Habilidades

4.934 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.934
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
72
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Habilidades

  1. 1. Conceitos de Habilidades Motoras e Capacidade Física: Atividades elaboradas utilizando coordenação, equilíbrio, força, agilidade e potênciaHabilidades MotorasConceitos de Habilidades, movimentos e ações:Existem vários tipos de habilidades, porém devemos compreender e utilizar cada um delescorretamente, todas as habilidades motoras visa um determinado objetivo, devemos saber quereflexos não são considerados habilidades, pois uma habilidade motora requer movimento docorpo ou dos membros para atingir as metas determinadas isso indica que para se realizaruma habilidade motora antes é necessário que ela seja aprendida para que a pessoa consigaatingir com sucesso os objetivos da habilidade. Podemos citar o nosso caminhar, que mesmosendo uma habilidade que o ser humano desempenha naturalmente, ela precisa ser aprendidaquando criança, além disso, caminhar é uma habilidade que muitas pessoas podem necessitarreaprender tais como aqueles que sofrem um derrame, ou recebem próteses de articulaçõesdos joelhos, quadril ou pessoas que aprender a andar com perna artificial.Movimentos: o termo movimento se refere à característica de comportamento de um membroespecifico ou de uma combinação de membros os movimentos são partes que compõem ashabilidades usando o exemplo do caminhar observamos que nossos membros se movimentam deforma bastante diferente conforme caminhamos sobre um lugar concreto, de lama ou areiaporem embora os movimentos forem diferentes a habilidade continua sendo o caminhar.Ações: são respostas a metas que consistem em movimentos do corpo ou dos membros as açõespode também ser definida como uma família de movimentos é importante considerar que umavariedade de movimentos pode produzir a mesma ação, por exemplo, se subir os degraus deuma escada é uma ação o se objetivo é chegar ao topo porem para atingir essa meta a pessoapoderá realizar vários movimentos diferentes. Em cada situação a ação é a mesma, mas osmovimentos executados para realizá-la são bem diferentes.Desenvolvimento motor: São alterações contínuas ou progressivas no comportamento motor aolongo do ciclo da vida.Habilidade:Concepções: “Aptidão, destreza, disposição para alguma coisa, consistem em saber como”.(Saraiva, 1993) Habilidade é um saber fazer, um conhecimento operacional, procedimental,uma seqüência de modos operatórios, de analogias, de intuições, induções, deduções,aplicações, transposições (Littera) “Consiste em saber como; é difícil verbalizar;adquire-se gradualmente e por prática (aquisição por descobrimento)”. (Pozo, 1998)Habilidade Motora: é entendida como um padrão fundamental realizado com precisão, exatidãoe controle.Movimentos fundamentais na terceira infância (8 á 10 Anos):•Estabilidade: sentar, ficar em pé, curvar, torcer e girar•Locomoção: correr, saltar, pular•Manipulação: lançar, pegar, chutar e rebaterMovimentos especializados
  2. 2. •Estabilidade: andarem superfície escorregadia, esquiar, ginástica na trave•Locomoção e Manipulação: jogos recreativos e esportes competitivosCapacidades e habilidades:•Capacidade: refere-se à potencial, poder, faculdade•Capacidade Motora: qualidades físicas que dão sustentação às realizações desta natureza(Freire e Scaglia, 2003)•Habilidade: uma tarefa com uma finalidade específica a ser atingida•Habilidade Motora: movimento voluntário do corpo e /ou membros, para atingir o objetivo(Gallahue e Ozmun, 2003)•Habilidades motoras fundamentais:•- 02 a 06 anos: período mais propício para aquisição, ex: andar, correr, arremessar,lançar, saltar, girar, rolar, quicar, rebater, chutar, etc.•- 07 a 10 anos: período mais propício para aperfeiçoamento e combinação•Habilidades motoras específicas: a partir dos 11 – 12 anos: período mais propício parainiciação dos fundamentos (movimentos específicos) dos esportes, ex: arremesso dohandebol, bandeja do basquete, cortada do vôlei, técnicas do salto em distância, etc.(Gallahue e Ozmun, 2003)Capacidade FísicaAs capacidades físicas indispensáveis para a execução das ações motoras compreendemessencialmente dois tipos: as quantitativas (condicionais) e as qualitativas(coordenativas).As capacidades condicionais são essencialmente determinadas pelos mecanismos que conduzemà obtenção e transformação de energia, isto é, os processos metabólicos nos músculos e nossistemas orgânicos. Portanto nelas predomina a condição física. São essencialmentedeterminadas pelas componentes energéticas, por isso têm caráter quantitativo. São:resistência e força.Nas capacidades coordenativas predomina a coordenação. Relacionam-se com os processos decontrole do movimento dependentes do sistema nervoso central, por isso têm caráterqualitativo. Estas capacidades “permitem que o atleta consiga dominar de forma segura eeconômica as ações motoras, tanto em situações previsíveis (estereótipos), comoimprevisíveis (adaptação). É através destas capacidades