GATOS NA ARTE
Os gatos foram representados na arte egípcia, muito especialmente na época saíta, período de intensas figurações animalist...
No Egito Antigo, o gato era reverenciado como um deus. Foi na forma de gato que o grande deus sol Rá venceu Apep, a serpen...
Os egípcios achavam que, ter um gato em casa era garantia de muitos filhos na família, porque a deusa Bastet era também a ...
Os gatos da raça abissínio são semelhantes aos gatos do Antigo Egito, que eram gatos de pelo curto, corpo esguio e pernas ...
Os romanos, quando invadiram e dominaram o Egito, adotaram o culto da deusa Bast. Eles apreciavam os gatos e os retratavam...
Assim, os gatos chegaram à Inglaterra – portanto, o gato inglês tem como ancestral o gato egípcio – mas, gatos ingleses se...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Gatos Na Arte

2.415 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.415
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
42
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Gatos Na Arte

  1. 1. GATOS NA ARTE
  2. 2. Os gatos foram representados na arte egípcia, muito especialmente na época saíta, período de intensas figurações animalistas. Eram consagrados no culto da deusa Bastet, deusa da fecundidade e protetora do lar, e tinham habitualmente as orelhas furadas para a colocação de argolas de ouro.
  3. 3. No Egito Antigo, o gato era reverenciado como um deus. Foi na forma de gato que o grande deus sol Rá venceu Apep, a serpente da escuridão. A deusa Bast – deusa que representava o sol, era também identificada com gatos, pela cabeça de uma gata – ou Pash, deusa da lua – ou Bastet, representada por uma gata preta, cujas qualidades eram a benevolência, beleza e doçura. Segundo a mitologia egípcia, Cleópatra era a encarnação da deusa Bastet. Bastet tornou-se tão importante que, os gatos, passaram a ser venerados em todo o Egito.
  4. 4. Os egípcios achavam que, ter um gato em casa era garantia de muitos filhos na família, porque a deusa Bastet era também a deusa do amor e da fertilidade. Matar gatos ou comê-los era considerado um crime. Quando um gato doméstico morria, os donos raspavam as próprias sobrancelhas em sinal de luto. Os gatos eram mumificados e enterrados formalmente (no Extremo Oriente os gatos também foram domesticados em épocas remotas: na China, a domesticação foi por volta de 2 mil a.C.).
  5. 5. Os gatos da raça abissínio são semelhantes aos gatos do Antigo Egito, que eram gatos de pelo curto, corpo esguio e pernas longas, para manterem-nos longe das areias quentes. Era ilegal a saída de gatos para fora do Egito, considerada contrabando. Mesmo assim, os fenícios levaram-nos em suas embarcações comerciais para a Itália, por volta de 900 a.C.
  6. 6. Os romanos, quando invadiram e dominaram o Egito, adotaram o culto da deusa Bast. Eles apreciavam os gatos e os retratavam como símbolo de liberdade. Com as invasões romanas, os gatos foram seguindo seus exércitos e foram introduzindo-se em toda a Europa – da Itália espalharam-se pela Europa inteira, conquistando admiradores em vários locais.
  7. 7. Assim, os gatos chegaram à Inglaterra – portanto, o gato inglês tem como ancestral o gato egípcio – mas, gatos ingleses selvagens também foram domesticados.

×