de Carrara  A pedra firo: O alvo cristal, a pedra rara,  O ônix prefiro. Por isso, corre, por servir-me,  Sobre o papel A pena, como em prata firme  Corre o cinzel. Corre; desenha, enfeita a imagem,  A idéia veste: Cinge-lhe ao corpo a ampla roupagem  Azul-celeste. Torce, aprimora, alteia, lima  A frase; e, enfim,  No verso de ouro engasta a rima,  Como um rubim. Quero que a estrofe cristalina,  Dobrada ao jeito  Do ourives, saia da oficina  Sem um defeito Assim procedo. Minha pena  Segue esta norma, Por  te servir, Deusa serena,  Serena Forma!...” Olavo Bilac
  7. 7. EXPLICAÇÃO <ul><li>De acordo com Bilac, a preocupação primeira do poeta parnasiano deveria ser a de produzir uma poesia formalmente perfeita.   </li></ul><ul><li>Sua real preocupação era com o estilo e não com a profundidade das idéias e sentimentos do poeta. “PERFEIÇÃO FORMAL” </li></ul><ul><li>Olavo Bilac compara o poeta com o ourives. Para ele, ambas as profissões, tanto a ourivesaria quanto a poesia buscam a perfeição, por meio de um trabalho árduo, difícil. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Bilac acentua a importância das palavras precisas, do cuidado com as frases, para que o poema se torne uma espécie de objeto precioso, semelhante a uma jóia rara </li></ul><ul><li>O trabalho artesanal a que o poeta parnasiano atribui às palavras é para o autor semelhante ao do ourives, perseverante, delicado e cheio de dedicação e minuciosidade </li></ul>
  9. 9. AS POMBAS <ul><li>“ Vai-se a primeira pomba despertada... Vai-se outra mais... mais outra... enfim dezenas De pombas vão-se dos pombais, apenas Raia sanguínea e fresca a madrugada... </li></ul>E à tarde, quando a rígida nortada Sopra, aos pombais de novo elas, serenas, Ruflando as asas, sacudindo as penas, Voltam todas em bando e em revoada... Também dos corações onde abotoam, Os sonhos, um por um, céleres voam, Como voam as pombas dos pombais; No azul da adolescência as asas soltam, Fogem... Mas aos pombais as pombas voltam, E eles aos corações não voltam mais...” Raimundo Correia
  10. 10. EXPLICAÇÃO <ul><li>O poema  As Pombas  de Raimundo Correia cria uma relação entre a rapidez da adolescência e o tempo. Nota-se também o uso da objetividade. A movimentação é constante, percebe-se que as pombas vão e vem, e isto indica que existem vários sentimentos, pois a juventude uma época de descobertas novas e muito senso seletivo. </li></ul>
  11. 11. BIBLIOGRAFIA <ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Olavo_Bilac#Biografia </li></ul><ul><li>http://www.suapesquisa.com/artesliteratura/parnasianismo.htm </li></ul><ul><li>http://pt.wikipedia.org/wiki/Parnasianismo </li></ul>

×