Plano Nacional de Avaliação da Dor na UCI               PNAD
Viseu, 19 de Abril de 2010Como avalio ador do doentecrítico??
ProblemáticaAusência de uniformização deferramentas avaliação daintensidade da Dor do doenteinternado nas Unidades deCuida...
Objectivo da SPCI Designar uma escala comportamental, para avaliação da dor em doentes sedados que não comunicam, a adopta...
Objectivo Geral Designar uma escala comportamental,das duas indicadas, como instrumentode medida, para avaliar a dor emdoe...
Objectivos Específicos• Promover o desenvolvimento de competências  na área da avaliação da dor em doentes críticos;• Aval...
1ª Intervenção
Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos lança projectos pioneiro de avaliação da dor     … Semana Europeia da Dor, que...
Fases da implementação do PNAD     1ª Fase     2ª Fase     3ª Fase     4ªFase     5ª Fase
Fases da implementação do PNAD 1ª Fase  Formação dos Enfermeiros de Referência  pelo GAD-SPCI.
Fases da implementação do PNAD                       Plataforma de                  Formação• Desenvolveram               ...
Fases da implementação do PNAD 2ª Fase  Formação das equipas de enfermagem  pelos Enfermeiros de Referência.
Matisse - 1909-10Enfermeiros de  Referência
Fases da implementação do PNAD 3ª Fase  Aplicação de duas escalas de avaliação da  intensidade da dor em doentes críticos,...
População AlvoQue cumpram todos os critérios deinclusão e nenhum de exclusão.
Critérios de Inclusão               Incapacidade   Estar                    parasubmetido a               comunicar, de ve...
Critérios de ExclusãoAuto-avaliação    Polineuropatia   Morte Cerebral  Ventilação                     ECG=3 Espontânea   ...
ProcedimentoAvaliação da intensidade da dor Todos os     Enfermeiro  Procedimento  turnos     com formação   doloroso  (MT...
ANTES DO PROCEDIMENTO                                                  DURANTE MOBILIZAÇÃO/C. POSTURAL OU                 ...
gad.spci@gmail.com
Fases da implementação do PNAD 4ª Fase  Aplicação de um questionário aos  enfermeiros que participaram no PNAD.
Norte4 14 UCI´s  439 Enf. 428 PNAD   97,5%
Centro1 10 UCI´s  257 Enf. 236 PNAD   91,8%
Sul1 8 UCI´s  172 Enf. 165 PNAD   95,9%
Lisboa6 27 UCI´s  536Enf. 468PNAD   87,3%
Ilhas2UCI´s67Enf.49PNAD73,3%
Nacional61UCI´s1471Enf.1346PNAD 91,5%
1. Qual o período de implementação do                  projecto na unidade?                 1 mês após o                  ...
2. Quanto tempo passou desde a      apresentação do projecto até à           formação do grupo?                   Superior...
3. Qual a reacção do grupo?              Pouco            receptivo               4%Receptivo  96%
4. Quais as principais dificuldades          sentidas na formação do grupo?                       Conhecimento            ...
5. Quais as principais dificuldades                sentidas pelo grupo?                               Falta de            ...
6. O que esteve na base dessas dificuldade?               Não respondeu                     6%                          6....
7. Principais pontos fortes na                          implementação?                      Potencialidades               ...
8. Qual o apoio prestado ao grupo durante              o período de implementação?                     Não foi            ...
9. Qual o nível de envolvimento do              grupo?            Insuficiente                11% Razoável   8%           ...
10. Como decorreu o processo?    Resistência da      estrutura      Não respondeu    organizacional         9%          9%...
11. As expectativas iniciais foram           atingidas?               Não    Não     respondeu    11%         4%          ...
12.1 Quais os principais desvios                Positivos?         Envolvimento           da Equipa                       ...
Critérios de      12.2 Quais os principais desvios    inclusão/                Negativos?                 exclusão        ...
13. Oportunidades de melhoria                identificadas:                                      Uniformização            ...
14. Registou-se alguma mudança na preocupação com a percepção da         avaliação da dor? Não 28%                        ...
Fases da implementação do PNAD 5ª Fase  Apresentação    dos    resultados  no  Congresso Monotemático da Sociedade  Portug...
