Projeto do 2º Bim para os 2º e 3º Anos: Voce Tem 3 Poderes

1.717 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.717
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
81
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Projeto do 2º Bim para os 2º e 3º Anos: Voce Tem 3 Poderes

  1. 1. Governo do Distrito Federal Secretaria de Estado de Educação Diretoria Regional de Ensino do Recanto das Emas Centro de Ensino Médio 111 Telefone 3901.3355 “Brasília – Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade” www.ferreira18.blogspot.comPROJETO DE ARTE- 2º BIMESTRE VOCÊ TEM 3 PODERES. NÃO ÉSUPER-HERÓI. MAS, TEM 3PODERES. USE-OS. CIDADANIZE-SE. A ARTE AJUDA. Prof. Francisco Ferreira Brasília- Recanto das Emas - DF 2011
  2. 2. "O que mais preocupa não é o grito dos corruptos, dosviolentos, dos desonestos, dos sem caráter, dos sem ética. O quemais preocupa é o silêncio dos bons." Martin Luther King
  3. 3. ARTEApresentaçãoAs manifestações e produções artísticas devem ser entendidas como objetos culturais.Foram construídas pelo homem ao longo de sua vida e carregam dentro de si inúmerossignificados que devem ser desvendados na escola. O estudo da Arte deve ser entendidocomo a reconstrução do próprio objeto artístico, suas condições de produção e recepção(autoria, finalidade, momento e lugar histórico da criação, materiais utilizados, recursosutilizados, agentes financiadores, público-alvo, comercialização, usos etc.). Cada objetoartístico tem uma história que precisa ser recuperada para dar-se um sentido a ele. Essahistória muda muito de acordo com o valor que se atribui socialmente a esse objeto Issosignifica que esse objeto vai se transformando e adquirindo a forma de um objetocultural. O ensino de Arte na escola, em todos os anos escolares, respeitando a faixaetária dos alunos, tem por objetivos: ampliar as formas de ver e sentir os objetosartísticos; reconhecer outros objetos artísticos que não fazem parte de seu acervoimediato; preservar esses objetos como representação de culturas, de identidades, depatrimônio da humanidade.Enfim, que o aluno desenvolva o letramento em Arte, aprendendo a dar significado aosseus objetos e, se possível, produzi-los, com base nesse conhecimento. Semelhante aosestudos realizados em língua portuguesa, sobre os textos literários (objetos de Arte), osalunos vão recuperar a intertextualidade desses objetos que vão além do próprio objeto.A Arte na escola deve ser vista como o direito de os alunos usufruírem o patrimônioartístico da humanidade, de terem acesso a ele, valorizando as experiências estéticascomo representações culturais de luta e de construção de identidades em diferentestempos e lugares e, ao mesmo tempo, reconstruindo-as frente às suas expectativaspessoais. O estudo da Arte faz parte de uma filosofia de mundo. Os conteúdos de Artedevem ser vistos como modos de ampliar o conhecimento de mundo do aluno. Não hásubordinação entre esses conteúdos, se forem colocados em cheque com o carátertransitório da Arte, porque nunca um objeto artístico será igual ao outro, envolvendomuitas leituras sujeitas à perspectiva de quem lê, porque aprendeu a ler. De início,indica-se o estudo da Arte como linguagens construídas com códigos e materiaispróprios (artes visuais, música, teatro e dança), de acordo com suas funções sociais.As artes visuais são identificadas por sua linguagem visual.A música é identificada por sua linguagem musical.O teatro é identificado por sua linguagem teatral.A dança é identificada por sua linguagem corporal.Considerando a conceituação dos Parâmetros Curriculares Nacionais, as expectativas deaprendizagem relacionam-se ao desenvolvimento de habilidades relativas à:1. Produção: percepção, experimentação, criação, produção.2. Fruição ( apreciação): comunicação, leitura, compreensão, análise e interpretação.3. Reflexão (contextualização): pesquisa, reflexão, crítica, autocrítica.
  4. 4. A faixa etária dos alunos é um diferencial no desenvolvimento desses processos porqueenvolvem aspectos cognitivos, interesses pessoais, conhecimentos prévios. A seguir, sãoapresentadas as expectativas de aprendizagem em cada um dos tópicos. A leitura dasexpectativas de aprendizagem deve considerar os conteúdos de ensino a que se referem.As expectativas de aprendizagem não pretendem reduzir os conhecimentos a seremensinados / aprendidos, mas, sim, indicar os limites sem os quais o aluno teriadificuldades para prosseguir seus estudos, bem como participar ativamente na vidasocial. PCN - Parâmetros Curriculares Nacionais 2009.
