Apresentação siepe palhada

796 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
796
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
232
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação siepe palhada

  1. 1. Universidade Federal do Pampa Campus Uruguaiana Medicina Veterinária POTENCIAL DE PRODUÇÃO DE PALHADA DE UMA PASTAGEM DE AZEVÉM MANEJADA SOB DIFERENTES ALTURAS DE PASTEJO Acadêmica: Nathaly Lopes Toledo dos Santos Orientadora: Deise Dalazen Castagnara Bagé - RS
  2. 2. Identificação: • Título: Potencial de produção de palhada de uma pastagem de azevém manejada sob diferentes alturas de pastejo. • Autores: • Nathaly Lopes Toledo dos Santos • Ana Luiza Kalb • Dilene Formentin Priario • Leonardo Ereno Tadielo • Discentes de Medicina Veterinária da Unipampa, Uruguaiana, RS • Deise Dalazen Castagnara - Zootec. Dr.ª Prof.ª da Unipampa, Uruguaiana, RS • Rodrigo Holz Krolow - Dr. Prof. da Unipampa, Uruguaiana, RS E-mail para contato: deisecastagnara@yahoo.com.br. 2
  3. 3. Introdução • O azevém (Lolium multiflorum) é uma gramínea temperada largamente utilizada para produção de forragem nas estações frias do ano sobretudo na região sul do Brasil. • Devido ao seu potencial produtivo e calor nutricional o azevém tem sido introduzido em sistemas de integração lavoura pecuária para a produção de forragem e palhada para cobertura do solo em sistema de plantio direto. • No entanto a intensidade de utilização da pastagem é determinante para a quantidade palhada depositada. 3
  4. 4. Objetivos • Objetivou-se com este trabalho quantificar a palhada depositada pela pastagem de azevém manejada sob diferentes alturas. 4
  5. 5. Material e Métodos • Delineamento do experimento: em blocos casualizados; • Tratamentos: alturas de pastejo - 0,05; 0,10; 0,15 e 0,20 m e a ausência de pastejo; • Implantação: o azevém foi semeado em maio de 2013 com auxílio de semeadora de fluxo contínuo; • Manejo da pastagem: aos 60 dias após a emergência das plantas teve início o pastejo; • Animais: quatro ovinos da raça crioula por piquete mais reguladores; • Período de pastejo: 45 dias. 5
  6. 6. Material e Métodos • Avaliações: após a retirada dos animais da área; • Materiais: quadrado metálico com área conhecida (0,25m²) lançado aleatoriamente uma vez em cada unidade experimental; • Amostragem: todo o material contido no interior do quadrado com o corte das plantas ao nível do solo; • Determinação da matéria seca: secagem em estufa com circulação forçada de ar por 72 horas; • Unidade de expressão: kg ha-1; • Análise estatística: análise de variância e comparação dos tratamentos pelo teste t (5%). 6
  7. 7. Material e Métodos Imagem 1: Azevém 5 cm 7
  8. 8. Material e Métodos Imagem 2: Azevém 10 cm 8
  9. 9. Material e Métodos Imagem 3: Azevém 15 cm 9
  10. 10. Material e Métodos Imagem 4: Azevém 20 cm 10
  11. 11. Créditos da imagem: Daniel Prudente Moraes – Servidor - Técnico Agropecuária – 11 Unipampa / Uruguaiana
  12. 12. Créditos da imagem: Daniel Prudente Moraes – Servidor - Técnico Agropecuária – 12 Unipampa / Uruguaiana
  13. 13. Resultados e Discussão Tabela 1 - Produção de palhada residual de uma pastagem de azevém submetida à diferentes manejos Manejo da pastagem Pastejo à 0,05 m Pastejo à 0,10 m Pastejo à 0,15 m Pastejo à 0,20 m Sem pastejos CV (%) Massa seca (kg ha-1) 1439c 2423bc 3240ab 2869ab 3530a 24,48 Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem estatisticamente pelo teste t (5%). A produção de palhada residual foi superior na ausência dos pastejos em relação às alturas de pastejo de 0,05 e 0,10 m, entretanto, sem diferir das demais alturas de manejo. 13
  14. 14. Resultados e Discussão Tabela 1 - Produção de palhada residual de uma pastagem de azevém submetida à diferentes manejos Manejo da pastagem Pastejo à 0,05 m Pastejo à 0,10 m Pastejo à 0,15 m Pastejo à 0,20 m Sem pastejos CV (%) Massa seca (kg ha-1) 1439c 2423bc 3240ab 2869ab 3530a 24,48 Médias seguidas de mesma letra na coluna não diferem estatisticamente pelo teste t (5%). A menor produção de palhada foi observada na altura de pastejo de 0,05 m, porém, sem diferir estatisticamente da altura de pastejo de 0,10 m. 14
  15. 15. Resultados e Discussão • Sob condições subtropicais, a massa seca mínima de palhada recomendada após os pastejos ou colheita da forragem para manutenção do sistema de plantio direto é de 2500 kg ha-1. • Neste estudo, o manejo da pastagem com altura de 0,10 m proporcionou deposição de 2423 kg ha-1 de palhada residual, aproximando-se do valor mínimo recomendado. 15
  16. 16. Conclusões • Os resultados permitem inferir que alturas de pastejo acima de 0,10 m são adequadas para manejo de pastagens em sistemas de integração lavoura pecuária, pois além de permitirem a produção de forragem para alimentação de herbívoros no período hibernal, ainda proporcionam a deposição de palhada residual para o sistema de plantio direto. 16
  17. 17. Referências • ALONSO, J. L.; VALENCIAGA N. V.; SAMPAIO, R. A. et al. Diversidade zoológica asociada a un silvopastoreo leucaena-guinea con diferentes edades de establecimiento. Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 42, n. 12, p. 1667-1674, 2007. • COSTA, V. G.; ROCHA, M. G.; PÖTTER, L. et al. Comportamento de pastejo e ingestão de forragem por novilhas de corte em pastagens de milheto e papua. Revista Brasileira de Zootecnia, v.40, n.2, p.251-259, 2011. • LIMA, E. S.; DEMINICIS, B. B. Produção e composição química de cultivares de capim-elefante. PUBVET, v.2, n.14, 2008. • SKONIESKI, F. T.; VIÉGAS, J. , BERMUDES, R. F. et al. Composição botânica e estrutural e valor nutricional de pastagens de azevém consorciadas. Revista Brasileira de Zootecnia., v.40, n.3, p.550-556, 2011. 17
  18. 18. Muito Obrigada!! 18

×