Agradecemos                a atenção!  Em nome de todos osEnfermeiros do GAD-SPCI
Alguma questão?gad.spci@gmail.com
Implementação do PNAD
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Implementação do PNAD

5.507 visualizações

Publicada em

Implementação do Plano Nacional da Dor

Publicada em: Educação, Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
5.507
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4.019
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Implementação do PNAD

  1. 1. Plano Nacional de Avaliação da Dor na UCI PNAD
  2. 2. Viseu, 19 de Abril de 2010Como avalio ador do doentecrítico??
  3. 3. ProblemáticaAusência de uniformização deferramentas avaliação daintensidade da Dor do doenteinternado nas Unidades deCuidados Intensivos Portuguesas.
  4. 4. Objectivo da SPCI Designar uma escala comportamental, para avaliação da dor em doentes sedados que não comunicam, a adoptar pelas UCI`s Portuguesas.
  5. 5. Objectivo Geral Designar uma escala comportamental,das duas indicadas, como instrumentode medida, para avaliar a dor emdoentes críticos, que não comunicam,sedados e submetidos à ventilaçãomecânica, a adoptar pelas UCI´sPortuguesas.
  6. 6. Objectivos Específicos• Promover o desenvolvimento de competências na área da avaliação da dor em doentes críticos;• Avaliar as propriedades, como instrumento de medida, de duas escalas de avaliação da dor em doentes críticos, que não comunicam e submetidos à ventilação mecânica.• Conhecer a opinião dos enfermeiros participantes no PNAD, sobre a aplicabilidade das escalas propostas.
  7. 7. 1ª Intervenção
  8. 8. Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos lança projectos pioneiro de avaliação da dor … Semana Europeia da Dor, que se assinalou entre 11 e 15 de Outubro, serviu para a Sociedade Portugue … as unidades de cuidados intensivos do país vão passar a usar duas escalas para avaliação da dor, se … para avaliar a dor do doente – que após a formação conseguirão disseminar aos restantes elementos d …http://www.ordemenfermeiros.pt/comunicacao/Paginas/SociedadePortuguesaCuidadosInten sivos.aspx 20-10-2010 - 28KB Divulgação Oficial do Projecto Semana Europeia da Dor
  9. 9. Fases da implementação do PNAD 1ª Fase 2ª Fase 3ª Fase 4ªFase 5ª Fase
  10. 10. Fases da implementação do PNAD 1ª Fase Formação dos Enfermeiros de Referência pelo GAD-SPCI.
  11. 11. Fases da implementação do PNAD Plataforma de Formação• Desenvolveram Enf. Ref. • Formação em uma formação • Formam serviço uniformizada Enfermeiros de Referência GAD ENFº
  12. 12. Fases da implementação do PNAD 2ª Fase Formação das equipas de enfermagem pelos Enfermeiros de Referência.
  13. 13. Matisse - 1909-10Enfermeiros de Referência
  14. 14. Fases da implementação do PNAD 3ª Fase Aplicação de duas escalas de avaliação da intensidade da dor em doentes críticos, que não comunicam e submetidos à ventilação mecânica.
  15. 15. População AlvoQue cumpram todos os critérios deinclusão e nenhum de exclusão.
  16. 16. Critérios de Inclusão Incapacidade Estar parasubmetido a comunicar, de ventilação forma verbal mecânica e/ou motora
  17. 17. Critérios de ExclusãoAuto-avaliação Polineuropatia Morte Cerebral Ventilação ECG=3 Espontânea Bloqueantes Tetraplegia Neuromusculares
  18. 18. ProcedimentoAvaliação da intensidade da dor Todos os Enfermeiro Procedimento turnos com formação doloroso (MTN) do PNAD .
