EDUCAÇÃO NO   BRASIL       UM PANORAMA GERAL SOBRE         A CADEIA EDUCACIONAL WORKSHOP I ::   MERCADO PÚBLICO E PRIVADO
FUNDAMENTO DOS WORKSHOPS     Compartilhamento estruturado de informações relevantes sobre o Mercadoeducacional brasileiro,...
AGENDA DOS WORKSHOPS1.   Mercado Público e Privado2.   Tecnologias Aplicadas à Educação3.   Tendências do Mercado Educacio...
WORKSHOP1           MERCADO           PÚBLICO E            PRIVADO
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
UNDAMENTO
GARANTIA NA LEISegundo a LDB, o sistema educacional tem o papel dedar a "garantia de padrão de qualidade“. Não importa se ...
FUNDAMENTO   A educação nasce quando se transmite e se assegura asoutras pessoas o conhecimento de crenças, técnicas e háb...
CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃONo Gasto Público Social                           educação               cada                     ...
GASTOS PRIVADOS COM EDUCAÇÃOBaseado no POF, Pesquisas de Orçamentos Familiares/IBGE                  1,3%                 ...
FUNDAMENTO      Em uma visão funcionalista, a educação nassociedades tem a tarefa de mostrar que os interesses  individuai...
GASTOS PRIVADOS COM EDUCAÇÃODas Famílias (CPP, Insper)                                                                  Li...
ALFABETIZAÇÃOAs taxas médias de alfabetização do Brasil no período de 2000 a 2004 foram de 89%  entre a população adulta (...
ANALFABETISMO FUNCIONAL    ~32%                    15         IDADE                                       64     Da Popula...
DIMINUIÇÃO DE MATRÍCULAS   ~14%          ~10%    Jovens e     Adultos       Pré-    ~9%                           Ensino  ...
FUNDAMENTO | EDUCAÇÃO ESCOLARNÍVEIS E MODALIDADES
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
NSINO BÁSIC
ENSINO BÁSICO  O Brasil é o maior mercado de EnsinoBásico da América Latina, com cerca de 58     milhões de alunos matricu...
AUMENTO DE MATRÍCULAS    ~30%                ~17%        Creche                         Educação                        Pr...
ENSINO BÁSICO A rede pública de ensino concentra     cerca de 87% das matrículas
MATRÍCULAS 98%         7/14 anos no ensino                fundamental 82%           15/17 anos no                ensino mé...
EDUCAÇÃO BÁSICA - COBERTURA    A taxa de atendimento escolar, que consiste no percentual da população quese encontra matri...
~82%VISÃO DO ALUNO PARA SUA REPETÊNCIA                            Ensino Fundamental                 Culpa própria    ~5% ...
VISÃO DOS PAIS CULPANDO SEUS FILHOS ~63%                      Pela Repetência de Ano                   Escolas Municipais ...
EDUCAÇÃO BÁSICA – CUSTO POR ALUNORP            Em 22 Estados está abaixo           do mínimo estipulado para    R$        ...
ENSINO FUNDAMENTAL PRIVADO   7,1          Milhões de alunos  30%         Têm aulas por meio de                sistemas de ...
ENSINO FUNDAMENTAL PÚBLICO 25,0MUNICIPAL                Milhões de alunos   5%         Têm aulas por meio de              ...
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
NSINO MÉDI
ANALFABETISMO FUNCIONAL | ENSINO MÉDIO    ~53%                ~47%   Permanecem     no Nível         Atingem o grau      B...
ANALFABETISMO FUNCIONAL | ENSINO                72MÉDIO         em cada 100 brasileiros entre 15 a         19 anos não est...
EVASÃO ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO               Três vezes maior do13,2%            que a do ensino                  fundamen...
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
SINO SUPERIO
BUSCA NO EXTERIOR   75.000    Bolsas de        Atualmente                     são apenas   intercâmbio até        2014    ...
ENSINO SUPERIOROpções decursos em                  3.500  2000                     Em 2011  364             já ultrapassam
CRESCIMENTO DAS IES  Número de IES          Matrículas                  220%                275%   14%                   7...
ENSINO SUPERIOR   Apenas 11,3% da população entre 18 e 24 anos estava matriculada em IES                                  ...
ENSINO SUPERIOR PRIVADO
ENSINO SUPERIOR PÚBLICO E PRIVADO                       Centros Universitários                                            ...
IES      Dados: 2007
UNIVERSITÁRIOS
ENSINO TECNOLÓGICO     ~40%                        Cursos                     tecnológicos                     no universo...
QUADRO ATUAL DO ENSINO SUPERIORParticipação dos     AlunosCrescimento nos Últimos 4 anos                   No começo da dé...
ENSINO SUPERIOR NA ALFrequência dos jovens em idade de cursar                ARGENTINA                                    ...
NOMES DO MERCADO EDUCACIONAL
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
EAD
PERCENTUAIS QUALITATIVOS,CRESCIMENTO EADPeríodo 2000 a 2006                                                               ...
GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA |CREDENCIADOS MEC    Mercado global de e-learning movimenta cerca de US$ 52 bilhões, crescimento méd...
GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA |CREDENCIADOS MEC    ~350 Cursos                                       x                            ...
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
CURSOS LIVRES
CURSOS LIVRES                                  2000                                  >35 anos                             ...
CURSOS LIVRES29              Idade média de quem            procura cursos de pequena             duração. Tipicamente já ...
•   FUNDAMENTOSA   •   ENSINO BÁSICOG   •   ENSINO MÉDIOE   •   ENSINO SUPERIOR    •   EADN   •   CURSOS LIVRESD   •   CON...
ONSIDERAÇÕE
SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES                                       1/5     MACROECONOMIA MUNDIAL      viés de alta...
SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES                                        2/5           QUESTÕES SETORIAIS Movimento de ...
SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES                                            3/5   GESTÃO DO NEGÓCIO EDUCACIONAL   Gran...
SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES                                                     4/5           LÓGICA DE NEGÓCIOS ...
SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES                                           5/5           CUSTO/BENEFÍCIO    Adquirir u...
SETOR EDUCACIONAL – NEGÓCIOS2011/12                                               R$                                      ...
