O texto como gerador de sentido na imagem

676 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
676
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O texto como gerador de sentido na imagem

  1. 1. O TEXTO COMO GERADOR DE SENTIDO NA IMAGEM O texto é imprescindível da mensagem fotojornalística= Não existe fotojornalismo sem texto. O texto não pode invadir o espaço da fotografia. O texto tem várias funções como: • Chamar atenção para a fotografia • Complementar informativamente a fotografia= No entanto, na legenda, nunca descrever a ação apresentada na fotografia. • Direcionar o leitor para aquilo que a fotografia representa realmente. • Orientar o leitor para os significados que se pretendem atribuir à fotografia
  2. 2. REDUÇÃO/EXPANSÃO DE SIGNIFICADOS • Com o texto procura-se reduzir os significados possíveis ou expandir sentidos da mensagem jornalística. Ou seja, o texto legenda pode modificar o sentido denotativo de uma fotografia.
  3. 3. Soldado desconhecido no Vietnam, em 1965 (“Guerra é inferno” no capacete)
  4. 4. Livraria destruída por um ataque aéreo em Londres, 1940
  5. 5. Garoto austríaco ganha sapatos novos durante a Segunda Guerra Mundial
  6. 6. Os últimos prisioneiros deixando Alcatraz em 1963
  7. 7. Evelyn McHale, de 23 anos, pulou do 83º andar do Empire State Building e caiu sobre uma limusine das Nações Unidas, em 1947
  8. 8. Primeira manhã após a Suécia mudar o lado de dirigir da esquerda para a direita, 1967
  9. 9. Álcool ilegal sendo derramado durante Lei Seca em Detroit, 1929
  10. 10. Garotinha e sua boneca sentando nas ruínas de sua casa bombardeada em 1940 na cidade de Londres
  11. 11. A cabeça da Estátua da Liberdade sendo desembalada
  12. 12. O piloto Paul Tibbets W., então com 30 anos, acena na decolagem do Enola Gay antes da missão que devastou a cidade de Hiroshima
  13. 13. Participantes da XIX Maratona Internacional de São Paulo atravessam a ponte estaiada Octávio Frias de Oliveira (Folha de São Paulo online, 6 de outubro de 2013)
  14. 14. Polícia entrou no Complexo do Lins de Vaconcelos por volta das 6h de hoje. Menos de uma hora depois, já ocupava toda a região. (Folha de São Paulo, 6 de outubro, 2013)
  15. 15. Em Tóquio, Japão, manifestantes protestam contra a caça de tubarões. (Folha de S. Paulo, 6 de outubro 2013)
  16. 16. Devotos carregam imagem da deusa Durga em Calcutá, Índia; o festival Durga Puja começa na próxima semana e simboliza a vitória do bem sobre o mal. (Folha de S. Paulo, 6 de outubro 2013)
  17. 17. ENQUADRAMENTO, PLANOS E COMPOSIÇÃO ENQUADRAMENTO • Espaço da realidade visível na fotografia • O fotógrafo dita o enquadramento • É necessário, para um bom enquadramento, que o fotógrafo selecione (antes de clicar) o motivo principal da fotografia e retirar elementos que disviem atenção do motivo central. • É possível ainda, reenquadrar fotografias com programas de edição, caso a seleção visual do fotógrafo seja falha.