  19. 19. ANTES DO PROCEDIMENTO DURANTE MOBILIZAÇÃO/C. POSTURAL OU APÓS PERIODO DE RECUPERAÇÃO (5-10 MINUTOS ANTES) DEPOIS DA ASPIRAÇÃO DE SECREÇÕES (15 MIN. DEPOIS DO PROCEDIMENTO) EVA EVA EVA Sem dor Pior dor imaginável Sem dor Pior dor imaginável Sem dor Pior dor imaginável _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 EVN EVN EVN Escala Comportamental da Dor Escala Comportamental da Dor Escala Comportamental da Dor Relaxada 1 Relaxada 1 Relaxada 1 Ligeiramente contraída(ex.sobrancelhas arqueadas) 2 Ligeiramente contraída(ex.sobrancelhas arqueadas) 2 Ligeiramente contraída(ex.sobrancelhas arqueadas) 2 Expressão Facial Expressão Facial Expressão Facial Contracção Franca(ex.pálpebras cerradas) 3 Contracção Franca(ex.pálpebras cerradas) 3 Contracção Franca(ex.pálpebras cerradas) 3 Fácies com sinal de dor 4 Fácies com sinal de dor 4 Fácies com sinal de dor 4 Sem movimento 1 Sem movimento 1 Sem movimento 1 Tónus dos Membros Ligeira Flexão 2 Tónus dos Membros Ligeira Flexão 2 Tónus dos Membros Ligeira Flexão 2 Superiores Membros em flexão e punhos cerrados 3 Superiores Membros em flexão e punhos cerrados 3 Superiores Membros em flexão e punhos cerrados 3 Membros retraídos 4 Membros retraídos 4 Membros retraídos 4 Adaptado 1 Adaptado 1 Adaptado 1 Reacção esporádica ao ventilador 2 Reacção esporádica ao ventilador 2 Reacção esporádica ao ventilador 2 Adaptação à Ventilação Adaptação à Ventilação Adaptação à Ventilação Luta contra o ventilador 3 Luta contra o ventilador 3 Luta contra o ventilador 3 Impossível de ventilar 4 Impossível de ventilar 4 Impossível de ventilar 4 Ausência de dor = 3 pontos Dor Intensa = 12 pontos Ausência de dor = 3 pontos Dor intensa= 12 pontos Ausência de dor = 3 pontos Dor Intensa = 12 pontos ESCID ESCID ESCID Pontuação Pontuação Pontuação 0 1 2 parcial 0 1 2 parcial 0 1 2 parcial Testa Testa Testa Musculatura Em tensão, testa franzida Musculatura Em tensão, testa franzida Musculatura Em tensão, testa franzida Relaxada Relaxada Relaxada facial franzida e/ou habitualmente facial franzida e/ou habitualmente facial franzida e/ou habitualmente fácies de dor e/ou dentes fácies de dor e/ou dentes fácies de dor e/ou dentes cerrados cerrados cerrados Movimentos Movimentos Movimentos Movimentos Movimentos Movimentos Tranquilo, Tranquilo, Tranquilo, ocasionais frequentes, ocasionais frequentes, ocasionais frequentes, Tranquilidade relaxado, Tranquilidade relaxado, Tranquilidade relaxado, de inquietude incluindo de inquietude incluindo de inquietude incluindo movimentos movimentos movimentos e/ou mudança cabeça e/ou e/ou mudança cabeça e/ou e/ou mudança cabeça e/ou normais normais normais de posição extremidades de posição extremidades de posição extremidades Aumentado. Aumentado. Aumentado. Tónus muscular Normal Flexão dosdedos Rígido Tónus muscular Normal Flexão dosdedos Rígido Tónus muscular Normal Flexão dosdedos Rígido das mãos e/ou das mãos e/ou das mãos e/ou pés pés pés Tosse, Tosse, Tosse, Adaptação à VM Luta com o Adaptação à VM Luta com o Adaptação à VM Luta com o Tolera V.M. mas tolera Tolera V.M. mas tolera Tolera V.M. mas tolera (Descartar outras ventilador (Descartar outras ventilador (Descartar otras ventilador V.M. V.M. V.M. causas) causas) causas) Tranquiliza-se Difícil de Tranquiliza-se Difícil de Tranquiliza-se Difícil de Confortável Confortável Confortável Conforto ao toque e/ou confortar, ao Conforto ao toque e/ou confortar, ao Conforto ao toque e/ou confortar, ao e/ou tranquilo e/ou tranquilo e/ou tranquilo à voz. Fácil de toque e à voz à voz. Fácil de toque e à voz à voz. Fácil de toque e à voz distrair distrair distrair PONTUAÇÃO TOTAL /10 PONTUAÇÃO TOTAL /10 PONTUAÇÃO TOTAL /10 1-3: Dor ligeira. 1-3: Dor ligeira. 1-3: Dor ligeira. 4-6: DorAss.Enf.____________________________________ 4-6: Dor Ass.Enf.____________________________________ 4-6: Dor Ass.Enf.____________________________________ 0: Sem dor Contemplar outras >6: dor intensa 0: Sem dor Contemplar outras >6: dor intensa 0: Sem dor Contemplar outras >6: Dor Intensa moderada moderada moderada causas causas causas
  20. 20. gad.spci@gmail.com
  21. 21. Fases da implementação do PNAD 4ª Fase Aplicação de um questionário aos enfermeiros que participaram no PNAD.
