disturbios do sono no idoso

17.019 visualizações

Publicada em

diagnóstico e tratamento dos principais distúrbios do sono em idosos

1 comentário
5 gostaram
Estatísticas
Notas
  • ALIVIE SUAS DORES
    http://www.slideshare.net/AdriBernardes/massoterapia-alivie-suas-dores

    Adriano Bernardes
    Contate-me: adribernardes@gmail.com
       Responder 
    Tem certeza que deseja  Sim  Não
    Insira sua mensagem aqui
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
17.019
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.626
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
376
Comentários
1
Gostaram
5
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • disturbios do sono no idoso

    1. 2. DISTÚRBIOS DO SONO DIAGNÓSTICO & TRATAMENTO
    2. 3. SONO & ENVELHECIMENTO
    3. 4. O CICLO DO SONO EM ADULTOS Acordar Estagios REM REM REM REM REM 1 2 3 4 0 1 2 3 4 5 6 7 8 HORAS EM SONO
    4. 5. SONO NORMAL & ENVELHECIMENTO: MENOS SONO PROFUNDO
    5. 6. O sono do idoso <ul><li>Com o envelhecer, a proporção do tempo total de sono gasto nos estágios profundos 3 e 4 não-rem diminui </li></ul><ul><li>O idoso tende a ter mais dificuldade de adormecer e sustentar o sono que os mais jovens </li></ul><ul><li>O idoso tende a adormecer mais cedo e acordar também mais cedo </li></ul>
    6. 7. O sono do idoso <ul><li>Com o envelhecer recuperar-se de distúrbios do ciclo sono-vigilia tende a se tornar mais difícil </li></ul><ul><li>Muitas drogas comumente prescritas no idoso e muitas doenças podem perturbar o sono </li></ul><ul><li>O profissional de saúde deve rotineiramente triar problemas de sono no idoso </li></ul>
    7. 8. Screening <ul><li>Você esta satisfeito com seu sono? </li></ul><ul><li>O sono ou fadiga interfere com suas atividades? </li></ul><ul><li>O seu parceiro de cama ou outra pessoa notou comportamentos não usuais como roncar, respiração interrompidaou movimentos com as pernas enquanto dormia? </li></ul>
    8. 10. <ul><li>INSONIA NÃO RELACIONADA À APNÉIA </li></ul><ul><li>APNÉIA DO SONO </li></ul><ul><li>OUTRAS CONDIÇÕES ASSOCIADAS À DISTURBIOS DO SONO </li></ul>
    9. 11. CLASSIFICAÇÃO <ul><li>• DISTURBIOS DO SONO VIGILIA •HIPERSONOLENCIA </li></ul><ul><li>• INSONIA(DIFICULDADE DE INICIAR OU MANTER O SONO) </li></ul><ul><li>• PARASOMNIAS(DISTURBIOS DO DESPERTAR, DESPERTAR PARCIAL, E TRANSIÇÃO DE ESTAGIOS DO SONO) </li></ul><ul><li>• APNÉIA DO SONO </li></ul>
