Parentela Corporal E Espiritual2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Parentela Corporal E Espiritual2

on

  • 11,849 visualizações

Conceição de Jacareí - RJ

Conceição de Jacareí - RJ
www.gespiritacristao.com

Estatísticas

Visualizações

Visualizações totais
11,849
Visualizações no SlideShare
11,672
Visualizações incorporadas
177

Actions

Curtidas
5
Downloads
367
Comentários
0

3 Incorporações 177

http://livrariachicoxaviercanoas.blogspot.com 127
http://livrariachicoxaviercanoas.blogspot.com.br 41
http://www.slideshare.net 9

Carregar detalhes

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Direitos de uso

© Todos os direitos reservados

Report content

Sinalizado como impróprio Sinalizar como impróprio
Sinalizar como impróprio

Selecione a razão para sinalizar essa apresentação como imprópria.

Cancelar
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Sua mensagem vai aqui
    Processing...
Publicar comentário
Editar seu comentário

    Parentela Corporal E Espiritual2 Parentela Corporal E Espiritual2 Presentation Transcript

    • E.S.E capítulo XIV A Parentela corporal e a parentela espiritual A Ingratidão dos filhos e os laços de família
    • A Parentela corporal e a parentela espiritual
      • O corpo procede do corpo, mas o Espírito não procede do Espírito, porquanto o Espírito já existia antes da formação do corpo; (ESE- item 8)
      • Ex. filho de peixe, peixinho não é;
      • Não é o pai quem cria o Espírito de seu filho; ele não faz mais do que lhe fornecer o invólucro corpóreo, cumprindo-lhe, no entanto, auxiliar o desenvolvimento intelectual e moral do filho, para fazê-lo progredir.
      • Os que encarnam numa família, sobretudo como parentes próximos, são, as mais das vezes, Espíritos simpáticos, ligados por anteriores relações, que se expressam por uma afeição recíproca na vida terrena;
      • Também pode acontecer sejam completamente estranhos, afastados entre si por antipatias anteriores, que aí lhes serve de provação;
      • Não são os da consangüinidade os verdadeiros laços de família e sim os da simpatia e da comunhão de idéias, os quais prendem os Espíritos antes, durante e depois de suas encarnações.
    • Vida É o Amor existencial.
      • É ponto pacífico em todas as religiões que a família é uma das mais importantes associações existentes na Terra, se não a mais importante;
      • Nos diz Emmanuel: “Temos no instituto doméstico uma organização de origem divina , em cujo seio encontramos instrumentos necessários ao nosso próprio aprimoramento para a edificação do Mundo Melhor”;
      • Com a doutrina espírita, que nos traz em seus pilares a lógica absoluta da reencarnação, o conceito da família se expande, pois vai muito além dos laços consangüíneos. O entendimento das dificuldades existentes dentro do lar ganham explicação clara e lúcida;
      • Passamos a entender porque nos afinizamos mais com um do que com outro. Compreendemos porque um amigo muitas vezes é aquele irmão que tanto gostaríamos de ter .
      • Percebemos as tramas dos enganos entre familiares que se engalfinham pelos bens materiais. O porquê das tragédias familiares, traições, crimes, abandonos, rejeições, tantos abortos, tantas decepções.
    • Razão É o Amor que pondera.
      • Embora o retrato das nossas famílias se revele muitas vezes desanimador e assustador, é com a doutrina espírita que vamos entender que cada um está fazendo o melhor que pode. Que os erros de hoje serão corrigidos amanhã. Errar é uma forma de aprendizado dentro das leis de Deus.
      • Se assim compreendermos, ficará mais fácil perdoar, sermos perdoados e nos perdoarmos, facilitando assim a convivência na família.
      • Temos na reencarnação então a grande diferença do Espiritismo para a maioria das religiões. Uma diferença que EXPLICA e CONSOLA.
      •  Qual a diferença entre o parentesco material(corporal) e o parentesco espiritual, segundo a Doutrina Espírita?
      •  O parentesco material é a união na família de acordo com os laços consangüíneos e o parentesco espiritual é a nossa verdadeira família pela união dos gostos, dos sentimentos, das afinidades. Enfim, pela reunião do entendimento de que todos somos irmãos.
