JC Han, DA Lawlor, SYS Kimm   Lancet 2010; 375: 1737-48
Propósito do artigo Nova revisão feita pela mesma revista Última : 2002 Objetivo :“ Revisar novas informações e delinea...
Método Pesquisa no Pubmed Termos: “Obesidade pediátrica”, “Obesidade na infância”,  “Sobrepeso em pediatria”, “Sobrepeso...
E o resultado foi...
Definindo obesidade Consensos internacionais para “IMC – padrão” que determine Obesidade na infância Grande desafio Efe...
Definindo obesidade IOTF  recomenda utilização de sua tabela    Alta especificidade e baixa sensibilidade Países conti...
Epidemiologia Prevalência aumentou nas últimas 3 décadas Maioria dos países industrializados e em desenvolvimento Dobro...
De uma forma simplificada éapresentada a Via da Leptina...
Fatores de risco Genéticos    Defeito genético específico causando obesidade (Via da     leptina)    Síndromes Genética...
Fatores de risco Patologias do SNC    Anormalidades hipotalâmicas congênitas ou adquiridas Exposição intra-uterina    ...
Fatores de risco Idade do aumento do IMC    Quanto mais novo pior Dieta   Aleitamento materno como fator protetor?   ...
Fatores de risco Televisão    ↑horas gastas em frente a TV / ↑ risco de obesidade Horas de sono   Poucas horas de sono...
Diagnóstico diferencial Baseado em: História clínica Exame físico
Diagnóstico diferencial Obesidade precoce Suspeita: Alteração na “Via da Leptina” Muito raras! Mais comum: Defeito no ...
Diagnóstico diferencial Ganho de peso associado à droga Efeitos colaterais de drogas recentemente iniciadas Ex:       ...
Diagnóstico diferencial Ganho de peso e velocidade de crescimento linear inadequada Considerar endocrinopatia Recomenda...
Prevenção A melhor abordagem para a epidemia Pode ser instituída em níveis:    Individual    Familiar    Instituciona...
Individual Foco no cuidadores Obesidade materna ou diabetes gestacional   Possível contribuição Mãe e sua influência n...
Família Encorajar:    Estímulo à atividade física    Limites em atividades sedentárias ( TV, video-game, etc)    Ofert...
Institucional Escola    Mudança do percentual calórico da merenda escolar    Estímulo à atividade física    Remoção de...
Comunidade Políticas públicas e campanhas de mídia de massa    Rótulos indicando conteúdo calórico    ↑Impostos sobre b...
Tratamento não-farmacológico Quem merece tratamento?   IMC para a idade> p 95   IMC para idade > p85 + comorbidade É a...
Tratamento não-farmacológico Dieta   Não há consenso sobre o “ideal”   Equilíbrio energético entre ingestão e gasto Ma...
Tratamento farmacológico Orlistat e Sibutramina Sibutramina: obteve melhores resultados na ↓ IMC    Médio e longo prazo...
Tratamento cirúrgico
Tratamento cirúrgico Estudos ainda escassos Em faixa restrita de pacientes ( média=16,8anos) Necessidade de mais estudo...
Conclusão Muitos desafios diagnósticos e terapêuticos Reavaliação para adequação à contemporaneidade    Consumo calóric...
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Obesidade na  infância
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Obesidade na infância

900 visualizações

Publicada em

Aula de Obesidade na Infância, ministrada durante o internato de Pediatria/ Saúde da Criança da Universidade do Estado do Pará, Belém, Brasil.
Autor: José Gabriel Miranda da Paixão.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
900
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Obesidade na infância