TENDÊNCIAS  Ofertar o aprendizado virtual paraagregar mais estudantes é uma via sem                 volta
CONCLUSÃO | A NOVA SOCIEDADEInteressa mais quem é capaz de aprender rapidamente como se resolve uma dadasituação ou proble...
CONCLUSÃO | A NOVA SOCIEDADEAprender a aprender nos possibilita obtera capacidade de agir eficazmente em um     determinad...
CONCLUSÃO | A NOVA SOCIEDADE• Mudança do foco no ensino para o foco na aprendizagem.• Aprendizagem centrada no estudante e...
É possível interpretar os números de mercado            sob duas óticas:EM RESUMO   1- MAIS CONSERVADORA, que nos mostra a...
EDUCAÇÃO NO BRASILUM PANORAMA GERAL SOBRE A CADEIA EDUCACIONAL
GIANCARLO COLOMBOhttp://about.me/giancarlocolombo                                   1990   2000   2010em atividade
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

ABED - Workshop (1 de 6) Mercado Público e Privado - Educação

1.091 visualizações

Publicada em

Apresentação de Workshop sobre Educação (wide mode)

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.091
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
31
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • (fonte: “Global Education Digest 2006” elaborado pela UNESCO)
  • http://escoladegestores.mec.gov.br/site/4-sala_politica_gestao_escolar/pdf/saibamais_9.pdf
  • de acordo com o relatório Indicadores Estadísticos del Sistema del Mercosur. (http://www.kroton.com.br/ - ensino no brasil)
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/04/menos-vagas.html
  • segundo o Censo Escolar de 2006 do INEP. (http://www.kroton.com.br/ - ensino no brasil)
  • Os dados são da Organização das Nações Unidas para a Infância (Unicef), e se referem ao ano de 2007, o que significa que a taxa de reprovação no ensino médio brasileiro dobrou em relação aos 6,3% verificados em 1998. A taxa de reprovação no ensino médio chega a 12,7%
  • http://vouleragora.blogspot.com/2008/10/ensino-e-sade-crescem-mas-falta.html
  • “ Quem coloca seus filhos em escolas particulares (12% do total das matrículas da educação básica) comete um grave equívoco: acredita que essas escolas são boas apenas porque são melhores do que as escolas públicas. Assim, despreocupa-se da educação dos filhos e da qualidade da escola pública” Quando se fala em educação no Brasil, algo não faz sentido. Todos exaltam o benefício da educação e apontam-na como a solução de nossos problemas. Todos parecem engajados em sua melhoria. Apesar desse consenso e da boa vontade, nossas escolas patinam, e sua qualidade só tem decaído. Para explicar essa curiosa dissonância, era comum ouvir, dez anos atrás, a ideia de que nosso fracasso na área se devia à falta de “vontade política” de nossos governantes, ou ainda ao complô das elites pela alienação do proletariado, ou, finalmente, às imposições do Fundo Monetário Internacional (FMI), que supostamente exigia o corte de gastos na educação em seus acordos com o país. De lá para cá, os dotados de “vontade política” chegaram ao poder, as elites de antanho deram lugar à república dos sindicalistas e o Brasil já não precisa mais da tutela do FMI, ao qual não deve nada. Mas a melhora esperada não veio. O resultado do Sistema de Avaliação da Educação Básica (Saeb) de 2005 é mais baixo que o de 1995. Apesar disso, o discurso da área educacional continua o mesmo. Será que eles estão certos, e que há um complô tão poderoso a favor da nossa ignorância que nem os próprios atores da nossa tragédia percebem a sua insignificância? Estariam as “forças ocultas” de Jânio Quadros rondando novamente os palácios, de onde talvez jamais tenham saído? Ou será que nosso atraso é mais compreensível à luz de uma análise racional dos envolvidos na área, presumindo-se que eles agem de maneira lógica e maldosa? Creio que a segunda hipótese é a mais provável: nossa inércia é compreensível se entendemos a economia política dos grupos envolvidos. Comecemos pelos alunos. Eles aprendem muito pouco, e são os maiores interessados em seu próprio sucesso acadêmico. Por que não protestam? Há, em primeiro lugar, a questão etária: não é possível imaginar que crianças de 10 ou 12 anos se mobilizem em passeata pública por um ensino de melhor qualidade. Quando os alunos se dão conta das deficiências do seu ensino, costuma já ser tarde demais, e a própria carência educacional dificulta a reclamação: é improvável que um semiletrado escreva um artigo cativante ou uma carta pungente ao seu congressista. Em segundo lugar, os alunos são condicionados pelo seu sistema de ensino a acreditar que o culpado pelo insucesso do aluno é ele mesmo. Nessa missão, seus mestres são extremamente efetivos: em pesquisa recente da Unesco, 82% dos alunos ouvidos dizem que, se o aluno não passa de ano, a culpa é sua, muito mais que da escola (mencionada por apenas 5%) ou dos professores (3,7%). Para piorar, os próprios pais culpam o filho pelo insucesso na escola: pesquisa publicada no livro A Escola Vista por Dentro indica que 63% dos pais da escola municipal e 54% dos da estadual culpam o filho por sua repetência.Cercados por esse mar de desconfiança e assolados pelo próprio desconhecimento, os alunos protestam mais com os pés que com a cabeça: quando entendem que a escola lhes consome muito tempo sem dar muito em troca, abandonam-na. O próximo grupo de interessados pela educação é o dos pais dos alunos. Por que eles aceitam bovinamente uma péssima educação para seus filhos? Aqui devemos dividir esse universo em dois: há o grupo de classe média e alta, que coloca os filhos em escola particular, e o restante da população, que usa a escola pública. Quem coloca seus filhos em escolas particulares (12% do total das matrículas da educação básica) comete um grave equívoco: acredita que essas escolas são boas apenas porque são melhores que as escolas públicas. Assim, despreocupa-se da educação dos filhos e da qualidade da escola pública. O problema é que a escola