  22. 22. Norte4 14 UCI´s 439 Enf. 428 PNAD 97,5%
  23. 23. Centro1 10 UCI´s 257 Enf. 236 PNAD 91,8%
  24. 24. Sul1 8 UCI´s 172 Enf. 165 PNAD 95,9%
  25. 25. Lisboa6 27 UCI´s 536Enf. 468PNAD 87,3%
  26. 26. Ilhas2UCI´s67Enf.49PNAD73,3%
  27. 27. Nacional61UCI´s1471Enf.1346PNAD 91,5%
  28. 28. 1. Qual o período de implementação do projecto na unidade? 1 mês após o período previsto 13%15 dias após o período previsto 28% Dentro do período previsto 59%
  29. 29. 2. Quanto tempo passou desde a apresentação do projecto até à formação do grupo? Superior a 1 mês 2% De 1 semana a 1 mês 26%Até 1 semana 72%
  30. 30. 3. Qual a reacção do grupo? Pouco receptivo 4%Receptivo 96%
  31. 31. 4. Quais as principais dificuldades sentidas na formação do grupo? Conhecimento reduzido sobre a Nenhuma temáticaInterpretação 28% 10% das escalas 15% Tempo para formar a totalidade da equipa 47%
  32. 32. 5. Quais as principais dificuldades sentidas pelo grupo? Falta de conhecimentos Incluir na sobre a Nenhuma prática clínica temática 14% 9% 7% Tempo para acompanhar a equipa 4% Apropriaçãodos critérios de inclusão/ Interpretação exclusão das escalas 26% 40%
  33. 33. 6. O que esteve na base dessas dificuldade? Não respondeu 6% 6.1 falta de motivação 19% 6.2 conjuntura organizacional 24% 6.3 falta de6.4 falta de reconhecimento tempo /envolvimento 49% das chefias: 2%
  34. 34. 7. Principais pontos fortes na implementação? Potencialidades do PNAD 17% Formação uniformizada 9% Aimplementação de um Sensibilização/ instrumento motivação parapara a avaliação a avaliação da da dor dor 15% 59%
  35. 35. 8. Qual o apoio prestado ao grupo durante o período de implementação? Não foi necessário Motivar a 4% equipa 8% Formação à Esclarecimento equipa e de dúvidasindividualmente 62% 26%
  36. 36. 9. Qual o nível de envolvimento do grupo? Insuficiente 11% Razoável 8% Elevado Bom 49% 32%
  37. 37. 10. Como decorreu o processo? Resistência da estrutura Não respondeu organizacional 9% 9% Falta de tempo 6%Dificuldade nasistematização dos registos 8% Sem intercorrências 68%
  38. 38. 11. As expectativas iniciais foram atingidas? Não Não respondeu 11% 4% Sim 85%
  39. 39. 12.1 Quais os principais desvios Positivos? Envolvimento da Equipa Sensibilização 21% para a Ganhos na problemáticaobjectividade da dorda avaliação 36% da dor 11% Integração no PNAD 32%
  40. 40. Critérios de 12.2 Quais os principais desvios inclusão/ Negativos? exclusão restritos 21% Falha na Nenhum sistematização 32% dos registos 15% Logística 2%Instrumento de Falta deregisto confuso Falta de tempo 13% motivação da 4% equipa 13%
  41. 41. 13. Oportunidades de melhoria identificadas: Uniformização da avaliação daNão respondeu dor 34% 13% Avaliação sistemática da dor 30% Intervenção no alívio da dor Possibilidade 2% de implemantação de uma das escalas 21%
  42. 42. 14. Registou-se alguma mudança na preocupação com a percepção da avaliação da dor? Não 28% Sim 72%
  43. 43. Fases da implementação do PNAD 5ª Fase Apresentação dos resultados no Congresso Monotemático da Sociedade Portuguesa de Cuidados Intensivos.
  44. 44. Agradecemos a atenção! Em nome de todos osEnfermeiros do GAD-SPCI
  45. 45. Alguma questão?gad.spci@gmail.com

×