Os heróis do olimpo livro 4 - a casa de hades - rick riordan

1.545 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.545
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
24
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os heróis do olimpo livro 4 - a casa de hades - rick riordan

  1. 1. ATENçÃO : Cuidado com a página falsa com o nome da “ máfia dos livros” no facebook, Existe uma falsa usando o nosso nome para angariar membros e agindo como se fosse nós , ludibriando e enganando a todos! MAFIA DOS LIVROS SÓ EXISTE UMA – QUALQUER OUTRA NO FACE QUE NÃO ESSA ABAIXO É UMA FARÇA. Nosso Endereço verdadeiro é : http://www.facebook.com/mafiadoslivrosoficial
  2. 2. Copyright © 2013 by Rick Riordan Edição em português negociada por intermédio de Nancy Gallt Literary Agency e Sandra Bruna Agencia Literaria, SL. TÍTULO ORIGINAL The House of Hades TRADUÇÃO Alexandre Raposo Edmundo Barreiros PREPARAÇÃO Flora Pinheiro REVISÃO Janaína Senna Carolina Lopes ADAPTAÇÃO DE CAPA Julio Moreira GERAÇÃO DE EPUB Intrínseca REVISÃO DE EPUB Rodrigo Rosa E-ISBN 978-85-8057-420-3 Edição digital: 2013
  3. 3. 4/789 Todos os direitos desta edição reservados à EDITORA INTRÍNSECA LTDA. Rua Marquês de São Vicente, 99, 3º andar 22451-041 – Gávea Rio de Janeiro – RJ Tel./Fax: (21) 3206-7400 www.intrinseca.com.br
  4. 4. » » » »
  5. 5. Para meus maravilhosos leitores: Lamento pelo último suspense. Quer dizer, não, não de verdade. HAHAHAHA. Mas, falando sério, adoro vocês, pessoal. Rick Riordan
  6. 6. I HAZEL DURANTE O TERCEIRO ATAQUE, Hazel quase engoliu um pedregulho. Tentava enxergar através da neblina, perguntando-se como podia ser tão difícil voar por uma estúpida cordilheira, quando o alarme do navio soou. — Tudo a bombordo! — gritou Nico do mastro de proa do navio voador. Lá atrás, no leme, Leo girou o timão. O Argo II guinou para a esquerda, os remos aéreos cortando as nuvens como facas enfileiradas. Hazel cometeu o erro de olhar por cima da amurada. Uma forma esférica e escura movia-se rapidamente em sua direção. Ela pensou: Por que a lua está se aproximando? Então gritou e se jogou no convés. A imensa pedra passou tão perto que soprou o cabelo caído em seu rosto. CRAC!
  7. 7. 8/789 O mastro de proa tombou — vela, vergas e Nico, tudo caindo no convés. O pedregulho, mais ou menos do tamanho de uma picape, desapareceu na neblina como se tivesse mais o que fazer longe dali. — Nico! Hazel chegou até ele com dificuldade enquanto Leo estabilizava o navio. — Estou bem — murmurou Nico, chutando as velas enroscadas em suas pernas. Ela o ajudou a se levantar e os dois cambalearam até a proa. Hazel olhou com mais cuidado dessa vez. As nuvens se abriram o bastante para revelar o topo de uma montanha logo abaixo: um cume escarpado de rocha negra despontava das encostas verde-musgo. De pé, no topo, estava um deus da montanha — um dos numina montanum, como Jason os chamava. Ou ourae, em grego. Qualquer que fosse o nome, eles eram malvados. Como os outros que haviam enfrentado, esse usava uma túnica branca simples que cobria a pele áspera e escura como basalto. Era extremamente musculoso, tinha pouco mais de seis metros de altura, barba branca e comprida, cabelo desgrenhado e um olhar selvagem, como o de um eremita louco. Ele gritou algo incompreensível para Hazel, mas que com certeza não eram boas-vindas. Com as próprias mãos, ele arrancou outro pedaço de rocha de sua montanha e começou a moldar uma bola.