  1. 1. JC Han, DA Lawlor, SYS Kimm Lancet 2010; 375: 1737-48
  2. 2. Propósito do artigo Nova revisão feita pela mesma revista Última : 2002 Objetivo :“ Revisar novas informações e delinear alguns dos desafios restantes”. Foco na prevenção e no tratamento
  3. 3. Método Pesquisa no Pubmed Termos: “Obesidade pediátrica”, “Obesidade na infância”, “Sobrepeso em pediatria”, “Sobrepeso na infância” e “Índice de Massa Corpóreo em crianças”. Considerando: Artigos originais, revisões e resenhas Todos os idiomas. Publicados entre 1962 e 2010  2002 - 2010 Seleção de artigos em discussões com especialistas  obesidade pediátrica, nutrição e saúde pública
  4. 4. E o resultado foi...
  5. 5. Definindo obesidade Consensos internacionais para “IMC – padrão” que determine Obesidade na infância Grande desafio Efeitos da idade, sexo, puberdade, crescimento e genético  afetam definição de um padrão de IMC
  6. 6. Definindo obesidade IOTF  recomenda utilização de sua tabela  Alta especificidade e baixa sensibilidade Países continuam usando suas tabelas específicas Dificulta comparação minuciosa de estudos
  7. 7. Epidemiologia Prevalência aumentou nas últimas 3 décadas Maioria dos países industrializados e em desenvolvimento Dobrou ou triplicou no Brasil (1970 – 1990) Mais prevalente em áreas urbanas  fácil acesso a comida altamente calórica e baixos gastos energéticos na vida diária
  8. 8. De uma forma simplificada éapresentada a Via da Leptina...
  9. 9. Fatores de risco Genéticos  Defeito genético específico causando obesidade (Via da leptina)  Síndromes Genéticas. Ex: Prader-Willi; Alström  Variação genéticas múltiplas ligadas ao sobrepeso e obesidade Doenças endócrinas  Hipotireodismo. Deficiência ou resistência ao GH, Hipercortisolismo, SOP (causa ou consequência)
  10. 10. Fatores de risco Patologias do SNC  Anormalidades hipotalâmicas congênitas ou adquiridas Exposição intra-uterina  diabetes gestacional  Grande adiposidade materna Peso ao nascer  Grande peso ao nascer  Pequeno peso ao nascer
  11. 11. Fatores de risco Idade do aumento do IMC  Quanto mais novo pior Dieta  Aleitamento materno como fator protetor?  ↑ Consumo de calorias e bebidas açucaradas precocemente Gasto de energia  ↓Níveis de consumo de energia
  12. 12. Fatores de risco Televisão  ↑horas gastas em frente a TV / ↑ risco de obesidade Horas de sono  Poucas horas de sono na infância / ↑ risco de obesidade Residência em área urbana
  13. 13. Diagnóstico diferencial Baseado em: História clínica Exame físico
  14. 14. Diagnóstico diferencial Obesidade precoce Suspeita: Alteração na “Via da Leptina” Muito raras! Mais comum: Defeito no receptor – melanocortina 4  5% dos casos de obesidade precoce
  15. 15. Diagnóstico diferencial Ganho de peso associado à droga Efeitos colaterais de drogas recentemente iniciadas Ex:  Insulina ou Secretagogos de insulina  Glicocorticoides  ACO  Psicotrópicos, Estabilizadores de humor, Antidepressivos  Anticonvulsivantes, anti-hipertensivos, anti-histamínicos
  16. 16. Diagnóstico diferencial Ganho de peso e velocidade de crescimento linear inadequada Considerar endocrinopatia Recomendações:  Dosagem de TSH e Tiroxina  Encaminhamento para endocrinologista
  17. 17. Prevenção A melhor abordagem para a epidemia Pode ser instituída em níveis:  Individual  Familiar  Institucional  Comunidade
  18. 18. Individual Foco no cuidadores Obesidade materna ou diabetes gestacional  Possível contribuição Mãe e sua influência na dieta da criança
  19. 19. Família Encorajar:  Estímulo à atividade física  Limites em atividades sedentárias ( TV, video-game, etc)  Oferta apropriada de porções de comidas
  20. 20. Institucional Escola  Mudança do percentual calórico da merenda escolar  Estímulo à atividade física  Remoção de “máquinas de venda”  Reoganização da arquitetura das escolas  Ambiente remodelado  Maior gasto calórico durante o dia
  21. 21. Comunidade Políticas públicas e campanhas de mídia de massa  Rótulos indicando conteúdo calórico  ↑Impostos sobre bebidas açucaradas e “fast-food”  Obrigatoriedade de medição anual do IMC em escolas públicas Atenção dos profissionais do atendimento primário  1º ano de vida / Entre 3 e 7 anos / Menarca  Cruciais na prevenção da obesidade
  22. 22. Tratamento não-farmacológico Quem merece tratamento?  IMC para a idade> p 95  IMC para idade > p85 + comorbidade É a terapia de primeira-linha
  23. 23. Tratamento não-farmacológico Dieta  Não há consenso sobre o “ideal”  Equilíbrio energético entre ingestão e gasto Maior importância para a dieta que para atividade física  Carga glicêmica e valor energético Sessões motivacionais  recomendada  Efetividade não conhecida
  24. 24. Tratamento farmacológico Orlistat e Sibutramina Sibutramina: obteve melhores resultados na ↓ IMC  Médio e longo prazos Efeitos adversos:  Orlistat: Esteatorréia, dor abdominal, incontinência fecal, colelitíase.  Sibutramina: Taquicardia, boca seca, constipação, tontura, insônia e hipertensão.
  25. 25. Tratamento cirúrgico
  26. 26. Tratamento cirúrgico Estudos ainda escassos Em faixa restrita de pacientes ( média=16,8anos) Necessidade de mais estudos de seguimento a longo prazo Consenso:  Somente em casos muito severos (IMC≥ 50 ou ≥ 40 + comorbidades)  Pesar risco-benefício
  27. 27. Conclusão Muitos desafios diagnósticos e terapêuticos Reavaliação para adequação à contemporaneidade  Consumo calórico  Recomendações de atividades Necessidade de pesquisas  Testes clínicos a longo prazo  Maiores e mais variadas casuísticas  Possibilidade de comparação entre tratamentos

×