Relatório Benfica B

4.166 visualizações

Publicada em

Publicada em: Esportes
1 comentário
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.166
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
23
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
1
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relatório Benfica B

  1. 1. Análise de equipa Benfica B Liga 2 Cabovisão 16ª Jornada 23 de Novembro de 2013
  2. 2. Jogos Observados 84 Gianni Rodriguez 3 Steven Vitória 67 Hélder Costa 77 Rúben Pinto 52 Varela 30 André Gomes 65 Fábio Cardoso 56 Lolo 94 Bernardo Silva 23 Urreta 70 João Cancelo Nota: Hélder Costa expulso aos 85´ 1 S.L. Benfica– U. D. Oliveirense 3 Golos Benfica Substituições 5' Bernardo Silva, 29' Hélder Costa, 44' André Gomes, 88' Sancidino Silva João Teixeira (97) por André Gomes 61´ Sancidino Silva (74) por Urreta 71´ Jorge Rojas (81) por Lolo 80´
  3. 3. Características gerais da equipa • Sistema Táctico: 1x4x3x2x1 (com duplo-pivot defensivo e um número “10”, dois extremos e um avançado) • É uma equipa agressiva ofensivamente e defensivamente, mas um pouco imatura relativamente ao controlo e equilíbrio do jogo • Procura jogar circulado inicialmente, na 1ª fase de construção e na fase de criação procura um jogo mais directo, jogando no apoio frontal e realizando várias combinações nos três corredores. • Exerce uma grande pressão zonal defensivamente • Os extremos estão em troca posicional constante • Tem jogadores muito fortes no 1x1 (Bernardo Silva, Hélder Costa, João Cancelo) • O elo de ligação entre a fase de construção e criação é o André Gomes • Pontos fortes: Organização ofensiva e transição ofensiva • Pontos fracos: Transição defensiva (quando perde a bola no meio campo defensivo e organização defensiva (bolas nas costas da linha defensiva, principalmente.
  4. 4. Organização Ofensiva • • • • • • • • • • • • • • Fase de construção: Procura um jogo circulado e apoiado inicialmente, por isso, é uma equipa que sai a jogar pelos defesas centrais e os laterais são profundidade. Nesta fase do jogo um dos médios mais recuados desce para vir buscar jogo (principalmente o Rúben Pinto) (situação 1). É uma equipa em que os seus pivots participam muito nesta primeira fase de construção. Se o adversário está bem fechado no corredor central, a equipa também procura muito os laterais para a esta 1ª fase. O Hélder costa desce muito no terreno. Passam sempre coma bola pelo corredor central e só depois é que a colocam no corredor lateral (situação 2). Nesta fase a equipa é lenta, pois só acelera o jogo após o meio campo e o principal elo de ligação entre as duas fases é André Gomes Sugestões: Fechar bem o corredor central e pressionar de imediato o lateral quando a bola vai para lá. Tentar fechar a linha de passe do André Gomes para os obrigar a jogar de outro maneira. Fase de criação: Nesta fase, a equipa tenta acelerar o seu jogo. Quando a bola está no corredor lateral, um dos pivots vai receber e o extremo desmarca-se na linha, havendo duas linha de passe em triângulo (situação 3). É uma equipa que desequilibra muito no corredor através de combinações directas (situação 4) Jogam muito no apoio frontal e quem faz o passe desmarca-se na frente. É a partir deste momento em que tentam acelerar o jogo (situação 5). Este processo também passa muito pelos laterais, que também jogam várias vezes no apoio frontal. Por vezes, a equipa perde a bola em demasia com estes passes devido a antecipações do adversário O Bernardo Silva é um jogador muito rápido e forte a aparecer entre linhas. Também aparece muito no corredor e é muito bom no 1x1. é um dos jogadores que desequilibra mais. Os extremos realizam trocas posicionais constantemente. Sugestões: Fechar as linhas de passe do apoio frontal e obrigar a equipa a desacelerar o seu jogo. Ter atenção à mobilidade e criatividade do Bernardo Silva e à velocidade e técnica do Hélder Costa. Pressionar o André Gomes que é o elo de ligação entre as fases de criação e construção Fase de finalização: A equipa procura finalizar rápido e entra na área através de combinações directas. Outras das formas de finalização desta equipa é em lances individuais através dos dois extremos e do número “10” Bernardo Silva, de cruzamento, por parte dos extremos ou dos laterais e através de remate de meia distância por parte de Hélder Costa, Bernardo Silva, Urreta e André Gomes. O Bernardo Silva aparece várias vezes na grande área e as suas acções são imprevisíveis, apesar de tentar muitas vezes o 1x1. O Helder Costa está constantemente à procura de zonas interiores, e nestas situações o lateral passa nas costas. Sugestões: Pressionar à entada da área a fim de evitar o remate. Pressionar O Bernardo Silva limitando as suas acções. Dar sempre cobertura ao portador da bola pois o Benfica é muito forte no 1x1.
