Vidas secas

795 visualizações

Publicada em

resumo de cada capitulo da obra de Graciliano Ramos

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
795
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Vidas secas

  1. 1. PERSONAGENS  - Fabiano: nordestino retirante, é explorado pelo patrão e tenta sempre conter a raiva para não perder o emprego.  - Baleia: cachorra da família, é muito querida pelas crianças. Pensa como gente e sofre com as dificuldades da seca e da falta de comida.  - Sinhá Vitória: esposa de Fabiano, tenta evitar que o marido caia nas mentiras dos trapaceiros. É esperta e sabe fazer contas.  - Menino mais velho e Menino mais Novo: filhos do casal, não são identificados com nomes. O mais novo admira o pai e o mais velho tem interesse pelas palavras, procurando ficar mais próximo da mãe.  - Tomás da Bolandeira: amigo de Fabiano, aparece apenas em suas lembranças.  - Patrão: dono da fazenda onde Fabiano se instala com sua família, é desonesto e explora os funcionários.
  2. 2. CAPÍTULO 1 - MUDANÇA  Fabiano, Sinhá Vitória, o filho mais novo, o filho mais velho e a cachorra Baleia, cinco figuras secas, se arrastam pela seca caatinga.  Um dia antes eles eram em 6, mas a fome era tanta que a família comeu o papagaio.  Juntos a uma cerca, pararam para repouso e Fabiano foi explorar o local que havia sido abandonado pela seca.  Quando anoitece, Fabiano percebe que vai chover, a vida brotaria do chão e ele seria dono daquele local.
  3. 3. CAPÍTULO 2 - FABIANO  A chuva veio, e o dono da fazenda expulsou Fabiano. Mas logo ofereceu um emprego de vaqueiro a ele.  Sinhá Vitória desejava ter a cama igual a de Seu Tomás, de couro.  Na fazenda, Fabiano previa que logo a seca voltaria, que o verde sumiria e que ele teria que apertar o cinto para encolher o estômago.
  4. 4. CAPÍTULO 3 - CADEIA  Fabiano foi a feira comprar mantimentos, e sempre pensava que as pessoas a sua volta lhe passavam a perna pois ele tinha um vocabulário bem limitado.  Parou no bar para beber uma pinga, e foi chamado por um soldado amarelo para jogar cartas, mas perdeu o tudo. Fabiano saiu envergonhado e o soldado empurrara Fabiano que saiu sem se despedir.  O soldado continuou e Fabiano o xingou, dando motivos para ser preso.  Na prisão Fabiano conferia os mantimentos que havia comprado, e só pensara em sua família e que ele havia sido preso pelo seu vocabulário limitado, que ele não conseguiu explicar as autoridades.
  5. 5. CAPÍTULO 4 – SINHÁ VITÓRIA  Sinhá Vitória acendia a fogueira para preparar a comida. Baleia vendo o fogo surgir fica agitada e sua dona lhe dá um pontapé.  Sinhá Vitória não estava bem, estava incomodada com sua cama de varas, queria uma igual a de Seu Tomás. Fabiano tentou fazer as contas para economizar mas se perdeu nos números.  Sinhá Vitória pensava o quanto era ruim seu marido quando se arrastavam pela caatinga.
  6. 6. CAPÍTULO 5 – O MENINO MAIS NOVO  O menino mais novo admirava o pai, e não entendia como sua mãe, seu irmão e a Baleia não davam importância aos atos heroicos do pai.
  7. 7. CAPÍTULO 6 – O MENINO MAIS VELHO  Um dia o menino mais velho ouviu a palavra “inferno” e ficou com dúvida. Foi perguntar para sua mãe, que distraída disse que era “ um lugar ruim demais”. Foi perguntar a seu pai, mas nem obteve resposta.  Ficou triste e começou a chorar, pois ele gostou tanto da palavra e não se conformava que “inferno” significava algo tão ruim.
  8. 8. CAPÍTULO 7 - INVERNO  Fazia muito frio e a família estava envolta da fogueira, e não conseguiam dormir pois o vento gelado entrava pelas frestas.  Fabiano e Sinhá Vitória conversavam com palavras mal faladas, urros, sons guturais, falavam alto, mas conseguiam se entender.  Sinhá Vitória percebera que a chuva estava por vir e estava com medo de uma inundação.  Fabiano contara a mesma história com outras palavras e os meninos perceberam a mudança da história e agora, tudo era desinteressante.
  9. 9. CAPÍTULO 8 - FESTA  Fabiano, Sinhá Vitória e os meninos iam à festa de natal na cidade. Todos estava bem vestidos.  Teriam que andar 3 horas, após um pouco, todos estavam com sapatos na mão e Baleia apareceu, Fabiano não concordava com sua presença até perceber que ele estava no mesmo nível da cachorra  Chegando no local, os meninos estranhavam com a multidão e tudo que estava a sua volta.  Na igreja Fabiano se sentia preso na multidão. Fora os meninos brincavam e Fabiano se embebedava. Na volta pra casa Sinhá Vitória pensara que a vida não era tão ruim, o que faltava era sua cama de couro.
  10. 10. CAPÍTULO 9 - BALEIA  Baleia estava na beira da morte. Os pelos caíram, manchas negras apareceram na sua pele que estava cheia de feridas e sangramentos, sua boca cheia de feridas, dificultava sua alimentação.  Fabiano entendeu que seria melhor sacrifica-la e foi logo preparar a espingarda. Sinhá Vitória foi acalmar as crianças no quarto.  Baleia percebeu um estranho movimento de Fabiano com a arma apontada. O tiro acertou a parte traseira da cachorra, que saiu latindo e chorando.  Baleia procurou chegar nos juazeiros, mas não conseguiu, parou no caminho. Surgiu uma névoa branca que logo escureceu. A cachorra sentiu o cheiro de preás, pensou em morder Fabiano, mas desistiu, ele era seu mestre. Baleia quis dormir para acordar num mundo cheio de preás gordos.
