Coesão e Coerência
<ul><li>A coesão textual é a ligação, a relação, a conexão entre as palavras, expressões ou frases do texto. Ela manifesta...
<ul><li>1- Coesão por retomada ou antecipação: </li></ul><ul><li>1-1- Retomada ou antecipação por meio de uma palavra gram...
<ul><li>Os termos que servem para retomar outros são denominados  anafóricos ; os que servem para anunciar, para antecipar...
<ul><li>São anafóricos ou catafóricos: </li></ul><ul><li>   os pronomes demonstrativos; </li></ul><ul><li>   os pronomes...
<ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>Jantei e fui a casa.  Lá  achei uma caixa de charutos,  que  me mandara o Lobo Neves, ...
<ul><li>Observações sobre o uso dos anafóricos: </li></ul><ul><li>1- Em geral, só se usam anafóricos, quando o termo que e...
<ul><li>2- A coesão no período composto: </li></ul><ul><li>O período composto, como o nome indica, é constituído de varias...
<ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>Um argumento cínico </li></ul><ul><li>(1) Certamente nunca terá faltado aos sonegadores...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Coesao

699 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
699
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coesao

  1. 1. Coesão e Coerência
  2. 2. <ul><li>A coesão textual é a ligação, a relação, a conexão entre as palavras, expressões ou frases do texto. Ela manifesta-se por elementos gramaticais, que servem para estabelecer vínculos entre os componentes do texto. </li></ul><ul><li>Exemplo: “Uma noite destas, [...] encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu”. (M. de Assis) </li></ul><ul><li>O pronome relativo que estabelece a conexão entre as duas orações. Uma noite destas, [...] encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, e eu conheço de vista e de chapéu. </li></ul><ul><li>O que relaciona as duas orações retomando um dos termos da oração anterior: rapaz . O pronome relativo é um elemento coesivo e a conexão entre as duas orações, um fenômeno de coesão. </li></ul>
  3. 3. <ul><li>1- Coesão por retomada ou antecipação: </li></ul><ul><li>1-1- Retomada ou antecipação por meio de uma palavra gramatical: </li></ul><ul><li>Pronomes, verbos ou advérbios. Exemplo: </li></ul><ul><li>“ Entrando, no templo, a adorar a Apolo, achou que no mesmo altar estava Esculápio, seu filho; este com grandes barbas, e aquele lampinho.” (Padre Antônio Vieira) </li></ul><ul><li>Nesse período de Vieira, o pronome demonstrativo este retoma o termo Esculápio ; enquanto aquele recupera a palavra Apolo . </li></ul>
  4. 4. <ul><li>Os termos que servem para retomar outros são denominados anafóricos ; os que servem para anunciar, para antecipar outros são chamados catafóricos . No exemplo abaixo, o pronome esta antecipa o sossego normal deste meu quarto. </li></ul><ul><li>“ A boa vida é esta: o sossego normal deste meu quarto.” </li></ul><ul><li>(Mário Pederneiras) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>São anafóricos ou catafóricos: </li></ul><ul><li> os pronomes demonstrativos; </li></ul><ul><li> os pronomes relativos; </li></ul><ul><li> certos advérbios ou locuções adverbiais (nesse momento, então, lá); </li></ul><ul><li> o verbo fazer; </li></ul><ul><li> o artigo definido; </li></ul><ul><li> os pronomes pessoais de 3ª pessoa (ele, o, a, as, lhe, lhes); </li></ul><ul><li> os pronomes indefinidos. </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Exemplos: </li></ul><ul><li>Jantei e fui a casa. Lá achei uma caixa de charutos, que me mandara o Lobo Neves, embrulhada em papel de seda e ornada de fitinha cor-de-rosa. (Machado de Assis) </li></ul><ul><li>O Presidente vai recebê-lo e ele o faz porque tem muita consideração pelo senhor. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Observações sobre o uso dos anafóricos: </li></ul><ul><li>1- Em geral, só se usam anafóricos, quando o termo que ele retoma tiver sido explicitamente mencionado no texto. </li></ul><ul><li>2- O artigo indefinido serve geralmente para introduzir informações novas no texto. Quando elas forem retomadas, devem ser precedidas do artigo definido. </li></ul><ul><li>3- Quando, num dado contexto, o anafórico puder referir-se a dois termos distintos, há uma ruptura de coesão, porque ocorre uma ambigüidade insanável. </li></ul><ul><li>Ex.: Jorge briga muito com Raquel por causa de seus ciúmes. (Nesse caso, não se sabe se os ciúmes são de Jorge ou de Raquel) </li></ul><ul><li>A frase ficaria melhor se fosse escrita assim: Por ser muito ciumento, Jorge briga muito com Raquel. Ou, Por ser ela muito ciumenta, Jorge briga muito com Raquel. </li></ul>
  8. 8. <ul><li>2- A coesão no período composto: </li></ul><ul><li>O período composto, como o nome indica, é constituído de varias orações, que, se não estiverem estruturadas com coesão, de acordo com as regras do sistema lingüístico, produzem um sentido obscuro, quando não, incompreensível. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Exemplo: </li></ul><ul><li>Um argumento cínico </li></ul><ul><li>(1) Certamente nunca terá faltado aos sonegadores de todos os tempos e lugares o confortável pretexto de que o seu dinheiro não deve ir parar nas mãos de administradores incompetentes e desonestos. (2) Como pretexto, a invocação é insuperável e tem mesmo a cor e os traços do mais acendrado civismo. (3) Como argumento, no entanto, é cínica e improcedente. (4) Cínica porque a sonegação, que nesse caso se pratica, não é compensada por qualquer sacrifício ou contribuição que atenda à necessidade de recursos imanente a todos os erários, sejam eles bem ou mal administrados. (5) Ora, sem recursos obtidos da comunidade não há policiamento, não há transportes, não há escolas ou hospitais. (6) E sem serviços públicos essenciais, não há Estado e não pode haver sociedade política. (7) Improcedente porque a sonegação, longe de fazer melhores os maus governos, estimula-os à prepotência e ao arbítrio, alem de agravar a carga tributária dos que não querem e dos que, mesmo querendo, não têm como dela fugir – os que vivem de salário, por exemplo. (8) Antes, é preciso pagar, até mesmo para que não faltem legitimidade e força moral às denúncias de malversação. (9) É muito cômodo, mas não deixa de ser, no fundo, uma hipocrisia, reclamar contra o mau uso dos dinheiros públicos para cuja formação não tenhamos colaborado. (10) Ou não tenhamos colaborado na proporção da nossa renda. </li></ul>

×