  5. 5. Situação 1: A equipa saia jogar pelos centrais e um dos médios (Rúben Pinto, principalmente) desce para vir buscar jogo. O André Gomes coloca-se um pouco mais à frente
  6. 6. Situação 2: Adversário bem fechado, e a equipa procura muito os laterais. O Hélder Costa desce muito no terreno. A equipa procura sempre o corredor central nesta fase e só coloca a bola no corredor lateral depois. Situação 3: Quando a bola está no corredor lateral, um dos médios vai receber e o extremo desmarca-se na linha formando um triângulo.
  7. 7. Situação 4: A equipa tenta desequilibrar muito no corredor lateral através de combinações directas. Situação 5: A equipa coloca quase sempre a bola no apoio frontal e desmarca-se na frente a fim de fazer acelerar o seu jogo e criar desequilíbrio no adversário
  8. 8. Transição Ofensiva • Neste momento de jogo, o Benfica é uma equipa que tenta sair a jogar de imediato se tem espaço antes do meio campo. Neste processo, há muitas vezes uma tentativa de acelerar em condução e depois colocar no corredor lateral (situação 6). • É uma equipa muito forte neste momento pois consegue reagir muito bem à recuperação de bola dando largura e profundidade de imediato, conseguindo desequilibrar o adversário. • Nesta fase, é também uma equipa que continua a procurar muitas combinações directas muito velozes, conseguindo sair em ataque rápido com muito sucesso. • Os laterais são também muito importantes nesta fase pois, quando a bola é colocada no corredor, estes passam nas costas do extremo e realizam um cruzamento se a bola é lá colocada ou arrastam um defesa permitindo ao portador da bola ter espaço para conduzir para zonas interiores (situação 7). • No último terço do terreno a equipa coloca várias vezes a bola no espaço principalmente por Bernardo Silva ou por André Gomes, que fazem um passe “a rasgar” (situação 8). Se recuperam a bola nestas zonas, são muito rápidos a sair em direcção à baliza adversária • Quando não há espaço para sair a jogar antes do meio campo, a equipa tende a bater para o corredor lateral e quando o adversário reage bem à perda de bola e fecha o espaço de imediato, a equipa organiza o jogo por trás, voltando à 1ª fase de construção. • Sugestões: Pressionar de imediato o portador se o Benfica está em inferioridade, fechando bem os espaços e obrigando a jogar para trás. Fechar de imediato as linhas de passe mais próximas a fim de evitar combinações directas.
  9. 9. Situação 6: A equipa, quando tem espaço antes do meio campo, tenta acelerar o jogo com condução de bola e depois colocá-la no corredor lateral. O jogador que conduz inicialmente acompanha o processo até ao final.