  5. 5. CEM 111 - Ensino Médio 2011 RECANTO DAS EMAS Projeto do 2° bimestre: Você tem 3 PoderesProjeto Você tem 3 poderes. Não é super herói. Mas, tem 3 poderes. Use-os. Cidadanize- se. A Arte ajuda.Público Alunos do 2º e 3º anosProfessor Francisco FerreiraAtividade Fazer um vídeo/propaganda de 1 minuto divulgando direitos ou deveres.Tema: Você tem 3 poderes. Não é super herói. Mas, tem 3 poderes. Use-os.Cidadanize-se. A Arte ajuda.1. Justificativa: Este projeto foi fruto de observações em sala de aula, sabendo que o conhecimentoem Arte deve abarcar não só o teatro, o cinema, a dança, mas também a propaganda.Sabendo que a ação pedagógica de avaliação no CEM 111 – Diurno RECANTO DASEMAS seria mais eficaz se os alunos fossem avaliados com um modelo mais próximodeles, tanto no que tange a facilidade de fazer a avaliação como se apropriar ou estáinserido fisicamente na própria. Justamente por a clientela do CEM 111 – Diurno doRECANTO das EMAS-DF ser de alunos de faixa etária entre 13 e 20 anos se pensouesse trabalho para a aprendizagem ser mais significativa.2. Objetivos do trabalho: Fazer com que os alunos entendam o saber e o fazer artísticos a partir de um tema tãodistante e ao mesmo tempo tão perto, pois nos afeta e os afeta mais ainda a falta dessespoderes e muito mais sua omissão e mais ainda o total desconhecimento de suaexistência. Acredita-se numa real interação dos três poderes: CLDF/Cidadão, GDF/ RA-XV e TJDFT/Fórum se fazendo presente na escola e diminuindo esse abismoexistencial, além que em contra partida essas instituições estariam sendo retratadas emseus vídeos/propagandas divulgando direitos e deveres. 2.1 Objetivos específicos:  Conhecer os três poderes do DF para melhor compreender suas atuações;
  6. 6.  Aprender que todo aluno/cidadão tem seus direitos e deveres;  Observar que os três poderes são importantes para toda a sociedade, desde que os conheçamos;  Entender que todo processo artístico, mesmo no vídeo/propaganda é sempre impregnado de saberes e fazeres artísticos e demanda tempos de estudos;  Saber que a cidadania nos liberta quando a buscamos e a levamos à busca de direitos e deveres;  Expor para o CEM 111 Ensino Médio - Diurno – em parceria com as intuições supracitadas todos os vídeos/propagandas das turmas.3. Conteúdos Curriculares O que mais se utilizará será a integração entres as instituições e os alunos, pois oaluno aprenderá nas aulas e colocará os conhecimentos em prática, cada um com suaespecificidade (2º e 3º anos), seu olhar em relação aos 3 poderes, de si mesmo econsequentemente de sua reflexão de cidadão ou cidadã. Utilizaram-se os PCN-ARTE Ensino Fundamental e Ensino Médio-EJA,www.tjdft.jus.br, www.cl.df.gov.br, www.df.gov.br e Orientações Curriculares-EnsinoMédio. O importante será que os alunos aprendam que seus vídeos sejam criados com maiorfacilidade a partir das observações das aulas do professor e das correlativas visitasinstitucionais.4. Metodologias O primeiro passo para esse projeto dar certo será sua sensibilização. Serão usados osseguintes procedimentos: a) Receber uma visita-palestra institucional chamada: “Você tem 3 poderes”; b) Mostrar a todas as turmas do CEM 111 Ensino Médio-Diurno num total de 14 turmas que o vídeo/propaganda institucional também é possível ser arte;
  7. 7. c) Relativizar que os trabalhos devem ser criados a partir da realidade de cada turma; d) Demonstrar nas aulas que as Instituições supracitadas e as Orientações Curriculares são os principais sustentáculos dos trabalhos, que aliados, claro, à organização, criatividade e imaginação dos educandos; e) Criar os trabalhos a partir dos seguintes recursos: câmera digital ou não, figurino, cenografia, iluminação, sonoplastia, etc. Utilizar qualquer recurso que seja um facilitador do seu trabalho e dê um retorno de qualidade desejado; f) Apresentar os trabalhos na escola ou instituições parceiras já devidamente editados e preparados; g) Lembrar que os parceiros da escola são peças-chaves no sucesso deste projeto: TJDFT, CLDF, GDF, RA-XV, Direção do CEM 111, Professores do CEM 111 e Alunos (as).5. Avaliação A avaliação do processo de aprendizagem do aluno será efetuada a partir de trêsperguntas: o que de fato eles aprenderam? Como foi considerado seu desenvolvimentono vídeo/propaganda? E como medir a qualidade “arte” dos trabalhos apresentados? I. O que de fato eles aprenderam? Esse processo será avaliado no dia-a-dia, pois o professor regente usará expedientes da própria aula para instigar os alunos e as turmas à pesquisa in loco e a experimentação; II. Como foi considerado seu desenvolvimento no trabalho? A justa avaliação periódica e o acompanhamento dos trabalhos e o desenvolvimento dos mesmos;III. E como medir a qualidade dos trabalhos? Comparando seu desenvolvimento no bimestre, observando as orientações curriculares e sua pertinência no tema dos trabalhos, bem como a observação do professor regente à avaliação.
  8. 8. 6. Cronograma: MesesAções Maio Junho JulhoAulas dadase vídeosObservaçõesem salaOrientaçõesAnálise dosVídeosExposiçãoREFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  9. 9. BARBOSA, Ana Mae Tavares Bastos. Teoria e prática da educação artística. 3 ed. SãoPaulo: Cultrix, 19. 115p.BOAL, Augusto. Teatro do oprimido e outras poéticas políticas. 7 ed. Rio de Janeiro:Civilização Brasileiria, 2005.CARLSON, M. Teorias do teatro: estudo histórico-crítico, dos gregos à atualidade. SãoPaulo: UNESP, 1997.COHEN, Renato. Performance como linguagem. São Paulo: Perspectiva, 2002.PAVIS, P. A análise dos espetáculos. São Paulo: Perspectiva, 1999.SPOLIN, Viola. Jogos Teatrais: O fichário de Viola Spolin. 2 ed. São Paulo:Perspectiva, 2006.Siteswww.cl.df.gov.brwww.df.gov.brwww.portacurtas.com.brwww.tjdft.jus.brwww.smec.salvador.ba.gov.br/site/documentos/espaco-virtual/espaco

×