  8. 8. 9/789 A cena desapareceu na neblina, mas quando o deus da montanha rugiu de novo outros numina responderam ao longe, as vozes ecoando pelos vales. — Malditos deuses das pedras! — gritou Leo ao timão. — Vou ter que substituir o mastro pela terceira vez! Acham que eles dão em árvores? Nico franziu a testa. — Os mastros são feitos de árvores. — Essa não é a questão! Leo pegou um de seus controles, adaptado de um Nintendo Wii, e girou-o em círculo. A alguns metros dali, um alçapão se abriu no convés. Surgiu um canhão de bronze celestial. Hazel só teve tempo de tapar os ouvidos antes de aquilo disparar para o céu, espalhando uma dúzia de esferas de metal que deixou um rastro de fogo verde. Em pleno ar, esporões brotaram das esferas como as pás de um helicóptero, e elas se afastaram em meio à névoa. Pouco depois, uma sequência de explosões ecoou pela cordilheira, seguida pelo rugido indignado dos deuses da montanha. — Há! — gritou Leo. Infelizmente, a julgar pelos dois últimos encontros, Hazel presumiu que a mais nova arma de Leo apenas irritara os numina. Outra pedra silvou através do ar a estibordo. — Tire-nos daqui! — gritou Nico.
  9. 9. 10/789 Leo murmurou alguns comentários pouco lisonjeiros sobre os numina, mas girou o timão. Os motores rugiram. O cordame mágico se tensionou por conta própria, e o navio rumou para bombordo. O Argo II ganhou velocidade, recuando para o noroeste, como vinha fazendo nos últimos dois dias. Hazel não relaxou até estarem longe das montanhas. O nevoeiro se dissipou. Abaixo deles, o sol da manhã iluminava a pradaria italiana: colinas verdes e campos dourados não muito diferentes daqueles do norte da Califórnia. Hazel quase podia imaginar que estava navegando de volta para casa, rumo ao Acampamento Júpiter. Aquela ideia fez seu peito doer. O Acampamento Júpiter fora o seu lar por apenas nove meses, desde que Nico a trouxera de volta do Mundo Inferior. Mas ela sentia mais saudade dali do que de sua cidade natal, Nova Orleans, e, definitivamente, mais do que do Alasca, onde morrera em 1942. Hazel sentia falta de seu beliche no bunker da Quinta Coorte. Tinha saudade dos jantares no refeitório, com os espíritos do vento conduzindo pratos pelo ar e legionários gracejando a respeito de jogos de guerra. Ela queria passear sem rumo pelas ruas de Nova Roma de mãos dadas com Frank Zhang. Queria saber como era ser uma garota normal pelo menos uma vez, com um namorado realmente doce e atencioso.
  10. 10. 11/789 Mais que tudo, queria se sentir segura. Estava cansada de passar o tempo todo assustada e preocupada. Hazel ficou de pé no tombadilho. Nico extraía de seus braços os estilhaços do mastro e, no painel de comando do navio, Leo socava botões. — Bem, isso foi uma droga — comentou Leo. — Devo acordar os outros? Hazel estava tentada a dizer que sim, mas os outros membros da tripulação haviam ficado com o turno da noite e mereciam descansar. Estavam exaustos por defenderem o navio. Ao que parecia, de poucas em poucas horas um monstro romano resolvia que o Argo II era na verdade uma guloseima deliciosa. Algumas semanas antes, Hazel não teria acreditado que alguém pudesse dormir durante um ataque numina, mas, agora, imaginava que seus amigos ainda estavam roncando abaixo do convés. Sempre que ela tinha uma chance de descansar, dormia como se estivesse em coma. — Eles precisam descansar — disse ela. — A gente vai ter que descobrir outro caminho sozinhos. — Hum. Leo olhou feio para o monitor. Com sua camisa de trabalho esfarrapada e a calça jeans manchada de graxa, parecia que tinha acabado de perder uma luta contra uma locomotiva.