  10. 10. Situação 7: Os laterias fazem vários envolvimentos no corredor nesta fase permitindo fazendo um cruzamento ou arrastando um defesa possibilitando o extremo de entrar para zonas interiores, pois um defesa é arrastado Situação 8: A equipa coloca a bola no espaço várias vezes, por parte do Bernardo Silva ou do André Gomes
  11. 11. Organização Defensiva • É uma equipa que tenta limitar a 1ª fase de construção do adversário exercendo uma pressão alta sobre os centrais, com um médio que sobre (Bernardo Silva, na maioria das vezes), com um pivot, com o avançado e um extremo (situação 9). Nesta situação, os médios fecham as linhas de passe no corredor central. • Exerce uma grande pressão nos médios do adversário e, quando ó portador está de costas para a baliza, há um acompanhamento imediato nele e fecham-se as linhas de passe mais próximas (situação 10) • No meio campo, há sempre um acompanhamento agressivo ao portador da bola que não tem espaço para conduzir nem para executar um passe (situação 11). Nestas alturas a cobertura está próxima, e o equilíbrio defensivo é bem executado. Por vezes, o lateral do lado contrário não fecha e preocupa-se só com o jogador • É uma equipa com as linhas muito juntas, com um bloco muito compacto e agressivo. • Um dos defesas centrais (Steven Vitória, essencialmente) acompanha sempre o avançado da equipa adversária e, por vezes, há um grande desequilíbrio defensivo devido a esse acompanhamento (situação 12) • É uma equipa fraca a defender cruzamentos quando há muito mobilidade dentro de área (ou jogadores vindo de fora de área ou das costas da defesa). Fracos quando o cruzamento é para o segundo poste ou para perto da pequena área • Sugestões: Jogar com falso avançado de modo a provocar a subida de um dos centrais do Benfica e criar desequilíbrio defensivo. Rodar rápido o centro de jogo, obrigando a bascular a equipa a fim de se abrir espaços.
  12. 12. Situação 9: Pressão alta na 1ª fase de construção. Os dois médios fecham as linhas de passe no corredor central. Situação 10: É exercida uma grande pressão no meio campo e quando o adversário está de costas para a baliza, há um acompanhamento e fecham-se as linhas de passe mais próximas
  13. 13. Situação 11: Grande pressão no meio campo que limita a acção do jogador adversário. É uma equipa muito agressiva nas disputas de bola, no 1x1 com o adversário.
  14. 14. Situação 12: Acompanhamento constante do Steven Vitória ao avançado adversário, o que por vezes provoca um grande desequilíbrio defensivo na equipa
  15. 15. Transição Defensiva • É uma equipa que reage bem à perda de bola no meio campo ofensivo devido ao aglomerado de jogadores nessa zona, mas que não reage tão bem quando perde a bola ainda no meio campo defensivo, ficando descompensada defensivamente. • Nas situação em que perdem a bola no meio campo ofensivo reagem bem e pressionam de imediato porque estão em superioridade numérica. Mas quando a linha defensiva está demasiado adiantada e a bola é colocada nas suas costas, principalmente do lado do Fábio Cardoso, a equipa fica com dificuldades, devido à velocidade desse defesa. • Se perdem a bola no meio campo, há pressão imediata no portador (situação 13) • Logo que há um passe para o corredor lateral, há uma aproximação imediata no portador. • Quando a equipa está em inferioridade numérica, realiza contenção e a linha defensiva tenta baixar no terreno de imediato acompanhando os jogadores da frente e fechando os espaços (situação 14) • Quando perdem a bola no meio campo defensivo, a equipa é lenta, os laterais são lentos também a reagir à perda de bola, tal como o Fábio Cardoso (é muito fraco na antecipação). • Quando a linha defensiva está adiantada e a bola é colocada no espaço (do lado esquerdo principalmente), há muito espaço para condução do adversário (situação 15). Nestas situações, a equipa torna-se pouco agressiva pouco equilibrada. • Quando o Steven Vitória faz o acompanhamento ao avançado sem sucesso, a equipa fica descompensada e há espaço para conduzir e para colocar a bola entre os dois centrais (devido ao atraso no terreno do Steven Vitória) (situação 16) • Sugestões: Tentar recuperar a bola no meio campo ofensivo do Benfica a fim de procurar o desequilíbrio. Tentar colocar a bola entre os centrais quando o Steven Vitória faz o acompanhamento. Sair rápido a jogar desde trás e colocar a bola nas costas da linha defensiva (do lado esquerdo principalmente)
