Jornal do Comércio - 80 anos

306 visualizações

Publicada em

Trabalho desenvolvido para a disciplina de História da Comunicação da UniRitter.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
306
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Jornal do Comércio - 80 anos

  1. 1. “Aquele homem que ainda no verdor dos anos percorria a cidade com um maço de jornais debaixo do braço...poucos sabiam que aquele homem solitário carregava muito mais do que um simples pacote de jornais: ele carregava um tesouro. Estava vivendo o sonho de um jornal, que já estava nascendo, como modesto boletim” Francisco Talaia O’Donnell, jurista
  2. 2. Cenário político: o brasil era governado por Getúlio Vargas e ainda sentia os efeitos da crise internacional econômica– a quebra da bolsa de valores de NY em 1929. “Consultor do Comércio” Surgiu de um sonho – ter seu próprio negócio e ser editor de um jornal Em maio de 1933 Jenor Cardoso Jarros pediu um empréstimo e fundou o primeiro jornal de perfil econômico do Rio Grande do Sul
  3. 3. Começou como um boletim econômico feito por ele mesmo, sua noiva, Zaida – uma professora que a noite revisava os números preparados e colhidos ao longo do dia para que fossem datilografados no dia seguinte; e Ismael Varella, grande amigo e braço direito. CURIOSIDADE: Zaida e Ismael seguiram atuando no Jornal do Comércio apos a morte do fundador. Distribuído em Porto Alegre – então com 300mil habitantes
  4. 4. 1935 – O boletim passou a ser produzido na Galeria Municipal, 91, altos do Mercado Público. CONTEÚDO: entrada de produtos, estatísticas mensais e anuais dos principais bens importados CONCEITO: informava aos atacadistas a chegada dos produtos coloniais que chegavam ao porto da capital, através dos vapores (navios cargueiros) Final da década - Mário e Dante Jarros se juntaram a equipe para a produção de conteúdo
  5. 5. Cenário político: durante o período da 2ª Guerra Mundial (1939-1945) foi proibido pelo DIP de divulgara a entrada e saída de mercadorias. 1940 - Sede no Palácio do Comércio “COLUNA SOCIAL NEGATIVA: informava os títulos protestados, com base em dados obtidos no 1º Cartório
  6. 6. “Era um boletim semanal, impresso em mimeógrafo, movido a manivela, em áspero papel de jornal, contendo de seis a oito páginas, com sobrecapa grampeada, que divulgava informações sobre o movimento portuário, entrada e saída de navios, exportação e importação, preço de mercadorias, cotação da bolsa e registros de firmas na Junta Comercial.” Luiz Lima Lângaro, advogado. Trabalhou na Associação Comercial de Porto Alegre em 1946
  7. 7. 1953 – Se tornou trissemanal (segundas, quartas e sextas) e ganhou novo formato. Se auto denominava “a mais completa publicação de informações comerciais do Estado”
  8. 8. CONTEÚDO: entrada de produtos vindos do interior – vindos por via férrea ou rodoviária, estatísticas mensais e anuais dos principais bens importados, informações comerciais como, títulos protestados, falências e concordatas, câmbio, transmissão de imóveis, manifestos de importação e exportação Jenor publicou um editorial divulgando o novo formato: “ Isento de partidarismos políticos e somente dedicado a transmitir e defender os pontos de vista consentâneos com o desenvolvimento do País, esse jornal deseja, com tal intuito, prosseguir suas atividades de criticar para corrigir, além de bem informar para melhor promover os fins a que se devotam o comércio, a indústria e os meios de produção em geral.”
  9. 9. Passou a circular diariamente JC = iniciais do fundador = nome do jornal 1º de outubro de 1956 - Trocou o nome para Jornal do Comércio (com intuito de ampliar as temáticas e matérias) Final da década de 50, trocou o mimeógrafo pelo linotipo
  10. 10. Já era reconhecido como um veículo de respeito e prestígio. 1 de setembro de 1960: ingressou no grupo de diários da capital, que já contava com Correio do Povo, Diário de Notícias, Folha da Tarde, Folha da Tarde Esportiva (que depois seria a Folha da Manhã), Jornal do Dia e Última Hora (sucedida pela Zero Hora em 1964).
  11. 11. Leitura obrigatória para empresários, profissionais das industrias e comerciantes DIFERENCIAL: sua Linha editorial; Matérias especializadas, voltadas ao noticiário econômico e dos negócios. Em 1969 Jenor Cardoso Jarros faleceu, deixando seu austero legado para a esposa e filho.