  11. 11. 12/789 Desde que seus amigos Percy e Annabeth haviam caído no Tártaro, Leo vinha trabalhando quase sem parar. Andava mais irritado e até mesmo mais determinado do que o habitual. Hazel estava preocupada com ele. Mas parte dela sentia-se aliviada com a mudança. Sempre que Leo sorria e fazia piadas, ficava parecido demais com Sammy, seu bisavô… o primeiro namorado de Hazel, em 1942. Droga, por que a vida tinha que ser tão complicada? — Outro caminho — murmurou Leo. — Você vê algum? Um mapa da Itália brilhava em seu monitor. A cordilheira dos Apeninos se estendia por todo o país em forma de bota. Um ponto verde representando o Argo II piscava no lado esquerdo da tela, a algumas centenas de quilômetros ao norte de Roma. Deveria ter sido simples. Precisavam chegar a um lugar chamado Épiro, na Grécia, e encontrar um antigo templo chamado Casa de Hades (ou Plutão, como os romanos o conheciam, ou então, como Hazel gostava de pensar nele, o Pior Pai Ausente do Mundo). Para chegar a Épiro, tudo o que tinham de fazer era ir direto para leste — sobrevoando os Apeninos e atravessando o Mar Adriático. Mas não foi o que aconteceu. Sempre que tentavam cruzar a coluna vertebral da Itália, os deuses da montanha atacavam. Nos últimos dois dias, margearam as montanhas rumo ao norte, na esperança de encontrar uma passagem segura. Sem resultado. Os
  12. 12. 13/789 numina montanum eram filhos de Gaia, a deusa de quem Hazel menos gostava. Isso os tornava inimigos muito determinados. O Argo II não podia voar alto o bastante para evitar os ataques e, mesmo com todas as suas defesas, o navio não conseguiria atravessar a cadeia de montanhas sem ser despedaçado. — A culpa é nossa — disse Hazel. — Minha e de Nico. Os numina podem nos sentir. Ela olhou para o meio-irmão. Ele começara a recuperar as forças desde que o resgataram dos gigantes, mas ainda estava muito magro. A camisa preta e a calça jeans caíam folgadas no corpo esquelético. O cabelo longo e escuro emoldurava olhos encovados. A pele morena estava com um tom verde-claro doentio, cor de seiva de árvore. Sua idade humana era só catorze anos, apenas um ano mais velho do que Hazel, mas a história não terminava aí. Assim como ela, Nico di Angelo era um semideus de outra era. Ele irradiava uma espécie de energia antiga — uma melancolia por saber que não pertencia ao mundo moderno. Hazel não o conhecia havia muito tempo, mas entendia e chegava a compartilhar sua tristeza. Os filhos de Hades (ou Plutão, tanto faz) raramente tinham uma vida feliz. E, a julgar pelo que Nico dissera na noite anterior, seu maior desafio ainda estava por vir quando chegassem à Casa de Hades — um desafio que ele implorou que Hazel mantivesse em segredo.
  13. 13. 14/789 Nico agarrou a empunhadura de sua espada de ferro estígio. — Espíritos telúricos não gostam de filhos do Mundo Inferior. É verdade. Eles nos acusam de dar golpes baixos. Literalmente. Mas acho que os numina sentiriam este navio de qualquer modo. Estamos transportando a Atena Partenos. Essa coisa é como um farol mágico. Hazel estremeceu, pensando na enorme estátua que ocupava a maior parte do porão de carga. Eles sacrificaram muito para resgatála da caverna subterrânea em Roma, mas não tinham ideia do que fazer com ela. Até o momento, parecia que só servia para alertar monstros de sua presença. Leo deslizou o dedo pelo mapa da Itália. — Então, passar pela cordilheira está fora de questão. O problema é que ela se estende por um bom pedaço nos dois sentidos. — Poderíamos ir pelo mar — sugeriu Hazel. — Contornar a ponta sul da Itália. — É bem longe — disse Nico. — Além disso, não temos… — Sua voz falhou. — Você sabe… nosso especialista do mar, Percy. O nome pairou no ar como uma tempestade iminente. Percy Jackson, filho de Poseidon… provavelmente o semideus que Hazel mais admirava. Ele salvara a sua vida tantas vezes na expedição ao Alasca, mas quando Percy precisou de sua ajuda em Roma ela havia falhado. Vira, impotente, Percy e Annabeth despencarem naquele abismo.