particular é também muito ruim – basta ver os resultados dos alunos de alto nível socioeconômico em testes internacionais como o Pisa, em que nossos alunos ricos têm desempenho pior que o dos alunos mais pobres dos países desenvolvidos. E o segundo problema é que, como a escola pública forma, via de regra, os professores da escola particular, enquanto não melhorarmos todo o sistema, não teremos educação de qualidade para ninguém. Mas os pais das escolas particulares não entendem isso; afastam-se da questão educacional por acreditar que essa problemática não os afeta. Esperar-se-ia, porém, que os pais de alunos da escola pública (os outros 88% das matrículas) estivessem profundamente descontentes com a educação dos filhos e bradando por sua melhoria. Mas não estão: as pesquisas apontam que, pelo contrário, estão satisfeitos com a escola das crianças. Essa visão não é causada por preguiça ou desinteresse, mas por despreparo. Pesquisa do Inep mostrou que quase 60% dos pais do ensino público não completaram nem o ensino fundamental, 73% têm renda inferior a três salários mínimos, três quartos nunca ou raramente leem jornal. Pesquisas qualitativas mostram que esse pai compara a escola da sua época – em que faltava vaga, não havia merenda nem transporte – com a escola do filho. Vendo todas as benesses materiais que o filho recebe, associa-as a uma educação de boa qualidade. Reclama quando o professor falta à aula, mas é só. Se o pai acha a escola boa e o filho vai mal, então é natural que o pai culpe o filho e exima a escola, perpetuando o sistema roto. Depois dos pais, temos os diretores escolares. Destes, segundo o MEC, 60% são indicados pelo Poder Executivo de sua cidade ou estado. Menos de 10% são concursados, outros 19,5% são eleitos. É provável que a maioria, indicada por políticos, não esteja disposta a bancar grandes revoluções em suas escolas, que poderiam levar à sua destituição – especialmente se prescrevessem aos seus professores as medidas impopulares que estão associadas ao melhor desempenho acadêmico, como uso constante de dever de casa, avaliação de alunos, redução do absenteísmo docente, uso intensivo de material didático e utilização do tempo de aula para tarefas expositivas, e não cópia do quadro-negro ou realização de exercícios. A maioria dos diretores é composta de ex-professores, o que reforça o corporativismo, e não há no Brasil instituições de ensino que preparem uma pessoa para o ofício de diretor escolar, de forma que mesmo os diretores bem-intencionados são frequentemente despreparados. Vejamos o professor. Por que ele não produz uma educação de melhor qualidade? Em primeiro lugar, porque não consegue. O professor brasileiro tem uma péssima formação e não é preparado para encarar uma sala de aula do Brasil real, especialmente em áreas de vulnerabilidade social. Em segundo lugar, porque é tomado por um viés ideológico que torna o sucesso acadêmico insignificante. Em pesquisa da Unesco, só 8,9% dos professores indicaram “proporcionar conhecimentos básicos” como uma das finalidades importantes da educação. “Formar cidadãos conscientes” ficou com 72,2% das preferências. Confrontados com o seu fracasso, então, nossos professores têm duas respostas-padrão: ou culpam o aluno e seus pais, ou culpam a visão neoliberal e reducionista de quem reclama da escola que forma analfabetos, porque a educação “é muito mais do que isso”. Finalmente, chegamos à última peça dessa engrenagem, aquela que é paga e eleita para administrar o sistema e zelar pelo bem comum: os políticos. Se o político for desonesto, a educação será um ótimo lugar para tirar dinheiro: não só concentra uma parte grande do orçamento (no mínimo 25%) como ainda é cheia de transferências do governo federal. Tem uma grande vantagem: se o sujeito rouba da saúde e faltam remédios ou médicos, a população chia; se rouba dos transportes e faltam ônibus, os eleitores reclamam; se rouba da educação e os alunos não aprendem, ninguém se importa. Mas, mesmo que o político seja honesto e comprometido com o progresso da sua região, é confrontado com uma decisão indigesta: se ele quiser mesmo reformar seu sistema educacional, terá de parar de investir em merenda ou em prédios e investir na formação de diretores e professores, terá de cobrar o seu desempenho, terá de mobilizar pais e alunos, terá de remanejar professores e funcionários incompetentes. Tudo isso causa desconforto. Se a experiência de estados reformistas na área, como São Paulo, Rio Grande do Sul, Minas Gerais ou Sergipe, servir de exemplo, o descontentamento descambará em greve. Os professores são uma das categorias profissionais mais numerosas e vocais em suas reclamações. Os beneficiários dessas reformas mal sabem que têm um problema e, portanto, não reconhecerão a melhoria. Se tiverem de deixar de trabalhar para cuidar dos filhos sem aula por causa da greve, perigam ser contrários às reformas. O lógico, nesse caso, para os políticos, é fazer o quê? Exatamente: nada. Assim vamos ficando, ano a ano, mais ignorantes e despreparados. Revista “Veja”, Falência educacional: complô ou lógica, por Gustavo Ioschpe, 20jan2011
  • O valor mínimo do estudante da escola pública será R$ 1.722,05, segundo a portaria interministerial 1.459 de 30 de dezembro de 2010. A cifra é base para a distribuição de recursos pelo MEC (Ministério da Educação), por meio do Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos  Profissionais da Educação). (Uol Educação, http://educacao.uol.com.br/ultnot/2011/01/10/mesmo-com-aumento-valor-investido-por-aluno-da-rede-publica-fica-abaixo-do-custo-minimo-de-qualidade-em-22-estados.jhtm)
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/09/seb-compra-pueri-domus-por-r-41-milhoes.html Nas escolas públicas, os números são ainda mais expressivos. Segundo o diretor da SEB, somente 5% de um total de 25 milhões de alunos de escolas municipais têm aulas com apostilas.