  12. 12. Zaida Jayme Jarros e Delmar Jarros assumiram a direção, ela como presidente e ele como diretor administrativo. Parceria que durou três décadas. Deram continuidade ao processo de reformulação do jornal? Ampliação do quadro de funcionários Iniciou a expansão dos negócios com a abertura de sucursais no interior do Estado, Rio de Janeiro, São Paulo e Brasília.
  13. 13. Se firmou como o jornal da economia e negócios do Estado. Resistiu a crise da imprensa gaúcha. No início da década, apenas o Jornal do Comércio e Zero Hora circulavam.
  14. 14. 1990 – ingressou na era tecnológica lançando seu portal virtual 1999 – primeira edição em cores (capa e contracapa)
  15. 15. 2008 – edição totalmente colorida *Hoje http://jcrs.uol.com.br/ Em 2009 entrou no ar o portal www.jornaldocomercio.com*, que conta com uma equipe de oito pessoas, responsáveis pela produção e atualização constante das informações.
  16. 16. Opinião Economia Politica Geral/ Internacional Esportes
  17. 17. Colunas
  18. 18. Cadernos Empresas & Negócios Jornal da Lei JC Contabilidade Panorama Viver Automotor JC Logística
  19. 19. O Futuro da Terra O Jornal do Comércio, mantendo a sua forte atuação na Expointer, promove o evento O Futuro da Terra. Desde 1997, o prêmio destaca cientistas, pesquisadores, agricultores e entidades que buscam o desenvolvimento da ciência e da tecnologia aplicadas à preservação do meio ambiente e no progresso do agronegócio no Estado. A premiação conta com a presença de autoridades, empresários e personalidades. Durante toda a Expointer, o JC apresenta cadernos especiais diários. Prêmio Troféu Cultura Econômica Um dos pontos altos da Feira do Livro de Porto Alegre é o Troféu Cultura Econômica Jornal do Comércio. Premiados, autoridades, empresários, professores, jurad os e estudantes assistem à cerimônia já reconhecida por ajudar na difusão de obras técnicas e científicas das áreas de Economia e Negócios. Dinâmico, o prêmio destaca editoras, livrarias e personalidades da Feira. O JC é o único jornal com cadernos diários da Feira do Livro. Destaques do Ano Em sua 27ª edição, reúne lideranças políticas, empresariais e representantes das categorias premiadas nos mais diversos setores em um almoço na Fiergs. Marcas de Quem Decide No início de março, o JC reúne, no Centro de Eventos do Hotel Plaza São Rafael, líderes e profissionais de diversos segmentos para apresentar os resultados da pesquisa e entregar os certificados das marcas mais lembradas e preferidas dos gaúchos. A sua importância e representatividade no meio empresarial e publicitário transformou sua divulgação no primeiro grande evento no Estado. Além do evento, no final do mês de março, o JC circula com um caderno especial do MDQD. Exposição de 80 anos A mostra está disponível no site institucional do jornal de forma interativa e em um caderno especial que circulou dia 7 de maio de 2013. Fonte: portal Jornal do Comércio
  20. 20. “Aos 80 anos, Jornal do Comércio emprega mais de 200 colaboradores nas áreas de redação, pré- impressão, impressão, expedição, circulação, TI, comercial, marketing e administrativo.” 25 de maio de 2013 – 80 anos de circulação ininterrupta. Jornal mais antigo – sob esse aspecto – em atividade em Porto Alegre. Pedro Maciel, editor-chefe
  21. 21. Solidariedade - veia pulsante do jornal Em 1970, cedeu seus maquinários a Zero Hora, após esta ter seu parque gráfico inundado pelas aguas do arroio diluvio após uma forte chuvarada. Jenor Cardoso Jarros permitia que o então estudante João Dib (ex-prefeito e vereador de Porto Alegre) – que possuía poucos recursos, utilizasse o mimeógrafo do Consultor do Comércio para fazer cópias dos materiais didáticos e vender para os colegas. Atuava em outros veículos, como a Rádio Princesa na Capital e outras duas emissoras, uma em Candelária e outra em Cachoeira do Sul; Jornal do Balcão – dedicado a anúncios e classificados; 1960 – firmou parceria com a TV Difusora, lançada e comandada pelos padres capuchinhos. Conta com 10 suplementos semanais Faz a cobertura dos principais eventos de comércio e negócios com suplementos anuais (Dia da Indústria, Expointer, Feira do Livro e Marcas de Quem Decide)
  22. 22. http://jcrs.uol.com.br/site/especial.php?codn=123315 http://jcrs.uol.com.br/

×