  14. 14. 15/789 Hazel respirou fundo. Percy e Annabeth ainda estavam vivos. Ela conseguia sentir. Ainda teria a chance de ajudá-los caso conseguisse chegar à Casa de Hades, caso sobrevivesse ao desafio a respeito do qual Nico a tinha alertado… — E se formos para o norte? — perguntou Hazel. — Tem que haver uma passagem nas montanhas ou algo assim. Leo mexia na esfera de bronze de Arquimedes que ele instalara no painel de controle — seu mais novo e mais perigoso brinquedo. Toda vez que Hazel olhava para aquilo, ficava com a boca seca. Temia que Leo girasse a combinação errada e, acidentalmente, ejetasse todos do convés, explodisse o navio ou transformasse o Argo II em uma torradeira gigante. Felizmente, tiveram sorte. A esfera estendeu uma lente de câmera e projetou sobre o painel uma imagem em 3-D dos Apeninos. — Sei lá — disse Leo examinando o holograma. — Não vejo nenhuma boa passagem ao norte. Mas é uma ideia melhor do que voltar para o sul. Já chega de Roma. Ninguém discutiu. Roma não fora uma boa experiência. — Seja lá o que formos fazer — disse Nico —, precisamos nos apressar. Cada dia que Annabeth e Percy passarem no Tártaro… Ele não precisou terminar. Tinham que manter a esperança de que Percy e Annabeth sobreviveriam tempo suficiente para encontrar o lugar do Tártaro onde ficavam as Portas da Morte. Então, supondo
  15. 15. 16/789 que o Argo II pudesse chegar à Casa de Hades, eles talvez conseguissem abrir as portas pelo lado mortal, salvar os amigos e fechar a entrada, impedindo que as forças de Gaia reencarnassem infinitamente no mundo mortal. Sim, com certeza era um plano infalível… Nico olhou feio para a pradaria italiana lá embaixo. — Talvez devêssemos acordar os outros. Esta decisão afeta a todos nós. — Não — disse Hazel. — A gente pode encontrar uma solução. Não sabia bem por que estava tão decidida, mas, desde que deixaram Roma, a tripulação começara a perder a coesão. Estavam aprendendo a trabalhar em equipe e, então, bum… os dois membros mais importantes caíram no Tártaro. Percy era a sua coluna vertebral. Ele lhes dera confiança quando velejaram pelo Atlântico e entraram no Mediterrâneo. Quanto a Annabeth, ela fora a líder de facto da expedição. Recuperara a Atena Partenos sozinha. Era a mais inteligente dos sete, aquela que tinha as respostas. Se Hazel acordasse o restante da tripulação sempre que tivessem um problema, eles apenas começariam a discutir novamente, sentindo-se cada vez mais desamparados. Hazel tinha que deixar Percy e Annabeth orgulhosos. Precisava tomar a iniciativa. Não podia crer que seu único papel naquela expedição seria aquele do qual Nico lhe incumbira: o de remover o
  16. 16. 17/789 obstáculo que os esperava na Casa de Hades. Ela afastou tal pensamento. — Precisamos ser criativos — disse ela. — Pensar em outra forma de atravessar aquelas montanhas, ou uma maneira de nos esconder dos numina. Nico suspirou. — Se estivesse sozinho, eu poderia viajar nas sombras. Mas isso não funcionaria com um navio inteiro. E, para ser sincero, não sei se tenho forças para transportar nem a mim mesmo. — Talvez eu pudesse criar algum tipo de camuflagem — disse Leo —, como uma cortina de fumaça para a gente se disfarçar nas nuvens. Ele não soava muito entusiasmado. Hazel olhou para os campos pensando no que havia abaixo deles, o reino de seu pai, o senhor do Mundo Inferior. Ela só encontrara Plutão uma vez, e na ocasião nem sabia quem ele era. Certamente nunca esperara ajuda dele — não em sua primeira vida, não durante o período em que vagou como um espírito no Mundo Inferior e não desde que Nico a trouxera de volta ao mundo dos vivos. O servo de seu pai, Tânatos, o deus da morte, dera a entender que Plutão poderia estar fazendo um favor a Hazel ao ignorá-la. Afinal, ela não deveria estar viva. Se Plutão prestasse atenção nela, talvez tivesse que devolvê-la à terra dos mortos.