  • Apenas 47% dos que cursaram o Ensino Médio atingem o pleno nível de alfabetismo, esperado para o grau de escolaidade. Outros 43% permanecem no nível básico. http://www.slideshare.net/uchoaespindolamarisa/educao-no-brasil-e-ead
  • http://vouleragora.blogspot.com/2008/11/educao-e-o-preparo-profissional-no.html
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/09/o-naufragio-do-ensino-medio.html
  • A presidente Dilma Rousseff anunciou que o governo federal tem a "disposição" de conceder 75 mil bolsas de estudo no exterior para estudantes brasileiros até 2014. O número representa um aumento significativo. Atualmente, de acordo com o ministro Fernando Haddad (Educação), são oferecidas cerca de 6.000 bolsas para o exterior por ano. Sem entrar em detalhes, Dilma afirmou que a prioridade será para cursos na área de ciências exatas. Também poderão ser beneficiados estudantes que queiram fazer uma parte da graduação no exterior. Essa foi uma das prioridades sugeridas pelo Ministério da Educação à presidente, que tomará a decisão final sobre a destinação das bolsas. A ideia do MEC é que o aluno de graduação, quando volta, agrega a experiência no exterior ao seu curso no Brasil, enriquecendo as aulas. (Folha Saber, http://www1.folha.uol.com.br/saber/907429-dilma-anuncia-75-mil-bolsas-de-intercambio-para-estudantes.shtml)
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/09/cursos-de-curta-duracao.html
  • No quatriênio – 2002-2006 – o ritmo de crescimento de IES foi menor – 38,7%. Entretanto, em lugar do decréscimo verificado no octênio anterior, houve um aumento de 27% das IES públicas, ainda assim abaixo da média e insuficiente para ombrear-se com o crescimento das IES privadas que foi de 40,2%. Ainda neste quatriênio, com um ritmo de crescimento também menor das matrículas do que no subperíodo anterior – 34,3% –, a desproporção no crescimento entre matrículas públicas e privadas foi quase idêntica à do octênio 1994-2002: 15% públicas e 42,6% privadas. Isto fez com que a proporção público-privado, nas matrículas, avançasse ainda mais na mesma direção anterior: 25,8% públicas e 74,2% privadas. Finalmente, verifica-se que mais do que o crescimento desproporcional do número de IES no período 1994-2006 – 13,7% públicas para 219,4% privadas – chama a atenção o processo de privatização das matrículas: em 12 anos, as públicas cresceram 75% contra 275,2% das privadas. Pag 9-10; http://docs.google.com/viewer?url=http://www.scielo.br/pdf/es/v29n105/v29n105a04.pdf&pli=1
  • Fonte: MEC
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/03/as-50-maiores-ies-no-brasil.html
  • O maior número de faculdades e de centros universitário está vinculado ao setor privado – 92,5% e 96,7%, respectivamente. Já as universidades, de acordo com a sinopse, estão distribuídas “em proporção aproximada” de 52,5% para o setor público e de 47,5% para o privado. E, paralelamente, as instituições privadas de ensino superior têm, proporcionalmente, menos estudantes concluindo seus cursos: apenas 55,4% do total. A taxa de conclusão mais alta é das universidades federais, com 72,6%. http://vouleragora.blogspot.com/2009/03/as-50-maiores-ies-no-brasil.html
  • Em 2006, o número de IES no país era de 2.270, dos quais então somente 248 ou 11% eram públicas; 439 ou 19% eram privadas; e 1.583 ou 70% eram particulares ou privado/mercantis.
  • O censo revela que o país tinha 4.880.381 universitários em 2007. Desse total, o setor privado respondia por 3.639.413 matrículas (74,57% do total), ante 615.542 nas federais (12,61%), 482.814 nas estaduais (9,9%) e 142.612 nas municipais (2,92%)
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/09/cursos-de-curta-duracao.html
  • Os últimos anos foram marcados por um significativo aumento da inclusão social promovida pelo setor privado de ENSINO SUPERIOR. Assumindo a função que o setor público se mostrou incapaz de atender, as instituições de ENSINO SUPERIOR privadas são responsáveis pela matrícula de mais de dois terços de todos os alunos pertencentes às classes C e D no ENSINO SUPERIOR brasileiro. No início dos anos 1990, somente a elite socioeconômica chegava ao ENSINO SUPERIOR (as classes A e B representavam 92% de todo o alunado do setor). Atualmente, a classe A representa 23,3% do alunado do ENSINO SUPERIOR privado no Brasil, mas já parou de crescer há quatro anos. A classe B, com 48,7% do total, continua a maior representante do ENSINO SUPERIOR privado, mas apresenta crescimento de 29,3% nos últimos quatro anos, bem inferior ao crescimento da classe C, que evoluiu 53% no mesmo período. Hoje a classe C já representa 22,1% do alunado do ENSINO SUPERIOR privado. A classe D continua com uma parcela ainda pequena, de 4,6%, mas com crescimento de 95,3% nos últimos quatro anos. Se as taxas de crescimento forem mantidas na mesma proporção, em 2012 teremos mais pessoas das classes C e D no ENSINO SUPERIOR privado do que das classes A e B. O fenômeno do crescimento das faixas de menor renda já impacta no modelo de negócios das instituições de ensino. As faculdades e universidades que possuem valores de mensalidades mais baixos apresentam taxas de crescimento bem superiores às das instituições com mensalidades maiores. Instituições de ensino que cobram mensalidades abaixo de R$ 450 cresceram 76% nos últimos quatro anos. Em contrapartida, as instituições que cobram mensalidade superior a R$ 600 cresceram apenas 12% no mesmo período. Mais de 1,5 milhão de alunos com renda familiar inferior a 5 salários mínimos estudam no ENSINO SUPERIOR atualmente, impondo modificações administrativas e acadêmicas em toda a estrutura do setor. Isso exige que as universidades adaptem suas estruturas de ensino e aprendizagem para agregar valor a pessoas que chegam do ENSINO MÉDIO, em sua maioria, semialfabetizadas, capazes de ler um texto, mas incapazes de interpretá-lo na mais simples acepção do termo. O crescimento do número de estudantes de baixa renda no ENSINO SUPERIOR era um fato já esperado por todos, devido aos seguintes fatores: (a) o valor médio das mensalidades no setor privado caiu muito de 1996 a 2009 (de R$ 840,00 para R$ 457,00, em valores já deflacionados); e (b) o governo criou o PROUNI, que vem beneficiando 100 mil estudantes por ano. No entanto, ainda temos uma demanda reprimida de mais de 1 milhão de jovens concluintes do ENSINO MÉDIO a cada ano que não possuem renda suficiente para cursar uma instituição privada. É possível interpretar os números relativos à renda do estudante brasileiro sob duas óticas. A primeira, mais conservadora, que nos mostra a queda no número de alunos de maior renda, diminuindo as oportunidades de expansão. A outra, mais empreendedora, nos mostra o enorme potencial de mercado para serviços educacionais de preço baixo. Por Ryon Braga, Hoper
  • Fonte: UNESCO
  • Dos cinco maiores grupos educacionais brasileiros, que juntos possuem 800 mil alunos, quatro deles são comandados por empresas do setor financeiro. Entre as 15 maiores empresas educacionais do país nove possuem um fundo ou banco de investimentos na sua estrutura de gestão e governança, ou 60% do total. Entre os cinco maiores grupos - Estácio, Unip, Anhanguera, Kroton e Laureate -  somente a Unip não tem a presença do setor financeiro na sua administração. A Estácio é administrada pelo fundo GP; a Anhanguera pelo banco Pátria; a Kroton pela Advent International, e a Laureate pelo fundo americano KKR. Além destes, vários outros fundos de investimentos estão presentes na educação brasileira, tais como Cartesian Group na Faculdade Maurício de Nassau, o Capital Group no Grupo Ibmec, o Fama na SEB (COC), o banco americano Best Associates (Texas) no Centro Universitário Jorge Amado, entre outros.
