IMPACTO DA TECNOLOGIA RSS NOS SERVIÇOS DE DISSEMINAÇÃO DE INFORMAÇÃO Autores: Robson L. Almeida Miguel A. M. Arellano Inst...
Estrutura do Trabalho <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Paradigma da Web 2.0 nos Serviços de Informação </li></ul><ul><...
Introdução <ul><li>Mudanças verificadas nos serviços de disseminação de informação </li></ul><ul><li>Papel da tecnologia d...
Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>O termo Web 2.0 foi inicialmente utilizado por Tim O´Reilly, em 2004, para desc...
Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>A idéia também pode ser verificada com a proliferação de sistemas capazes de ge...
Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>Lidar com este tipo de conteúdo sob a perspectiva de um modelo colaborativo pro...
Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>A teoria de uma Biblioteca 2.0, segundo Mannes (2007), deve considerar quatro e...
Disseminação Seletiva e Web Syndication <ul><li>Como serviço de referência, o objetivo de um DSI é reunir a literatura cor...
Disseminação Seletiva e Web Syndication <ul><li>Esta nova concepção parece estar contemplada pelo conceito de sindicação d...
Formato RSS <ul><li>RSS é o acrônimo de: </li></ul><ul><ul><li>Really Simple Syndication (RSS 2.0) </li></ul></ul><ul><ul>...
Formato RSS <ul><li>Por meio da  tecnologia RSS é possível “assinar” canais ( feeds ) de informações de acordo com sua pre...
Acesso a conteúdos Web
Acesso a conteúdos Web com RSS sítios diversos blogs agregador de conteúdo
Uso de RSS pelos profissionais de Informação <ul><li>No âmbito da Biblioteca 2.0, o desafio para os profissionais de infor...
Canais RSS em Bibliotecas
Canais RSS em Bibliotecas
Uso de RSS pelos profissionais de Informação <ul><li>Outra aplicação possibilitada pelo uso de RSS é a republicação de con...
Uso de RSS pelos profissionais de Informação
Conclusões <ul><li>O uso intensivo das tecnologias de informação e comunicação nos serviços de disseminação promovidos pel...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

RSS - Cinform 2008

1.320 visualizações

Publicada em

Apresentação do Trabalho do Robson Almeida e Miguel A. Márdero Arellano no VIII CINFORM, Salvador Bahia, UFBA, 2008

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Anotações
  • RSS - Cinform 2008