    10. 12. INSONIA NÃO RELACIONADA À APNÉIA <ul><li>FATORES DE RISCO E DE AGRAVOS </li></ul><ul><li>CONDIÇÕES CLINICAS E PSIQUIATRICAS TRATAVEIS: DISTURBIOS DE AJUSTAMENTO, ANSIEDADE, LUTO, TOSSE, DEPRESSÃO, DISPNÉIA (CARDIACA OU PULMONAR), DRGE, NOCTURIA, DOR, PARESTESIAS, ESTRESSE </li></ul>
    11. 13. MEDICAMENTOS QUE CAUSAM OU AGRAVAM DISTURBIOS DO SONO <ul><li>ALCOOL, ANTIDEPRESSIVOS, BETA-BLOQUEADORES, BRONCODILATADORES, CAFEÍNA, CLONIDINA, CORTICOIDE, DIURETICOS, LEVODOPA, METILDOPA, NICOTINA, FENITOINA, PROGESTERONA, QUINIDINA, RESERPINA, SEDATIVOS, SIMPATICOMIMÉTICOS INCLUINDO DESCONGESTIONANTES </li></ul>
    12. 14. MANEJO <ul><li>A MELHORA DA QUALIDADE DO SONO É ATINGIDA ATRAVÉS DE MODIFICAÇÕES COMPORTAMENTAIS. </li></ul><ul><li>AS INTERVENÇÕES NÃO FARMACOLÓGICAS VISAM CONTROLAR OS ESTIMULOS </li></ul>
    13. 16. DURANTE O PERIODO DIURNO <ul><li>SAIR DA CAMA SEMPRE NO MESMO HORARIO INDEPENDENTE DE QUANTO DOMIU NA NOITE ANTERIOR. </li></ul><ul><li>EXERCICIOS FISICOS DIARIOS - NÃO PROXIMOS DA HORA DE DORMIR.    </li></ul><ul><li>EXPOSIÇÃO ADEQUADA À LUZ.    </li></ul><ul><li>DIMINUIR OU ELIMINAR SONECAS </li></ul><ul><li>ELIMINAR O ALCOOL, CAFEINA, E NICOTINA </li></ul>
    14. 17. DURANTE O PERIODO NOTURNO <ul><li>MANTENHA UM TEMPO REGULAR DE SONO, NÃO DEITAR SEM SENTIR SONOLENCIA.    </li></ul><ul><li>SENTINDO FOME, FAZER UMA REFEIÇAO LEVE (A MENOS QUE EXISTAM SINTOMAS DE DRGE OU OUTRA CI), EVITANDO REFEIÇÕES PESADAS ANTES DE DORMIR.    </li></ul><ul><li>NÃO LEIA OU ASSISTA TV NA CAMA.    </li></ul>
    15. 18. DURANTE O PERIODO NOTURNO <ul><li>RELAXAR A MENTE; NÃO UTILIZAR O PERIODO DA CAMA COMO HORA DE PREOCUPAÇÕES.    </li></ul><ul><li>MANTER UMA ROTINA DE PREPARAÇÃO PARA DORMIR (ESCOVAR OS DENTES, IR AO TOILET).    </li></ul><ul><li>CONTROLE O AMBIENTE NOTURNO, POR EXEMPLO, TEMPERATURA COMFORTAVEL, POUCA LUZ, BAIXO NIVEL DE RUIDO.    </li></ul>
    16. 19. DURANTE O PERIODO NOTURNO <ul><li>USE ROUPAS CONFORTAVEIS.    </li></ul><ul><li>SE FOR UTIL, USAR MUSICA DE FUNDO.    </li></ul><ul><li>SE NÃO FOR CAPAZ DE DORMIR ENTRE 15 A 20 MINUTOS, SAIR DA CAMA E REALIZAR UMA ATIVIDADE COMO LER OU OUVIR MUSICA LENTA, EVITANDO EXPOSIÇÃO A LUZ MUITO INTENSA </li></ul>
    17. 20. TERAPIA COGNITIVO COMPORTAMENTAL <ul><li>RESTRIÇÃO DO SONO : REDUZIR O TEMPO NA CAMA PARA SE ESTIMAR O TEMPO TOTAL DE SONO (MINIMO DE 5 HS) AUMENTANDO 15 MIN POR SEMANA </li></ul><ul><li>TECNICAS DE RELAXAMENTO—FISICO (RELAXAMENTO MUSCULAR PROGRESSIVO, BIOFEEDBACK); MENTAL(HIPNOSE, MEDITAÇÃO) </li></ul><ul><li>EXPOSIÇÃO A LUZ NO PERIODO DIURNO </li></ul>