que o atleta consegue aprenderrelativamente depressa gestos motores, bem como regular eficazmente a tensão muscular notempo e no espaço”. As suas formas de manifestação são: equilíbrio, observação, controlemotor, reação motora, antecipação, expressão motora, representação, ritmo, diferenciaçãosinestésica, coordenação e orientação espacial.Há ainda quem considere que algumas capacidades dependem das duas dimensões e por isso asdesignam por coordenativo/condicionais: velocidade, flexibilidade e destreza.Ao grau de desenvolvimento das capacidades motoras chama-se condição física. Esta pode sermelhorada e desenvolvida através do treino ou preparação física. O seu desenvolvimento é agarantia para a aprendizagem e para a realização eficaz dos movimentos desportivos, poisintervém em maior ou menor grau em todas as atividades físicas, individuais ou coletivas.Capacidades Motoras:
  3. 3. •Capacidades Coordenativas: determinadas essencialmente por componentes onde predominam osprocessos de condução nervosa•Capacidades Condicionais (força, velocidade, resistência e flexibilidade): fundamentadasna eficiência do metabolismo energético; são determinadas pelos processos que conduzem àobtenção e transformação de energia, isto é, os processos metabólicos nos músculos esistemas orgânicos (Barbanti, 2001)Capacidades Físicas:Força/Potencia:São capacidades motoras com o mesmo objetivo, que é permitir aos músculos vencer umaresistência. A potência pode ser considerada como a união da força com a velocidade. Parao guarda-redes de Futsal, os deslocamentos, saltos e reposições são realizados pormovimentos com muita potência muscularCoordenação:É a capacidade física que permite uma combinação físico-motora, onde o gesto executadoserá realizado com mais facilidade, favorecendo uma ação mais eficaz dos diversos gruposmusculares na realização de movimentos seqüentes, proporcionando além da eficácia umaeconomia de energia. A coordenação permite mais consciência na execução do movimento,colaborando desta forma para um melhor desenvolvimento da velocidade e da agilidade.É a habilidade de integrar, em padrões eficientes de movimento, sistemas motores separadoscom modalidades sensórias variadas. Quanto mais complicadas as tarefas motoras, maior onível de coordenação necessário para um desempenho eficiente. A coordenação liga-se aoscomponentes de aptidão motora de equilíbrio, velocidade e de agilidade, porém não estáintimamente alinhada à força e à resistência. O comportamento coordenado requer que acriança desempenhe movimentos específicos, em série, rápida e precisamente. Essesmovimentos coordenados devem ser sincronizados, rítmicos e apropriadamente seqüenciais.Conceito 12.13: O movimento coordenado requer a integração dos sistemas motor e sensorialem um padrão de ação harmonioso e lógico.As coordenações olho-mão e olho-pé são caracterizados pela integração de informaçõesvisuais à ação de membros. Os movimentos devem ser visualmente controlados e precisos paraprojetar um objeto exterior, fazer contato com ele ou recebê-lo. Rebater, apanhar,arremessar, chutar e interceptar, todos requerem consideráveis quantidades de informaçõesvisuais, integradas e ações motoras, para alcançar um movimento coordenado eficiente.A coordenação corporal rudimentar em crianças envolve a rápida movimentação do corpo,enquanto são desempenhadas várias habilidades motoras fundamentais. Certas tarefas – comocorrida de obstáculo, corrida de 30 jardas, vários pulos e saltos em um só pé, salto emdistância etc. – requerem alto tipo de coordenação corporal rudimentar. A coordenaçãocorporal rudimentar e as coordenações olho-mão e olho-pé parecem melhorar com a idade demaneira aproximadamente linear. Da mesma forma, meninos tendem a demonstrar coordenaçãomelhor do que meninas na infância (Frederick, 1977; Van Slooten, 1973).Agilidade:Podemos considerar como sendo a capacidade de mudar de posição ou de direção dentro domenor tempo possível. Está capacidade é fundamental para o guarda-redes de Futsal, devido
  4. 4. às constantes mudanças de posição impostas ao seu corpo durante o jogo e tem uma relaçãodireta com a velocidade.É a habilidade de alterar a direção do corpo rápida e precisamente. Com a agilidade,podem-se fazer alterações rápidas e precisas na posição do corpo durante o movimento.Várias corridas de agilidade têm sido usadas como medidas indiretas dessa aptidão.Infelizmente, os muitos modos pelas quais essas pontuações foram obtidas tornam impossívelcomparar os estudos. Pontuações obtidas na corrida de 30 pés são tipicamente usadas comomedidas de agilidade. Melhoras anuais são observadas, na infância, com vantagem para osmeninos em todas as idades.Equilibrio:É a qualidade física conseguida por uma combinação de ações musculares com propósito deassumir e sustentar o corpo sobre uma base, contra a lei da gravidade. Pode ser de trêstipos: Equilíbrio dinâmico, estático e recuperado.