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/02/o-ensino-superior-no-brasil.html
  • Segundo Claudio Machado, diretor da Intervir, companhia especializada em soluções tecnológicas de e-learning, o ensino corporativo a distância foi inicialmente introduzido no Brasil por multinacionais que já utilizavam a ferramenta em suas matrizes. "Houve um grande impulso no final do governo Fernando Henrique Cardoso, quando o ensino a distância foi regulamentado pelo Ministério da Educação (MEC). Não há fontes precisas, mas estimo que o setor movimente cerca de R$ 525 milhões ao ano no Brasil", afirma. http://vouleragora.blogspot.com/2008/11/distncia-vencida.html
  • A maioria desses cursos tem por objetivo formar professores de português, matemática, biologia, história e geografia para as escolas públicas de ensino básico situadas em cidades distantes das capitais ou em zonas rurais. Em 2000, só havia 10 cursos de graduação a distância, com um total de 8 mil alunos. No início de 2008, estavam credenciados no MEC 349 cursos de graduação a distância. http://vouleragora.blogspot.com/2008/11/o-mec-e-o-ensino-distncia.html http://vouleragora.blogspot.com/2008/09/matrculas-aumentam-mesmo-com.html
  • Há 10 anos, predominavam nestes cursos pessoas mais velhas, acima de 35 anos, de classe social C ou D, sem diploma de curso superior. Atualmente, o segmento que mais cresce na procura destes cursos é o formado por pessoas de 25 a 45 anos, de classe social B e C, e com diploma de curso superior. Número de alunos de curso à distância cresce 62%. Os 2,4 milhões de matriculados, em 2006, passaram para 6,4 milhões, em 2009, segundo Inep. Com a internet as distâncias diminuíram. E, na mesma proporção que as informações passaram a circular com grande velocidade, o tempo passou a ser um dos bens mais escassos para o homem. Neste contexto, o aprendizado e o aperfeiçoamento profissional passaram a ter prioridade, ampliando o mercado para a educação à distância — cuja lembrança mais antiga para os brasileiros são os cursos do Instituto Universal, feito pelo correio, criados em 1930. Hoje essa modalidade se aplica tanto na formação acadêmica, com cursos formais sequênciados desde a eduação básica até a graduação e pós-graduação, licenciados pelo Ministério da Educação e Cultura (MEC), quanto a cursos de treinamento e aperfeiçoamento profissional, nos chamados cursos livres. Para se ter uma ideia deste mercado, em 2009 eram 6,4 milhões de alunos matriculados em cursos livres online e sequenciados no Brasil. Eram 2,4 milhões em 2006 — avanço de 62,5%. O número de instituições de ensino passou de 25, com a oferta de 46 cursos, em 2002, para 115, com a oferta de 647 cursos, em 2008, conforme os útimos dados  do Instituto Nacional de Ensino e Pesquisa (Inep) sobre o assunto. Segundo o ex-ministro da Educação, Carlos Alberto Chiarelli, atual presidente da Associação da Cadeia Produtiva de Educação à Distância, os últimos dados apontam para a movimentação de algo próximo a R$ 3 bilhões por ano. O ex-ministro lembra que apenas nos cursos superiores à distância há no Brasil atualmente 690 mil alunos. “Mas este número está estável há um bom tempo”, ressalta. “O crescimento deste mercado está diretamente associado com o avanço da tecnologia”, comenta Chiarelli.  Ele ressalta que é esse avanço tecnológico, por exemplo, associado a questão do tempo, que torna cada vez mais interessantes para as empresas atuarem com tutoriais (cursos) de ensino à distância para o treinamento de pessoal. A empresa curitibana Digital SK, que desenvolve soluções completas, abertas e integradas de e-learning para projetos de educação corporativa e acadêmica,  retrata bem esse mercado corporativo. Entre os clientes do grupo está a Electrolux. “Eles estão com um novo produto e querem uniformizar o discurso dos seus vendedores para vender este produto no mercado. Por isso, montamos um curso de treinamento voltado para a empresa”, conta José Eduardo Matte, diretor de negócios da empresa. Ele revela que este tipo de solução em forma de vídeo-aulas, chamadas de pílulas, tem 20 minutos e custam entre R$ 1.700 a R$ 6.800. A diferença de preços, segundo Matte, está associada ao número de recursos de mídia necessários para tornar a aula mais interessante. A Digital SK, apenas no primeiro semestre de ano,  registrou elevação de 70% no volume de vendas no primeiro semestre deste ano, além de 120% de aumento de projetos para clientes recorrentes. O motivo foi o aquecimento do mercado pela demanda reprimida no ano passado, em função da crise econômica, além de investimentos e esforços diretos da empresa.