    18. 21. PRINCIPIOS DE PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS <ul><li>USAR A MENOR DOSE EFICAZ POSSIVEL </li></ul><ul><li>USAR DOSES INTERMITENTES (2–4 VEZES POR SEMANA). </li></ul><ul><li>PRESCREVER MEDICAMENTOS EM CURTO PRAZO DE TEMPO (NÃO MAIS QUE 3-4 SEMANAS). </li></ul><ul><li>DESCONTINUAR A MEDICAÇÃO GRADUALMENTE </li></ul><ul><li>FICAR ALERTA SOBRE A INSONIA REBOTE APÓS DESCONTINUIDADE </li></ul>
    19. 22. MEDICAMENTOS NO IDOSO <ul><li>ANTIDEPRESSIVO, SEDANTE : </li></ul><ul><li>TRAZODONA ( DONAREN )25–100 mg EFEITOS ORTOSTATICOS MODERADOS; EFICAZ NA INSONIA COM OU SEM DEPRESSÃO </li></ul><ul><li>MIRTAZAPINA( REMERON )7.5–15 mg </li></ul><ul><li>PODE AUMENTAR O APETITE </li></ul>
    20. 23. BENZODIAZEPINAS DE AÇÃO INTERMEDIARIA <ul><li>ESTAZOLAM ( NOCTAL 2 MG )0.5–1 mg ; 12–18 h ABSORÇÃO RAPIDA , EFICAZ NA INDUÇÃO DO SONO ; </li></ul><ul><li>LORAZEPAM ( LORAX 1 E 2 MG )0.25–2 mg; 28–12 h EFICAZ NA INDUÇÃO E MANUTENÇÃO DO SONO; ASSOCIADO A QUEDAS, PERDA DE MEMORIA E INSONIA REBOTE </li></ul>
    21. 24. NÃO BENZODIAZEPINAS DE AÇÃO CURTA <ul><li>ZALEPLON( SONATA 5 E 10 MG ) 5 mg; EVITAR TOMAR COM ALIMENTO </li></ul><ul><li>ZOLPIDEM ( STILNOX 10 MG )5 mg ;1.5–4.5 h RAROS EPISODIOS DE CONFUSÃO OU AGITAÇÃO </li></ul>
    22. 26. HORMONIO & AGONISTA DE RECEPTOR HORMONAL <ul><li>MELATONINA 0.3–5 mg ; NÃO APROVADA PELO FDA </li></ul><ul><li>RAMELTEON ( ROSEREM ) 8 mg 30 MIN ANTES DE DEITAR ; INTERAÇÃO COM ALIMENTO GORDUROSOS </li></ul>
    23. 27. APNÉIA DO SONO
    24. 28. APNÉIA DO SONO <ul><li>DEFINIÇÃO : episodios repetidos de apneia (parada do fluxo aereo por ≥10 seg) ou hipopneia (redução transitoria [≥30% diminuição do movimento toracoabdominal ou fluxo aereo e com ≥4% desaturação de oxigenio , ou um despertar] de fluxo aereo de ≥10 seg) durante o sono com sonolencia diurna excessiva ou função cardiopulmonar alterada </li></ul>
    25. 29. CLASSIFICAÇÃO <ul><li>OBSTRUTIVA (90% DOS CASOS): PARADA DO FLUXO AEREO COMO RESULTADO DO FECHAR DAS VIAS AEREAS SUPERIORES APESAR DE ESFORÇO MUSCULAR RESPIRATORIO ADEQUADO </li></ul><ul><li>CENTRAL: PARADA DO ESFORÇO RESPIRATORIO </li></ul><ul><li>MISTA: COMPONENTE OBSTRUTIVO E CENTRAL </li></ul>
    26. 30. FATORES ASSOCIADOS <ul><li>HISTORIA FAMILIAR, HAS, AUMENTO DA CIRCUNFERENCIA DO PESCOÇO, HOMEM, OBESIDADE, TABAGISMO, RONCO, ALTERAÇÕES ESTRUTURAIS DE VIAS AEREAS SUPERIORE (PALATO MOLE, AMIGDALAS </li></ul>