É a habilidade de um indivíduo manter a postura de seu corpo inalterada, quando este écolocado em várias posições. O equilíbrio é básico para todo movimento e é influenciadopor estímulos visuais, táteis, sinestésicos e vestibulares. A visão desempenha papelimportante no equilíbrio de crianças pequenas. Cratty e Martin (1969) constataram quemeninos e meninas de 6 (ou menos) anos de idade não conseguiam equilibrar-se em um só pécom os olhos fechados. Por volta dos 7 anos, todavia, eles eram capazes de manter oequilíbrio com os olhos fechados, e a habilidade de equilíbrio passou a melhorar com aidade. O uso da visão propicia à criança a focalização de um ponto de referência, a fim demanter o equilíbrio. Os olhos também fazem com que a criança monitore o corpo visualmentedurante a tarefa de equilíbrio estático ou dinâmico.Conceito 12.14: O equilíbrio é crítico em todo o comportamento motor e influenciado poruma variedade de mecanismos sensitivos.O equilíbrio é profundamente influenciado pelo aparato vestibular. O fluido contido nos“canais semicirculares” e no “otólito” desempenha papel-chave, auxiliando o indivíduoa manter o equilíbrio.O equilíbrio estático refere-se à habilidade do corpo em manter-se em certa posiçãoestacionária. Equilibrar-se em um só pé, ficar em pé na trave de equilíbrio e desempenharo equilíbrio com vara são meios comuns de avaliação das habilidades de equilíbrio estáticode crianças mostram tendência linear, direcionada a um desempenho melhor, entre 2 e 12anos de idade (DeOreo, 1971; Keogh, 1965; Van Slooten, 1973). Antes de 2 anos, ascrianças, em geral, não são capazes de desempenhar tarefas de equilíbrio estático em um sópé, porque, provavelmente, suas habilidades de manter sua postura controlada ainda estãose desenvolvendo. DeOreo (1980) indicou que as diferenças marcantes entre meninos emeninas não são tão aparentes em tarefas de equilíbrio estático, como são em outrastarefas de desempenho motor. De fato, as meninas tendem a ser mais proficientes do que osmeninos até, aproximadamente, 7 ou 8 anos de idade, quando então, os meninos igualam-se áelas. Os dois sexos estabilizam-se por volta dos 8 anos, à espera de novo impulso nashabilidades, no intervalo de 9/12 anos.O equilíbrio dinâmico refere-se à habilidade do indivíduo em manter o equilíbrio, quandoem movimento de um ponto a outro. Os testes direcionais de caminhar em linha são usados,
  5. 5. mais freqüentemente, como medidas de equilíbrio dinâmico em crianças. As meninas são, emgeral, mais proficientes do que os meninos até 8 ou 9 anos de idade, quando eles, então,tem níveis parecidos de desempenho. Meninos e meninas desaceleram seu processo por voltados 9 anos, antes de obter rápidos ganhos até a idade de 12 anos (DeOreo, 1971; Frederick,1977).ForçaÉ energia que permite deslocar objetos e vencer resistências externas, ou mesmo as donosso próprio corpo, independentemente do fator tempo. Permite, assim, superar oucontrariar as resistências ao movimento, com base em forças internas (produzidas porcontração muscular, ações dos tendões e ligamentos) e forças externas (gravidade, atrito,oposição).Para além de ser necessária para o movimento, a força aplica-se também:Na “resistência muscular”, que mais não é do que o uso prolongado desta capacidade;Na “resistência à fadiga”, que depende fundamentalmente da quantidade de sangue bombeadopelo coração em cada contração sistólica; na “velocidade”, que não seria possível semníveis de força adequados.A força tem como variantes:Força máximaForça rápida ou potênciaForça resistentePotênciaÉ a habilidade de realizar um esforço máximo em um período tão curto possível. A potênciaé às vezes denominada como “força explosiva” e representa o produto da força divididopelo tempo. Essa combinação de força e velocidade é encontrada em atividades de criançasque envolvam pular, rebater, arremessar em distância e outros esforços máximos. Avelocidade de contração dos músculos envolvidos, a força e o uso coordenado delesdeterminam o grau de potência do indivíduo. Pelo fato de a potência envolver a combinaçãode habilidades motoras, é difícil, se não impossível, obter o valor puro desse componente.As medidas de saltos e de arremessos freqüentemente usadas, por exemplo, fornecem apenasuma indicação indireta de potência, por causa da habilidade necessária para realizar essastarefas. Frederick (1977), porém, encontrou aumentos anuais significativos no saltovertical, no salto em distância e no arremesso, em crianças entre 3 e 5 anos de idade. Osmeninos superaram os desempenhos das meninas em todas as medidas, em todas as faixasetárias.Melhoras lineares parecidas e diferenças entre meninos e meninas foram demonstradas, nosalto em distância, na idade de 3 a 5 anos (Frederick, 1977), de 6 a 12 (Keogh, 1965) e de10 a 17 (Ross e Gilbert, 1985). Diferenças na velocidade de arremesso, baseadas em idade eem sexo, também têm sido demonstradas em amostragens de crianças de 6 a 14 anos de idade(Glassow e Kruse, 1960; Luedke, 1980). As diferenças quanto a idade e ao sexo, porém,estão intimamente relacionadas a aumentos anuais de força e de velocidade de movimento,bem como a influências sócio-culturais variáveis em meninos e meninas.