    1. 1. IMPACTO DA TECNOLOGIA RSS NOS SERVIÇOS DE DISSEMINAÇÃO DE INFORMAÇÃO Autores: Robson L. Almeida Miguel A. M. Arellano Instituto Brasileiro de Informação em Ciência e Tecnologia
    2. 2. Estrutura do Trabalho <ul><li>Introdução </li></ul><ul><li>Paradigma da Web 2.0 nos Serviços de Informação </li></ul><ul><li>Da Disseminação Seletiva à Web Syndication </li></ul><ul><li>Uso de RSS pelos profissionais de Informação </li></ul><ul><li>Conclusões </li></ul>
    3. 3. Introdução <ul><li>Mudanças verificadas nos serviços de disseminação de informação </li></ul><ul><li>Papel da tecnologia de Informação </li></ul><ul><li>Necessidade de mecanismos capazes de filtrar informação </li></ul><ul><li>Surgimento de tecnologias emergentes, como RSS </li></ul><ul><li>Potencial das aplicações Web 2.0 visando a promoção de serviços de referência </li></ul><ul><li>Importância do profissional de informação </li></ul>
    4. 4. Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>O termo Web 2.0 foi inicialmente utilizado por Tim O´Reilly, em 2004, para descrever as tendências econômicas, sociais e tecnológicas que, juntas, contribuíram para formar uma nova geração de aplicações e serviços da Internet </li></ul><ul><li>Não existe uma única definição para a Web 2.0, mas é possível determinar alguns de seus elementos-chave: </li></ul><ul><ul><li>a) tanto o autor como o usuário são responsáveis pela criação de novos conteúdos; </li></ul></ul><ul><ul><li>b) a Web passa a existir como plataforma de serviço e não como produto e </li></ul></ul><ul><ul><li>c) a comunicação acontece de modo síncrono, ou seja, em tempo real entre os indivíduos. </li></ul></ul>
    5. 5. Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>A idéia também pode ser verificada com a proliferação de sistemas capazes de gerenciar conteúdos digitais com o intuito de compartilhar informação que, neste contexto, pode ser entendida tanto como um recurso lógico (texto, imagem, áudio e vídeo), viabilizado por aplicações consagradas </li></ul>
    6. 6. Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>Lidar com este tipo de conteúdo sob a perspectiva de um modelo colaborativo propicia estimulantes oportunidades para a criação de novos serviços de informação. </li></ul><ul><li>Do debate entre as comunidades virtuais de blogueiros surgiu o conceito de uma Biblioteca 2.0, que é definida como sendo: </li></ul><ul><ul><li>“ a aplicação de integração, colaboração e tecnologias multimídia baseadas em Web para serviços e coleções de bibliotecas baseados em Web”. (MANNES, 2007) </li></ul></ul>
    7. 7. Web 2.0 nos serviços de Informação <ul><li>A teoria de uma Biblioteca 2.0, segundo Mannes (2007), deve considerar quatro elementos essenciais: </li></ul><ul><ul><ul><li>ser centrada no usuário </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>a possibilidade de oferecer uma experiência multimídia </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ser socialmente rica </li></ul></ul></ul><ul><ul><ul><li>ser comunitariamente inovadora </li></ul></ul></ul>
    8. 8. Disseminação Seletiva e Web Syndication <ul><li>Como serviço de referência, o objetivo de um DSI é reunir a literatura corrente sobre determinado tópico e anunciá-la seletivamente para uma comunidade de usuários </li></ul><ul><li>Com o desenvolvimento da Ciência da Informação, na metade do século XX, os serviços DSI foram inseridos nas atividades bibliotecárias automatizadas e transferidos mais tarde para os sistemas em linha </li></ul><ul><li>Após o advento da Web, nos anos 90, verificou-se um aumento crescente e desordenado de conteúdos despejados na Internet, os quais não encontram mais limites nos suportes digitais. </li></ul><ul><li>Neste cenário, porém, o conceito de DSI deveria ser compreendido de uma maneira mais ampla, indo além de um filtro de informação geralmente intermediado por um profissional de informação. </li></ul>
    9. 9. Disseminação Seletiva e Web Syndication <ul><li>Esta nova concepção parece estar contemplada pelo conceito de sindicação de conteúdos Web ( Web syndication ). Este pode ser entendido como De forma resumida, pode ser entendido como a atividade de coleta e replicação de conteúdos dinâmicos em ambientes digitais, promovendo a troca regular de informação atualizada entre diferentes páginas Web </li></ul><ul><li>Ao contrário dos serviços tradicionais de DSI, o foco da Web syndication está voltado totalmente para o usuário. Ele próprio escolhe suas fontes e determina o modo com que vai receber as informações de seu interesse </li></ul><ul><li>o conceito de sindicação para o ambiente Web vem se popularizando devido à rápida difusão da tecnologia RSS. </li></ul>
    10. 10. Formato RSS <ul><li>RSS é o acrônimo de: </li></ul><ul><ul><li>Really Simple Syndication (RSS 2.0) </li></ul></ul><ul><ul><li>Rich Site Summary (RSS 0.91 e RSS 1.0) </li></ul></ul><ul><ul><li>RDF Site Summary (RSS 0.9 e 1.0) </li></ul></ul><ul><li>RSS é um vocabulário baseado na linguagem XML (E X tensible M arkup L anguage) que serve para agregar conteúdos ( syndication ) dispersos na Web. </li></ul><ul><li>RSS é utilizado principalmente em sítios com atualização constante, como portais de notícias e blogs. </li></ul>
    11. 11. Formato RSS <ul><li>Por meio da tecnologia RSS é possível “assinar” canais ( feeds ) de informações de acordo com sua preferência. Dessa maneira o usuário pode permanecer informado das diversas atualizações em seus sítios preferidos sem precisar visitá-los um por um. </li></ul><ul><li>Os feeds RSS normalmente oferecem um resumo de um determinado conteúdo juntamente com os links para as versões completas do texto do documento. </li></ul><ul><li>Um tipo de programa conhecido como leitor de RSS ou “agregador de conteúdo” verifica as páginas habilitadas (assinadas) e informa as atualizações do sítio. </li></ul>
    12. 12. Acesso a conteúdos Web
    13. 13. Acesso a conteúdos Web com RSS sítios diversos blogs agregador de conteúdo
    14. 14. Uso de RSS pelos profissionais de Informação <ul><li>No âmbito da Biblioteca 2.0, o desafio para os profissionais de informação reside no aproveitamento das tecnologias Web 2.0, principalmente quanto ao aspecto da interatividade, para aproximação com seus usuários </li></ul><ul><li>O uso de RSS pelos bibliotecários serve como instrumento valioso para que estes estejam sempre bem informados, mas, sobretudo, propicia melhores condições para o atendimento da demanda, cada vez mais especializada </li></ul><ul><li>Tais inovações já são percebidas no cotidiano dos centros de referência. Boa parte das bibliotecas estrangeiras está criando canais RSS para informar seus usuários sobre novos itens incorporados às suas coleções. </li></ul>
    15. 15. Canais RSS em Bibliotecas
    16. 16. Canais RSS em Bibliotecas
    17. 17. Uso de RSS pelos profissionais de Informação <ul><li>Outra aplicação possibilitada pelo uso de RSS é a republicação de conteúdos originados por outras fontes nas páginas da biblioteca ou serviços de informação </li></ul><ul><li>Varnum (2006) mantém um blog dedicado a informar os bibliotecários sobre maneiras inovadoras para utilização de RSS. Outra fonte especializada neste tipo de informação é o wiki da Associação Espanhola de Documentação e Informação (SEDIC), que mantém, ainda, uma comunidade de prática dedicada aos tópicos da Web social para profissionais de informação. </li></ul>
    18. 18. Uso de RSS pelos profissionais de Informação
    19. 19. Conclusões <ul><li>O uso intensivo das tecnologias de informação e comunicação nos serviços de disseminação promovidos pelas bibliotecas e centros de informação tem impulsionado o surgimento de novas práticas e a reestruturação das tarefas tradicionais nessas instituições. </li></ul><ul><li>Para os usuários, a adoção de tecnologias como a RSS possibilita o acesso a fontes de informação reconhecidas pelos profissionais da informação como relevantes e confiáveis na sua disponibilidade de recuperação simultânea. </li></ul>

    ×