  16. 16. Situação 13: Quando a equipa perde a bola no meio campo ofensivo, há uma pressão imediata no portador da bola Situação 14: Quando a equipa está em inferioridade numérica, realiza contenção e a linha defensiva tenta baixar no terreno de imediato acompanhando os jogadores da frente e fechando os espaços
  17. 17. Situação 15:Quando a linha defensiva está adiantada e a bola é colocada no espaço (do lado esquerdo principalmente), há muito espaço para condução do adversário Situação 16: Quando o Steven Vitória faz o acompanhamento ao avançado sem sucesso, a equipa fica descompensada e há espaço para conduzir e para colocar a bola entre os dois centrais
  18. 18. Esquemas Táticos Ofensivos Cantos Ofensivos Livres Ofensivos • Lado esquerdo: Urreta (pé direito) • Canto curto com jogador posicionado no bico da grande área e três jogadores na retaguarda. • Canto longo: Cinco jogadores dentro de área. Três na 1ª zona (1 no 1º poste, 1 no 2º e 1 na zona de penálti), 1 jogador atrás deles e outro vindo de trás, acompanhando o movimento da bola e atacando a bola de frente. Marca Urreta/Cancelo dos dois lados. Um jogador perto da bola e cinco jogadores dentro de área. Três na 1ª zona (1 no 1º poste, 1 no 2º e 1 na zona de penálti) e dois jogadores vindos de trás, acompanhando o movimento da bola e atacando a bola de frente. Livres directos: Urreta/ Cancelo. Ambos batem muito bem e criam perigo. Colocam-se 1 jogador na barreira e outro à entrada da área Referências nas bolas paradas ofensivas: Steven Vitória, Lolo, André Gomes, Fábio Cardoso
  19. 19. Esquemas Táticos Defensivos Cantos Defensivos • Defendem à zona e marcam os jogadores livres (marcação mista) • 1 jogador ao 1º poste • 1 jogador ao 2º poste • 1 jogador no 1º espaço • 1 jogador na área de penalti • 1 entre a área de penalti e a pequena área • 1 jogador à entrada da área • Os restantes marcam HXH Livres Defensivos Defendem à zona e marcam os jogadores livres (marcação mista) Posicionamento de acordo com a linha da barreira Marcação ao homem maioritariamente e o resto na retaguarda e em zonas como o segundo poste
  20. 20. Análise individual Varela É um GR muito alto e com reflexos muito bons. Esteve presente nos momentos de maior aperto do Benfica. É alto e forte nas saídas. Acompanha bem a linha defensiva quando esta está subida. João Cancelo Jogador muito ofensivo e muito irreverente. Forte nos cruzamentos, no 1x1 e muito rápido. Fábio Cardoso Central forte no desarme, mas lento na transição defensiva. Reage mal à perda de bola e é fraco na antecipação Steven Vitória Jogador alto e muito forte no acompanhamento e na antecipação ao adversário. Teve muito sucesso no desarme e é forte no cabeceamento. As suas acções de acompanhamento fazem desequilibrar a equipa, por vezes. Gianni Rodriguez Lateral rápido e muito ofensivo. Forte tecnicamente André Gomes Médio lento, mas de grande execução. Forte na 1ª fase de construção e participativo na fase de criação. Fraco na transição defensiva mas muito bom desarme. Rúben Pinto É o médio mais participativo na 1ª fase de construção, descendo no terreno para ir buscar jogo. Bernardo Silva Homem do jogo. É muito móvel, forte no passe e no 1x1, muito irreverente e de rápidas acções. Aparece muito na área e nos corredores laterais e é bom finalizador. Apesar da sua pequena estatura, é muito agressivo Urreta Extremo rápido e bom no 1x1. Tem um bom cruzamento e é forte na marcação de bolas paradas Hélder Costa É um jogador muito rápido e muito desequilibrador devido à sua técnica, velocidade e mudanças de direcção. Tem um bom pé esquerdo e remata bem. Lolo É também extremo e tem alguma velocidade. Teve dificuldades por estar a jogar de costas para a baliza. João Teixeira Jogador que trás equilíbrio, forte no passe curto e forte no posicionamento Sancidino Rápido e forte no 1x1. Entrou no jogo para desequilibrar na transição ofensiva em lances de bolas no espaço ou lances de 1x1 Esteve muito pouco tempo em campo e participou pouco no jogo

×