  6. 6. AtividadesSerá realizado um trabalho que tem como objetivo trabalhar as habilidades motoras emdiferentes atividades:•Coordenação•Equilíbrio•Força•Agilidade•PotênciaOs materiais gínmicos utilizados serão; bambolês, corda, colchões verdes (de algodão),colchões sanerge (espuma densa), cones, banco sueco e bexigas.A turma será dividida em duas colunas, para as seguintes atividades:Atividade 1EquilíbrioPI: Posição Fundamental, com os alunos em roda.EX: Realizar ¼ de giro para a direita. Elevar o MIE posteriormente em ± 90º. Segurar oMIE do companheiro á sua frente, permanecer nessa posição por 25 segundos.PF: Posição Fundamental.Atividade 2AgilidadePI: Com MMII em posição Antero posterior, com o tronco inclinado anteriormente um pouco,segurando a bexiga encostada no peito com ambas às mãos.EX: Correr em direção ao cone, sentar em cima da bexiga até estourar, levantar e correraté o final da fila. Repetir essa execução com todos os outros componentes do grupo.PF: Sentado com os MMII estendidos em grande afastamento lateral, um atrás do outro.Atividade 3PotênciaPI: Com MMII em posição Antero posterior, com tronco inclinado anteriormente um pouco e osMMSS em flexão em ± 90º.Ex: Correr e saltar até bater a mão na bexiga e cair em qualquer posição no colchão.PF: Posição Fundamental.Atividade 4Força e CoordenaçãoPI: Em decúbito ventral, com os MMSS flexionados e os antebraços apoiados no solo.EX: Elevar o quadril, flexionar um dos MMII e estender um dos MMSS. Fazer a transferênciade peso até estender o membro inferior que está flexionado e flexionar o outro membroinferior e repetir esses movimentos até o final do percurso.
  7. 7. PF: Posição Fundamental.Atividade 5CircuitoA turma será dividida em dois grupos, e terão que percorrer um circuito em menor tempo,passando por quatro atividades envolvendo: coordenação, equilíbrio, agilidade, força epotência.1º Terão seis bambolês no chão e as crianças deveram passar por cima deles, pisando com umpé em cada bambolê, percorrendo o caminho já estabelecido.PI: Posição Fundamental.EX: Percorrer o percurso dando saltitos, flexionando á ± 45º o MIE primeiro e MID,revezando conforme os saltitos.PF: Posição Fundamental.2º Realizar percurso no banco sueco.PI: Posição FundamentalEX: Andar com MMII um á frente do outro, com abdução dos MMSS estendidos até ± 90º, até ofinal do banco, realizar um salto ao final.PF: Posição Fundamental.3º Realizar rolamento entre os cones.PI: Decúbito Dorsal com os MMSS ao prolongamento do corpo.EX: Realizar rolamento longitudinal estendido até os cones.PF: Posição Fundamental.4º Realizar rolamento com salto.PI: Posição Fundamental.EX: Realizar um rolamento sobre o eixo transversal (cambalhota), parando na posiçãofundamental, saltar a corda de maneira que se sentir mais confiante, e logo após realizaroutro rolamento sobre o eixo transversal (cambalhota) e realizar um salto estendido aofinal do rolamento.PF: Posição Fundamental.

×