  • http://vouleragora.blogspot.com/2009/09/cursos-de-curta-duracao.html
  • Negócios no setor de educação privada 2011 promete ser um ano de muitos negócios no setor de educação privada no Brasil. Esta expectativa apresenta fortes evidências. Primeiro a questão macroeconômica: há muito otimismo em relação à recuperação da economia mundial e de um crescimento maior do Brasil neste cenário. Segundo, as questões setoriais: (a) o movimento de consolidação na educação privada ainda tem muito espaço para crescer (os 12 consolidadores possuem 30% do mercado, mas podem e querem chegar a 50%), e dinheiro para isto não falta. Anhanguera, Estácio e Kroton (três das quatro empresas educacionais listadas na bolsa) possuem, juntas, mais de R$ 1 bilhão para investir em aquisições. Os demais grupos consolidadores juntos possuem também quase R$ 1 bilhão. Os fundos de private equity interessados em educação têm capacidade de investimento no setor na ordem de R$ 1,2 bilhão. Os grupos internacionais que tentam entrar no Brasil anunciam fôlego para investimentos na ordem de dois bilhões de reais. Com tudo isto fica fácil concluir que há mais dinheiro do que boas oportunidades de negócios. As grandes e tradicionais universidades brasileiras trazem consigo um conjunto enorme de problemas de gestão, de passivos e contingências tributárias e trabalhistas, sem falar no endividamento (presente em boa parte delas). Na maioria dos casos, o custo/benefício de adquirir uma instituição assim não é vantajoso, principalmente se o comprador tiver como sócio fundos de investimento, que precisam sair do investimento em curto período de tempo. O tempo necessário para se recuperar minimamente uma universidade nestas condições é de quatro a seis anos. O que os investidores financeiros não conseguiram ainda enxergar é que educação, ainda que possa ser um negócio muito lucrativo, não é como os demais setores da economia em que você investe (aporta capital), conserta (reestrutura a empresa) e vende com lucro dois ou três anos depois. Para "consertar" uma universidade em situação difícil leva, pelo menos, quatro a cinco anos. A Estácio é um bom exemplo disso. O GP (atual sócio-gestor da empresa), considerado um investidor com altíssima expertise em gestão, levou três anos para "arrumar" a casa e, levará outros três anos para colher os frutos disto. A lógica de negócios dos investidores financeiros, versus a situação atual das grandes instituições de ensino no Brasil é uma combinação que dificulta muito o fechamento de bons negócios. Há perspectiva e possibilidade de mais de 150 negócios de fusões e aquisições no setor educacional em 2011 e 2012, mas, se a lógica de investimento não for revista, talvez não se concretizem nem um terço disto. Quem não tem visão de longo prazo, de sustentabilidade e perenidade de uma empresa, não deve investir em educação. Se você olha apenas o aumento percentual da geração operacional de caixa a cada trimestre, escolha outro setor para investir. Por Ryon Braga, Hoper
  • Os 12 consolidadores possuem 30% do mercado, mas podem e querem chegar a 50%), e dinheiro para isto não falta. Anhanguera, Estácio e Kroton (três das quatro empresas educacionais listadas na bolsa) possuem, juntas, mais de R$ 1 bilhão para investir em aquisições. Os demais grupos consolidadores juntos possuem também quase R$ 1 bilhão. Os fundos de private equity interessados em educação têm capacidade de investimento no setor na ordem de R$ 1,2 bilhão. Os grupos internacionais que tentam entrar no Brasil anunciam fôlego para investimentos na ordem de dois bilhões de reais. Com tudo isto fica fácil concluir que há mais dinheiro do que boas oportunidades de negócios.
  • http://vouleragora.blogspot.com/2008/10/tecnologia-para-vencer-distncia.html
  • A Aprendizagem Superou o Ensino "Eu ensinei, não tenho culpa que ninguém aprendeu", disse-me recentemente um professor universitário que se orgulhava de ter reprovado 65% dos alunos da turma em sua disciplina. Respondi a ele, mesmo com o receio de ser mal interpretado, o seguinte: professor, com essa afirmação você torna público o quanto você ainda não compreende o novo momento em que vivemos na educação no Brasil e no mundo. Em última análise, o que interessa efetivamente é o quanto o aluno realmente aprendeu. O como ensinamos é apenas uma questão circunstancial que deve considerar o conteúdo, os diferentes estilos cognitivos dos estudantes e seu contexto. A responsabilidade do professor, portanto, não é com o ensino, mas sim com a aprendizagem. Por mais simples e óbvio que isto possa parecer, este pensamento ainda não se disseminou nos meios educacionais hodiernos. No passado recente vivemos na sociedade da informação. Quem detinha mais e melhores informações tinha mais poder e, o papel do professor como um eficiente retransmissor de boas informações se justificava. Hoje vivemos na sociedade do conhecimento e o acesso à informação está praticamente universalizado. Retransmitir informações não é mais papel do professor. Já há quem faça melhor esta tarefa. Cabe agora ao educador, utilizar toda a sua experiência no trato com o conhecimento, para auxiliar seus pupilos a transformar informação em conhecimento; compreendê-lo em profundidade; aplicar este conhecimento na solução de problemas e transferi-lo para outras situações distintas. A educação formal vive nostálgica do "tempo da informação" e ainda nem sequer conseguiu introjetar o paradigma do conhecimento e já vem sendo "pressionada" pelo novo paradigma: o da aprendizagem. Nesta sociedade, interessa mais quem é capaz de aprender rapidamente como se resolve um dada situação ou problema, do que aquele que já sabe como resolver este mesmo problema, pois amanhã a questão será outra. Aprender a aprender nos possibilita obter a capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação. O advento da sociedade da aprendizagem trará para a educação alguns importantes novos elementos, entre eles: Mudança do foco no ensino para o foco na aprendizagem. Aprendizagem centrada no estudante e "individualizada", através do apoio da tecnologia da informação. Foco no resultado com controle de qualidade em todas as etapas do processo. Acompanhamento e orientação permanente do estudante. Autodidatismo exercido através de um conjunto de atividades opcionais e obrigatórias selecionadas em conjunto com o professor orientador. Estrutura com menos docentes, melhores docentes e com mais tempo de dedicação ao aprendizado. Professor posicionado como gestor do processo de aprendizagem do estudante. Portabilidade (o aluno deve ser o gestor do seu conjunto de competências adquiridas).