  17. 17. 18/789 O que significava que recorrer a Plutão era uma ideia muito ruim. E, no entanto… Por favor, pai, viu-se orando. Eu preciso encontrar uma maneira de entrar em seu templo na Grécia, a Casa de Hades. Se estiver aí embaixo, mostre-me o que fazer. No limiar do horizonte, um lampejo de movimento chamou a sua atenção, algo pequeno e bege cruzando os campos a uma velocidade incrível, deixando para trás um rastro de vapor, como um avião. Era inacreditável. Hazel não se atrevia a ter esperança, mas tinha que ser… — Arion. — O quê? — exclamou Nico. Leo emitiu um grito de felicidade diante da nuvem de poeira que se aproximava. — É o cavalo dela, cara! Você perdeu essa parte. Não o vemos desde o Kansas! Hazel sorriu — a primeira vez que sorria em dias. Era tão bom ver seu velho amigo. Cerca de um quilômetro ao norte, o pequeno ponto bege circundou uma colina e parou no topo. Era difícil enxergar, mas quando o cavalo empinou e relinchou, o som chegou até o Argo II. Hazel não teve mais dúvidas: era Arion. — Precisamos ir até lá — disse ela. — Ele está aqui para ajudar.
  18. 18. 19/789 — Tudo bem. — Leo coçou a cabeça. — Mas, hã, nós combinamos não pousar mais o navio no chão, lembra? Você sabe, com Gaia querendo destruir a gente e tudo mais… — Só me deixe perto dele. Vou descer pela escada de corda. — O coração de Hazel estava disparado. — Acho que Arion quer me dizer alguma coisa.
  19. 19. II HAZEL HAZEL NUNCA SE SENTIRA tão feliz. Bem, exceto na noite da festa da vitória no Campo Júpiter, quando beijou Frank pela primeira vez… mas este era seu segundo momento mais feliz. Assim que chegou ao chão, ela correu em direção a Arion e abraçou seu pescoço. — Senti saudade! — Ela apertou o rosto contra o dorso quente do animal, que cheirava a sal marinho e a maçãs. — Por onde você andou? Arion relinchou. Hazel desejou poder falar com cavalos como Percy fazia, mas entendeu a ideia geral. Arion soava impaciente, como se estivesse dizendo: Não há tempo para sentimentalismos, garota! Vamos! — Quer que eu vá com você? — arriscou Hazel.
  20. 20. 21/789 Arion balançou a cabeça, trotando sem sair do lugar. Seus olhos castanho-escuros brilhavam, apressando-a. Hazel ainda não conseguia acreditar que ele estava realmente ali. Arion era capaz de correr em qualquer superfície, até mesmo o mar, mas ela teve medo de que ele não os seguisse nas terras antigas. O Mediterrâneo era muito perigoso para semideuses e seus aliados. Ele não teria vindo a menos que Hazel estivesse realmente precisando. E parecia tão agitado… Qualquer coisa que fizesse um cavalo destemido ficar arisco deveria aterrorizá-la. Em vez disso, ela se sentia feliz. Estava tão cansada de enjoar no ar e no mar… A bordo do Argo II, Hazel se sentia tão útil quanto uma caixa de lastro. Estava feliz por pisar em terra firme de novo, mesmo sendo território de Gaia. Ela estava pronta para cavalgar. — Hazel — gritou Nico do navio. — O que está acontecendo? — Está tudo bem! Ela se agachou e extraiu uma pepita de ouro da terra. Tinha cada vez mais controle sobre o seu poder. Pedras preciosas não mais brotavam acidentalmente ao seu redor, e era fácil extrair ouro do chão. Deu a pepita para Arion… seu lanche favorito. Então, sorriu para Leo e Nico, que a observavam do topo da escada, uns trinta metros acima. — Arion quer me levar a algum lugar. Os rapazes trocaram olhares nervosos.
  21. 21. 22/789 — Hã… — Leo apontou para o norte. — Por favor, não me diga que ele está levando você para lá? Hazel estava tão concentrada em Arion que não notara a perturbação. A quilômetros de distância, no topo da colina seguinte, uma tempestade se armava sobre umas velhas ruínas de pedra, talvez restos de um templo romano ou uma fortaleza. Um funil de nuvens serpenteava em direção à colina como um filete de tinta preta. Hazel sentiu gosto de sangue na boca. Olhou para Arion. — Você quer ir para lá? Arion relinchou, como se dissesse: Claro, dã! Bem… Hazel pedira ajuda. Seria esta a resposta de seu pai? Ela esperava que sim, mas sentia algo além da influência de Plutão naquela tempestade… algo sombrio, poderoso e não necessariamente amigável. Ainda assim, era a sua chance de ajudar os amigos — de liderar em vez de seguir. Apertou as correias de sua espada de ouro da cavalaria imperial e montou Arion. — Vou ficar bem — gritou para Nico e Leo. — Esperem por mim aqui. — Esperar por quanto tempo? — perguntou Nico. — E se você não voltar?