  18. 18. PLANOS O enquadramento concretiza-se no plano. A fotografia é uma unidade de significação (produz sentido) precisamente porque se consubstancia num plano. • PLANOS GERAIS: Planos abertos, informativos, situa o observador em uma determinada localização. Usadas para fotografar paisagens e eventos de massa. • PLANO CONJUNTO: São planos gerais mais fechados, onde é possível distinguir a ação e o intervenientes da ação por completo. • PLANO MÉDIO: São planos conjuntos mais fechados que servem para relacionar os objetos fotográficos e os aproximar de uma visão mais objetiva da realidade. • PRIMEIRO PLANO: Enfatizam particularidades, sendo mais expressivos que informativos. • CLOSE UP: É o primeiro plano mais fechado, incluindo mais detalhes que o anterior.
  19. 19. PLANO GERAL  Plano Geral (PG): Situa o local da ação, incluindo tudo e todos. Mostra o máximo possível do sujeito ou objeto.
  20. 20. PLANO CONJUNTO  Plano Conjunto (PC): identifica os atores no local da ação.
  21. 21. PLANO MÉDIO Plano Médio (PM): corte acima da cintura
  22. 22. PRIMEIRO PLANO  Primeiro Plano (PP): enquadramento do busto para cima como numa foto 3x4.
  23. 23. CLOSE UP  Close up: Isola o rosto
  24. 24. Close up EXEMPLOS
  25. 25. Plano conjunto
  26. 26. ÂNGULOS  Câmera Normal: Câmera posicionada na altura dos olhos, este é o tipo de ângulo usado para a maioria das gravações, ele imita a altura de uma pessoa.  Plongée: Câmera de cima para baixo. Desvalorizar o motivo fotográfico.  Contra-plongée: Câmera de baixo para cima. Valorizar o motivo fotográfico.
  27. 27. NORMAL
  28. 28. PLONGEÉ
  29. 29. CONTRA-PLONGÉE
  30. 30. COMPOSIÇÃO DOMÍNIO DE COMPOSIÇÃO= DISPOSIÇÃO DE ELEMENTOS DA FOTOGRAFIA , QUE EM EQUILIBRIO, GERAM UM SENTIDO E TRANSMITEM UMA INFORMAÇÃO. ONDE OS ELEMTENTOS NÃO COMPETEM ENTRE SI. • A forma mais comum de compor uma fotografia é colocar o elemento principal nos pontos de atração visual da Regra dos terços.
  31. 31. ERROS MAIS COMUNS AO COMPOR UMA IMAGEM SEGUNDO LEWIS: • Mau background QUANDO O FUNDO SE MESCLA COM O ELEMENTO PRINCIPAL DA FOTOGRAFIA. A SOLUÇÃO É CRIAR UMA PEQUENA PROFUNDIDADE DE CAMPO OU PELA MODIFICAÇÃO DO ÂNGULO HORIZONTAL DA CÂMERA.
  32. 32. • INEXISTÊNCIA DE UM PONTO FOCAL FORTE Resultado da indecisão do fotógrafo sobre qual a mensagem ele quer transmitir e o motivo principal da captação de imagem. (IMAGEM DESFOCADA). É necessário que o fotógrafo saiba previamente o motivo da fotografia.
  33. 33. MOTIVOS SEMPRE CENTRADOS • O fotojornalista deve colocar o elemento principal na Regra dos Terços e deixar de colocar o objeto centralizado.
  34. 34. OUTRAS IDEIAS PARA COMPOR • Manutenção de uma composição simples • Não inclusão de espaços mortos entre os sujeitos eventualmente representados na fotografia • Exclusão de detalhes externos ao centro de interesse • Inclusão de algum espaço antes do motivo • Correção de efeito de inclinação de edifícios altos (objetiva 35mm) • Preenchimento do enquadramento (ZOOM)
  35. 35. RELAÇOES FIGURA-FUNDO • Os motivos tem de se destacar do seu fundo. Um fundo confuso, face a qual o motivo se dilua ou perca importância, raramente permite construir uma mensagem clara (MAU BACKGROUND)
  36. 36. EQUILÍBRIO E DESEQUILÍBRIO • EQUILIBRIO ESTÁTICO: DOIS ROSTOS UM DE CADA LADO DA IMAGEM.
  37. 37. EQUILIBRIO DINÂMICO: PRODUZ UMA TENSÃO PELO FATO DE OS OBJETOS SEREM DE TAMANHOS DIFERENTES E ESTAREM EM PÓLOS DIFERENTES DA FOTOGRAFIA.

×