  • ABED - Workshop (1 de 6) Mercado Público e Privado - Educação

    1. 1. EDUCAÇÃO NO BRASIL UM PANORAMA GERAL SOBRE A CADEIA EDUCACIONAL WORKSHOP I :: MERCADO PÚBLICO E PRIVADO
    2. 2. FUNDAMENTO DOS WORKSHOPS Compartilhamento estruturado de informações relevantes sobre o Mercadoeducacional brasileiro, não ficando restrito ao ensino superior mas sim também ao fundamental e médio.
    3. 3. AGENDA DOS WORKSHOPS1. Mercado Público e Privado2. Tecnologias Aplicadas à Educação3. Tendências do Mercado Educacional4. Regulação e Políticas Públicas5. Noções de Modelagens de Negócios Educacionais
    4. 4. WORKSHOP1 MERCADO PÚBLICO E PRIVADO
    5. 5. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    6. 6. UNDAMENTO
    7. 7. GARANTIA NA LEISegundo a LDB, o sistema educacional tem o papel dedar a "garantia de padrão de qualidade“. Não importa se aluno está na escola pública ou particular, ambas têm o dever de oferecer condições reais deaprendizagem, principalmente a pública, pois abrange a maior parte da população. LDB LEI n.9294/ 96
    8. 8. FUNDAMENTO A educação nasce quando se transmite e se assegura asoutras pessoas o conhecimento de crenças, técnicas e hábitos que um grupo social já desenvolveu, a partir de suas experiências de sobrevivência. Neste sentido, pode-se afirmar que o nascimento daeducação surge quando o ser humano sente a necessidade de converter as suas práticas cotidianas ao seu semelhante. (Meksenas)
    9. 9. CONTRIBUIÇÃO DA EDUCAÇÃONo Gasto Público Social educação cada R$ 1,85 R$ 1,00 saúde gera R$ 1,70
    10. 10. GASTOS PRIVADOS COM EDUCAÇÃOBaseado no POF, Pesquisas de Orçamentos Familiares/IBGE 1,3% PIB TOTAL 2009 R$ 3,143 Trilhões R$ 41 Bilhões
    11. 11. FUNDAMENTO Em uma visão funcionalista, a educação nassociedades tem a tarefa de mostrar que os interesses individuais só se realizam plenamente através dos interesses sociais. Sendo assim, a educação ao socializar o indivíduo, mostra a este que sozinho, o ser humano não sobrevive, e que ele só pode desenvolver as suas potencialidades estando em contato com o meio social.
    12. 12. GASTOS PRIVADOS COM EDUCAÇÃODas Famílias (CPP, Insper) Livros Línguas Didáticos Estrangeiras Ensino Superior Ensino Básico Pós-graduação R$ 2Bi 6% 30% 35% R$ 1,8Bi R$10/ha/ano
    13. 13. ALFABETIZAÇÃOAs taxas médias de alfabetização do Brasil no período de 2000 a 2004 foram de 89% entre a população adulta (acima de 15 anos) e 97% entre a população jovem (de15 a 24 anos), acima da média mundial em ambos os casos.
    14. 14. ANALFABETISMO FUNCIONAL ~32% 15 IDADE 64 Da População 5o. Ano
    15. 15. DIMINUIÇÃO DE MATRÍCULAS ~14% ~10% Jovens e Adultos Pré- ~9% Ensino Escola Médio
    16. 16. FUNDAMENTO | EDUCAÇÃO ESCOLARNÍVEIS E MODALIDADES
    17. 17. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    18. 18. NSINO BÁSIC
    19. 19. ENSINO BÁSICO O Brasil é o maior mercado de EnsinoBásico da América Latina, com cerca de 58 milhões de alunos matriculados IE, Mercosur
    20. 20. AUMENTO DE MATRÍCULAS ~30% ~17% Creche Educação Profissional
    21. 21. ENSINO BÁSICO A rede pública de ensino concentra cerca de 87% das matrículas
    22. 22. MATRÍCULAS 98% 7/14 anos no ensino fundamental 82% 15/17 anos no ensino médio
    23. 23. EDUCAÇÃO BÁSICA - COBERTURA A taxa de atendimento escolar, que consiste no percentual da população quese encontra matriculada na escola, para as crianças com idade entre 7 e 14 anos, era de 80,9% em 1980. Em 2000, o índice já era de 96,4% INEP
    24. 24. ~82%VISÃO DO ALUNO PARA SUA REPETÊNCIA Ensino Fundamental Culpa própria ~5% Culpa da Escola ~4% Culpa do Professor
    25. 25. VISÃO DOS PAIS CULPANDO SEUS FILHOS ~63% Pela Repetência de Ano Escolas Municipais ~54% Escolas Estaduais
    26. 26. EDUCAÇÃO BÁSICA – CUSTO POR ALUNORP Em 22 Estados está abaixo do mínimo estipulado para R$ se ter educação com 1.722,05 qualidade, definido pelo CAQi (Custo Aluno Qualidade Inicial)
    27. 27. ENSINO FUNDAMENTAL PRIVADO 7,1 Milhões de alunos 30% Têm aulas por meio de sistemas de ensino
    28. 28. ENSINO FUNDAMENTAL PÚBLICO 25,0MUNICIPAL Milhões de alunos 5% Têm aulas por meio de sistemas de ensino
    29. 29. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    30. 30. NSINO MÉDI
    31. 31. ANALFABETISMO FUNCIONAL | ENSINO MÉDIO ~53% ~47% Permanecem no Nível Atingem o grau Básico esperado de escolaridade
    32. 32. ANALFABETISMO FUNCIONAL | ENSINO 72MÉDIO em cada 100 brasileiros entre 15 a 19 anos não estão preparados para conseguir uma boa colocação no mercado de trabalho
    33. 33. EVASÃO ESCOLAR NO ENSINO MÉDIO Três vezes maior do13,2% que a do ensino fundamental
    34. 34. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    35. 35. SINO SUPERIO
    36. 36. BUSCA NO EXTERIOR 75.000 Bolsas de Atualmente são apenas intercâmbio até 2014 6.000
    37. 37. ENSINO SUPERIOROpções decursos em 3.500 2000 Em 2011 364 já ultrapassam
    38. 38. CRESCIMENTO DAS IES Número de IES Matrículas 220% 275% 14% 75% 1994/2006