  22. 22. 23/789 — Não se preocupe. Voltarei — prometeu ela, esperando que fosse verdade. Ela esporeou Arion, e ambos dispararam pelo campo, seguindo direto para o ciclone que se tornava cada vez maior.
  23. 23. III HAZEL A TEMPESTADE ENGOLIU A COLINA em um cone negro rodopiante. Arion disparou naquela direção. Hazel viu-se no cume da colina, mas sentia como se estivesse em outra dimensão. O mundo perdera as suas cores. As paredes do tornado, de um negro tenebroso, cercavam a colina. O céu estava cinzento. As ruínas pareciam tão brancas que quase brilhavam. Até mesmo Arion mudara de marrom caramelo para um tom cinzaescuro. No olho do tornado, o ar estava estagnado. Hazel sentiu um calafrio na pele, como se tivesse sido esfregada com álcool. À sua frente, um portal em arco nas paredes cobertas de musgo dava acesso a uma espécie de recinto.
  24. 24. 25/789 Hazel não podia ver muito em meio à escuridão, mas sentia uma presença ali, como se ela fosse um pedaço de ferro perto de um grande ímã. O magnetismo era irresistível, forçando-a a avançar. Ainda assim, hesitou. Ela puxou as rédeas de Arion, e ele golpeou o chão com impaciência, fazendo o solo crepitar sob seus cascos. Onde quer que ele pisasse, a grama, a terra e as pedras ficavam brancas como gelo. Hazel se lembrou da geleira Hubbard, no Alasca — como a superfície se partira sob seus pés. Lembrou-se do chão daquela horrível caverna em Roma se desfazendo em poeira, lançando Percy e Annabeth no Tártaro. Esperava que aquela colina em preto e branco não se dissolvesse debaixo dela, mas decidiu que era melhor continuar andando. — Então vamos, garoto. — Sua voz soava abafada, como se estivesse falando com o rosto enfiado em um travesseiro. Arion passou pelo arco de pedra. Paredes em ruínas rodeavam um pátio quadrado mais ou menos do tamanho de uma quadra de tênis. Havia três outros portais, um no meio de cada parede, nos sentidos norte, leste e oeste. No centro do pátio, cruzavam-se dois passeios calçados com seixos, formando uma cruz. A névoa pairava no ar — tiras brancas e nebulosas que se retorciam e ondulavam como se tivessem vida. Não uma névoa qualquer, percebeu Hazel. A Névoa.
  25. 25. 26/789 Durante toda a sua vida ela ouvira falar sobre a Névoa — o véu sobrenatural que ocultava o mundo mitológico da visão dos mortais. Podia enganar os seres humanos, até mesmo os semideuses, fazendoos ver monstros como animais inofensivos, ou deuses como pessoas normais. Hazel nunca pensara naquilo como fumaça de verdade, mas ao observá-la se fechar e envolver as patas de Arion, flutuando pelos arcos quebrados do pátio em ruínas, os pelos de seus braços se arrepiaram. De alguma forma, ela sabia: aquela coisa branca era pura magia. Ao longe, um cão uivou. Arion não costumava ter medo de nada, mas recuou, bufando, nervoso. — Está tudo bem — disse Hazel acariciando seu pescoço. — Estamos juntos nessa. Vou desmontar, certo? Ela desmontou. Na mesma hora, o cavalo se virou e partiu. — Arion, espe… — mas ele já voltara correndo por onde viera. Isso porque estavam juntos nessa… Outro uivo rasgou o ar, dessa vez mais próximo. Hazel deu um passo em direção ao centro do pátio. A Névoa se agarrava a ela como neblina de congelador. — Olá — chamou. — Olá — respondeu uma voz.