  11. 11. CAPÍTULO 10 - CONTAS  Fabiano vai acertar as contas com o patrão pois percebeu q o pagamento estava errado mas como ele era “ignorante” não sabia se defender. Fabiano pede para sinhá fazer as contas e percebe que os cálculos não são iguais e volta a falar com o patrão que quase o despede mais Fabiano pensa na família.
  12. 12. CAPÍTULO 11 – O SOLDADO AMARELO  Fabiano fazia uma busca por uma égua que havia fugido. No meio do caminho é sentida uma presença estranha. Ao se virar, empunhando o facão, Fabiano se depara com o soldado amarelo que teme uma vingança.  Fabiano pensa no ocorrido da cidade e começa a pensar na sua prisão. Sentiu vontade de esfaquear o soldado e deixar seu corpo ai mesmo, onde seria comido pelos urubus e ninguém veria. Mas, Fabiano respeitou a autoridade.
  13. 13. CAPÍTULO 12 – O MUNDO COBERTO DE PENAS  O mulungu (espécie de árvore) próximo ao bebedouro se enchia de aves de arribação.  Dona Vitória comentou com seu marido que as aves matariam os gado, ao beber água. Fabiano demorou um pouco para entender a relação entre aves e gado.  Então pegou-lhe a espingarda e começou a matar os pássaros.
  14. 14. CAPÍTULO 13 - FUGA  A seca chegou, a fazenda secou, os animais morriam. Fabiano salgou um bezerro, e resolveu fugir com a família.  Fabiano queria levar a égua consigo, mas ele tinha uma divida imaginária impagável, qual seria o problema de legar a égua consigo, mais cedo, ou mais tarde ela morreria na seca. O patrão não se importava com a égua. Partiram ao anoitecer.  Na caminhada, Sinhá Vitória dizia a Fabiano que queria viver num lugar fixo, numa cidade, colocar os meninos para estudar e dar um futuro melhor a eles. Fabiano concordou e seguiram para o sul.
  15. 15. (UFLA) Sobre a obra Vidas Secas, de Graciliano Ramos, todas as alternativas estão corretas, EXCETO: a) O romance focaliza uma família de retirantes, que vive numa espécie de mudez introspectiva, em precárias condições físicas e num degradante estado de condição humana. b) O relato dos fatos e a análise psicológica dos personagens articulam-se com grande coesão ao longo da obra, colocando o narrador como decifrador dos comportamentos animalescos dos personagens. c) O ambiente seco e retorcido da caatinga é como um personagem presente em todos os momentos, agindo de forma contínua sobre os seres vivos. d) A narrativa faz-se em capítulos curtos, quase totalmente independentes e sem ligação cronológica e o narrador é incisivo, direto, coerente com a realidade que fixou. e) O narrador preocupa-se exclusivamente com a tragédia natural (a seca) e a descrição do espaço não é minuciosa; pelo contrário, revela o espírito de síntese do autor.
  16. 16. (UNIARAXÁ) Leia o fragmento abaixo transcrito da obra Vidas Secas e responda a questão a seguir. Vivia longe dos homens, só se dava bem com animais. Os seus pés duros quebravam espinhos e não sentiam a quentura da terra. Montado confundia-se com o cavalo, grudava-se a ele. E falava uma linguagem cantada, monossilábica e gutural, que o companheiro entendia. A pé, não se agüentava bem. Pendia para um lado, para o outro lado, cambaio, torto e feio. Às vezes, utilizava nas relações com as pessoas a mesma língua com que se dirigia aos brutos – exclamações, onomatopéias. Na verdade falava pouco. Admira as palavras compridas e difíceis da gente da cidade, tentava reproduzir algumas em vão, mas sabia que elas eram inúteis e talvez perigosas. (Graciliano Ramos) No texto, a referência aos pés: (A) Constitui um jogo de contrastes entre o mundo cultural e o mundo físico do personagem. (B) Acentua a rudeza do personagem, em nível físico. (C) Justifica-se como preparação para o fato de que o personagem não estava preparado para caminhada. (D) Serve para demonstrar a capacidade de pensar do personagem. (E) nda
  17. 17.  (FUVEST) Um escritor classificou Vidas secas como “romance desmontável”, tendo em vista sua composição descontínua, feita de episódios relativamente independentes e seqüências parcialmente truncadas. Essas características da composição do livro:  a) constituem um traço de estilo típico dos romances de Graciliano Ramos e do Regionalismo nordestino. b) indicam que ele pertence à fase inicial de Graciliano Ramos, quando este ainda seguia os ditames do primeiro momento do Modernismo. c) diminuem o seu alcance expressivo, na medida em que dificultam uma visão adequada da realidade sertaneja. d) revelam, nele, a influência da prosa seca e lacônica de Euclides da Cunha, em Os sertões. e) relacionam-se à visão limitada e fragmentária que as próprias personagens têm do mundo.
  18. 18.  https://www.youtube.com/watch?v=MFtPBO VVmHU

×