       Há pessoas que dizem que os laços de família são apenas resultado de costumes sociais. Como entender a questão das famílias terrenas e espirituais?  A constituição dos laços de família é uma necessidade do Espírito. A família terrena é um instrumento para a construção da família espiritual.
    • Simpatia É o Amor que sorri.
      • Como vamos rever nossos entes queridos se por acaso os mesmos já encarnaram novamente? Como reconhecê-los?
      • O reconhecimento dos entes queridos não se dá somente pela aparência, mas, principalmente, pela afinidade e pela vibração.
      • A doutrina espírita nos ensina que mesmo encarnados nós temos a sagrada oportunidade, durante o sono, de mantermos contato com esses entes queridos, muito mais vezes do que podemos supor , de forma que estes contatos servem como um bálsamo para as nossas provas tão sofridas.
      • No dia em que estivermos mais atentos, perceberemos com maior facilidade estes contatos.
      • Por que há tanta briga de irmãos em família? Como pode se explicar que dois irmãos numa mesma casa sejam como estranhos e não consigam se relacionar?
      • porque não estão ligados pelos reais laços de afetividade. São espíritos que se reúnem para transformar desenganos que normalmente tem raiz no passado.
      • Sem a reencarnação é impossível o entendimento destas questões.
    • Renúncia É o Amor que se depura.
      • Temos nossas reencarnações sempre dentro de um mesmo grupo familiar?
      • Somos conduzidos pelos gostos, pelas semelhanças, pela lei de afinidade.
      • Logo esses fatores são predominantes na escolha da família, o que significa dizer que realmente ficamos próximos dentro de um mesmo grupo.
      • Ressaltando que a escolha da família se dará de acordo com as nossas maiores necessidades, como espíritos imortais que somos.
      • Por que sempre temos em nossas famílias pessoas que nem sempre amamos como deveríamos? E, temos amigos que gostaríamos que fossem parte de nossas famílias?
      • Estão vendo como é preciso falar de espíritos para entendermos essas coisas?
      • Quem é o amigo que amamos mais que o familiar, senão um espírito que já conquistamos no passado pelos laços de amor?
    • Desespero É o Amor que se desgoverna.
      • Emmanuel nos traz que o Lar é o cadinho purificador. Neste contexto, como viver bem, tendo em vista que podemos ter espíritos problemáticos reunidos na família?
      • Eis a Sabedoria Divina. Aproveita o nosso interesse pelos laços consangüíneos, "amarrando-nos" uns aos outros, até mesmo adversários, para podermos aprender a conviver e a nos amar;
      • Se fosse ficar por nossa conta, quando iríamos ter a coragem de abraçar, de beijar e dar carinho ao nosso inimigo (mãe e filho, por exemplo)?
      • O que ocorre quando dois espíritos que há milênios se odeiam e, ao reencarnarem juntos na mesma família, acabam por se destruírem? (Vemos pela imprensa muitos casos de pais matando filhos e vice-versa, por exemplo)
      • O que claramente vemos aí são os espíritos que se atraem até mesmo pelos laços do ódio e que Deus permite que venham junto no palco da vida para poderem, através do esquecimento de quem são , conseguirem deixar, pela convivência familiar, alguma marca que, mais tarde, apesar do crime, surgirá como apoio em suas vidas;
      • Exemplo: A fase da infância: o amor e o carinho permanecerão como essas marcas. Os espíritos não esquecem isto.
    • Estudo É o Amor que analisa.
      • Joanna de Ângelis no livro "Estudos Espíritas" nos diz: A família é um grupo de espíritos normalmente necessitados, desajustados, em compromisso inadiável para a reparação, graças a contingência reencarnatória.
      • E no livro "SOS Família, ela diz: "A família é, antes de tudo, um laboratório de experiências reparadoras, na qual a felicidade e a dor se alternam, programando a paz futura."
    • A ingratidão dos filhos e os laços de família
      • A ingratidão é um dos frutos mais diretos do egoísmo. Revolta sempre os corações honestos. Mas, a dos filhos para com os pais tem um caráter ainda mais odioso;