  26. 26. 27/789 A figura pálida de uma mulher apareceu no portal norte. Não, espere… no portal leste. Não, oeste. Três imagens esfumaçadas da mesma mulher se moviam sincronizadas em direção ao centro das ruínas. Sua forma era turva, feita de Névoa, e dois pequenos tufos de fumaça a seguiam de perto, movimentando-se rapidamente a seus pés como se fossem seres vivos. Algum tipo de animal de estimação? Ela chegou ao centro do pátio e suas três formas se fundiram em uma. Materializou-se em uma jovem que usava um vestido escuro sem mangas. Seu cabelo dourado estava preso em um rabo de cavalo alto, no estilo grego clássico. Seu vestido era tão sedoso que parecia ondular, como se o tecido fosse tinta escorrendo de seus ombros. Não parecia ter mais de vinte anos, mas Hazel sabia que isso não queria dizer nada. — Hazel Levesque — disse a mulher. Ela era linda, embora muito pálida. Certa vez, em Nova Orleans, Hazel fora obrigada a ir ao velório de uma colega de classe. Lembrouse do corpo sem vida da jovem no caixão aberto. Seu rosto fora muito bem maquiado, para parecer que estava dormindo, o que Hazel achou aterrador. A mulher fez Hazel se lembrar daquela menina, só que seus olhos estavam abertos e eram completamente negros. Quando inclinou a cabeça, pareceu voltar a se dividir em três pessoas diferentes…
  27. 27. 28/789 imagens enevoadas e fora de foco se juntando, como o retrato borrado de uma pessoa se movendo rápido demais na hora da foto. — Quem é você? — Os dedos de Hazel seguraram o punho de sua espada. — Quer dizer… qual deusa? Pelo menos daquilo Hazel tinha certeza. A mulher irradiava poder. Tudo ao redor delas — a Névoa rodopiante, a tempestade monocromática, o brilho fantasmagórico das ruínas — era por causa de sua presença. — Ah. — A mulher assentiu com a cabeça. — Deixe-me lhe dar alguma luz. Ela ergueu as mãos. Subitamente, segurava duas antiquadas tochas de junco acesas. A Névoa recuou para as extremidades do pátio. Junto às sandálias da mulher, os dois animais etéreos tomaram formas sólidas. Um era um labrador preto. O outro era um roedor comprido, cinzento e peludo com uma máscara branca ao redor do rosto. Uma doninha, talvez? A mulher deu um sorriso sereno. — Sou Hécate. Deusa da magia. Temos muito o que conversar se quiser sobreviver a esta noite.
  28. 28. IV HAZEL HAZEL QUERIA CORRER, MAS SEUS pés pareciam presos ao chão branco vitrificado. Em ambos os lados do cruzamento, dois suportes de metal escuro irromperam da terra como caules de plantas. Hécate prendeu as tochas neles, então caminhou lentamente em torno de Hazel, olhando-a como se fossem parceiras em uma estranha dança. O cão preto e a doninha a seguiram. — Você parece com a sua mãe — decidiu Hécate. Hazel sentiu um nó na garganta. — Você a conheceu? — Claro. Marie era uma vidente. Vivia de encantos, maldições e talismãs. Eu sou a deusa da magia. Aqueles olhos absolutamente negros pareciam atrair Hazel, como se estivessem tentando sugar a sua alma. Durante sua primeira vida
  29. 29. 30/789 em Nova Orleans, as crianças da escola St. Agnes a atormentavam por causa da mãe. Diziam que Marie Levesque era uma bruxa. As freiras murmuravam que a mãe de Hazel tinha coisa com o Diabo. Se as freiras tinham medo de minha mãe, perguntou-se Hazel, o que achariam desta deusa? — Muitos me temem — disse Hécate, como se lesse os seus pensamentos. — Mas a magia não é boa e nem má. Trata-se de uma ferramenta, como uma faca. Uma faca é má? Só se o seu dono for mau. — Minha… minha mãe — gaguejou Hazel. — Ela não acreditava em magia. Não de verdade. Apenas fingia, para ganhar dinheiro. A doninha chiou e mostrou os dentes. Em seguida, emitiu um ruído de seu traseiro. Em outras circunstâncias, uma doninha soltando gases poderia ser algo engraçado, mas Hazel não riu. Os olhos vermelhos do roedor voltaram-se sinistramente para ela, como pequenas brasas. — Calma, Gale — disse Hécate. Ela deu de ombros, desculpandose com Hazel. — Gale não gosta de incrédulos e vigaristas. Ela já foi uma bruxa, sabe? — Sua doninha era uma bruxa? — Na verdade é uma tourão — esclareceu Hécate. — Mas, sim. Gale já foi uma desagradável bruxa humana. Ela cuidava muito mal da higiene pessoal, além de ter muitos, hã, problemas