    27. 31. Perfil Clínico AO
    28. 32. Critérios de Quantidade <ul><li>Usa como referência o Nº de eventos </li></ul><ul><ul><li>Norma l: 7-20 apnéias por noite durando entre 10 e 20s </li></ul></ul><ul><ul><li>Baixo : 5 a 20 apnéias e hipopnéias/hora </li></ul></ul><ul><ul><li>Moderado : 21 a 50 apnéias e hipopnéias/hora </li></ul></ul><ul><ul><li>Alto : acima de 50 apnéias e hipopnéias/hora </li></ul></ul>
    29. 33. POLISONOGRAFIA
    30. 34. AVALIAÇÃO <ul><li>POLISONOGRAFIA NO LABORATÓRIO DE SONO ESTA INDICADA PARA AQUELES QUE HABITUALMENTE RONCAM E RELATAM SONOLENCIA DIURNA OU APRESENTAM APNEIA. </li></ul><ul><li>OS RESULTADOS SÃO APRESENTADOS ATRAVES DO INDICE APNEIA – HIPOPNEIA (IAH), O QUAL É O NUMERO DE APNEIAS E HIPOPNEIAS POR HORA DE SONO </li></ul>
    31. 35. MANEJO <ul><li>NÃO FARMACOLÓGICO </li></ul><ul><li>O USO DO CPAP “ continuous positive airway pressure ” ATRAVES DE MASCARA NASAL OU QUE CUBRA O NARIZ E A BOCA </li></ul><ul><li>EVITAR ALCOOL E SEDATIVOS </li></ul><ul><li>DEITAR NA POSIÇÃO LATERAL; </li></ul><ul><li>EMAGRECIMENTO </li></ul><ul><li>USO DE PLACAS ORAIS QUE MANTENHAM A LINGUA NUMA POSIÇÃO ANTERIOR OU MANTENHAM A MANDIBULA PARA FRENTE </li></ul>
    32. 36. Funcionamento CPAP
    33. 37. Aparelho de CPAP
    34. 38. Máscaras
    35. 39. MANEJO FARMACOLÓGICO <ul><li>MODAFINIL ( PROVIGIL 200 mg) NA SONOLENCIA DIURNA EXCESSIVA ; USO ASSOCIADO AO CPAP </li></ul><ul><li>FLUOXETINA (PROZAC 10 – 20 MG) </li></ul>
    36. 40. MANEJO CIRÚRGICO <ul><li>TRAQUEOSTOMIA (INDICADO PAR PACIENTES COM APNEIA SEVERA E QUE NÃO TOLERAM O USO DO CPAP) </li></ul><ul><li>UVULOPALATOFARINGOPLATIA (CURA EM MENOS DE 50% DOS CASOS) </li></ul><ul><li>CIRURGIA MAXILOFACIAL (CASOS RAROS) </li></ul>
    37. 41. OUTRAS CONDIÇÕES ASSOCIADAS À DISTURBIOS DO SONO <ul><li>CAIMBRAS NOTURNAS </li></ul><ul><li>EXERCICIOS DE ALONGAMENTO OU COMPRESSAS MORNAS 10 min ANTES DE DORMIR. QUININO 200–300 mg PODE REDUZIR A FREQUENCIA MAS NÃO A SEVERIDADE DOS ESPASMOS </li></ul>
    38. 42. SINDROME DAS PERNAS INQUIETAS (SPI) <ul><li>CRITÉRIOS DIAGNOSTICOS : </li></ul><ul><li>o desejo de mover os membros, associado geralmente a parestesias OU DISESTESIAS (sensação de dormência e formigamento das pernas); </li></ul><ul><li>falta de coordenação motora (de movimentos); </li></ul><ul><li>sintomas exacerbados exclusivamente em períodos de descanso; </li></ul><ul><li>e a piora dos sintomas durante o fim da tarde ou à noite. </li></ul>