       Quando uma filha tem mágoas profundas da mãe, o que atribuir a isso se a mãe sempre mostrou-se amorosa?  Não podemos esquecer que somos espíritos imortais! Hoje a mãe é boa, mas a filha ainda não superou os traumas do passado encarnatório, precisando de muita compreensão, tolerância e principalmente saber que ambas estão aqui para o crescimento dos seus sentimentos.
      • Como os pais devem agir diante de um filho que veio para resgatar dívidas com os mesmos, se mostrando uma criança revoltada por respaldos de um antigo ódio?
      • Com muito amor! Encontrando isso na vivência
      • diária, o auxílio da religião e bastante diálogo no momento em que o filho estiver dormindo, já que quando acordado é mais rebelde.
      •  Dizer-lhes coisas boas, os planejamentos bons do futuro, como o ama, e com certeza, a melhoria irá ocorrendo aos poucos.
      • Que tipo de ensinamento podemos tirar da ingratidão?
      • "Se Deus permite por vezes sejais pagos com a ingratidão, é para experimentar a vossa perseverança em praticar o bem.” (O Evangelho Segundo o Espiritismo, Cap XIII, item 19)
      • O ensinamento é que somos convocados à prática do entendimento das criaturas ;
    • Indiferença É o Amor que se esconde.
      • Qual a atitude de uma mãe que faz tudo por um filho e ele só lhe faz ingratidão?
      • "Não escorraceis, pois, a criancinha que repele sua mãe, nem a que vos paga com a ingratidão; não foi o acaso que a fez assim e que vo-la deu. Imperfeita intuição do passado se revela, do qual podeis deduzir que um ou outro já odiou muito, ou foi muito ofendido; que um ou outro veio para perdoar ou para expiar. (...)
      • Mães! abraçai o filho que vos dá desgostos e dizei convosco mesmas: Um de nós dois é culpado. Fazei-vos merecedoras dos gozos divinos que Deus conjugou à maternidade, ensinando aos vossos filhos que eles estão na Terra para se aperfeiçoar, amar e bendizer ." (Santo Agostinho em "O Evangelho Segundo o Espiritismo", Capítulo XIV, item 9)
    • Que fizestes do filho confiado à vossa guarda?
      • Ponde todo vosso amor em aproximar de Deus essa alma; os vossos cuidados e a educação que lhes dareis auxiliarão o seu aperfeiçoamento e o seu bem-estar futuro;
      • Tal a missão que vos está confiada e cuja recompensa recebereis, se fielmente a cumprirdes.
    • ☺☺ Deve-se admitir o uso da força, em alguma circunstância, com a criança para educá-la? ☺ Nunca. A única força é a moral. E muita energia quando preciso, mas não esquecendo do amor. ☺ Não podemos criar pessoas violentas, traumatizadas, revoltadas, mas sim conscientizadas em ter bons hábitos para uma educação real.
    • Fé É o Amor que se transcende.
    • União fraternal
      • Permite Deus que os menos adiantados encarnem entre os mais adiantados a bem do seu progresso;
      • Assim, auxiliando-se aos retardatários, no mundo dos Espíritos, a família se felicitará por haver salvo alguns náufragos que, a seu turno, poderão salvar outros.
      • Santo Agostinho.(Paris,1862)
      • Cito Johann Pestalozzi em sua obra "Madre i figlio". "É natural que eu ponha como primeira condição o amor, que sempre comparecerá espontaneamente. Tudo o que eu pediria a uma mãe seria que ela fizesse operar seu amor com a maior força possível, e todavia o regulasse com a reflexão"
      • O grande pedagogo nos ensina: fundamentar o tratamento de nossos filhos, principalmente no divino presente da maternidade, com amor e reflexão, para ver frutificar suas sementes nos corações que Deus lhes confiou para cuidar em Seu nome.
      • O recado da ingratidão é, pois, o recado do chamamento ao amor, à dedicação, à compreensão e à luta de renovação que, seguindo Jesus, travamos conosco mesmos.
    • Fraternidade É o Amor que se expande.
      • "A educação, se bem entendida, é a chave do progresso moral. Quando se conhecer a arte de manejar os caracteres como se conhece a de manejar as inteligências, poder-se-á endireitá-los, como se endireita as plantas jovens" (LE, Comentário de Kardec sobre Q. 917)
      E pra finalizar...
    •