  30. 30. 31/789 digestivos. — Hécate balançou a mão diante do nariz. — Isso dava má fama para meus outros seguidores. — Tudo bem. Hazel tentou não olhar para a doninha. Ela realmente não queria saber dos problemas intestinais do roedor. — De qualquer modo — continuou Hécate —, eu a transformei em um tourão. Ela fica muito melhor assim. Hazel engoliu em seco. Ela olhou para o cão negro, que esfregava carinhosamente o focinho na mão da deusa. — E o seu labrador… — Ah, é Hécuba, ex-rainha de Troia — disse Hécate, como se isso fosse algo óbvio. A cadela rosnou. — Você está certa, Hécuba — disse a deusa. — Não temos tempo para longas apresentações. O fato, Hazel Levesque, é que sua mãe podia alegar não acreditar, mas ela detinha a verdadeira magia. E acabou percebendo isso. Quando buscou um feitiço para invocar o deus Plutão, eu a ajudei a encontrá-lo. — Você…? — Sim. — Hécate continuou andando ao redor de Hazel. — Eu vi potencial em sua mãe. E vejo ainda mais potencial em você. Hazel ficou tonta. Ela se lembrou da confissão de sua mãe pouco antes de morrer: como invocara Plutão, como o deus se apaixonara
  31. 31. 32/789 por ela, e como, por causa de sua cobiça, sua filha Hazel nascera amaldiçoada. Hazel era capaz de extrair riquezas da terra, mas qualquer um que as usasse sofreria e morreria. Agora, aquela deusa estava dizendo que ela provocara tudo aquilo. — Minha mãe sofreu por causa da magia. A minha vida inteira… — Sua vida não teria acontecido sem mim — disse Hécate simplesmente. — Eu não tenho tempo para a sua raiva. Nem você aliás. Sem a minha ajuda, você morrerá. A cadela rosnou. A tourão trincou os dentes e soltou gases. Era como se os pulmões de Hazel estivessem se enchendo de areia quente. — Que tipo de ajuda? — perguntou. Hécate ergueu os braços pálidos. Os três portais pelos quais entrara — norte, leste e oeste — começaram a girar com a Névoa. Um turbilhão de imagens em preto e branco brilhou e cintilou, como nos velhos filmes mudos que ainda passavam às vezes nos cinemas quando Hazel era pequena. No portal oeste, semideuses romanos e gregos com armaduras completas lutavam entre si na encosta de uma colina, sob um grande pinheiro. A grama estava repleta de feridos e moribundos. Hazel viu a si mesma montando Arion, avançando pela luta corpo a corpo e gritando, tentando pôr um fim à violência.
  32. 32. 33/789 No portal leste, Hazel viu o Argo II caindo sobre os Apeninos. Seu cordame estava em chamas. Um pedregulho atingira o tombadilho. Outro perfurara o casco. O navio se rompeu como uma abóbora podre, e o motor explodiu. As imagens do portal norte eram ainda piores. Hazel viu Leo inconsciente — ou morto — caindo através das nuvens. Ela viu Frank cambaleando sozinho por um túnel escuro, segurando o braço, com a camisa encharcada de sangue. E viu-se em uma vasta caverna repleta de fios de luz, como uma teia luminosa. Ela lutava para avançar enquanto, ao longe, Percy e Annabeth estavam deitados e imóveis ao pé de duas portas de metal preto e prata. — Escolhas — disse Hécate. — Você está em uma encruzilhada, Hazel Levesque. E eu sou a deusa das encruzilhadas. O chão sob os pés de Hazel tremeu. Ela olhou para baixo e viu o reflexo de moedas de prata… milhares de antigos denários romanos irrompendo na superfície ao seu redor, como se toda a colina estivesse fervilhando. Ela estava tão agitada por conta das visões nos portais que devia ter invocado toda a prata dos campos ao redor. — Neste lugar, o passado fica próximo à superfície — disse Hécate. — Nos tempos antigos, duas grandes estradas romanas se encontravam neste ponto. Notícias eram trocadas. Negócios eram realizados. Amigos se encontravam, e inimigos lutavam. Exércitos inteiros