    39. 39. ENSINO SUPERIOR Apenas 11,3% da população entre 18 e 24 anos estava matriculada em IES MEC, 2005
    40. 40. ENSINO SUPERIOR PRIVADO
    41. 41. ENSINO SUPERIOR PÚBLICO E PRIVADO Centros Universitários ~53% UniversidadesFaculdades ~93% ~97% ~47% Privado Público
    42. 42. IES Dados: 2007
    43. 43. UNIVERSITÁRIOS
    44. 44. ENSINO TECNOLÓGICO ~40% Cursos tecnológicos no universo da graduação Em países desenvolvidos 16%
    45. 45. QUADRO ATUAL DO ENSINO SUPERIORParticipação dos AlunosCrescimento nos Últimos 4 anos No começo da década, 92% dos alunos eram da classe A/B
    46. 46. ENSINO SUPERIOR NA ALFrequência dos jovens em idade de cursar ARGENTINA 61% CHILE 43% BRASIL 20% Unesco
    47. 47. NOMES DO MERCADO EDUCACIONAL
    48. 48. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    49. 49. EAD
    50. 50. PERCENTUAIS QUALITATIVOS,CRESCIMENTO EADPeríodo 2000 a 2006 12.552% 12.192% 5.493% 5.277% 3.914% 3.380% CURSOS INGRESSANTES CANDIDATOSCONCLUINTESMATRÍCULAS VAGAS
    51. 51. GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA |CREDENCIADOS MEC Mercado global de e-learning movimenta cerca de US$ 52 bilhões, crescimento médio anual no mundo entre 15% e 30%. No Brasil, o crescimento é superior a 50% a.a. Global Industry Analysts (GIA)
    52. 52. GRADUAÇÃO A DISTÂNCIA |CREDENCIADOS MEC ~350 Cursos x e 120 nt od re me Inc 10 Cursos 430.000 8.000 2000 2008
    53. 53. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    54. 54. CURSOS LIVRES
    55. 55. CURSOS LIVRES 2000 >35 anos C/D 4M+ Sem Curso Superior 3M+ 2010 25/45 anos Cursos nas B/C/D Cursos livres Empresas Com Curso Superior
    56. 56. CURSOS LIVRES29 Idade média de quem procura cursos de pequena duração. Tipicamente já possuem experiência de mercado mas não tem anos formação superior.
    57. 57. • FUNDAMENTOSA • ENSINO BÁSICOG • ENSINO MÉDIOE • ENSINO SUPERIOR • EADN • CURSOS LIVRESD • CONSIDERAÇÕES
    58. 58. ONSIDERAÇÕE
    59. 59. SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES 1/5 MACROECONOMIA MUNDIAL viés de alta e o país entrando definitivamente neste cenário
    60. 60. SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES 2/5 QUESTÕES SETORIAIS Movimento de consolidação na educação privada ainda com muito espaço para crescer. Em 2000, 20 empresas detinham 14%. Hoje, 12 consolidadores têm 30% - e querem 50% do mercado.
    61. 61. SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES 3/5 GESTÃO DO NEGÓCIO EDUCACIONAL Grandes e tradicionais universidades brasileiras trazem consigo um conjunto enorme de problemas de gestão, de passivos e contingências tributárias e trabalhistas – além do endividamento.
    62. 62. SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES 4/5 LÓGICA DE NEGÓCIOS Investidores financeiros versus a situação atual das grandes instituições de ensino é uma combinação que dificulta muito o fechamento de bons negócios (vide Estácio, via GP Investimentos)
    63. 63. SETOR EDUCACIONAL – PONTOSRELEVANTES 5/5 CUSTO/BENEFÍCIO Adquirir uma instituição não é tão vantajoso (considere 4/6 anos para sua recuperação)
    64. 64. SETOR EDUCACIONAL – NEGÓCIOS2011/12 R$ 2.0B R$ R$ R$ 1.0B+ 1.2B 1.0B~ Anhanguera Grupos Estácio Fundos Private Internacionais9 Consolidadores Equity Entrantes Kroton
    65. 65. TENDÊNCIAS Ofertar o aprendizado virtual paraagregar mais estudantes é uma via sem volta
    66. 66. CONCLUSÃO | A NOVA SOCIEDADEInteressa mais quem é capaz de aprender rapidamente como se resolve uma dadasituação ou problema, do que aquele que já sabe como resolver este mesmo problema, pois amanhã a questão será outra
    67. 67. CONCLUSÃO | A NOVA SOCIEDADEAprender a aprender nos possibilita obtera capacidade de agir eficazmente em um determinado tipo de situação
    68. 68. CONCLUSÃO | A NOVA SOCIEDADE• Mudança do foco no ensino para o foco na aprendizagem.• Aprendizagem centrada no estudante e "individualizada", através do apoio da tecnologia da informação.• Foco no resultado com controle de qualidade em todas as etapas do processo.• Acompanhamento e orientação permanente do estudante.• Autodidatismo exercido através de um conjunto de atividades opcionais e obrigatórias selecionadas em conjunto com o professor orientador.• Estrutura com menos docentes, melhores docentes e com mais tempo de dedicação ao aprendizado.• Professor posicionado como gestor do processo de aprendizagem do estudante.• Portabilidade (o aluno deve ser o gestor do seu conjunto de competências adquiridas).
    69. 69. É possível interpretar os números de mercado sob duas óticas:EM RESUMO 1- MAIS CONSERVADORA, que nos mostra a CONSERVADORA queda no número de alunos de maior renda, diminuindo as oportunidades de expansão. 2- Mais empreendedora, que nos mostra o empreendedora enorme potencial de mercado para serviços educacionais de preço baixo.
    70. 70. EDUCAÇÃO NO BRASILUM PANORAMA GERAL SOBRE A CADEIA EDUCACIONAL
    71. 71. GIANCARLO COLOMBOhttp://about.me/giancarlocolombo 1990 2000 2010em atividade

    ×