    39. 43. CAUSAS SECUNDARIAS <ul><li>DEFICIENCIA DE FERRO, LESÃO DE NERVOS PERIFÉRICOS E DA MEDULA ESPINHAL, UREMIA, MEDICAMENTOS (ADTC, IRS, LITIO, ANTAGONISTAS DOPAMINÉRGICOS, CAFEINA) </li></ul>
    40. 44. USO DO ALCOOL,CAFEÍNA E NICOTINA
    41. 45. TRATAMENTO NÃO FARMACOLÓGICO <ul><li>PROMOÇÃO DA HIGIENE DO SONO </li></ul><ul><li>EVITE ALCOOL, CAFEINA E NICOTINA </li></ul><ul><li>BANHOS QUENTES OU FRIOS </li></ul>
    42. 46. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO <ul><li>EXCLUIR OU TRATAR A DEFICIENCIA DE FERRO, E NEUROPATIA PERIFÉRICA </li></ul><ul><li>SE POSSIVEL EVITE O USO DE ADTC, IRS, LITIO E ANTAGONISTAS DOPAMINERGICOS </li></ul>
    43. 47. TRATAMENTO FARMACOLÓGICO <ul><li>COMEÇAR COM BAIXA DOSE E AUMENTAR QUANDO NECESSITAR </li></ul><ul><li>PRIMEIRA LINHA : AGONISTAS DOPAMINÉRGICOS OU CARBIDOPA-LEVODOPA ( SINEMET ) 25/100 mg, 1–2 h ANTES DE DEITAR. </li></ul><ul><li>AGENTES DE SEGUNDA LINHA INCLUEM CARBAMAZEPINA E GABAPENTINA </li></ul><ul><li>EM CASOS REFRATARIOS BENZODIAZEPINAS E OPIÓIDES PODEM SER TENTADOS </li></ul>
    44. 48. MOVIMENTOS PERIODICOS DAS PERNAS (MPP) <ul><li>INSONIA OU SONOLENCIA EXCESSIVA caracteriza-se pelo aparecimento de movimentos bruscos nas pernas (mioclonias) que se produzem com uma peridiocidade regular. </li></ul><ul><li>MOVIMENTOS MUSCULARES DAS PERNAS, REPETITIVOS (EXTENÇÃO DO HALUX COM FLEXÃO PARCIAL DO TORNOZELO, JOELHO E ATE QUADRIL) QUE OCORREM O SONO NÃO REM </li></ul><ul><li>PADRÃO PSNG CARACTERISTICO </li></ul><ul><li>NÃO HÁ EVIDENCIA DE CONDIÇÃO SISTEMICA, PSIQUIATRICA OU OUTRO DISTURBIO DO SONO </li></ul>
    45. 49. TRATAMENTO <ul><li>INDICADO NOS CASOS DE SIGNIFICANTE COMPROMETIMENTO DO PADRÃO DE SONO OU DESPERTAR FREQUENTE DOCUMENTADO NA PSG </li></ul><ul><li>NÃO FARMACOLÓGICO : HIGIENE DO SONO </li></ul><ul><li>FARMACÓLÓGICO : MESMO DE SPI </li></ul>
    46. 50. OBRIGADO! [email_address]
    47. 51. Referencias <ul><li>DYNAMED http://dynamed101.ebscohost.com/AlphaBrowse.aspx?Letter=A </li></ul><ul><li>UPTODATE </li></ul><ul><li>http://patients.uptodate.com/tocmain_prof.asp </li></ul>
    48. 52. <ul><li>WEBLOG DO FRAGA </li></ul><ul><li>http://weblogdofraga.blogspot.com/index.html </li></ul><ul><li>Geriatrics at your fingertips </li></ul><ul><li>http://www.geriatricsatyourfingertips.org/front-back/toc.asp </li></ul>

    ×